Como evitar ser enganado pela banda da Babilônia, segundo Presidente Kusch

Em sua adolescência e vida adulta enquanto solteiro, presidente Bruce C. Kusch desfrutou de músicas de bandas ao vivo em bailes patrocinados pela Igreja, e foi até mesmo membro de uma banda chamada Uphill Road. O atrativo dessas bandas era sua capacidade de imitar com sucesso outras bandas originais. A Uphill Road, em especial, foi criada para copiar cada nota, acorde e harmonia do trio Peter, Paul e Mary.

Um slide exibido durante o discurso do presidente Bruce C. Kusch em um devocional da Ensign College no dia 11 de janeiro de 2022 mostra uma foto, à esquerda, do presidente Kusch e seu melhor amigo no ensino médio como membros do grupo de folk music Uphill Road, bem como uma foto mais recente, à direita, da dupla com a irmã Alynda Kusch.
Um slide exibido durante o discurso do presidente Bruce C. Kusch em um devocional da Ensign College no dia 11 de janeiro de 2022 mostra uma foto, à esquerda, do presidente Kusch e seu melhor amigo no ensino médio como membros do grupo de folk music Uphill Road, bem como uma foto mais recente, à direita, da dupla com a irmã Alynda Kusch. Crédito: Captura de tela ChurchofJesusChrist.org

Mas no final das contas, as bandas não eram autênticas, e muito do que ouvimos hoje no mundo também não é, disse presidente Kusch.

Durante seu discurso no primeiro devocional do semestre de inverno [no hemisfério norte] de 2022, o presidente da Ensign College repetiu um aviso dado por Presidente Russell M. Nelson na conferência geral de outubro de 2021: “As vozes e pressões do mundo são envolventes e numerosas. Porém, muitas vozes são enganadoras, sedutoras e podem nos desviar do caminho do convênio. … Até mesmo os membros mais fiéis podem ser enganados pela batida constante das músicas da banda da Babilônia.”

Presidente Kusch e sua esposa, a irmã Alynda Kusch, discursaram para uma congregação de estudantes e professores reunidos no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022.

A mensagem de Presidente Nelson não marcou a primeira vez que os membros da Igreja foram advertidos a se manterem afastados das coisas espiritualmente prejudiciais do mundo, disse presidente Kusch. As coisas do mundo que podem nos desviar do caminho do convênio são numerosas demais para serem listadas, como disse o rei Benjamim no Livro de Mórmon (Mosias 4:29-30). Porém, Presidente Nelson nos deu orientações para neutralizá-las.

Bruce C. Kusch, presidente da Ensign College, discursa durante um devocional universitário no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022.
Bruce C. Kusch, presidente da Ensign College, discursa durante um devocional universitário no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022. Crédito: Captura de tela ChurchofJesusChrist.org

Ele disse: “Se a maioria das informações que vocês recebem vier das redes sociais ou de outras mídias, sua capacidade de ouvir os sussurros do Espírito diminuirá”, disse ele. Se não estiverem buscando o Senhor por meio da oração e do estudo do evangelho diários, vocês se tornarão vulneráveis a filosofias que podem ser interessantes, mas que não são verdadeiras.. … Nada convida mais o Espírito do que colocar Jesus Cristo no centro de sua vida.”

Em seguida, presidente Kusch compartilhou dois rótulos para os estudantes adotarem e recordarem sempre, para evitarem ser enganados pela banda da Babilônia.

O primeiro é “filho de Deus”. 

Assim como Moisés soube que era um filho de Deus quando conversou com o Senhor face a face, cada indivíduo deve obter esse mesmo conhecimento. “Depois que Moisés soube que era um filho de Deus, nenhuma das táticas de Satanás conseguiu desviá-lo de sua missão profética e de seu propósito”, disse presidente Kusch. “Caso tenham dúvidas sobre sua natureza e origem divinas, por favor, se aproximem da própria fonte da verdade e perguntem a Ele. Prometo que Deus lhes assegurará que vocês são Seus filhos.”

