Menu
NAS NOTÍCIAS

Pioneiros em todas as terras: Sri Anon, da Indonésia, é grata por ‘inúmeras bênçãos’ do evangelho

Sri Anon foi batizada em 1973, três anos após o reconhecimento oficial da Igreja no país

Sri Anon sorri em uma foto na capela em Bogor, Ala Bogor 2, Estaca Jacarta Indonésia, no domingo, 4 de julho de 2022.

Sri Anon sorri em uma foto na capela em Bogor, Ala Bogor 2, Estaca Jacarta Indonésia, no domingo, 4 de julho de 2022.

Fornecida por Sri Anon


Nota do editor: O mês de julho de 2022 marcou o 175º aniversário da chegada da primeira companhia de pioneiros ao Vale do Lago Salgado em julho de 1847, após santos dos últimos dias terem sido expulsos por turbas da região de Nauvoo, Illinois, no ano anterior. O Church News está homenageando os feitos dos pioneiros que cruzaram as planícies há 175 anos, bem como os dos santos dos últimos dias pioneiros de diversas épocas em todos os continentes. Hoje, Sri Anon da Indonésia.

Quando jovem na Indonésia, a paixão de Sri Anon era aprender inglês, mas seu pai queria que ela frequentasse a faculdade de Farmácia.

Este desejo de aprender inglês levou Sri Anon que, como muitos indonésios só usa nomes próprios, para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias apenas alguns anos após a chegada dos missionários ao país. Hoje com 79 anos de idade, ela viu a Igreja crescer em seu país natal, traduziu muitos materiais da Igreja e registra esta história como parte de sua atual designação como consultora de história da Igreja na Indonésia.

Encontrar o evangelho

Após se formar em Farmácia, ela trabalhou em uma drogaria e estudou em uma escola de língua inglesa por dois anos. Quando a escola fechou, um amigo sugeriu que Sri Anon frequentasse uma nova aula de inglês, a qual era ministrada por falantes nativos. Os instrutores eram missionários americanos de A Igreja de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. 

“Os missionários tiveram sucesso, e havia mais de 100 alunos inscritos na classe”, disse Sri Anon, que também fala suas línguas nativas: o javanês e o indonésio. E ela gostava de aprender durante as aulas. 


A IGREJA NA ÁSIA

Membros: 1.259.094

Templos: 8

Missões: 45

Alas e ramos: 2.110

Estacas: 199



A IGREJA NA INDONÉSIA

Membros: 7,564

Missões: 1

Alas e ramos: 24

Estacas: 2

O evangelho chegou à Ásia em 1849, através de folhetos de Orson Hyde e a pregação de marinheiros santos dos últimos dias. Missionários chegaram a vários países diferentes na década de 1850, mas a Igreja não teve

uma presença duradoura lá até 100 anos mais tarde. Na Indonésia, seis missionários chegaram em janeiro de 1970. Eles organizaram uma congregação em fevereiro e seus primeiros batismos foram em março. A Igreja foi oficialmente reconhecida na Indonésia em 1970.

Fontes: newsroom.ChurchofJesusChrist.org e history.ChurchofJesusChrist.org [em inglês]

Na época, ela também estava buscando respostas para questões religiosas. 

Sri Anon foi criada em Solo, uma cidade também chamada de Surakarta, na província de Java Central, em uma feliz família muçulmana. Na faculdade de Farmácia, ela morou em uma república estudantil com uma colega de quarto cristã chamada Rohana. 

Um dia, Rohana levou Sri Anon a uma livraria cristã, onde ela viu uma estátua de Jesus Cristo crucificado. 

“Senti que Seus olhos olhavam diretamente para mim e aquilo tocou meu coração”, disse Sri Anon. 

Foi então por volta dessa época que perdeu sua mukena, a roupa usada pelos muçulmanos quando oram. Não levou muito tempo até que ela começasse a frequentar a igreja todos os domingos com Rohana. Quando se formou, retornou para casa e começou a trabalhar em uma drogaria, ao mesmo tempo que começou a procurar uma igreja para frequentar. 

“Eu pensei: sou muçulmana, mas não oro mais. Sou cristã, mas não sou batizada. Quando eu morrer, para onde devo ir?”, disse. Ela também tinha outras perguntas e começou a frequentar uma igreja cristã local, mas não ficou satisfeita com as respostas do reverendo. 

Quando finalmente começou a frequentar as aulas de inglês dos missionários, eles a convidaram para frequentar a Escola Dominical, e ela foi. Ela tinha perguntas, tais como por que não havia um prato de coleta como em outras igrejas cristãs que tinha conhecido. Os missionários lhe falaram sobre o dízimo e a convidaram a aprender mais a respeito do evangelho. 

“Enquanto eles me ensinavam sobre o plano de salvação, senti que havia encontrado a resposta para minha pergunta”, disse Sri Anon. “Eu tive a certeza de que [a Igreja] era verdadeira.”

