Irmã Oscarson ensina estudantes da Ensign College como convênios são uma manifestação do amor de Deus

Os convênios são a evidência do amor do Pai Celestial por Seus filhos, ensinou a irmã Bonnie L. Oscarson, ex-presidente geral das Moças, em um devocional da Ensign College no dia 1º de junho. “Há poder e grandes bênçãos que surgem como resultado de estarmos entre o povo do convênio de Deus.”

Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, definiu os convênios como “acordos sagrados” nos quais “Deus Se obriga a nos suster, santificar e exaltar como recompensa por nosso comprometimento de servi-Lo e de cumprir Seus mandamentos.”

Estarmos ligados a Deus por meio de convênios é a única maneira de retornarmos a Ele e recebermos a exaltação. 

“Pensem nisso! Deus nos convida para sairmos de nossa esfera mundana e entrarmos em Sua esfera por meio de convênios”, disse a irmã Oscarson. “Somos convidados a nos unirmos a Ele e a sermos Seus parceiros na nossa salvação e na salvação de todos os Seus filhos.”

O amor está no âmago de fazermos convênios.

Quando a filha da irmã Oscarson, Emily, estava noiva, ela quis morar mais próxima de seu noivo. A irmã Oscarson e seu esposo aprovaram o plano de Emily, sob a condição de que seu noivo nunca passaria a noite em seu apartamento.

Emily e seu noivo cumpriram sua promessa, casaram-se no Templo de Dallas Texas e agora são pais de seis filhos. Desde então, Emily disse a seus pais que a promessa foi a melhor coisa que eles podiam ter feito e que foi uma grande bênção para ela e para seu noivo durante seu namoro.

Da mesma forma, o Pai Celestial enxerga os perigos da vida mortal e conhece os possíveis riscos à nossa felicidade e salvação. Ansioso pela felicidade de Seus filhos, “Ele nos pede que Lhe prometamos certas coisas que ajudarão a nos preparar para retornarmos a Ele um dia”, explicou a irmã Oscarson. 

Podemos começar a fazer convênios com Deus a partir dos oito anos de idade, durante a ordenança do batismo, demonstrando a disposição de entrarmos em Seu reino e guardarmos Seus mandamentos.

A irmã Bonnie L. Oscarson discursa para os estudantes da Ensign College durante um devocional no dia 1º de junho de 2021.
A irmã Bonnie L. Oscarson discursa para os estudantes da Ensign College durante um devocional no dia 1º de junho de 2021. Credit: Captura de tela

“Acho que é significativo que esta seja a única ordenança, com seu convênio associado, da qual somos convidados a participar e renovar a cada semana pelo resto de nossa vida por meio do sacramento”, observou a irmã Oscarson. “Porque o Pai Celestial nos ama, Ele fornece uma maneira semanal de nos lembrarmos, renovarmos e nos comprometermos novamente aos convênios que fizemos no batismo.”

A recente participação “incomum” no sacramento, causada pela pandemia, lembrou a irmã Oscarson de dar o devido valor a esta ordenança. 

Os convênios mais sagrados e importantes são feitos nos templos. “Os templos são os centros espirituais de nossa Igreja e representam, novamente, o grande amor que nosso Pai tem por nós”, disse a irmã Oscarson. “As promessas que fazemos são mais específicas, mais detalhadas e mais importantes. As promessas do Senhor são mais gloriosas e esplêndidas, e nos prometem a glória da vida eterna.”

Élder Carlos E. Asay, falecido Setenta Autoridade Geral emérito, ensinou que as ordenanças da investidura são “uma troca de amor entre Deus, nosso Pai, e nós. Sabemos que o Filho Unigênito, Jesus Cristo, ‘amou o mundo de tal maneira que deu a própria vida para que todos os que cressem pudessem tornar-se os filhos de Deus’ (D&C 34:3). Portanto, cada mandamento, cada ordenança, cada convênio, cada lei, cada ‘deverá’, cada ‘não deverá’ e cada ensinamento que recebemos de nosso Pai Celestial e Seu filho, nosso Salvador — especialmente aqueles recebidos na Casa do Senhor — é uma expressão do amor divino.”

