A Igreja enviará muitos missionários de volta a seus países de origem e os CTMs não receberão novos missionários

Um número significativo de missionários de tempo integral que servem em países estrangeiros, provavelmente retornarão a seus países de origem, e os Centros de Treinamento Missionário no mundo todo não receberão novos missionários, anunciaram a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos na sexta-feira à tarde.

A carta de 20 de março dos líderes seniores de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias detalhou estes e outros ajustes ao serviço missionário devido às preocupações atuais com a saúde global.

Os missionários que voltarem para seus países de origem passarão por um período de autoisolamento de duas semanas. Eles poderão ser transferidos para servirem dentro de seu país de origem e, para os missionários que voltarem para os Estados Unidos ou já estiverem servindo no país, seu período de serviço poderá ser alterado.

“Levamos muito a sério a saúde e a segurança de nossos missionários e daqueles a quem eles ensinam”, declarou a carta. “Os alertas e as restrições de viagem que estão surgindo em ritmo acelerado no mundo todo apresentam desafios logísticos e de outros tipos, bastante significativos.”

A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos apresentaram os seguintes ajustes temporários:

  • “Nas próximas semanas, com base nas condições mundiais, um número significativo de missionários provavelmente precisará voltar a seus países de origem para continuar seu serviço. Isto será feito de forma sistemática, tendo em consideração a urgência das restrições de viagem, o nível de preocupação com o COVID-19 e outras considerações.
  • Os missionários que voltarem, passarão por um período de 14 dias de autoisolamento e, em seguida, poderão ser designados para servir dentro de seu país de origem, tendo em consideração as condições locais.
  • O tempo de serviço para os missionários que voltarem para os Estados Unidos, ou que já estiverem servindo no país, provavelmente será reduzido para acomodar o grande número de missionários que voltarão do mundo todo.
  • Os Centros de Treinamento Missionário do mundo todo não receberão novos missionários. O treinamento do CTM ocorrerá por meio da tecnologia e os novos missionários serão enviados para sua missão designada o mais rápido possível.”

Ajustes adicionais poderão ser necessários, à medida que os líderes da Igreja continuam a avaliar as mudanças nas condições.

“Amamos nossos missionários e oramos por eles e suas famílias”, concluiu a carta das Autoridades Gerais. “Somos gratos pelas orações contínuas e pelo apoio dos pais, entes queridos e membros da Igreja, pois fazemos todo o possível para ajudá-los a estarem seguros e bem nestes tempos desafiadores.”

Ajustes feitos em 11 de março

Em uma carta de 11 de março, a Primeira Presidência e o Quórum de Doze Apóstolos anunciaram que missionários que tinham datas marcadas para entrar nos Centros de Treinamento Missionário de Provo, em Utah, ou de Preston, na Inglaterra, deveriam ser treinados remotamente por videoconferência.

O Centro de Treinamento Missionário de Provo na quarta-feira, 26 de julho de 2017.
O Centro de Treinamento Missionário de Provo na quarta-feira, 26 de julho de 2017. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Na carta, os líderes seniores da Igreja escreveram que acreditam que o “programa de treinamento virtual temporário ajudará a preparar os missionários para o campo, minimizando os riscos relacionados ao contágio da doença.

Cada missionário receberá informações específicas sobre a duração do treinamento, os horários e outras logísticas, à medida que sua data de início se aproximar. Uma vez que os missionários concluírem o treinamento online, eles viajarão diretamente para as missões designadas.”

Eles escreveram: “Amamos nossos missionários e suas famílias e somos gratos por sua disposição de servir ao Senhor. Esperamos que eles aproveitem esta experiência singular de treinamento, a fim de se prepararem para um período maravilhoso de serviço cristão.”

Ajustes feitos em 16 de março

Em um comunicado do dia 16 de março os líderes da Igreja anunciaram que os élderes que atualmente servem em missões dentro dos Estados Unidos e do Canadá — e que concluiriam sua missão no dia 1º de setembro de 2020, ou antes — podem ser desobrigados após terem servido por 21 meses. O tempo de serviço para as sísteres que servem nos Estados Unidos e no Canadá não será impactado pelos ajustes.