Ela tinha 30 anos quando foi batizada, no dia 22 de fevereiro de 1973, por élder Warren Harper, de Idaho, e confirmada por élder David Koch, de Utah, menos de três anos após a Igreja receber reconhecimento oficial no país. 

Sri Anon, sentada na segunda fileira e vista aqui por volta de 1973-1974, foi batizada em 1973. Seu primeiro chamado na Igreja foi como professora da Primária.

Sri Anon, sentada na segunda fileira e vista aqui por volta de 1973-1974, foi batizada em 1973. Seu primeiro chamado na Igreja foi como professora da Primária.

Fornecida por Sri Anon

Na época, cerca de 20 membros se reuniam no Grupo Solo, em uma residência grande, para realizar as aulas da Escola Dominical e a reunião sacramental. Em outubro, o grupo havia crescido para cerca de 100 pessoas e se tornou um ramo, disse Sri Anon. Agora, existem várias alas no local. 

Seu primeiro chamado foi de professora da Primária no Grupo Solo. Mais tarde, ela serviu como presidente da Primária do ramo, presidente da Primária do distrito e professora da classe dos jovens na Escola Dominical. Sri Anon também foi oficiante no Templo de Hong Kong e deu aulas no Instituto. 

Pouco depois de seu batismo, a drogaria na qual trabalhava foi vendida, e ela começou a procurar um novo emprego. Alguns meses depois, ela viu um anúncio do centro de distribuição da Igreja em Bandung, província de Java Ocidental, para tradutores de meio período. Era um cargo que podia ser exercido remotamente. Ela se inscreveu e foi contratada como integrante do primeiro grupo de tradutores da província de Java Central. Sandra e Irma, as outras duas tradutoras, que eram de Semarang, a capital da província de Java Central, revisariam as traduções de Sri Anon. 

Sua primeira designação foi traduzir o manual da noite familiar, disse ela. 

“Talvez o missionário [o líder do Grupo Solo] tenha me dado esses chamados porque naquela época os manuais e os livros didáticos, até mesmo o Livro de Mórmon, não haviam sido traduzidos ainda para o idioma indonésio”, disse ela. “Por isso, quando ensinava a classe dos jovens, eu traduzia o livro didático e designava os alunos para se revezarem no ensino das aulas. Meu propósito era educá-los na autoconfiança e em como ensinar e aprender melhor o evangelho.”

Ela traduziu muitas músicas para crianças para o indonésio, especialmente para as apresentações da Primária, e também ajudou com as canções para a primeira edição de Músicas para Crianças, e cerca de 90 hinos para a quarta edição do hinário indonésio. E desde 2017, ela tem trabalhado com um grupo que está traduzindo mais hinos. 

Sri Anon, à esquerda, e Sandra, à direita, foram duas das três primeiras tradutoras contratadas pela Igreja na Indonésia, na década de 1970. Elas são vistas aqui do lado de fora do alojamento do Templo de Hong Kong, durante uma viagem ao templo em 2010.

Sri Anon, à esquerda, e Sandra, à direita, foram duas das três primeiras tradutoras contratadas pela Igreja na Indonésia, na década de 1970. Elas são vistas aqui do lado de fora do alojamento do Templo de Hong Kong, durante uma viagem ao templo em 2010.

Hendra Purnawan

Mais tarde, Sri Anon conseguiu um emprego de tempo integral em uma empresa de engenharia que estava à procura de uma datilógrafa que soubesse inglês, e ela continuou com seu trabalho de tradução. Ela se casou em 1979, e o trabalho de seu esposo os levou para Jacarta. Seu falecido marido, Koko Bintarko, foi o primeiro presidente do Ramo Jarkarta Ray, que foi criado com a divisão do Ramo Jarkarta no início dos anos 80. 

Em Jacarta, ela conheceu um membro da Igreja que era vice-presidente de uma companhia petrolífera canadense, a Asamera Oil, que estava procurando uma secretária. Ela se aposentou após trabalhar nesta empresa por quase 19 anos e tendo servido também como missionária sênior.  

“Tenho um testemunho de que o Senhor tem um plano maravilhoso e me proporcionou inúmeras bênçãos”, disse ela. Depois, Sri Anon mencionou que tem visto como “o Senhor está sempre cuidando de mim”. 

A Igreja na Indonésia

O primeiro indonésio a ser batizado no país foi Sustrisno, no dia 1º de junho de 1969. Ele conheceu alguns santos dos últimos dias que moravam na Indonésia em 1957 e morou com uma das famílias por três anos.

O então Élder Ezra Taft Benson, do Quórum dos Doze Apóstolos, e Élder Bruce R. McConkie, na época membro do Quórum dos Setenta, visitaram o país, e Élder Benson proferiu uma oração pela terra e povo da Indonésia em outubro de 1969.