A falecida cunhada da irmã Oscarson, que também se chamava Bonnie, certa vez compartilhou uma história de sua adolescência, quando ela e uma amiga foram convidadas a uma festa no ensino médio que “parecia que seria um tanto fora dos limites.”.

“Ambas perguntaram a seus pais se poderiam ir, e Grace (sua amiga) recebeu permissão”, recontou a irmã Oscarson. “Contudo, quando Bonnie perguntou a seus pais, eles deviam estar cientes das condições dessa festa e disseram a ela que não poderia ir. Quando Bonnie relatou isso à sua amiga, Grace começou a chorar.”

Grace disse: “Gostaria que meu pai me amasse o suficiente para me dizer não de vez em quando.”

Pais gentis e amorosos estabelecem limites e fornecerem orientações para proporcionar segurança e proteção a seus filhos, e ajudá-los a evitaram coisas que podem prejudicá-los, disse a irmã Oscarson.

“O Senhor nos ama o suficiente para dizer ‘não’”. 

“E Ele não diz apenas, ‘Não faça isso’, explicou a irmã Oscarson. “Ele também nos ajuda a sabermos o que devemos fazer.  Ele nos ama o suficiente para nos guiar, instruir e orientar.”

O templo é um lugar para recebermos instruções amorosas de um Pai preocupado. “Somos convidados a fazer compromissos e promessas de como viveremos nossa vida, quais mandamentos devemos guardar que oferecerão proteção e bênçãos e quais devem ser nosso foco e prioridades, se quisermos obter uma recompensa eterna e receber ‘tudo o que o Pai tem.’”

Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, ensinou que “todas as vezes que fazemos um convênio com o Pai Celestial, Ele nos dota [com algo]. Prometemos fazer certas coisas, dependendo da ordenança, e Ele promete dons especiais como recompensa — dons maravilhosos, indescritíveis e praticamente incompreensíveis.”

Um desses dons é a qualificação para recebermos ajuda divina. “Podemos pedir e receber a ajuda de nosso parceiro celestial porque estamos em uma parceria com Ele”, disse a irmã Oscarson.

Ela acredita que, “à medida que guardamos nossos convênios sendo obedientes e cumprindo os mandamentos, temos o direito de pedir por dons do Espírito quando precisamos. … Acredito que o Senhor deseja nos abençoar com cada dom que nos ajudará a termos sucesso nesta vida e, às vezes, precisamos buscar esses dons diligentemente de acordo com a Sua vontade.”

Guardar os convênios pode ter um efeito transformador, levando o guardador de convênios a se tornar mais como o Salvador, Jesus Cristo. “Podemos nos tornar homens e mulheres íntegros que podem mudar o mundo para melhor.”

Presidente Russell M. Nelson disse: “O maior elogio que pode ser conquistado nesta vida é o de ser conhecido como guardador de um convênio. As recompensas para o guardador de convênios serão recebidas, tanto nesta vida, quanto na vida futura. As escrituras declaram que devemos considerar ‘o estado abençoado e feliz daqueles que guardam os mandamentos de Deus. Pois eis que são abençoados em todas as coisas,… e se eles se conservarem fiéis até o fim, serão recebidos no céu … [e] habitarão com Deus em um estado de felicidade sem fim’ (Mosias 2:41).

Os convênios são um sinal do grande amor e da preocupação que nosso Pai Celestial tem por cada um de Seus filhos. Eles são individuais e pessoais, e é profundamente importante para Ele que sejam compreendidos e guardados, disse a irmã Oscarson. “Como recompensa, podemos ter a certeza de que Ele cumprirá o que nos prometeu, e essas promessas são tão magníficas, tão gloriosas e tão majestosas que nem podemos compreendê-las.”