Menu
NAS NOTÍCIAS

Scott Taylor: A oração de um apóstolo para o templo de Praia e ‘o milagre da chuva’


Scott Taylor: A oração de um apóstolo para o templo de Praia e ‘o milagre da chuva’

Logo depois de voltar da dedicação do Templo de Praia Cabo Verde, eu estava no Centro de Treinamento Missionário de Provo cobrindo o segundo dia do Seminário para Novos Líderes de Missão de 2022.

Conversando com os participantes entre as sessões do seminário de sexta-feira, 24 de junho, e mencionando minha designação anterior em Cabo Verde, ouvi as mesmas respostas: “Ah, o milagre da chuva.”

Isto me surpreendeu. Eu ouvi a oração dedicatória do templo de Praia feita por Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos, que incluiu um pedido de chuva para a nação de 10 ilhas, atingida pela seca na costa oeste da África. A seca remonta a 2017 e aumentou a insegurança alimentar em Cabo Verde.

Nenhuma notícia da imprensa mencionou a oração dedicatória de domingo, 19 de junho, nem a chuva que caiu na capital naquele dia. Até voltar para casa, eu não tinha pensado em escrever uma continuação, conectando a oração de Élder Andersen e a chuva em Cabo Verde.

Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, a irmã Kathy Andersen, cumprimentam pessoas do lado de fora do Templo de Praia Cabo Verde antes da primeira das três sessões dedicatórias no domingo, 19 de junho de 2022.

Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, a irmã Kathy Andersen, cumprimentam pessoas do lado de fora do Templo de Praia Cabo Verde antes da primeira das três sessões dedicatórias no domingo, 19 de junho de 2022.

Crédito: Scott G Winterton, Deseret News

Então, como a informação a respeito da oração e da chuva de Praia chegaram tão rapidamente a Provo, Utah, senti que estava além de mim.

Logo aprendi porque “o milagre da chuva” se tornou uma expressão comum naquele dia no CTM. A irmã Kathy Andersen, esposa de Élder Andersen, relatou a experiência durante a apresentação do seminário no dia anterior. Ela contou como Élder Andersen humildemente pediu ao Senhor, em sua oração de dedicação do templo, para abençoar as pessoas com a chuva de que precisavam desesperadamente.

Em português — a língua oficial da nação — e depois de dedicar o templo e abençoar os membros e líderes e oficiantes do templo, Élder Andersen dirigiu sua oração à República de Cabo Verde.

“Agradecemos-Vos, Pai, pelas muitas bênçãos recebidas por Cabo Verde desde que Élder Dallin H. Oaks abençoou esta terra, há quase 30 anos. Abençoamos esta terra, como Presidente Oaks fez anteriormente, para que a terra produza abundantemente para o seu povo, para que as nuvens produzam chuva, para que o oceano dê os seus frutos e abençoamos o povo desta terra para que tenham visão, energia e liberdade, luz e conhecimento, ambição e esperança, todos fortalecidos pela obediência aos Vossos mandamentos.”

Dois meninos brincam na água da chuva, acumulada na beira da estrada em Cabo Verde, na segunda-feira, 20 de junho de 2022.

Dois meninos brincam na água da chuva, acumulada na beira da estrada em Cabo Verde, na segunda-feira, 20 de junho de 2022.

Crédito: Scott G Winterton, Deseret News

Quando os Andersens saíram, após a sessão final de dedicação do templo, a chuva já estava caindo, e continuou pela manhã seguinte, disse a irmã Andersen. Foi uma resposta imediata à oração de um apóstolo, quando a região normalmente recebe menos de 1 milímetro de chuva no mês de junho.

O motorista dos Andersens em Praia chamou a chuva de “um milagre.” O presidente David J. Wunderli, da Missão Cabo Verde Praia lhes disse que nos seus dois anos de serviço em Cabo Verde, só viu chuva nos meses de agosto e setembro.

Os céticos dirão: “Claro, que choveu, estava na previsão tempo.” Mas “o milagre da chuva” teve muitas facetas.

1. “O milagre da chuva” não pode ser visto apenas naquele momento ou naquele dia. Um apóstolo do Senhor estava ponderando sobre o povo e a situação de Cabo Verde, enquanto preparava a oração dedicatória por vários meses, terminando um pouco antes da dedicação. A oração por chuva não era uma adição conveniente, de última hora, vinculada à previsão do tempo para aquele dia, mas sim um pedido bem pensado, sincero e antecipado para abençoar e sustentar o povo.

Crianças caminham na água da chuva na beira da estrada em Cabo Verde, na segunda-feira, 20 de junho de 2022.

Crianças caminham na água da chuva na beira da estrada em Cabo Verde, na segunda-feira, 20 de junho de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

2. “O milagre da chuva” veio na hora certa. A previsão do tempo para Praia em 19 de junho previa chuva em meados da manhã, o que teria dificultado, não apenas os participantes da dedicação ao longo do dia, mas a cerimônia ao ar livre de colocação da pedra angular logo após o início da primeira sessão das 9h. Além de algumas gotas esporádicas no local do templo antes das 21h, a chuva começou a cair forte após a conclusão da sessão final das 15h.

3. “O milagre da chuva” teve sua duração correta. Em vez de uma tempestade rápida e pontual, a chuva continuou durante a noite e na segunda-feira. O fotógrafo do Deseret News, Scott Winterton, e eu dirigimos pela ilha de Santiago, procurando imagens cênicas, mas em vez disso, vimos mais chuva, neblina, nuvens baixas, cabo-verdianos andando com guarda-chuvas e crianças brincando em poças. Quando saímos de Praia no dia 21 de junho, a previsão era de chuva para mais dias naquela semana.

Vista para o Porto de Praia em Cabo Verde, na madrugada de 21 de junho de 2022. A cúpula iluminada do Templo de Praia Cabo Verde é o ponto de luz mais à esquerda na imagem.

Vista para o Porto de Praia em Cabo Verde, na madrugada de 21 de junho de 2022. A cúpula iluminada do Templo de Praia Cabo Verde é o ponto de luz mais à esquerda na imagem.

Crédito: Scott Taylor

4. “O milagre da chuva” também estava em sua intensidade correta — ou falta dela. Dois dias após a dedicação, um morador local, que não é membro da Igreja, me contou sobre sua gratidão pela precipitação ser uma chuva mais suave, constante que encharcava o solo e não uma chuva torrencial. As fortes chuvas anteriores em Cabo Verde resultaram em inundações maciças, mortes e fechamentos substanciais de rodovias, devido a rochas e pedregulhos que caem das encostas das estradas.

Embora as chuvas no dia da dedicação do Templo da Praia Cabo Verde não resolvam imediatamente a seca persistente, é um começo.

Voltei de Cabo Verde tendo visto como o Senhor demonstra Sua aprovação à dedicação do templo e à oração dedicatória de um apóstolo.

Sou testemunha do “milagre da chuva”, ou melhor, “dos milagres da chuva.”

Templo de Praia Cabo Verde.

Templo de Praia Cabo Verde.

Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.