Menu
NAS NOTÍCIAS

Sarah Jane Weaver: O que aprendi com Presidente Oaks sobre o ‘Homem Esquecido’

Uma pintura no escritório de Presidente Dallin H. Oaks ‘fala comigo e me lembra de coisas que preciso lembrar’, disse ele

Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro na Primeira Presidência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, posa para um retrato ao lado de ‘Forgotten Man’ [Homem Esquecido], uma pintura de Maynard Dixon, em seu escritório no Edifício de Administração da Igreja em Salt Lake City, na quarta-feira, 27 de julho de 2022.

Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro na Primeira Presidência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, posa para um retrato ao lado de ‘Forgotten Man’ [Homem Esquecido], uma pintura de Maynard Dixon, em seu escritório no Edifício de Administração da Igreja em Salt Lake City, na quarta-feira, 27 de julho de 2022.

Kristin Murphy, Deseret News


Durante seu serviço como presidente da Universidade Brigham Young, Presidente Dallin H. Oaks conheceu a notável coleção de arte de Maynard Dixon.

Agora, como primeiro conselheiro na Primeira Presidência, Presidente Oaks disse durante uma entrevista recente que uma pintura da coleção da BYU falou diretamente ao seu coração.

O título da obra é ‘Forgotten Man’ [Homem Esquecido].

A pintura retrata um homem sem sorte, sentado no meio-fio, com os pés estendidos na rua. Atrás dele, uma multidão de pessoas passa, sem prestar atenção nele.

“E mesmo assim”, explicou Presidente Oaks, “você vê o sol brilhando em sua cabeça. Seu Pai Celestial sabe que ele está lá. Ele é esquecido pela multidão que passa, mas em suas lutas, seu Pai Celestial sabe que ele está lá.”

Quando era presidente da BYU, ele pendurou o quadro original em seu escritório. Anos depois, quando ele deixou a BYU e aceitou um cargo na Suprema Corte de Utah, a universidade pediu a um aluno de mestrado que criasse uma cópia em óleo sobre tela. Foi dado a ele como um presente e ainda está pendurado em seu escritório no Edifício de Administração da Igreja.

“Estou com essa pintura há quase 40 anos e ela fala comigo e me lembra de coisas que preciso lembrar”, disse Presidente Oaks.

A pintura também fala ao meu coração. Quantas vezes por dia cada um de nós passa por um “homem esquecido”? Com que frequência os filhos de Deus passam despercebidos?

Tive a oportunidade de observar Presidente Oaks neste verão em Roma, Itália, onde ele fez um discurso na Cúpula de Liberdade Religiosa de Notre Dame.

Presidente Dallin H. Oaks, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conversa com o reitor da faculdade de Direito de Notre Dame, G. Marcus Cole, durante a Cúpula de Liberdade Religiosa de Notre Dame na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, na quarta-feira, 20 de julho de 2022.

Presidente Dallin H. Oaks, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conversa com o reitor da faculdade de Direito de Notre Dame, G. Marcus Cole, durante a Cúpula de Liberdade Religiosa de Notre Dame na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, na quarta-feira, 20 de julho de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

Muito pouco parecia passar despercebido para ele.

Além de seu discurso, ele usou seu tempo para ouvir outros palestrantes. Ele também passou algum tempo, antes e depois das sessões, conversando com os participantes. E quando lhe pediram para oferecer uma bênção sobre a comida durante um almoço, ele incluiu porções do Pai Nosso em sua bela petição celestial, um doce e poderoso reconhecimento da organização patrocinadora e seus muitos membros na sala.

Para mim, a oração refletiu a consciência constante de Presidente Oaks pelas pessoas ao seu redor, seus esforços diários para garantir que ninguém seja “esquecido” em seu caminho.

Presidente Oaks estava em Roma para falar sobre liberdade religiosa. Fiquei tocada, no entanto, que durante uma entrevista ele falou, não apenas de liberdade religiosa para pessoas de fé, mas também para pessoas sem fé.

Presidente Dallin H. Oaks, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fala durante a Cúpula de Liberdade Religiosa da Universidade de Notre Dame, realizada na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma na quarta-feira, 20 de julho de 2022.

Presidente Dallin H. Oaks, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fala durante a Cúpula de Liberdade Religiosa da Universidade de Notre Dame, realizada na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma na quarta-feira, 20 de julho de 2022.

Jeffrey D. Allred, Deseret News

“A única maneira de progredir na liberdade religiosa em todo o mundo é que as pessoas que desfrutam da liberdade religiosa pensem nas circunstâncias das pessoas que não são religiosas, que não são crentes, que ainda não viram a importância ou não podem desfrutar da liberdade religiosa no país onde vivem”, disse. “Temos que pensar sobre a liberdade religiosa de todos os filhos de Deus. E, se não o fizermos, estamos ficando aquém daquilo que nosso divino Pai Celestial espera que façamos.”

Seu sentimento era claro. Não é suficiente para alguns poucos se conectarem com a divindade. Em um mundo onde a liberdade religiosa é negada a alguns, todos devem ser capazes de sentir, como na pintura do “Homem Esquecido”, a luz do Senhor.

Presidente Oaks enfatizou novamente durante seu discurso de abertura.

De Roma, no que ele chamou de “o grande berço da fé cristã”, ele não avançou apenas uma causa singular. Ele pediu “um esforço global para defender e promover a liberdade religiosa de todos os filhos de Deus em todas as nações do mundo”.

Seu discurso foi um apelo por unidade e cooperação para o objetivo comum de liberdade religiosa para todos.

Foi dado em defesa de cada um de nós, e de cada homem esquecido.

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.