O segundo rótulo é “discípulo de Jesus Cristo.”

Durante sua vida, presidente Kusch aprendeu a importância vital de estar alinhado com profetas, videntes e reveladores do Senhor. “Quando estamos alinhados com eles, estamos alinhados com o Senhor”, disse ele, citando Doutrina e Convênios 1:38: “Seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo.”

Há uma diferença entre ter perguntas sobre algo que o profeta de Deus disse e questionar algo, disse presidente Kusch. “Quando questionamos algo, isso é uma expressão de dúvida. Quando temos perguntas, buscamos ter nossas perguntas respondidas com um coração sincero e real intenção.”

A Babilônia que existe hoje não é um lugar físico, mas uma representação de tudo no mundo que “busca enfraquecer nossa fé e nossa lealdade a Jesus Cristo, Seu evangelho, Sua Igreja e Seus profetas vivos”.

A irmã Alynda Kusch e o presidente Bruce C. Kusch são apresentados durante um devocional da Ensign College no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022.
A irmã Alynda Kusch e o presidente Bruce C. Kusch são apresentados durante um devocional da Ensign College no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022. Crédito: Captura de tela ChurchofJesusChrist.org

Presidente Kusch convidou os estudantes a fazerem pequenas melhorias em sua vida, ponderando as seguintes perguntas:

  1. Como estou me saindo no que diz respeito a reservar tempo para o Senhor todos os dias? Como estou fazendo isso?
  2. O que eu poderia fazer para estar mais focado em Jesus Cristo?
  3. Existe algo que eu devo deixar de fazer — que sei que deveria parar de fazer — que me permitiria ter uma medida maior do Espírito Santo em minha vida?
  4. Há algo que eu devo começar a fazer — que sei que deveria começar a fazer — que me permitiria ter uma medida maior do Espírito Santo em minha vida?

“Prometo que, se buscarem respostas a essas perguntas em espírito de oração, Deus os inspirará com clareza e iluminará sua mente, e vocês saberão por onde começar e o que fazer.”

O ritmo da música das bandas da Babilônia pode ser sedutor e tentador, disse presidente Kusch ao encerrar seu discurso. “Se seguirmos o conselho inspirado do profeta vivo do Senhor e reservarmos tempo para o Senhor em nossa vida a cada dia, veremos com clareza essas coisas pelo que elas realmente são: atos de impostores, cujo único motivo é nos desviar do caminho do convênio.”

Em uma recente reunião sacramental da Primária, a irmã Kusch aprendeu três lições importantes com as experiências compartilhadas pelas crianças que participaram do programa anual. As crianças, incluindo sua neta de 11 anos, compartilharam como orar ao Pai Celestial as havia ajudado quando ingressaram em uma nova escola, enquanto sofriam de ansiedade paralisante, quando haviam perdido um gatinho e quando jejuaram por um priminho que ia passar por uma cirurgia.

A irmã Alynda Kusch discursa durante um devocional da Ensign College realizado no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022.
A irmã Alynda Kusch discursa durante um devocional da Ensign College realizado no Assembly Hall na Praça do Templo, no dia 11 de janeiro de 2022. Crédito: Captura de tela ChurchofJesusChrist.org

A primeira lição é: “A oração, combinada com o jejum, pode ser muito poderosa.” A segunda é: “Porque o Pai Celestial nos ama, Ele nos ajudará em todas as coisas.” E a terceira é: “Quando pedimos com fé, e depois agimos de acordo com a instrução que recebemos do Senhor, somos abençoados.”

“O tema de seus discursos foi simples: ‘Sinto o amor do Pai Celestial quando Ele responde às minhas orações”, disse a irmã Kusch. “Essa é uma grande verdade do evangelho — e a oração é poderosa.”

Em seguida, ela acrescentou mais duas lições que aprendeu sobre a oração.

