Menu
NAS NOTÍCIAS

Scott Taylor: Como o Templo de Washington D.C. tem sido um farol, objetivo e provedor de pequenas lições

Algumas experiências pessoais ao longo de meio século incluem visitas de jovens, missionários retornados e familiares, e uma queda de energia memorável

O Templo de Washington D.C. brilha ao anoitecer em Kensington, Maryland, no domingo, 14 de agosto de 2022.

O Templo de Washington D.C. brilha ao anoitecer em Kensington, Maryland, no domingo, 14 de agosto de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News


Enquanto ajudava a compilar e revisar a cobertura do Church News dos eventos deste ano que antecederam a recente rededicação do Templo de Washington D.C., fiquei emocionado ao ler as histórias e memórias sobre o templo de várias pessoas ao longo das décadas, de líderes da Igreja a visitantes não membros.

Aqui estão minhas poucas experiências do último meio século, com as lições que aprendi.

Visando o templo

No verão de 1974, quando eu tinha 15 anos, nossa família viajou do Colorado para o centro-oeste e leste dos Estados Unidos, para reuniões que meu pai teria em Maryland. Paramos em locais importantes da história dos E.U.A. e da Igreja durante várias semanas, incluindo um dia no Distrito de Columbia e uma visita ao Templo de Washington, que ainda não tinha sido dedicado.

Décadas antes de aparelhos e aplicativos de GPS, e contando com mapas de estradas que não incluíam a localização do novo templo, partimos sabendo que o local estava em Kensington, Maryland, ou perto dele, 16 km ao norte do National Mall de Washington. Procuramos por um edifício branco imponente com seis torres.

Olhando para uma rua movimentada e vendo uma estátua de aparência familiar na torre de um prédio, gritei: “Pai, acho que acabei de ver o anjo Morôni lá atrás!” Acrescentei que não achava que fosse o templo, e papai continuou dirigindo, já que havíamos viajado menos de um terço do caminho.

Descobri mais tarde o que tinha visto: a Capela Washington, no cruzamento da Columbia Road com a 16th Street, a única capela a apresentar uma estátua do Anjo Morôni.

Uma vez na Capital Beltway [Anel Viário da capital], nossa primeira visão foi uma experiência comum aos motoristas de Washington. Ao fazermos uma curva, o templo apareceu de repente, se elevando como se repousasse sobre uma nuvem verde de copas de árvores.

Nós apreciamos caminhar pelos jardins e admirar o edifício sagrado. Um paisagista se aproximou de nós, dizendo que era uma pena que não pudéssemos voltar em algumas semanas para a visitação pública do templo.

Pequenas lições aprendidas: o caminho para o templo requer esforço. Cuidado com as distrações. E você pode estar mais perto do templo do que pensa.

O Templo de Washington D.C. no dia antes de sua rededicação, em Kensington, Maryland, no sábado, 13 de agosto de 2022.

O Templo de Washington D.C. no dia antes de sua rededicação, em Kensington, Maryland, no sábado, 13 de agosto de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

Caminhando a distância

Quando adolescente, em meados da década de 1970, minha esposa, Cheryl, cresceu em Ames, Iowa, quase exatamente ano meio caminho entre os templos de Washington D.C. e Salt Lake, os dois mais próximos na época.

Para ela, fazer batismos e confirmações vicárias no templo significava distâncias de mais de 1.600 km e dois dias e uma noite de ônibus, apenas para chegar. Também significava economizar várias centenas de dólares para ajudar a pagar sua parte nas despesas da viagem ao templo.

Ela compartilhou histórias e fotos daquela caravana com nossos filhos, e agora netos, se referindo carinhosamente ao Templo de Washington D.C. como “meu templo” de sua juventude.

Para ela, os sacrifícios de tempo e viagens para chegar ao templo valeram a pena.

‘Voltando para casa’

O Templo de Washington D.C. foi um ponto central quando servi missão de tempo integral na Venezuela, de 1979 a 1981. Quando o templo foi dedicado em 1974, toda a América do Sul estava incluída no distrito do templo, então alguns dos membros com investidura que conheci na Venezuela tinham passado por aquele templo.

Mesmo depois que o Templo de São Paulo Brasil foi dedicado em 1978, sendo o primeiro templo da América do Sul, o Templo de Washington continuou sendo uma opção de viagem mais próxima para os santos dos últimos dias venezuelanos.

Concluindo meu serviço missionário, me juntei a alguns missionários que retornavam para fazer uma parada em um templo, como era permitido na época. Uma escala noturna proporcionou uma oportunidade de participarmos de uma sessão noturna no Templo de Washington D.C., nossa primeira desde que fomos ao Templo de Provo Utah, enquanto estávamos no Centro de Treinamento Missionário de Provo.

A sensação de “voltar para casa”, à casa do Senhor, veio não só quando havíamos saído de táxi de nosso hotel e estávamos chegando ao templo, como também depois, entrando e adorando no templo.

Um farol e um legado

Enquanto criávamos nossa família em Utah, Cheryl e eu pudemos levar nossos filhos duas vezes a Washington, D.C., e ao templo de lá.

Em uma viagem, vimos o templo do topo do Washington Monument [Monumento de Washington]. Também vimos um acúmulo enorme de nuvens de trovoada se aproximando e nos perguntamos como isso afetaria nossa visita ao terreno do templo naquela noite. E logo descobrimos. Enquanto dirigíamos, a tempestade atingiu e derrubou a energia elétrica em toda a área, dificultando muito a navegação pelas ruas e bairros escuros.

No entanto, quando estávamos no Anel Viário da capital e nos aproximamos de Kensington, o Templo de Washington D.C. estava inundado de luz e foi facilmente visto. Um contraste forte, mas bem-vindo, com a escuridão pela qual passamos. Com energia fornecida por geradores auxiliares para que as operações pudessem continuar, o templo bem iluminado serviu como um farol para nos ajudar a navegar até sua localização e desfrutar de uma breve visita.

Em fotos com nossos filhos durante outra visita em família, Cheryl tentou reproduzir algumas das fotos que ela havia tirado quando adolescente nas fontes, jardins e prédios.

Neste ano, realizamos diferentes fotos de família no Templo de Washington D.C. e uma parte da extensão do legado limitado de nossa família lá, para os filhos de nossos filhos, conforme nossa filha mais velha e sua família, vindo de Nova Jersey, visitaram o templo durante a casa aberta no início deste ano.

De maneira semelhante, o templo pode servir como um farol brilhante, que representa a esperança em Cristo, Sua paz prometida e segurança espiritual, quando estamos lutando com as trevas dos desafios da vida.

E o verdadeiro legado do templo para uma família pode ser encontrado e realizado nas ordenanças, convênios e selamentos que fazem parte da adoração e do trabalho no templo.

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.