BYU-Pathway Worldwide ultrapassa o marco de 50.000 alunos e continua como um valioso recurso de ensino superior

Quando a BYU-Pathway Worldwide começou em 2009, ela oferecia um pequeno programa piloto de preparação para a universidade, coordenado pela BYU-Idaho, com apenas 50 alunos. Este ano, apenas três anos após ser lançada como uma instituição separada de ensino superior dentro do Sistema Educacional da Igreja, a BYU-Pathway Worldwide atingiu um novo marco, pois o número de matrículas de alunos para o ano ultrapassou a 50.000.

Com 33.238 alunos inscritos no programa PathwayConnect e outros 23.172 inscritos na certificação online e nos programas de graduação oferecidos pela BYU-Idaho e apoiados pela BYU-Pathway Worldwide, a matrícula de alunos em 2020 chegou a 51.583.

O alcance global da BYU-Pathway Worldwide.
O alcance global da BYU-Pathway Worldwide. Credit: Mary Archbold, Deseret News

“Cruzar a marca dos 50.000 alunos em 10 anos é um marco significativo de crescimento”, disse o presidente da BYU-Pathway Worldwide, Clark Gilbert. “Contudo, mais importante ainda, é uma evidência para os alunos de que a BYU-Pathway Worldwide está aqui para ficar e que é parte importante do Sistema Educacional da Igreja.”

Como a BYU-Pathway Worldwide está se tornando uma das oportunidades educacionais mais valiosas para missionários retornados

Com alunos em 152 países, incluindo seis — Indonésia, Birmânia/Myanmar, Paquistão, República do Congo, Singapura e Sri Lanka — nos quais o programa PathwayConnect foi expandido este ano, a BYU-Pathway Worldwide está desempenhando um papel vital na coligação de Israel, explicou o Presidente Gilbert.

Como o Presidente Russell M. Nelson disse durante a Conferência Geral de Outubro de 2020, “Quando falamos da coligação de Israel em ambos os lados do véu, referimo-nos, é claro, ao trabalho missionário e ao trabalho de templo e história da família. Também estamos nos referindo a edificar a fé e o testemunho no coração daqueles com quem moramos, trabalhamos e servimos. Sempre que fazemos algo para ajudar alguém — nos dois lados do véu — a fazer e a cumprir seus convênios com Deus, estamos ajudando a coligar Israel.”

Impacto e resultados

Raul Hidalgo, aluno da BYU-Pathway do México, caminha com sua família em frente ao templo.
Raul Hidalgo, aluno da BYU-Pathway do México, caminha com sua família em frente ao templo. Credit: BYU-Pathway Worldwide

Ao trabalhar de perto com as presidências de área da Igreja e colaborar com o Departamento de Bem-Estar e Autossuficiência, a BYU-Pathway está vendo seus resultados refletirem a coligação, tal como o Presidente Nelson a descreveu.

Os quatro resultados mais significativos que o Presidente Gilbert viu são:

  • Maior autossuficiência. Ao concluírem seus programas, os alunos têm melhores perspectivas de emprego e estão mais aptos a prover para si mesmos e sua família. 
  • Liderança. Os alunos da BYU-Pathway aprendem a liderar, ensinar, trabalhar em grupo e se responsabilizar pelos prazos. Estas habilidades aumentam as oportunidades de liderança e ajudam os indivíduos a servirem melhor uns aos outros e a edificarem a Igreja, especialmente em áreas onde ela é nova ou está crescendo rapidamente. 
  • Continuação do autodesenvolvimento dos missionários retornados. Com mais de 10% dos missionários retornados recém chegados matriculados na BYU-Pathway quando voltam para casa, o programa se baseia no dinamismo dos missionários para o crescimento pessoal e espiritual, e ajuda a continuar a impulsioná-los para frente quando retornam do campo missionário. 
  • Oportunidades missionárias. Cerca de 5% dos alunos matriculados na BYU-Pathway são não-membros, e quase um terço deles acaba se convertendo à Igreja durante o programa. Através de seu foco no aprendizado temporal e espiritual, a BYU-Pathway Worldwide oferece uma oportunidade perfeita para que as pessoas “venham e vejam” o que a Igreja tem a oferecer, e mostra o que o evangelho significa de uma forma prática e aplicada. 

