Edificar um alicerce espiritual sobre a ‘rocha de nosso Redentor’, diz presidente da BYU-Pathway

Em experiências que tiveram do Peru ao Texas e em outros momentos de sua vida, Brian K. Ashton, presidente da BYU-Pathway Worldwide, e sua esposa, a irmã Melinda Ashton, viram as bênçãos de escolherem edificar sobre o alicerce de Jesus Cristo de maneira intencional ao fazerem convênios. Eles compartilharam suas experiências com estudantes da BYU-Pathway Worldwide no devocional de abertura do semestre na terça-feira, dia 11 de janeiro. 

Eles se referiram àquilo que Presidente Russell M. Nelson disse na conferência geral de outubro de 2021: “Meus queridos irmãos e irmãs, estes são os últimos dias. Se desejamos suportar os perigos e as pressões que estão por vir, é imperativo que tenhamos um alicerce espiritual firme, edificado sobre a rocha de nosso Redentor, Jesus Cristo.” 

Presidente Ashton explicou três maneiras de edificarmos um alicerce sobre “a rocha de nosso Redentor”.

A primeira é escolhermos confiar que Deus ama Seus filhos, apenas deseja o melhor para eles, sabe o que Seus filhos querem e precisam, tem o poder de abençoar, e abençoará aqueles que guardam Seus mandamentos. 

A segunda é escolhermos nos arrepender e guardar os mandamentos. 

“Porque escolhemos confiar em Deus, abandonamos o mal e voltamos nosso coração e nossa vontade a Deus, escolhendo guardar Seus mandamentos”, disse ele. 

A terceira é escolhermos fazer e guardar convênios com o Pai Celestial e Jesus Cristo.

Irmã Melinda Earl Ashton e irmão Brian K. Ashton.
Irmã Melinda Earl Ashton e irmão Brian K. Ashton. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

A irmã Ashton compartilhou como edifica um alicerce sobre Jesus Cristo em sua vida. Quanto mais estuda e aprende sobre o caráter de Deus e a Expiação, mais fácil se torna escolher exercer fé em Jesus Cristo, pois ela reconhece “que Ele pode e fará o que diz que fará.”

Com base nessa crença, ela quer fazer e guardar convênios, pois deseja receber as promessas associadas a eles. Por meio desses convênios, ela é abençoada com poder e confiança, o que ajuda a aumentar sua capacidade de resolver problemas, guardar os mandamentos e desenvolver atributos divinos.  

“Aprendi que devemos escolher edificar nosso alicerce espiritual sobre Jesus Cristo. Trata-se de escolhermos acreditar e agir de maneira intencional, muitas vezes diante de dificuldades e incertezas”, disse ela. “Também é importante nos lembrarmos de que a chave para recebermos o poder de Deus em nossa vida de maneira constante é fazermos e guardarmos convênios.”

Assista ao vídeo de Presidente Nelson inspecionando o Templo de Salt Lake

Quando o presidente Ashton serviu uma missão para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Peru, desafios econômicos fizeram com que fosse difícil para as pessoas terem o suficiente para comer. Ele contou sobre uma mulher que compartilhou na igreja como ela saía e trabalhava durante a semana para ganhar o dinheiro necessário para comprar o alimento de cada dia, tentando reservar um pouco para os domingos. Quando não havia o suficiente para os domingos, ela orava, explicava ao Pai Celestial que havia feito o melhor que podia e pedia ajuda a Ele. Então, ela se sentava em uma cadeira na frente de sua casa e esperava.

Brian K. Ashton, novo presidente da BYU-Pathway, posa para uma foto no campus em Salt Lake City na quarta-feira, dia 13 de outubro de 2021.
Brian K. Ashton, novo presidente da BYU-Pathway, posa para uma foto no campus em Salt Lake City na quarta-feira, dia 13 de outubro de 2021. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

“Ela testificou que, inevitavelmente, alguém sempre trazia comida para ela”, disse ele. “Seus convênios lhe deram acesso à fé e à força para confiar que o Pai Celestial e Jesus Cristo proveriam suas necessidades.”

A irmã Ashton compartilhou que, quando eles estavam servindo como líderes de missão em Houston, Texas, houve uma época em que ela estava se sentindo sobrecarregada e exausta com todas as suas responsabilidades e desafios adicionais. Ela lembrou a si mesma de que sabia que Deus era um Pai Celestial amoroso e bondoso, que tinha um Salvador que havia realizado a Expiação para que ela pudesse se arrepender e pedir ajuda com as provações que enfrentava, e que havia feito convênios e estava se esforçando para guardá-los. 

Nove lições que o Sistema Educacional da Igreja aprendeu com a pandemia de COVID-19

À medida que escolheu acreditar, seus desafios não foram imediatamente resolvidos, disse ela. Ela continuou a orar e pedir ajuda, e viu como foi abençoada com força para seguir em frente. 

“Aprendi por experiência que, quando a vida é desafiadora e me sinto incerta e confusa, posso recorrer a meu Pai Celestial e ao Salvador e escolher acreditar que eles estão cientes de mim e de minhas circunstâncias e me ajudarão”, disse ela. “Testifico que, ao exercerem fé em Seu caráter e amor, vocês encontrarão força para abrir sua mente e seu coração à orientação deles.”

Presidente Ashton disse aos estudantes que, embora haja ocasiões em que as bênçãos vêm na época em que as pessoas as buscam, em outras circunstâncias, elas virão no tempo do Senhor.

“Deus nos sustentará e nos abençoará da maneira que precisamos, para que possamos nos tornar mais semelhantes a Jesus Cristo”, disse ele. “A chave para cada um de nós é fazermos convênios sagrados com Deus e guardá-los.”