Menu
NAS NOTÍCIAS

Sarah Jane Weaver: O que podemos aprender de positivo com o fechamento dos templos

Presidente Russell M. Nelson: ‘Os templos são a coroação da Restauração da plenitude do evangelho de Jesus Cristo’

merlin_2919182.jpeg

Uma inscrição que diz “A Casa do Senhor” é retratada no Templo de Washington D.C., de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Kensington, Maryland, na terça-feira, 19 de abril de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News


Sarah Jane Weaver: O que podemos aprender de positivo com o fechamento dos templos

Presidente Russell M. Nelson: ‘Os templos são a coroação da Restauração da plenitude do evangelho de Jesus Cristo’

merlin_2919182.jpeg

Uma inscrição que diz “A Casa do Senhor” é retratada no Templo de Washington D.C., de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Kensington, Maryland, na terça-feira, 19 de abril de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

Em novembro de 2007, Presidente Russell M. Nelson e sua esposa, a irmã Wendy Nelson, viajaram para Nuku’alofa, Tonga, onde ele rededicou o templo da Igreja na nação insular do Pacífico.

Refletindo sobre a bênção do templo [em inglês] aos membros locais da Igreja, ele explicou que cada templo “é um símbolo de nossa condição de membro da Igreja, um sinal de nossa fé na vida após a morte e um passo sagrado em direção à glória eterna para nós e nossas famílias.”

Ter um templo e depois ficar sem ele, como aconteceu com os santos dos últimos dias tonganeses de junho de 2006 até a rededicação do templo em 4 de novembro de 2007, é difícil, disse ele. “Você não pode ficar sem um templo por muito tempo, sem perder algo. Então isso faz com que tudo volte ao normal em Tonga.”

Neste fim de semana, Presidente Nelson rededicará outro templo: o Templo de Washington D.C. O templo de cerca de 15.000 m2, que fica em um terreno de 21 hectares, a apenas 16 km ao norte da Casa Branca, nos Estados Unidos, foi fechado em 2018 para que a Igreja pudesse atualizar sistemas mecânicos e elétricos, assim como acabamentos e móveis, e melhorar os jardins.

A rededicação do Templo de Washington D.C. foi adiada pela pandemia de COVID-19. Sendo o primeiro templo da Igreja a leste do rio Mississippi, o fechamento do Templo de Washington D.C., como foi o caso de Tonga, foi difícil. Os santos dos últimos dias locais imediatamente sentiram a ausência do templo.

merlin_2320336.jpeg

Multidões se reúnem em frente ao Templo de Nuku’alofa Tonga no domingo, 4 de novembro de 2007. O então Élder Russell M. Nelson, do Quórum dos Doze Apóstolos, rededicou o templo.

Arquivos do Church News

É algo que nos deixou uma lição quando a pandemia de COVID-19 acelerou ao redor do mundo, em março de 2020, e a Primeira Presidência fechou os templos em todo o mundo, em resposta às crescentes restrições relacionadas à pandemia.

“Após cuidadosa consideração e em espírito de oração, assim como o desejo de sermos cidadãos globais responsáveis, decidimos suspender todas as atividades dos templos ao redor do mundo, no final do dia 25 de março de 2020”, escreveram os líderes da Igreja em uma carta com a mesma data. “Este é um ajuste temporário e esperamos ansiosamente pelo dia de reabertura dos templos.”

Pouco mais de uma semana depois, durante a conferência geral, em 5 de abril de 2020, Presidente Nelson citou palavras de seu antecessor, Presidente Wilford Woodruff, que “previu condições como as nossas” em sua oração dedicatória do Templo de Salt Lake em 1893: “Quando Teu povo não tiver a oportunidade de entrar nesta casa santa … quando estiver oprimido e se encontrar em apuros, cercado de dificuldades … e voltar seu rosto em direção a esta Tua santa casa, e pedir a Ti libertação e auxílio para que Teu poder seja concedido em benefício dele, suplicamos a Ti que, de Tua santa habitação, olhe para ele com misericórdia … e ouça seus clamores.”

Presidente Nelson lembrou à vasta congregação que, mesmo durante os momentos “de agonia em que os templos estão fechados”, os santos dos últimos dias ainda podem recorrer aos poderes dos convênios e da investidura do templo.

Seu convite foi simples: continuem a viver de modo digno para entrarem no templo ou para se tornarem dignos de entrar no templo. “Os templos são a parte culminante da Restauração da plenitude do evangelho de Jesus Cristo”, disse ele. “Em Sua bondade e generosidade, Deus está levando as bênçãos do templo para mais perto de Seus filhos em todos os lugares.”

No mês seguinte, em maio de 2020, Presidente Nelson falou novamente sobre o fechamento dos templos em uma entrevista do Church News.

“O propósito da Igreja é trazer as bênçãos de Deus aos Seus filhos, dos dois lados do véu,” disse ele. “Assim, apenas nos nossos templos podemos receber as maiores bênçãos que Deus tem reservado para Seus filhos fiéis. Então, quão difícil foi tomar a decisão de fechar os templos? Foi dolorosa; foi extremamente preocupante.

“Perguntei a mim mesmo: ‘O que diria para o Profeta Joseph Smith? O que diria para Brigham Young, Wilford Woodruff e os outros presidentes, até o Presidente Thomas S. Monson? Vou me encontrar com eles em breve.’ Fechar os templos negaria tudo pelo qual todos aqueles irmãos se sacrificaram, mas realmente não tivemos outra alternativa.”

O fechamento de templos é temporário, enfatizou Presidente Nelson.

“Os templos abrirão novamente, cautelosa e cuidadosamente, em etapas. Embora os templos tenham sido fechados, a pesquisa e o trabalho de história da família deram um grande salto, e mais nomes estão sendo adicionados. E, notavelmente, em meio a tudo isto, as ofertas de jejum voluntárias dos nossos membros aumentaram.

“Aprendi que, mesmo em meio a nuvens de tristeza, o lado bom pode ser encontrado.”

merlin_2919188.jpeg

O Templo de Washington D.C., de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Kensington, Maryland, é retratado na terça-feira, 19 de abril de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os santos dos últimos dias em Washington, D.C., certamente passaram por um desses aspectos positivos.

A partir de abril, os membros da Igreja na área receberam seus amigos no renovado templo durante a casa aberta, a primeira vez que aqueles que não são de nossa fé puderam visitar o interior do templo, desde sua dedicação em 1974.

Enquanto a imprensa se reunia na segunda-feira, 18 de abril, para ver o templo recém-renovado, Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, respondeu a três perguntas importantes sobre o templo: O que é o templo? O que fazemos em um templo? Por que construímos templos?

“Esperamos que aquilo que aprenderão hoje, não seja apenas sobre este edifício, como foi construído e como foi renovado”, disse ele a representantes da imprensa local e nacional reunidos no centro de visitantes do templo. “Para nós, o mais importante é como nosso coração é transformado, à medida que aprendemos sobre Deus, amamos a Deus e servimos nossos irmãos e irmãs.”

É uma lição que os santos dos últimos dias vivenciaram nos últimos anos, quando os templos locais fecharam para reforma e os templos em todo o mundo fecharam por causa da pandemia.

Como Presidente Nelson lembrou aos santos dos últimos dias em Tonga há 15 anos: “Você não pode passar muito tempo sem um templo, sem perder algo.”

Por causa disso, a rededicação deste fim de semana colocará as coisas de volta onde elas pertencem em Washington, D.C.

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.