Amizade crescente entre estaca santo dos últimos dias e igreja etíope em Utah

LAYTON, Utah — Uma oração para saber como criar união entre os membros de sua comunidade resultou em uma bela parceria e amizade entre diferentes igrejas.

Membros da estaca Layton Utah Creekside de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e da igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah agora se visitam com frequência, prestam serviço juntos e servem uns aos outros. Recentemente, as duas igrejas participaram de um projeto do ServirAgora [em inglês] e superaram sua meta de montar 10 mil kits de alimentos para famílias necessitadas. 

Como tudo começou

A igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah foi estabelecida em Layton há cerca de 15 anos, sem nunca receber um visitante da comunidade até que, um dia, Dan e Kris Beech apareceram.

“Tudo começou quando, em um domingo como outro qualquer, duas pessoas simpáticas entraram em nossa igreja”, disse Michael Mamo, que serve no conselho de administração da igreja St. Mary de Utah. “Nós não sabíamos quem eles eram, e eles não nos conheciam. Eles apenas entraram.”

Kris e Dan Beech com o padre Fisehatision, da igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, em Layton, Utah.
Kris e Dan Beech com o padre Fisehatision, da igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, em Layton, Utah. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Acontece que eles estavam em uma missão inspirada. O casal Beech serve no conselho de comunicação da Área de Weber para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Eles estavam orando por uma oportunidade de criar união entre outras igrejas e vizinhos ao seu redor. E sentiram que precisavam se apresentar à igreja etíope.

Kris Beech disse que, quando entraram no edifício naquele domingo, o padre ficou surpreso, mas imediatamente lhes deu as boas-vindas. “Ele perguntou: ‘Como vocês nos encontraram?’ Eu respondi: ‘O Pai Celestial nos enviou’, e ele olhou nos meus olhos e disse: ‘Deus os enviou.’”

O casal Beech agora frequenta a igreja St. Mary de Utah uma ou duas vezes por mês, e têm feito isso desde aquela primeira visita.  

“Eles foram guiados por algum tipo de espírito, o qual os levou à nossa igreja. E desde aquele dia — agora há mais de dois anos — temos sido amigos, disse Mamo.

Etiópia e Utah

Muitos membros da igreja St. Mary de Utah ainda têm família na Etiópia. Alguns imigraram para os Estados Unidos, e outros são refugiados que se estabeleceram em Utah. Todos estão preocupados com a atual violência e guerra civil no país.

“É de partir o coração para muitos de nós”, disse Mamo. “As notícias que chegam todos os dias não parecem boas. Isso não é encorajador. A guerra não está apenas matando pessoas, mas há outras vítimas que não podem voltar ao trabalho e que não podem viver a rotina diária da vida. Elas têm de paralisar sua vida, e milhares delas estão deslocadas e refugiadas em outros lugares.”

Leia mais: Missionários transferidos da Etiópia para o Quênia devido a conflitos civis

Membros da estaca Layton Utah Creekside com membros da igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, no dia 22 de agosto de 2021.
Membros da estaca Layton Utah Creekside com membros da igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, no dia 22 de agosto de 2021. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Mamo veio para os Estados Unidos para frequentar um curso de pós-graduação. Ele leciona Economia na Westminster College há 20 anos, e vai a Layton para as reuniões das manhãs de domingo. 

Ele disse que outros membros da congregação viajam muitos quilômetros de carona ou transporte público, geralmente começando sua jornada cedo na manhã de domingo para chegarem a tempo para a missa. As famílias de Utah que adotaram crianças da Etiópia também frequentam as reuniões da igreja.

“Eles viajam essa distância para adorarem e estarem com outras famílias”, disse Mamo. “Quem nos visitar verá que a maioria das pessoas que frequenta são famílias, refugiados e trabalhadores que passam a maior parte de seus dias trabalhando em mais de um emprego, alguns deles em turnos noturnos. Apesar das dificuldades para se sustentarem, eles ainda conseguem frequentar a igreja aos domingos com seus filhos.” 

