Élder Cook e líderes religiosos de Nova York explicam a liberdade religiosa

A liberdade religiosa é essencial para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, tanto olhando para o passado como seguindo em frente, disse Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos.

Referindo-se à perseguição dos primeiros membros da Igreja, que foram expulsos do Missouri sob uma ordem de extermínio, Élder Cook disse que os santos dos últimos dias devem ter um sentimento muito forte pela liberdade religiosa.

A liberdade religiosa é necessária, disse ele, “para cumprir a missão de salvação que o Senhor nos deu de ir por todo o mundo.” É um motivo justo, acrescentou.

Leia mais: Comissão inter-religiosa de Nova York visita sede da Igreja e participa de avaliação da liberdade religiosa com Élder Cook

E os líderes da Igreja querem isso para todos, tanto os participantes de todas as religiões como aqueles que não professam nenhuma fé.

Esta semana, um grupo único de líderes religiosos visitou Salt Lake City, cada um falando sobre a força das pessoas que adoram a Deus trabalhando juntas. Veja abaixo o que eles disseram sobre por que a liberdade religiosa é importante:

Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, dirige um painel de líderes religiosos na Universidade Brigham Young em Provo na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, dirige um painel de líderes religiosos na Universidade Brigham Young em Provo na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Élder Quentin L. Cook, Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias:

“Meu apelo é que todas as religiões trabalhem juntas para defenderem a fé e a liberdade religiosa, de uma maneira que proteja as pessoas de diferentes religiões, bem como aquelas sem nenhuma.

“Católicos, evangélicos, judeus, muçulmanos, santos dos últimos dias e outras religiões devem fazer parte de uma coalizão de religiões que socorrem, atuam como um santuário e promulgam a liberdade religiosa em todo o mundo. Devemos não apenas proteger nossa capacidade de professar nossa própria religião, mas também proteger o direito de cada religião de administrar suas próprias doutrinas e leis.”

Reverendo A.R. Bernard, Fundador, CEO e Pastor Sênior do Centro Cultural Cristão:

Reverendo A.R. Bernard, presidente da Comissão de Líderes Religiosos e fundador, CEO e pastor sênior do Centro Cultural Cristão, se reúne com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Reverendo A.R. Bernard, presidente da Comissão de Líderes Religiosos e fundador, CEO e pastor sênior do Centro Cultural Cristão, se reúne com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

“Quando penso em liberdade religiosa, penso em liberdade, dentro de certos parâmetros, em termos de como ela impacta o bem comum da sociedade. Mas penso na capacidade de se engajar em um sistema de crenças, no ritual e nas práticas associadas a esse sistema de crenças, e no que ele traz para a sociedade. Alexis de Tocqueville, em suas observações sobre a democracia americana, ficou intrigado com o papel da religião na sociedade americana. Ele queria entender como praticamos a separação entre Igreja e Estado, apenas para descobrir que a Igreja está muito envolvida em moldar e influenciar o que acontece com o Estado e como o Estado funciona. Acredito que uma sociedade sem visão moral e sem visão de imortalidade não permite o sucesso dessa sociedade como deveria. A religião traz um consenso de valores morais para a sociedade, que é importante e necessário para a justiça e a harmonia. Portanto, acredito ser essencial para uma sociedade livre a liberdade de expressar e vivenciar isso, sem impedimentos.”

Rabino Joseph Potasnik, Rabino Sênior, vice-presidente do Conselho de Rabinos de Nova York e coapresentador de um popular programa de rádio:

Rabino Joseph Potasnik, vice-presidente da Comissão de Líderes Religiosos, rabino sênior, vice-presidente executivo do Conselho de Rabinos de Nova York e co-apresentador de um programa de rádio, conversa com o reverendo A.R. Bernard, presidente da Comissão de Líderes Religiosos e fundador, CEO e pastor sênior do Centro Cultural Cristão, durante uma reunião com outros membros da Comissão de Líderes Religiosos de Nova York no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Rabino Joseph Potasnik, vice-presidente da Comissão de Líderes Religiosos, rabino sênior, vice-presidente executivo do Conselho de Rabinos de Nova York e co-apresentador de um programa de rádio, conversa com o reverendo A.R. Bernard, presidente da Comissão de Líderes Religiosos e fundador, CEO e pastor sênior do Centro Cultural Cristão, durante uma reunião com outros membros da Comissão de Líderes Religiosos de Nova York no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

“Quero ser um praticante da minha fé sem a imposição do governo. Liberdade é diferente de democracia. A democracia é o voto da maioria, enquanto o voto da maioria pode ser para invalidar a minoria. Então a liberdade diz que você tem o direito de ser quem você quer ser. O governo pode ter uma palavra a dizer, onde há um interesse convincente, você sabe, para preservar a saúde, ou seja qual for o problema. Mas temos o direito primário de praticar nossa fé, sem que ninguém mais interfira nesta prática.

“Houve um tempo, e vemos o mesmo agora, infelizmente, novamente, em que as pessoas tinham [e têm medo] de professar sua religião. Você vê judeus que não podem usar kipá em público. Alguns tiraram a Mezuzá do batente da porta porque temem um crime de ódio. A liberdade diz que isso é inaceitável. Mas também define que se eu tenho o direito e você tem o direito, temos que protegermos um ao outro.”

