Usando exemplo da Apollo 13, Bispo Waddell compartilha como ‘permanecermos conectados’ à única fonte da verdade

Após o grande sucesso das expedições da Apollo 11 e da Apollo 12 à Lua e de volta à Terra, a Apollo 13 foi lançada com as mesmas grandes expectativas em abril de 1970.

O lançamento correu bem, mas após dois dias na missão, e a 322 mil km de casa, a tripulação ouviu um grande estrondo. Um disjuntor não funcionou corretamente durante uma verificação de oxigênio, causando uma explosão que comprometeu o oxigênio que a tripulação precisaria para retornar para casa. 

Os astronautas só puderam amerissar com segurança no Oceano Pacífico porque mantiveram uma comunicação constante com o Controle de Voo em Houston e ao seguiram cuidadosamente todas as instruções e procedimentos.

Ao compartilhar a situação acima durante o devocional no campus da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 12 de outubro, Bispo W. Christopher Waddell comparou a missão espacial Apollo 13 com nossa jornada de volta ao Pai Celestial. 

Assim como essa famosa missão espacial, “nossa jornada tem grande potencial, podendo ser repleta de emoção, bem como acontecimentos inesperados ao longo do caminho”, explicou Bispo Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, aos estudantes.

Como filhos de Deus, fomos enviados de Sua presença com um objetivo específico — retornar para nosso lar celestial. “No processo, seríamos testados e provados. Teríamos desafios físicos, emocionais e espirituais que nos ajudariam a crescer e progredir. Receberíamos o arbítrio e o direito de escolher … mas com a advertência de que nossas escolhas têm suas consequências.”

Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021.
Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021. Credit: Nate Edwards, BYU Photo

Embora possamos não estar presos em uma pequena nave espacial, temos de lidar com nossos próprios desafios e escolhas em nossas experiências mortais, disse Bispo Waddell.

E, ao contrário da tripulação da Apollo 13, as pessoas hoje em dia têm muitas fontes de informação competindo por atenção. “Felizmente, existe uma fonte que nos guiará com segurança pela vida, fornecendo um filtro que nos permite separar fatos de ficção, e verdade de erro, nas questões de maior importância. É a fonte em que sempre podemos confiar, que nunca nos decepcionará, que sempre estará do nosso lado, e que nos amará e respeitará o suficiente para sempre nos dizer o que precisamos ouvir, e não necessariamente o que queremos ouvir.”

A chave para uma jornada mortal bem-sucedida — para retornarmos à presença de Deus — é permanecermos conectados à essa fonte, declarou Bispo Waddell.

Não há palavras suficientes para descrever o Salvador e o que Ele fez em nome de todos os filhos de Deus. “Ele é o nosso principal confidente, nosso fã/apoiador mais ávido e o exemplo perfeito para seguirmos em todas as coisas.” 

Jesus Cristo é a única fonte a quem todos devem permanecer conectados para retornarem à presença de Deus em segurança, disse Bispo Waddell.

O desafio é permanecermos conectados à fonte.

Para a tripulação da Apollo 13, os equipamentos em suas naves espaciais e o Controle de Voo lhes permitiram receber a orientação de que precisavam para retornar para casa. Para Seus filhos na Terra, “nosso Pai Celestial proporcionou uma variedade de recursos para nos ajudar em nosso empenho de permanecermos conectados ao Salvador”. Bispo Waddell explicou e destacou três recursos: as escrituras, o sacramento e os profetas.

Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021.
Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021. Credit: Nate Edwards, BYU Photo

As escrituras

Assim como a tripulação da Apollo 13 ouviu o Controle de Voo, “temos a mesma oportunidade ao estudarmos as escrituras de maneira intencional e regular, banqueteando-nos com as palavras de Cristo”, disse ele.

Em seu último discurso proferido em uma conferência geral, Presidente Monson, após 50 anos como Apóstolo do Senhor, e de todas as mensagens que ele poderia ter compartilhado, suplicou aos santos dos últimos dias que estudassem e ponderassem sobre o Livro de Mórmon diariamente.

