Menu
NAS NOTÍCIAS

Você teria cruzado as planícies como pioneiro? Veja como uma crise pode revelar seu caráter


À medida que o aniversário da entrada dos pioneiros no Vale do Lago Salgado, em 24 de julho de 1847, é comemorado este ano, muitas pessoas estão se lembrando dos relatos inspiradores de fé e coragem que os primeiros membros da Igreja demonstraram, ao enfrentarem imensas provações e dificuldades há 175 anos.

Élder Lynn G. Robbins, Setenta Autoridade Geral, compartilhou uma destas histórias de sua própria história familiar em seu discurso, durante o Days of '47 Sunrise Service [devocional da manhã dos Dias de 1847], realizado no Tabernáculo de Salt Lake no sábado, 23 de julho.

Ele contou sobre o espírito jovem e a coragem de sua terceira bisavó, Mary Ann Campbell Robbins, membro da companhia de Milo Andrews, que fez a viagem para o oeste aos 94 anos. Embora ela tenha morrido em Wyoming, a apenas 320 km do Vale do Lago Salgado, sua história é “uma inspiração de coragem e força para a família”, disse Élder Robbins.

Mas, ao refletir sobre as muitas histórias de dificuldades e sacrifícios que esses pioneiros enfrentaram, muitas pessoas hoje podem perguntar: “Eu teria sido um pioneiro se tivesse vivido naquela época?”

fb4988325e34a6eeedfdd1944115984ec1df08f520210813_100433_CPowell_Robbins_3668_819x1024_1.jpeg

Élder Lynn G. Robbins, Setenta Autoridade Geral de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Cerca de 20 anos atrás, Élder Robbins fez a mesma pergunta ao então Élder Henry B. Eyring, do Quórum dos Doze Apóstolos, enquanto eles viajavam, com alguns outros líderes gerais da Igreja, para a Califórnia a fim de se reunirem com 80 famílias de membros que haviam acabado de perder suas casas para os devastadores incêndios florestais.

Presidente Eyring, hoje o segundo conselheiro na Primeira Presidência, deu a Élder Robbins uma resposta perspicaz e sucinta: “Se você é valente hoje, teria sido valente naquela época. Se você é valente hoje, teria sido um dos pioneiros.”

Durante seu tempo como presidente da então Ricks College algumas décadas antes, Presidente Eyring testemunhou as consequências do colapso da barragem de Teton [em inglês], em 5 de junho de 1976, que enviou mais de 300.000 m³ de água por segundo, em um dilúvio que inundou várias comunidades localizadas abaixo da barragem.

A crise, ele explicou, foi uma época de heroísmo – e covardia. Muitos arriscaram sua vida para ajudarem os outros. Muitos conscientemente abandonaram aqueles que clamaram por sua ajuda. “Uma crise não cria o caráter de uma pessoa; ela o revela”, disse Presidente Eyring.

PXL_20220723_133116911_768x1024_1.jpeg

Élder Lynn G. Robbins, Setenta Autoridade Geral, fala durante o devocional da manhã do desfile Days of '47, realizado no Tabernáculo de Salt Lake na Praça do Templo, em Salt Lake City, em 23 de julho de 2022.

Valerie Walton, Church News

“Uma crise não cria heróis e covardes”, explicou Élder Robbins. “O heroísmo ou covardia latente já estava em seus corações, esperando para ser revelado pela crise.”

Hoje, os membros da Igreja enfrentam um tipo de crise muito diferente do que os pioneiros de 1847 enfrentaram: “Ela tem sido chamado de ‘crise de fé’, e é uma reveladora de caráter, assim como Presidente Eyring me ensinou tantos anos atrás”, disse Élder Robbins. Alguns não sobrevivem a uma crise de fé e murmuram contra a história da Igreja e os profetas. No entanto, a “esmagadora maioria enfrenta a oposição com a mesma fé que tinham nossos pioneiros.”

Como desenvolver este tipo de caráter que os ajudará a sobreviver a tal crise, com a fé dos pioneiros?

As escrituras têm muitos exemplos para se aprender, incluindo aqueles que não enfrentaram crises de fé, por exemplo, os israelitas fugindo do Egito, a esposa de Ló escapando da destruição de Sodoma e Gomorra, e Lamã e Lemuel deixando Jerusalém com seu pai, Leí.

O espírito do Days of ’47 não é um espírito de murmúrio, mas um espírito de “fé a cada passo”.

Uma semelhança que os murmurantes compartilhavam era a tendência de se fixar no passado. Os israelitas “ansiavam mais pelo Egito do que pela terra prometida. … Da mesma forma, Lamã e Lemuel ansiavam por Jerusalém.” A esposa de Ló também olhou para trás e se tornou uma estátua de sal.

É algo contra o qual o Salvador advertiu em Lucas 9:62: “E Jesus lhe disse: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.”

“Devemos avançar com os olhos fitos na glória de Deus, com fé a cada passo, como nossos ancestrais pioneiros”, disse Élder Robbins.

A família de Leí talvez proporcione o maior contraste de respostas para se enfrentar uma crise verdadeiramente formidável. Os filhos mais velhos, Lamã e Lemuel, demonstraram seu profundo caráter murmurante e rebelde, personificando Doutrina e Convênios 58:29: “Mas o que nada faz até que seja mandado e recebe um mandamento com o coração duvidoso e guarda-o com indolência, é condenado.”

PXL_20220723_132931544_1024x768_1.jpeg

Élder Lynn G. Robbins, Setenta Autoridade Geral, fala durante o devocional da manhã do desfile Days of '47, realizado no Tabernáculo de Salt Lake na Praça do Templo, em Salt Lake City, em 23 de julho de 2022.

