Templo de Roma Itália se torna o quinto templo a fechar em resposta ao COVID-19; atualizações sobre missionários na Coreia

A presidência da Área Europa da Igreja anunciou que o Templo de Roma Itália fechará a partir da sexta-feira, dia 6 de março, em resposta às preocupações com relação à propagação do vírus COVID-19. Será o quinto templo a ser fechado pela Igreja em resposta ao coronavírus.

A Igreja também divulgou informações atualizadas sobre os missionários na Coreia, inclusive os não-nativos retornando para casa para auto-isolamento antes de serem redesignados. A Igreja suspendeu viagens para seis países.

O Templo de Roma Itália estava programado anteriormente para fechar no dia 21 de março para sua manutenção anual e limpeza, mas a presidência da área expressou seu desejo de antecipar a data para se alinhar às diretrizes do governo italiano de fechar universidades, escolas e outros lugares de grandes reuniões para ajudar a prevenir a propagação contínua do coronavírus.

O Templo de Roma Itália reflete na janela do Centro de Visitantes do Templo de Roma de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, na segunda-feira, dia 14 de janeiro, 2019.
O Templo de Roma Itália reflete na janela do Centro de Visitantes do Templo de Roma de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, na segunda-feira, dia 14 de janeiro, 2019. Crédito: Ravell Call

Em sua declaração, publicada na quarta-feira no site Newsroom italiano, a presidência da área mencionou que o templo ainda estará disponível para um número limitado de ordenanças próprias agendadas anteriormente, que serão realizadas nas próximas semanas antes do fechamento programado originalmente.

A data em que o templo de Roma será reaberto será anunciada em outro momento, a presidência da área declarou.

O templo de Roma entrou em funcionamento em março do ano passado, após ser dedicado pelo Presidente Russell M. Nelson.

O élder Alessandro Dini Ciacci, setenta de área na Itália, disse que as reuniões da Igreja de domingo foram canceladas nos dias 8 e 15 de março. As alas terão a opção de, ou transmitir uma curta reunião sacramental ou, onde não for possível, reunirem-se em casa para estudar o evangelho.

“As palavras ‘centralizado no lar e apoiado pela Igreja’ assumiram um novo significado e estão provando ser uma bênção, pois a ausência das reuniões físicas da Igreja está equilibrada com a instrução espiritual no lar”, ele disse.

“O tempo extra que as famílias agora têm em suas mãos, enquanto as escolas estão fechadas por algumas semanas, oferece às nossas crianças e jovens uma grande oportunidade de trabalhar em suas metas espirituais, intelectuais, físicas e sociais, e também de focar na preparação para a conferência geral ao estudar os relatos da Primeira Visão, encontrar maneiras criativas de compartilhar o evangelho com outros e de seguir o convite do Presidente Nelson para ‘Ouvi-Lo’, compreendendo como cada um de nós O ouve individualmente.”

Membros, missionários e cidadãos da Itália estão “de bom humor”, élder Dini Ciacci disse, e “a vida segue basicamente da mesma forma, sem muitas interrupções”.

Outros templos fechados em resposta ao vírus são: o Templo de Taipei Taiwan, o Templo de Seul Coreia, o Templo de Fukuoka Japão e o Templo de Sapporo Japão. O Templo de Hong Kong China e o Templo de Tóquio Japão foram fechados antes da epidemia do vírus, para reconstrução.

Como mencionado em um recente artigo do Deseret News, congregações no estado de Washington também começaram a tomar medidas para prevenir a propagação da doença ao cancelar as reuniões de adoração e atividades na Igreja. Estes cancelamentos também correspondem a solicitações recentes do governo para cancelar ou adiar grandes reuniões não-essenciais.

As reuniões de adoração para membros da Igreja foram agora canceladas em 17 países, incluindo partes dos Estados Unidos.

Na Itália, cerca de 9.172 pessoas foram infectadas e 463 morreram, de acordo com um relatório da Euronews. A doença respiratória causou 25 mortes dentro dos E.U.A. e mais de 119.000 casos foram reportados por todo o mundo. Assim como no passado, a Igreja está tomando precauções necessárias para ajudar a proteger seus membros e missionários contra a propagação da epidemia.

Em um anúncio da sede da Igreja em Salt Lake City, Utah, apenas uma semana antes da declaração da presidência da Área Europa, a Igreja explicou que “a preocupação com relação ao COVID-19 (coronavírus) gerou muita atenção pública e causou uma mudança significativa em viagens, interações pessoais e nas orientações prescritas por oficiais de saúde sobre como lidar com a crescente preocupação”.

Notícias sobre missionários deixando a Coreia, viagem da Igreja

A Igreja divulgou informações atualizadas no dia 6 de março com relação aos missionários deixando a Coreia. Todos os missionários que não são nativos da Coreia sairão e retornarão para casa antes de irem para suas novas designações temporárias em seus países de origem.

O Templo de Seul Coreia.
O Templo de Seul Coreia. Crédito: Foto de Greg Hill

Os missionários deixando a Corei já ficaram em auto-isolação e evitaram contato com pessoas fora dos seus apartamentos.

Missionários em perspectiva se preparando para servir na Coreia ou vindos de lá terão suas datas iniciais adiadas ou receberão uma designação temporária.

A Coreia do Sul reportou mais 505 casos do vírus COVID-19 na sexta-feira, de acordo com um relatório publicado pela AP.

Baseando-se na recomendação dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Igreja suspendeu todos os seus negócios e viagens missionárias para a China, Hong Kong, Irã, Itália, Japão e Coreia do Sul.

Os funcionários da Igreja também são encorajados a evitar todas as viagens não-essenciais, de acordo com uma publicação no Newsroom.