Sarah Jane Weaver: Uma lenda tonganesa e como ela se aplica a Santos dos Últimos Dias hoje

No começo de novembro de 2007, 12 anos atrás, eu viajei para Tonga para cobrir a rededicação do Templo de Nuku’alofa Tonga.

Nesta terra sem restaurantes fast food, eu imediatamente me surpreendi com as paisagens verdejantes, plantações, pequenas vilas e furos do oceano de Tonga. Mais importante, eu me apaixonei pela natureza aberta das pessoas de Tonga; sempre havia espaço para visitantes na mesa tonganesa.

Os membros locais penduravam bananas fora do meu quarto porque a maioria dos mercados locais estavam fechados naquele final de semana. Parecia que todo mundo estava se preparando e celebrando a rededicação do templo. O comprometimento dos membros locais ao evangelho era uma parte profunda e integral de quem eles eram. Essa crença estava tecida em sua própria herança.

Esperando para proteger sua terra da colonização ocidental em 1839, o Rei Cristão de Tonga George Tupou I tinha orado: “Ó, Deus o Pai, eu dou a ti minha terra e meu povo e todas as gerações de pessoas que me seguirem. Eu ofereço todos eles para serem protegidos pelo céu.”

A lenda tonganesa conta que o rei, curvando-se, pegou um pouco de terra do solo e a jogou no ar como um ato simbólico de conduzir sua terra e seu povo a Deus.

O significado daquele momento foi celebrado pelo povo de Tonga através de música, dança e poesia e é falada no púlpito e nos hinos.

Não há maior símbolo daquela espiritualidade nacional hoje do que o Templo de Nuku’alofa Tonga. O então-élder Russell M. Nelson, do Quórum dos Doze Apóstolos, rededicou o templo no dia 4 de novembro, 2007. “Nós ceifamos a colheita hoje de sementes que foram semeadas pelo rei de Tonga, que deu a terra ao Senhor em primeiro lugar”, élder Nelson disse após a dedicação.

“Tudo o que fazemos, é tudo sobre o Senhor.”

O legado de Tonga é, de muitas formas, um legado compartilhado por membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Assim como o Rei Tupou deu sua terra e povo a Deus, membros emergem das águas do batismo tendo comprometido seu tempo, seus talentos e seu serviço ao Senhor.

“Tudo o que fazemos, é tudo sobre o Senhor”, disse irmã Wendy Nelson, esposa do presidente Nelson, após viajar 23.784 Km (14.779 milhas) para encontrar com 344.452 pessoas durante o ministério de nove dias em cinco nações na América Latina. “É sempre sobre onde o Senhor precisa que nós vamos. O que o Senhor precisa que nós façamos.

“Quando viajamos, eu penso na declaração do presidente (Spencer W.) Kimball que disse, ‘Eu deveria vir e ver esse país em algum momento quando eu voltar. Não é sobre ver paisagens. É sobre ver os Santos.’”

Irmã Mary Cook, participando da mesma entrevista, acrescentou, “Eu penso naquele hino, ‘Aonde mandares irei, Senhor’, e nós vamos. … Servimos de testemunhas em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares. Não há nada mais doce. E você sente segurança de que está fazendo o que o Senhor quer que você faça.”

Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos, disse que o Senhor abençoa – e unifica – os filhos que O seguem. “Estamos unidos pelo nosso amor e fé em Jesus Cristo e como irmãos e irmãs de um amoroso Pai Celestial.”

É um princípio que se aplica não apenas a Tonga, mas na vida de cada membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Como cada um de nós representa o Salvador e Sua Igreja em nossos discipulados diários, estamos simbolicamente nos curvando, pegando terra do solo, jogando-a no ar e conduzindo nossa vida a Deus.

Hoje, Tonga é a única nação no Pacífico a permanecer independente da colonização ocidental. O lema nacional do país reflete na espiritualidade da nação: “Deus e Tonga São Minha Herança.”

Foi 50 anos após a declaração do Rei George Tupou I que missionários Santos dos Últimos Dias chegaram em Tonga em 1891.

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, irmã Wendy Nelson, recebem lei em Tonga no dia 23 de maio, 2019.
Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e sua esposa, irmã Wendy Nelson, recebem lei em Tonga no dia 23 de maio, 2019. Credit: Jeffrey D. Allred

Tonga é hoje o lar de uma missão, um templo em funcionamento, 21 estacas e 65.500 membros da Igreja e ainda valoriza a liberdade religiosa. Presidente Nelson anunciou na conferência geral de abril de 2019 que um segundo templo será construído em Tonga em Neiafu.

Na terra da espiritualidade profunda – onde 60 por cento da população afirma ser membro da Igreja – mais de 10.000 Santos dos Últimos Dias receberam o presidente Nelson no seu país no dia 23 de maio.

“Nós amamos vocês”, ele falou ao povo de Tonga. “Nós sentimos falta de vocês quando estamos distantes. Vocês são preciosos para nós e para o Senhor. Ele tem sentimentos especiais por Seu povo do convênio.”

Sarah Jane Weaver é a editora do Church News.