“A primeira é que, muitas vezes, nossas orações são respondidas de formas diferentes das que esperamos, mas como o Senhor nos conhece e nos ama, as respostas são perfeitas para nós em nossas circunstâncias.”

Há alguns anos, a irmã Kusch serviu como moderadora de uma aula de autossuficiência. Durante uma das reuniões, um membro da classe compartilhou uma experiência que teve quando sua esposa se aposentou e eles não sabiam como iriam pagar suas contas. Ele perguntou ao Pai Celestial o que deveria fazer.

A resposta foi inesperada. Em vez de ser guiado a procurar um emprego com melhor remuneração ou um grande aumento, ele foi inspirado a sair mais cedo para o trabalho para evitar o trânsito e levar um sanduíche de pasta de amendoim para o almoço. “Estas eram coisas pequenas”, disse a irmã Kusch, “mas com fé, ele as fez.” A quantia que ele poupou ao seguir essa inspiração os ajudou a complementarem sua renda.

Ele também explicou que o sanduíche de pasta de amendoim que comia todos os dias tinha um sabor doce e delicioso. “Ele acrescentou rapidamente que isso tinha sido uma surpresa, já que nunca havia conseguido suportar o gosto da pasta de amendoim antes dessa experiência”, disse ela.

“A segunda lição que aprendi veio como uma resposta a esta pergunta: ‘Você tem fé para pedir?’”

Quando ela serviu com presidente Kusch, enquanto ele presidia a Missão México Cuernavaca, de 2012 a 2015, a irmã Kusch tinha a responsabilidade de preparar centenas de refeições para os missionários. Em uma ocasião, quando estava preparando o jantar para élderes e sísteres que estavam voltando para casa, ela havia preparado a refeição como expressão de seu amor por eles e gratidão por seu serviço.

Era quase época das festas de fim de ano, e ela havia decidido fazer seu tradicional molho de Ação de Graças, utilizando uma panela elétrica, já que o fogão na casa da missão não funcionava há várias semanas. Como a hora do jantar estava se aproximando, ela foi verificar o molho. “Ao levantar a tampa, senti um cheiro de comida queimada”, disse ela. “A borda da panela estava preta e, quando provei o molho, ficou claro que não havia como servi-lo porque estava com gosto de queimado.”

Em pânico, a irmã Kusch entrou na despensa e ofereceu uma oração simples. “Pai Celestial, não sei o que fazer e não tenho nada para oferecer aos missionários.”

Este pensamento lhe veio à mente: “O Senhor partiu as águas do Mar Vermelho para os israelitas. Ele pode restaurar o molho. Peça.”

Ela se perguntou se tinha fé para pedir ao Pai Celestial que fizesse isso. Respirando fundo, ela disse: “Por favor, Pai, restaure este molho.”

A irmã Kusch deixou a despensa, caminhou de volta à cozinha e teve o sentimento de que deveria verificar o molho mais uma vez. “Levantei a tampa”, disse ela, “e mesmo com a borda preta, o molho estava com um sabor perfeito.

“Senti-me grata e maravilhada. Naquele dia, me lembrei do amor de Deus, de Seu desejo de abençoar Seus filhos e de que Ele é um Deus de milagres.”

Mas esta experiência foi uma exceção, observou ela. Na maioria das vezes, as respostas às nossas orações vêm “linha sobre linha, preceito sobre preceito” (Doutrina e Convênios 98:12).

“Encontro respostas às minhas orações nas escrituras, ao ouvir discursantes em conferências, em outras reuniões da Igreja e em devocionais. Muitas vezes, tive que esperar por respostas, sempre me lembrando de que o tempo do Pai Celestial não é o mesmo que o meu, e que preciso ser fiel por um mais algum tempo.”

A irmã Kusch encorajou os estudantes a aprenderem esta verdade: “O Pai Celestial ama quando buscamos, pedimos e depois agimos.”