Como as mulheres do convênio estão participando do trabalho do Senhor

Nota do editor: Esta história é parte da série do Church News intitulada “Mulheres do Convênio”, em que mulheres da Igreja discutem suas experiências pessoais com o poder do sacerdócio e compartilham o que aprenderam por seguirem o conselho do Presidente Russell M. Nelson de “trabalhar com o Espírito para compreender o poder de Deus — o poder do sacerdócio” (“Tesouros Espirituais”, Conferência Geral, outubro de 2019).

Nos últimos anos, apóstolos e profetas têm deixado claro que as mulheres do convênio em A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias podem servir com a autoridade do sacerdócio e, conforme guardam seus convênios, têm direito ao poder do sacerdócio em sua vida. Muitas de nós nos perguntamos se estamos vivendo a altura desses privilégios, ou como seria fazê-lo. Contudo, “como os lamanitas que, por causa de sua fé em mim na época de sua conversão, foram batizados com fogo e com o Espírito Santo e não o souberam” (3 Néfi 9:20), as mulheres do convênio têm agido com a autoridade e o poder do sacerdócio ao longo de nossa vida, mesmo que “não sabendo”.

Conforme tenho estudado as palavras dos líderes da Igreja, percebi que a Igreja de Jesus Cristo tem uma compreensão singular do que é o sacerdócio. Fora da Igreja, o sacerdócio é simplesmente definido como o cargo ou o chamado de um sacerdote. E um sacerdote é alguém autorizado a realizar rituais religiosos. 

Nós também podemos definir sacerdotes como aqueles autorizados a realizar rituais (ordenanças). Mas como membros da Igreja de Jesus Cristo, nossa compreensão do significado do sacerdócio é muito mais abrangente. 

Wendy Ulrich, membro da junta geral da Sociedade de Socorro.
Wendy Ulrich, membro da junta geral da Sociedade de Socorro. Credit: Cortesia de Wendy Ulrich

Em geral, o sacerdócio é a autoridade e o poder de Deus para não apenas criar, resgatar e governar o universo, mas também para capacitar outras pessoas a se unirem a Sua obra e ajudá-Lo. Nenhuma outra igreja cristã entende Deus desta maneira. Deus delega uma parte desta autoridade e deste poder abrangente do sacerdócio para homens e mulheres comuns, permitindo-nos participar de Sua obra sagrada e a oficiarmos nela. 

Às vezes usamos as palavras “poder” e “autoridade” de maneira intercambiável, mas podemos ter uma coisa sem a outra. As pessoas recebem a autoridade do sacerdócio na Igreja por ordenação, chamado ou designação daqueles que têm as chaves do sacerdócio, garantindo assim que o evangelho seja ensinado e suas ordenanças administradas com ordem e consistência. 

Além disso, homens e mulheres são autorizados, por meio de recomendações para o templo, a fazerem convênios e selamentos que trazem os cônjuges para “uma ordem de governo familiar” e à “plenitude do sacerdócio de Melquisedeque”, com autoridade para governar e ensinar sua família (Ezra Taft Benson, “O que espero que vocês ensinem a seus filhos sobre o templo”, Ensign, agosto de 1985; veja também Dallin H. Oaks, “A Autoridade do Sacerdócio na Família e na Igreja”, Liahona, novembro de 2005).

A autoridade do sacerdócio nos dá permissão para fazermos certas coisas, enquanto o poder espiritual nos dá influência duradoura na vida dos outros. Este poder celestial “não [pode] ser [controlado] nem [exercido exceto] de acordo com os princípios da retidão”, e com a companhia reveladora do Espírito Santo (Doutrina e Convênios 121:34-46). O Espírito Santo nos inspira a nos adaptarmos, de modo flexível, a mensagem uniforme do evangelho às necessidades e capacidades dos indivíduos, podendo assim confirmar a verdade espiritual à sua alma.

Quando agimos com a autoridade do sacerdócio como com o poder espiritual, temos poder no sacerdócio. 

Wendy Ulrich trabalha usando seu computador em casa.
Wendy Ulrich trabalha usando seu computador em casa. Credit: Cortesia de Wendy Ulrich

Recentemente fui lembrada pelo meu filho de uma experiência que tivemos quando ele tinha 10 ou 11 anos. Estávamos trabalhando juntos para preparar uma atividade na Igreja, e ele começou a fazer perguntas sobre como saber quando o Espírito Santo estava falando com ele. Ao fazer diversas perguntas, minhas respostas eram confusas ou muito simplistas. Fiquei um pouco empolgada tentando comunicar algo que, francamente, não pode ser compreendido apenas por meio de palavras. 

Procurando ajuda, fiz uma oração silenciosa para os céus. 

O que me ocorreu a seguir poderia facilmente ter sido um tiro pela culatra se tivesse sido apenas um estratagema. Olhei Mike nos olhos e disse: “Mike, vamos fazer uma experiência. O que estou pensando agora?” 

Ele olhou para mim, um pouco confuso. Depois curioso. Então, de repente, com certeza. Ele disse: “Você está pensando que me ama.”

Eu disse: “Isso mesmo, Mike. Amo você, e independentemente de onde esta certeza esteja dentro de você e de como você sentiu que isto é verdade, é assim que o Espírito Santo fala conosco. Se você se lembrar desta experiência, se agir de acordo com os sentimentos e ideias que vêm até você no mesmo lugar aí dentro, então você vai ficar cada vez melhor em reconhecer a verdade e a orientação espiritual em sua vida.” 

Ele acenou com a cabeça. Sem mais perguntas. 

Mike e eu não falamos sobre essa experiência novamente até que ele recentemente se baseou nela para ensinar seus próprios filhos sobre o Espírito. Mike aprendeu tantos anos atrás que o Espírito Santo poderia comunicar coisas indescritíveis à sua alma. Ele nunca se esqueceu disso e agora está usando essa mesma experiência para ensinar os outros. 

Aquilo que mulheres e homens recebem a autoridade do sacerdócio para fazer, temos o privilégio e a responsabilidade de fazer com o poder espiritual. Portanto, participamos do trabalho de Deus de passar tudo o que Ele tem para a próxima geração.

Wendy Ulrich com seu filho, Mike, e alguns de seus netos.
Wendy Ulrich com seu filho, Mike, e alguns de seus netos. Credit: Cortesia de Wendy Ulrich