Reverenda Que English, Diretora do Centro de Parcerias do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos E.U.A.:

Reverenda Que English, diretora do Centro de Parceria do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos E.U.A., fala com a imprensa durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Reverenda Que English, diretora do Centro de Parceria do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos E.U.A., fala com a imprensa durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

“É absolutamente crítico que a liberdade religiosa permaneça assim. Todos nós precisamos ser livres [para adorar] em nossas respectivas religiões. Eu não acredito que teríamos sido eficazes no que estamos fazendo, se todos fôssemos parecidos, soássemos iguais e, para ser honesta, estivéssemos todos sob um só corpo de religião. E acho que para nós, precisamos fazer tudo o que pudermos para protegermos isso. Precisamos. E respeitamos uns aos outros em suas respectivas religiões. Nós não julgamos. Não tentamos persuadir o outro a ficar do nosso lado, porque somos o lado certo. Estamos seguros. (…) Estamos seguros de quem somos e de nossa fé, e somos guiados pelas necessidades da humanidade para atendermos exatamente a isso.”

Monsenhor Kevin Sullivan, Diretor Executivo da Catholic Charities da Arquidiocese de Nova York:

Monsenhor Kevin Sullivan, diretor executivo da organização Catholic Charities da Arquidiocese de Nova York, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Monsenhor Kevin Sullivan, diretor executivo da organização Catholic Charities da Arquidiocese de Nova York, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

A liberdade religiosa é extremamente importante e toca algo profundo dentro de cada um de nós. A liberdade religiosa é diferente da liberdade para adorar. “Não temos problemas neste país em [termos de] liberdade para adorar; as pessoas podem ir a qualquer lugar, templo, igreja, mesquita, sinagoga que quiserem ir e podem adorar. Onde temos problemas neste país é como exercitamos isso, quando tentamos falar sobre alguns de nossos valores em praça pública. E então vamos ter algumas divergências. Vamos ter que ter alguma tensão. E o desafio é que está se tornando muito mais amargo. E nossa responsabilidade é, para aqueles de nós que são defensores da liberdade de religião para agir em praça pública, que temos uma grande responsabilidade. E essa grande responsabilidade é que nosso discurso é civilizado. E mesmo quando a raiva é dirigida a nós, mesmo quando há coisas muito ofensivas que são ditas sobre nós ou contra nós e elas nos deturpam, não podemos responder com a mesma moeda. Temos que ser fiéis em sermos civilizados, respeitando os outros, mesmo quando eles são diferentes de nós. E esse é o desafio que temos neste país no momento.”

Bispo Dr. Victor A. Brown, Pastor Sênior da Mt. Sinai United Christian Church, Membro do Colégio de Bispos do Conselho Mundial de Igrejas Cristãs Independentes:

Bispo Dr. Victor A. Brown, pastor sênior da Mt. Sinai United Christian Church e membro do Colégio de Bispos do Conselho Mundial de Igrejas Cristãs Independentes, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Bispo Dr. Victor A. Brown, pastor sênior da Mt. Sinai United Christian Church e membro do Colégio de Bispos do Conselho Mundial de Igrejas Cristãs Independentes, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

“Esta nação foi fundada baseada no lema ‘Em Deus nós confiamos.’ E esta nação tomou um rumo. Infelizmente, temos uma mídia irresponsável que continua a transmitir mensagens de separatismo e todos os -ismos que nos mantêm divididos. E eu acredito que é lamentável, porque temos muito em comum, independentemente de raça, credo ou cor, e há muito mais em comum do que há para nos dividir. E só precisamos de mensageiros mais confiáveis para anunciar a mensagem de que fazemos o nosso melhor quando trabalhamos em unidade.”

Rabina Diana Gerson, vice-presidente executiva associada do Conselho de Rabinos de Nova York:

A rabina Diana Gerson, vice-presidente executiva associada do Conselho de Rabinos de Nova York, se reúne com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York e a imprensa, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
A rabina Diana Gerson, vice-presidente executiva associada do Conselho de Rabinos de Nova York, se reúne com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York e a imprensa, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

A liberdade religiosa é algo que é importante em todas as religiões, para pessoas que estão em todo o espectro religioso: judeus, cristãos, muçulmanos, budistas, bahá’ís, hindus. “Liberdade religiosa significa que eles têm o direito de praticar, para que eu possa convidar pessoas para minha casa, desfrutar de comida na minha mesa e aproveitar nosso período de celebrações. E da mesma forma, para que eu possa ir para sua casa e comemorar com igualdade e alegria as suas celebrações. Esta é a prática da liberdade religiosa. E não fazemos isso apenas porque somos líderes religiosos, fazemos isso porque somos uma única família. Estamos todos conectados pelo mesmo Criador. Estamos todos conectados por nossa própria fé. E todos nós somos lados diferentes dessa beleza, que é Deus. Portanto, a prática é tão importante quanto a doutrina. Então, quando temos uma comunidade de fé e um sistema estruturado que permite que todos participemos sem infringirmos uns aos outros, alcançamos essa liberdade.”

Annette Bernard, Diretora Executiva de Assuntos Comunitários do Centro Cultural Cristão no Brooklyn:

Annette Bernard, diretora executiva de assuntos comunitários do Centro Cultural Cristão em Brooklyn, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022.
Annette Bernard, diretora executiva de assuntos comunitários do Centro Cultural Cristão em Brooklyn, responde a perguntas durante uma reunião com membros da Comissão de Líderes Religiosos da cidade de Nova York, no Edifício Memorial Joseph Smith, em Salt Lake City na quinta-feira, 16 de junho de 2022. Crédito: Kristin Murphy, Deseret News

“Precisamos ser capazes de fazermos o que achamos melhor para nós. E religiões diferentes fazem isso para pessoas diferentes. Portanto, é muito importante ser quem você é, estar fundamentado em quem você é, estar confortável na religião em que você está e falar e andar desta maneira para que você possa se sentir completo. E você pode fazer isso quando ninguém tem o direito de dizer que esta religião é melhor do que aquela. Ou eu não vou falar com essa pessoa por causa disso. É apenas a maneira como todos nós fomos criados: de forma única. Acreditamos e fazemos as coisas de uma maneira única.”