O propósito do Livro de Mórmon é convencer todas as pessoas de que Jesus é o Cristo, o Filho Unigênito de Deus e o Salvador do mundo. O estudo diário do Livro de Mórmon ajudará os leitores a se manterem conectados a Jesus Cristo, prometeu Bispo Waddell.

“Permaneçam conectados ao Salvador por meio de seu estudo do Livro de Mórmon.”

O sacramento

A ordenança do sacramento permite que os participantes renovem convênios, sejam purificados e santificados pelo Espírito, e os ajuda a sempre se lembrarem Dele, fazendo com que seja possível permanecerem conectados a Ele, disse Bispo Waddell.

Ele então compartilhou as palavras de Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, que ensinou: “Estamos firmemente conectados ao Salvador quando recebemos dignamente as ordenanças e fazemos convênios, quando nos lembramos fielmente desses compromissos sagrados e os honramos, e quando fazemos o nosso melhor para vivermos de acordo com as obrigações que aceitamos. Esse vínculo é a fonte de força e estabilidade espirituais em todas as etapas da vida.”

Os emblemas do sacramento são um lembrete semanal de nossa dependência total da Expiação do Salvador, e da responsabilidade de guardarmos os convênios feitos com Ele. 

“É esta mesma lembrança, à medida que participamos dignamente de uma ordenança sagrada todas as semanas, que pode fortalecer nossa fé em Jesus Cristo, aprofundar nossa conversão e fazer com que seja possível guardarmos nossos convênios e mantermos nossa conexão com a fonte que nos levará de volta ao nosso lar celestial em segurança”, declarou Bispo Waddell.

“Permaneçam conectados ao Salvador por meio da ordenança do sacramento.”

Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021.
Bispo W. Christopher Waddell, primeiro conselheiro no Bispado Presidente, discursa durante o devocional semanal do campus no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 12 de outubro de 2021. Credit: Nate Edwards, BYU Photo

Profetas

Assim como o profeta Leí do Livro de Mórmon, cujos filhos consideraram suas palavras difíceis de ouvir, os profetas vivos falam em nome do Senhor, quer sejam suas palavras populares ou controversas. 

“Seu papel não é agradar o mundo de acordo com a maneira pela qual os ventos do que é ‘politicamente correto’ estão soprando … seu papel é permanecer alinhado com o que é ‘eternamente correto’, declarando a vontade do Senhor, não a do homem”, disse Bispo Waddell.

Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos, explicou o papel dos profetas quando disse: “Um profeta não se coloca entre vocês e o Salvador. Em vez disso, ele se coloca a seu lado e aponta o caminho para o Salvador. O papel mais importante do profeta do Senhor é nos ensinar a respeito do Salvador e nos conduzir a Ele.”

Ensinar e declarar a doutrina, em vez de criá-la, é como os profetas ajudam as pessoas a permanecerem conectadas à fonte da verdade, disse Bispo Waddell. 

“Algumas pessoas podem usar a desculpa do arbítrio para ignorar os conselhos dos profetas. Eu lhes sugeriria que nosso uso do arbítrio, um dom de Deus, não é para determinarmos se o profeta está certo, mas sim, para escolhermos se devemos ou não seguir o conselho do Senhor, conforme apresentado pelo profeta.”

As pessoas escolhem o Salvador quando decidem seguir o conselho daqueles a quem Ele escolheu, disse Bispo Waddell. 

Ele então convidou os ouvintes a considerarem, em espírito de oração, a melhor forma como podem permanecer conectados à única fonte verdadeira, “que tem todo o poder para nos guiar de volta ao nosso lar celestial, conforme dedicamos tempo ao estudo das escrituras, partilhamos dignamente do sacramento a cada semana, e damos ouvidos aos conselhos do ungido do Senhor.”

Bispo Waddell concluiu compartilhando “uma breve, porém essencial, verdade” — “todos nós estaremos desconectados às vezes, devido a nossas escolhas, pois nenhum de nós é perfeito. No entanto, nosso Salvador, Jesus Cristo, estará sempre ao nosso lado com um convite para nos reconectarmos. Não há nada que vocês tenham feito, ou que possam vir a fazer, que esteja além do alcance do sacrifício expiatório de Jesus Cristo e de seus braços sempre abertos para nos receber.”