Da esquerda para a direita, Dennis Lyn Phillips, Sri Anon, Jill Thompson Andersen, Wayne Dell Crosby e Erwin M. Dumalang, este atualmente presidente da Estaca Jarkata Indoneisa, visitam o local em Mega Mendung Hill, área de Bogor em março de 2013, onde o país foi dedicado em 10 de outubro 26 de 1969, pelo então Élder Ezra Taft Benson e Élder Bruce R. McConkie.

Da esquerda para a direita, Dennis Lyn Phillips, Sri Anon, Jill Thompson Andersen, Wayne Dell Crosby e Erwin M. Dumalang, este atualmente presidente da Estaca Jarkata Indoneisa, visitam o local em Mega Mendung Hill, área de Bogor em março de 2013, onde o país foi dedicado em 10 de outubro 26 de 1969, pelo então Élder Ezra Taft Benson e Élder Bruce R. McConkie.

Fornecida por Sri Anon

Em janeiro de 1970, seis missionários da Missão Sudeste Asiático chegaram à Jacarta e foram recebidos por vários santos dos últimos dias, tanto indonésios como aqueles que tinham designações de trabalho no país. O primeiro ramo foi organizado em fevereiro, e os missionários batizaram duas pessoas em março. Em agosto, a Igreja recebeu o reconhecimento oficial da República da Indonésia.

Presidente Russell M. Nelson, durante uma visita à Jacarta como parte de sua viagem de ministério no Sudeste Asiático em novembro de 2019, disse: “Essa sequência é um testemunho da divindade do poder do sacerdócio de uma grandiosa dedicação.”

No final da década de 1970, a pedido de líderes governamentais, os missionários estrangeiros teriam que ser substituídos por cidadãos indonésios, e o últimos missionários estrangeiros partiram em 1981 [em inglês]. Vários indonésios nativos serviram em seu país de origem, e casais missionários seniores estrangeiros começaram a servir na década de 1990. 

“Muitos rapazes e moças locais serviram missões. Temos nossos próprios missionários locais, e nossa confiança em sua capacidade está crescendo. E a Igreja continua a crescer”, disse Sri Anon sobre o crescimento da Igreja em um país onde 87,2% dos 277 milhões de habitantes [em inglês] são muçulmanos. 

Quando ela foi batizada, havia oito grupos, ou ramos. Desde o final de 2021, há mais de 7.500 membros [em inglês], duas estacas, 15 alas e 9 ramos.

Estar com líderes da Igreja

Sri Anon se lembra de duas visitas feitas por Presidente Gordon B. Hinckley: como Apóstolo em 1976, e como Presidente da Igreja, em 2000. Em 1976, devido a atrasos aéreos, ele não pôde chegar a Semarang, na província de Java Central, onde os membros estavam a sua espera. Ela pegou o trem para Jacarta, com cerca de 20 outros membros, para vê-lo na manhã seguinte. Membros os buscaram na estação de trem, os levaram para a capela, e ela o ouviu discursar. Depois do almoço, eles voltaram para casa naquela noite.

Foi depois dessas experiências espirituais que “o Ramo Solo passou a crescer muito rápido e se tornou o primeiro ramo a ser dividido em quatro”, disse ela. 

Sri Anon também viu Presidente Hinckley durante sua viagem de ministério em 2000, enquanto ela fazia seu treinamento missionário. 

“Eu participei do incrível devocional em uma grande capela, e senti uma forte influência do Espírito Santo”, disse Sri Anon. 

Ela também cantou no coral quando Presidente Nelson e Élder D. Todd Christofferson , do Quórum dos Doze Apóstolos, visitaram o país em 2019. 

“Fiquei muito feliz por ouvir o Profeta”, disse ela. 

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, a irmã Wendy Nelson, e Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, e sua esposa, a irmã Kathy Christofferson, participam de um devocional em Jacarta, Indonésia, em 21 de novembro de 2019.

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, a irmã Wendy Nelson, e Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, e sua esposa, a irmã Kathy Christofferson, participam de um devocional em Jacarta, Indonésia, em 21 de novembro de 2019.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

‘Bênçãos incontáveis’

“O Senhor me abençoa abundantemente com incontáveis bênçãos”, disse Sri Anon.

Muitas vezes, ela se perguntou como seria capaz de cumprir seus chamados, especialmente quando parece que há pessoas mais talentosas, com um inglês melhor, ou com um conhecimento superior da tecnologia. 

A resposta que ela recebeu através de um sonho foi: “Se não for você, então quem será?”

Ao refletir sobre isso, uma escritura que tem ecoado em sua mente é Jeremias 18:6: “Porventura não poderei eu próprio fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? Diz o Senhor: Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.” 

“Compreendo e sou grata que o Senhor quis fazer de mim (barro) um oleiro, ou me transformar ... em algo”, disse ela. 

Primeiros membros do grupo Solo, na Indonésia, em meados da década de 1970. Élder Brewer, na fileira de trás, era o líder do grupo.

Primeiros membros do grupo Solo, na Indonésia, em meados da década de 1970. Élder Brewer, na fileira de trás, era o líder do grupo.

Fornecida por Sri Anon

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.