Um recurso para Sião

Ao trabalhar para ser um recurso às várias áreas da Igreja e se adaptar para ajudar a atender as necessidades das pessoas e dos membros dessas áreas, a BYU-Pathway Worldwide está provando ser uma bênção para muitos, principalmente àqueles que não achavam que poderiam arcar com os custos do ensino, disse o Presidente Gilbert. 

Trabalhando com as presidências de área, a questão constante que orienta o desenvolvimento e a expansão da BYU-Pathway Worldwide é: “Como o programa pode se tornar um recurso para cada área, com base em suas necessidades?”

Como explicou Brian Ashton, vice-presidente de operações de campo da BYU-Pathway Worldwide, os gerentes de área da BYU-Pathway trabalham com as presidências de área da Igreja para garantirem que os programas da BYU-Pathway estejam ajudando a cumprirem as metas da região.

Na área da África Ocidental, por exemplo, a pedido da presidência da área, a BYU-Pathway se concentrou principalmente em “desenvolver líderes e ajudar os missionários retornados a obterem uma educação e empregos que lhes permita sustentar a família”, disse Ashton. “Com o apoio da presidência da Área África Ocidental, cerca de 40% de nossas matrículas vêm daqueles que servem em chamados de liderança em suas alas e estacas. E mais de 40% dos missionários retornados da África Ocidental se matricularam nos programas da BYU-Pathway dentro de um ano após retornarem da missão. Se as presidências de área tiverem objetivos específicos em que possamos ajudá-los a alcançarem, minha esperança é que elas entrem em contato com seu gerente de área da BYU-Pathway.”

Devido a esse foco específico da área, a maneira como a BYU-Pathway se desenvolve em um local será diferente de alguns outros, mas, em todos os casos, o foco está em se desenvolver e evoluir para se tornar um recurso que atenda às necessidades da região e da Igreja, disse o Presidente Gilbert.

A BYU-Pathway Worldwide tem visto um crescimento exponencial de matrículas ao longo dos últimos dez anos.
A BYU-Pathway Worldwide tem visto um crescimento exponencial de matrículas ao longo dos últimos dez anos. Credit: Mary Archbold, Deseret News

Élder Marcus B. Nash, Setenta Autoridade Geral e que já serviu como membro da presidência da Área África Oeste, compartilhou como a BYU-Pathway Worldwide se tornou um recurso benéfico naquela região.

“O Pathway proporciona um meio para que nosso povo adquira conhecimento, habilidade, autodisciplina e se torne autossuficiente”, disse ele. “A BYU-Pathway oferece aos nossos missionários retornados um meio de saírem do poço da pobreza, agora fortalecidos por sua experiência na missão. Conforme sua trajetória melhora, o número daqueles que optam por servir também aumenta. Isto, por sua vez, é a chave para o futuro da Igreja na África Ocidental.”

Com a volta para casa mais cedo de milhares de missionários, BYU-Pathway lhes oferece programa de bolsas de estudo

Da mesma forma, Élder S. Mark Palmer, Setenta Autoridade Geral e membro da presidência da Área África do Sul, disse: “Há uma profunda apreciação em toda a nossa área entre os membros quanto à diferença que a educação pode fazer. … Logo, quando finalmente foi aprovada a BYU-Pathway no Zimbábue em 2020 … a notícia foi recebida com muita alegria pelos membros e líderes.”

A BYU-Pathway, disse ele, provou ser um “grande construtor de pontes com governos que veem como estamos ajudando as pessoas, espiritual e temporalmente.”

Através da BYU-Pathway Worldwide, o ensino superior a um preço acessível é facilmente encontrado no mundo todo, onde quer que a Igreja esteja, e milhares de alunos que não estavam sendo servidos através de campi e universidades tradicionais estão agora sendo servidos, disse Presidente Gilbert. “O marco dos 50.000 alunos é uma prova de que estamos suprindo essas necessidades.”

Presidente Nelson disse que “o Pathway faz parte do Reino.” Faz parte da coligação de Israel — e com 50.000 alunos pelo mundo, não estamos mais no começo, disse o Presidente Gilbert. “Ele já faz parte de Sião.”