Valerie Walton, Church News

Em contraste, Néfi aceitou corajosamente a vontade do Senhor, disse Élder Robbins. “Sua natureza fiel e valente rapidamente veio à tona quando ele enfrentou a mesma crise, com força e resiliência, e a crise fortaleceu ainda mais seu caráter. Sua resposta se tornou lendária e imortalizada nas escrituras e canções: ‘Eu irei e cumprirei as ordens do Senhor’” (“Néfi Era Valente”, Músicas para Crianças; ver 1 Néfi 3:7).

Esses irmãos enfrentaram as mesmas dificuldades, mas saíram com duas experiências totalmente opostas. Lamã e Lemuel murmuraram sobre as aflições que enfrentaram, enquanto Néfi reconheceu as bênçãos que desfrutavam.

“O que aprendemos com esses exemplos é a realidade e a verdade de que somos agentes para agir, e não para receber a ação, e podemos escolher como vemos o mundo”, disse Élder Robbins. “Podemos escolher como reagimos às dificuldades e infortúnios.”

Mesmo nos primeiros dias da Igreja, havia murmúrios. Enquanto moravam em Kirtland, Ohio, em 1837, muitos membros da Igreja, até mesmo membros do Quórum dos Doze Apóstolos, se tornaram críticos do Profeta Joseph Smith e foram apanhados em um espírito dissidente.

Élder Robbins citou Presidente David O. McKay, que ensinou que, “aqueles que reclamam e murmuram contra os líderes da Igreja, perdem a fé. Um testemunho do evangelho é baseado no Espírito. Se reclamarmos contra os servos do Senhor, os céus se ofenderão, e o Espírito se retirará, e amém para a fé daquele indivíduo. (…) Murmurar contra o sacerdócio ou a liderança das auxiliares é um dos venenos mais potentes que podem ser encontrados no lar de um santo dos últimos dias” (Improvement Era, março de 1969, p. 3).

PXL_20220723_131746527_1024x768_1.jpeg

O Coro combinado dos Institutos de Salt Lake Valley apresenta “The Star-Spangled Banner” [Hino Nacional dos Estados Unidos], após a cerimônia de apresentação da bandeira e do Juramento de Fidelidade, liderado pela Associação do Batalhão Mórmon, durante o devocional do desfile Days of '47, realizado no Tabernáculo de Salt Lake na Praça do Templo em Salt Lake City, em 23 de julho de 2022. Élder Lynn G. Robbins, Setenta Autoridade Geral, está à direita.

Valerie Walton, Church News

Élder Robbins acrescentou: “A partir dos vários relatos de êxodo e crises das escrituras, devemos aprender como é tóxico murmurar e como evitar murmurar, evitando assim a praga que é.”

O mundo está emergindo de outra grande crise, a pandemia de COVID-19. Milhões de vidas foram perdidas em todo o mundo, e outras continuam sofrendo os efeitos do vírus.

Como em outras crises, houve exemplos de heroísmo e covardia, mesmo entre os membros da Igreja. Durante 2020 e 2021, os membros da Igreja doaram mais em serviço, tempo e recursos monetários do que nunca. “Também começamos a ver um aumento nos murmúrios na Igreja a níveis talvez ainda não vistos desde os dias de Kirtland”, disse Élder Robbins.

“O espírito do Days of '47 não é um espírito de murmúrio, mas um espírito de ‘fé a cada passo’. É um símbolo daqueles que sobreviveram à crise e cujo caráter foi forjado na fornalha da aflição, aqueles de grande fé, sacrifício e perseverança até o fim. A crise foi a prova de sua fé e ajudou a polir seu caráter.”

PXL_20220723_130603196_1024x768_1.jpeg

A realeza’ do desfile Days of '47: Arielle Cline, terceira colocada; Caroline Johnson, rainha; e Anna Johnson, segunda colocada e violinista, apresentam o número musical “Amazing Grace”, durante o o devocional da manhã, realizado no Tabernáculo de Salt Lake, na Praça do Templo, em Salt Lake City, em 23 de julho de 2022.

Valerie Walton, Church News

Para enfrentar as crises do futuro, lembrem-se tanto dos exemplos pouco inspiradores de Lamã e Lemuel, dos israelitas, ou da esposa de Ló, quanto dos inspiradores de Néfi, antepassados pioneiros, e especialmente de Jesus Cristo.

“A maior crise da história do mundo ocorreu no Getsêmani e no Gólgota”, disse Élder Robbins. “Embora o caráter do Salvador tenha se manifestado em todos os dias de Seu ministério mortal, foi majestosamente revelado por meio daquela crise em Suas horas finais. Somos todos eternamente gratos que o Salvador e Redentor do mundo não recuou de beber o cálice amargo, nem evitou a luta, quando toda a eternidade estava em jogo.”

O Salt Lake Pioneer Chapter of the Sons of Utah Pioneers [Comitê dos Filhos dos Pioneiros de Utah em Salt Lake], em parceria com a Sociedade Nacional dos Pioneiros dos Filhos de Utah, e o Comitê do desfile Days of '47 patrocinaram o devocional anual. A música foi fornecida pelo Coro Combinado dos Institutos de Salt Lake Valley, com Rick Decker e Trina Garlick regendo, Linda Margetts ao órgão e Evan Mendez ao piano; a realeza do desfile Days of ’47: a rainha Caroline Johnson, a segunda colocada e violinista Anna Johnson, e a terceira colocada Arielle Cline, também apresentaram um número musical. A Associação do Batalhão Mórmon, liderada por Kevin Henson, conduziu a apresentação da bandeira e o Juramento de Fidelidade.