Mamo disse que há uma boa chance de que mais famílias e refugiados etíopes possam acabar vindo para Utah, devido ao que está acontecendo em seu país. E ele sabe que Utah os acolherá e os ajudará, porque já viu isso acontecer no passado. Ele também vê isso na amizade que floresceu entre a igreja St. Mary de Utah e Dan e Kris Beech.

“Acho que encontramos algo em comum em termos de servir a comunidade e ajudar as pessoas necessitadas”, disse ele.

Amar, compartilhar e convidar

A estaca Layton Utah Creekside e a igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah participam de um festival juntas, no dia 22 de agosto de 2021.
A estaca Layton Utah Creekside e a igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah participam de um festival juntas, no dia 22 de agosto de 2021. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

À medida que o casal Beech compartilhava suas experiências sobre seus novos amigos na igreja etíope com outras pessoas, mais oportunidades de colaboração surgiam. A igreja St. Mary de Utah está dentro dos limites da Estaca Layton Utah Creekside, e Julia Hartvigsen, presidente da Sociedade de Socorro da estaca, queria ver como eles poderiam fortalecer seu relacionamento. Então, ela participou de sua reunião de domingo.

Hartvigsen é jamaicana, e disse que parecia que a comunidade etíope havia gostado de conhecer outra pessoa negra, em um estado no qual eles são a minoria.

“Eles foram muito gentis e acolhedores. Não entendemos nada do que eles estavam dizendo, mas sentimos o espírito e uma conexão imediatamente”, disse Hartvigsen.

Hartvigsen e suas conselheiras foram convidadas para um almoço com membros da igreja etíope. Em troca, elas convidaram as mulheres etíopes para sua Conferência de Mulheres da Sociedade de Socorro. E todas elas serviram lado a lado no projeto do Dia de Serviço de 11 de setembro por meio do ServirAgora.

Naquele dia, elas montaram 10.395 kits de alimentos para crianças em idade escolar na região de Layton levarem para casa. Hartvigsen disse que muitas crianças só podem tomar o desjejum e almoçar na escola, e precisam de mais ajuda em casa. Os alimentos que sobraram foram enviados à igreja St. Mary de Utah, e doados ao banco de alimentos da Layton High School. 

Hartvigsen disse que foi uma experiência incrível. “Se não fosse por esse projeto, eu não teria tido contato com eles e sentido seu impacto sobre nós. Sinto que somos amigos. É uma grande oportunidade de fazermos o que Presidente [Russell M.] Nelson pediu que fizéssemos: amar, compartilhar e convidar.”

Uma amizade de longo prazo

Julia Hartvigsen, presidente da Sociedade de Socorro da estaca Layton Utah Creekside, e suas conselheiras participam de um banquete com a igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, no dia 22 de agosto de 2021.
Julia Hartvigsen, presidente da Sociedade de Socorro da estaca Layton Utah Creekside, e suas conselheiras participam de um banquete com a igreja St. Mary Ethiopian Orthodox Tewahedo de Utah, no dia 22 de agosto de 2021. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

No momento, Hartvigsen está orando sobre a próxima oportunidade que ela poderá usar para interagir com os membros da igreja St. Mary de Utah, talvez com um presente ou mensagem durante a época do Natal. O casal Beech também acredita que a comunidade etíope buscará ter mais interações com eles.

“Eles são pessoas maravilhosas, que amam nosso Pai Celestial e o Salvador, e é um privilégio poder se associar e adorar com eles”, disse Dan Beech.

Mamo disse que há muitos motivos pelos quais trabalhar com os santos dos últimos dias é tão importante para sua congregação na igreja St. Mary de Utah. E ele disse que o casal Beech foi essencial em preencher essa lacuna ao entrar no edifício há dois anos.

“Não foi apenas uma visita, mas acabou se tornando uma oportunidade para colaborarmos, trabalharmos juntos com um propósito em comum, compartilharmos nossas crenças e nossos sistemas culturais, e fazermos a diferença na vida de pessoas em todos os lugares”, disse ele.