Menu
NAS NOTÍCIAS

Scott Taylor: Por que o Arizona e a Nova Zelândia estão entre meus ‘locais sagrados’

Um ‘local sagrado’ pode ser um lugar de aprendizado, oração, testemunho, espiritualidade, convênio, oração, mudança, compromisso e mais

Local de construção do Templo de Auckland Nova Zelândia, ao lado do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia em Auckland, Nova Zelândia, na segunda-feira, 17 de outubro de 2022.

Local de construção do Templo de Auckland Nova Zelândia, ao lado do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia em Auckland, Nova Zelândia, na segunda-feira, 17 de outubro de 2022.

Kristin Murphy, Deseret News


Scott Taylor: Por que o Arizona e a Nova Zelândia estão entre meus ‘locais sagrados’

Um ‘local sagrado’ pode ser um lugar de aprendizado, oração, testemunho, espiritualidade, convênio, oração, mudança, compromisso e mais

Local de construção do Templo de Auckland Nova Zelândia, ao lado do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia em Auckland, Nova Zelândia, na segunda-feira, 17 de outubro de 2022.

Local de construção do Templo de Auckland Nova Zelândia, ao lado do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia em Auckland, Nova Zelândia, na segunda-feira, 17 de outubro de 2022.

Kristin Murphy, Deseret News

Enquanto presidia a Missão Arizona Phoenix, de 2011 a 2014, e entrevistava missionários recém-chegados, eu geralmente perguntava: “Então, o que você achou quando abriu seu chamado missionário e viu que foi designado para a missão Phoenix?”

Uma resposta comum dos missionários, especialmente os do oeste dos Estados Unidos, muitas vezes era algo assim: “Eu esperava algo diferente, algo mais distante, talvez internacional, talvez uma língua estrangeira.”

Em seguida, dizia a eles que, ao final de sua missão, eu perguntaria algo semelhante e um pouco mais direto: “O que você sabe agora sobre o porquê de ter sido chamado para a Missão Arizona Phoenix?”

Em suas entrevistas de saída ao final de 18 ou 24 meses de serviço, esta segunda pergunta resultava em expressões de ternura. Com emoção e reverência, os missionários que partiam falaram sobre entender como eles precisavam se envolver na vida e no aprendizado de certas pessoas que conheceram e ensinaram, ou como eles mesmos precisavam ser ensinados e ajudados por outros durante seu serviço. Eles falaram sobre como as experiências de momentos, locais e indivíduos específicos de sua missão os influenciariam pelo resto de sua vida.

E eles frequentemente falavam sobre como a Missão Arizona Phoenix se tornou para eles um “local sagrado”.

Esta frase, “local sagrado”, veio à minha mente recentemente quando viajei à Nova Zelândia para cobrir a rededicação do Templo de Hamilton Nova Zelândia no mês passado, e para passar um dia extra em Auckland, visitando o Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, para um artigo do Church News.

Em nosso último ano em Phoenix, nosso filho Braden recebeu seu próprio chamado missionário para servir na Missão Nova Zelândia Auckland, e para receber seu treinamento no CTM de lá. Ficamos emocionados com seus e-mails semanais e relatos de suas experiências e aprendizados.

Em 2016, minha esposa e eu o acompanhamos de volta à Ilha do Norte, para sermos apresentados ao país, às pessoas, à cultura e aos costumes especiais que ele havia conhecido, enquanto revisitava indivíduos e locais que influenciaram sua vida.

Isso incluiu uma visita e uma sessão no templo de Hamilton, onde ele e outros missionários foram autorizados a comparecerem de vez em quando, durante sua missão. E incluiu um vislumbre rápido do CTM no alto de uma colina, enquanto passávamos pela State Highway [rodovia estadual] durante a visita de maio de 2016.

Scott, Cheryl e Braden Taylor no Templo de Hamilton Nova Zelândia, em maio de 2016.

Scott, Cheryl e Braden Taylor no Templo de Hamilton Nova Zelândia, em maio de 2016.

Fornecido por Scott Taylor

Anos depois, nestes últimos meses em Hamilton e Auckland, fui abençoado com uma série de vistas e lugares familiares. Fiquei emocionado por estar de volta ao templo quando Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos, rededicou a primeira casa do Senhor da Igreja no Pacífico Sul. E apreciei a chance de ir para o CTM da Nova Zelândia, quase uma década depois de Braden estar lá.

Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, faz um coração com as mãos no intervalo entre as sessões da rededicação do Templo de Hamilton Nova Zelândia em Hamilton, Nova Zelândia , no domingo, 16 de outubro de 2022.

Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, faz um coração com as mãos no intervalo entre as sessões da rededicação do Templo de Hamilton Nova Zelândia em Hamilton, Nova Zelândia , no domingo, 16 de outubro de 2022.

Kristin Murphy, Deseret News

Kristin Murphy, fotógrafa do Deseret News, e eu passamos boa parte da segunda-feira no CTM da Nova Zelândia, visitando líderes, gerentes e missionários. Durante todo o tempo que estivemos lá, senti que estava em um local sagrado para nossa família. Reconheci cenas internas e externas familiares, o prédio, a entrada, as salas de aula, as residências, o pátio e os locais de encontro. Foi minha primeira visita, mas foi como se eu já tivesse estado lá antes, devido ao nosso filho compartilhar fotos durante suas três semanas de treinamento em agosto de 2013.

Uma grande diferença entre 2013 e agora é o imponente Templo de Auckland Nova Zelândia, sendo construído bem ao lado do CTM, onde anteriormente era gramado aberto, e onde os missionários jogavam “rúgbi de toque” durante o horário de exercício e nos dias de preparação.

Andando pelos corredores e entrando nas salas com os líderes do CTM, o presidente Lindsay T. Dil e a sister Christine Dil, eu frequentemente piscava para conter as lágrimas e sufocava com um nó na garganta, ao pensar nas experiências formativas para nosso filho, bem como para para muitos outros.

Élder Pierce Rameka e élder Braden Taylor posam para uma foto no pátio do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013 em Auckland, Nova Zelândia.

Élder Pierce Rameka e élder Braden Taylor posam para uma foto no pátio do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013 em Auckland, Nova Zelândia.

Fornecida por Braden Taylor

Entrevistando a gerente de operações do CTM, Timena Gasu, me lembrei de seu longo período de serviço, mesmo antes do CTM da Nova Zelândia se mudar de Hamilton para Auckland, há mais de uma década. Expliquei o treinamento de meu filho lá e perguntei se ela se lembrava dele e de seu companheiro servindo como líderes de zona para os distritos e missionários do CTM há alguns anos.

“Acho que me lembro”, disse ela, perguntando o mês em que ele esteve no CTM. Ela caminhou até um armário cheio de pastas de folhas soltas, puxando uma pasta marcada “2013” e rapidamente folheando as páginas que listavam o élder Taylor e o élder Rameka, e os outros missionários daquela “leva” de missionários e uma foto de todos eles com os líderes do CTM.

Detalhe da foto dos élderes Taylor e Rameka na lista de novos missionários de tempo integral, designados para começarem o treinamento no Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013. A foto foi tirada dos livros de registro do CTM em 17 de outubro de 2022, no CTM de Auckland, Nova Zelândia.

Detalhe da foto dos élderes Taylor e Rameka na lista de novos missionários de tempo integral, designados para começarem o treinamento no Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013. A foto foi tirada dos livros de registro do CTM em 17 de outubro de 2022, no CTM de Auckland, Nova Zelândia.

Scott Taylor

Detalhe da foto dos élderes Taylor e Rameka na lista de novos missionários de tempo integral, designados para começarem o treinamento no Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013. A foto foi tirada dos livros de registro do CTM em 17 de outubro de 2022, no CTM de Auckland, Nova Zelândia.

Detalhe da foto dos élderes Taylor e Rameka na lista de novos missionários de tempo integral, designados para começarem o treinamento no Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, em agosto de 2013. A foto foi tirada dos livros de registro do CTM em 17 de outubro de 2022, no CTM de Auckland, Nova Zelândia.

Scott Taylor

Timena Gasu, gerente de operações do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, segura uma foto dos missionários recém-chegados ao CTM em agosto de 2013. Foto tirada em 17 de outubro de 2022, em Auckland, Nova Zelândia.

Timena Gasu, gerente de operações do Centro de Treinamento Missionário da Nova Zelândia, segura uma foto dos missionários recém-chegados ao CTM em agosto de 2013. Foto tirada em 17 de outubro de 2022, em Auckland, Nova Zelândia.

Scott Taylor

A crescente conexão com o local sagrado cauterizou minha alma.

Desde então, tenho refletido sobre os muitos locais sagrados ao longo de nossa vida, não apenas missões, templos e CTMs, mas casas e residências, locais de aprendizado e emprego, casas de adoração e investiduras. São lugares, alguns dentro de casa, desenvolvidos e construídos; outros ao ar livre, intocados e naturais, onde nossos entendimentos foram aprimorados, testemunhos fortalecidos, relacionamentos aprofundados, compromissos solidificados e convênios feitos.

São de momentos de comunicação com o divino e testemunhas do Espírito.

Então, onde estão seus locais sagrados e por que eles são especiais para você?

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.