Os missionários jovens com problemas de saúde e missionários seniores podem ser desobrigados do serviço e alguns missionários poderão ser temporariamente transferidos para outras missões.

Missionários observam o presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, antes de uma reunião missionária em Montevidéu, Uruguai, na quinta-feira, 25 de outubro de 2018.
Missionários observam o presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, antes de uma reunião missionária em Montevidéu, Uruguai, na quinta-feira, 25 de outubro de 2018. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

De acordo com o comunicado, os jovens missionários que precisarem trabalhar, principalmente de seus apartamentos, “continuarão ensinando usando a tecnologia, estudando as escrituras e o ‘Pregar Meu Evangelho’, fazendo o estudo do idioma, história da família, serviço comunitário online e outras atividades indicadas pelo presidente da missão”.

Além disso, “os missionários são incentivados a manter contato com as famílias frequentemente e a aproveitar as oportunidades para sair de casa para fazer exercícios e tomar ar fresco, observando as diretrizes recomendadas para o contato pessoal”.

Ajustes feitos em 17 de março

No dia seguinte, os líderes da Igreja anunciaram que os missionários não nativos que serviam nas Filipinas estavam voltando a seus países de origem.

A carta de 17 de março declarou: “Com a nova diretriz de viagem do governo das Filipinas e devido a uma interrupção geral na capacidade de realizarem seu serviço, todos os missionários que não são nativos das Filipinas estão sendo retirados de lá.

Eles voltarão a seus países de origem para novas designações temporárias. Eles começarão a desempenhá-las depois que completarem um período de 14 dias de autoisolamento em casa, como precaução.”

A evacuação dos missionários da nação das Ilhas do Pacífico — onde há centenas de milhares de membros da Igreja — estava aparentemente sendo realizada em conformidade com uma proclamação da presidência das Filipinas que orientou os missionários estrangeiros a deixarem o país imediatamente.

Missionários em Cebu, Filipinas, se reúnem para uma reunião com a presidente Jean B. Bingham, durante uma visita de ministração em fevereiro de 2020.
Missionários em Cebu, Filipinas, se reúnem para uma reunião com a presidente Jean B. Bingham, durante uma visita de ministração em fevereiro de 2020. Credit: Noel Malgaque, Área Filipinas

O Élder Brent H. Nielson, setenta autoridade geral e diretor executivo do Departamento Missionário, que também já serviu como presidente da Área Filipinas, afirmou: “Estamos decepcionados com o fato das fronteiras do mundo todo estarem fechando e que nossos missionários tenham tão pouco tempo para chegarem em suas casas.”

A boa notícia, ele acrescentou, é que, nas Filipinas, mais de 50% da força missionária é formada por filipinos e “eles não vão permitir que o trabalho seja interrompido”.

“Eles são bem treinados, conhecem o idioma e vão continuar o trabalho”, explicou ele. “Estamos ansiosos para encontrar grandes oportunidades para o trabalho missionário no mundo todo depois que a pandemia passar.”

Ajustes feitos em 18 de março

Em resposta aos novos regulamentos de viagem instituídos por diversos governos africanos, a Igreja anunciou que missionários servindo em 26 das 34 missões da África, e que não são nativos àquelas regiões, serão temporariamente removidos.

A atualização do dia 18 março dos líderes da Igreja informou que, missionários de países fora do continente africano, voltarão para casa e se auto isolarão por 14 dias antes de receberem novas designações temporárias em seu país de origem, conforme a necessidade e capacidade.

Missionários servindo em Kumasi, Gana, ouvem a conferência de estaca. Élder Neil L. Andersen e Élder Ulisses Soares viajaram pela Área África Oeste entre os dias 19 e 28 de maio de 2018.
Missionários servindo em Kumasi, Gana, ouvem a conferência de estaca. Élder Neil L. Andersen e Élder Ulisses Soares viajaram pela Área África Oeste entre os dias 19 e 28 de maio de 2018. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Missionários da África viajarão diretamente para suas novas designações em seu país de origem. Missionários que não forem capazes de voltar para casa devido a restrições de viagem, continuarão servindo em suas missões atuais.

A Igreja ainda anunciou que missionários não-nativos servindo na Missão Micronésia Guam – em outras ilhas com exceção de Guam – também retornarão a seus países de origem.