5 ‘pilares’ de fé fortificam santos dos últimos dias no Haiti em meio a conflitos contínuos

A atual agitação política no Haiti ganhou manchetes globais e agravou os desafios diários enfrentados pelos santos dos últimos dias na nação caribenha — incluindo a pobreza, o crime e, obviamente, a pandemia de COVID-19.

Jovenel Moïse, Presidente do Haiti, foi assassinado no dia 7 de julho de 2021, aumentando a instabilidade no país.

Todavia, em meio à incerteza e ao medo, os membros haitianos estão encontrando força diária, conforme cuidam uns dos outros e se apegam ao evangelho. Aproximadamente 24 mil santos dos últimos dias vivem no Haiti.

“Com a magnífica liderança de dois Sententas de Área (Élder Hubermann Bien-Aimé e Élder Jean Baptiste) e trabalhando em conselho com líderes de estaca, de missão e do templo, os santos [haitianos] estão enfrentando os desafios com cinco ‘pilares’, ou ‘focos’”, escreveu Élder Jose L. Alonso, presidente da Área Caribe e Setenta Autoridade Geral, em um e-mail para o Church News.

O primeiro pilar é permanecermos conectados uns aos outros. Não há nenhuma razão para enfrentarmos os desafios do dia a dia sozinhos.

Jovens haitianos ouvem Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, e sua esposa, a irmã Susan Bednar, discursarem durante um devocional especial para jovens no sábado, dia 31 de agosto de 2019, antes da dedicação do Templo de Porto Príncipe Haiti no domingo, dia 1º de setembro de 2019.
Jovens haitianos ouvem Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, e sua esposa, a irmã Susan Bednar, discursarem durante um devocional especial para jovens no sábado, dia 31 de agosto de 2019, antes da dedicação do Templo de Porto Príncipe Haiti no domingo, dia 1º de setembro de 2019. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

“Uma estratégia foi elaborada para que líderes e membros mantenham uma boa comunicação para receberem notificações a respeito de situações desafiadoras, bem como orientação, com base na direção profética, sobre como agir diante de tais circunstâncias”, observou Élder Alonso. “Descobrimos que uma boa comunicação reduz a tensão, aumenta a confiança e facilita a inspiração.”

O segundo pilar é que os santos dos últimos dias haitianos estão adotando os princípios de autossuficiência. A extrema pobreza definiu a nação insular por décadas. O país é geralmente classificado como o mais pobre do hemisfério ocidental.

“No entanto, líderes e membros têm participado de vários cursos de autossuficiência e trabalhado por alguns anos para se tornarem, da melhor maneira possível, autossuficientes e não totalmente dependentes”, escreveu Élder Alonso. “Assim, do pouco que têm, eles armazenam o máximo que podem e, quando situações críticas surgem, procuram atender às suas necessidades — e ajudar outras pessoas na medida do possível.”

Recursos do sistema de armazéns dos bispos e outras organizações humanitárias também são utilizados, quando necessário.

O terceiro pilar é que as oportunidades de compartilhar o evangelho continuam disponíveis. 

Todos os missionários de tempo integral que servem na Missão Porto Príncipe Haiti são haitianos nativos. Quando surgem desafios, eles permanecem atentos às notificações de seus líderes de missão e trabalham com cuidado e bom senso.

Centenas de jovens se juntam em uma sede de estaca de Porto Príncipe, no Haiti, no dia 31 de agosto de 2019, antes de um devocional para jovens com Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos. A crescente comunidade de santos dos últimos dias no Haiti ajuda os membros locais a permanecerem fortes durante os atuais conflitos políticos e econômicos.
Centenas de jovens se juntam em uma sede de estaca de Porto Príncipe, no Haiti, no dia 31 de agosto de 2019, antes de um devocional para jovens com Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos. A crescente comunidade de santos dos últimos dias no Haiti ajuda os membros locais a permanecerem fortes durante os atuais conflitos políticos e econômicos. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

“Todos [os missionários] têm uma reserva de comida e água para sustentá-los por pelo menos três semanas”, observou Élder Alonso. “Adotamos esta prática porque não sabemos quando uma situação difícil surgirá, portanto, ela é observada continuamente em toda a missão. 

“Apesar da pandemia e da falta de infraestrutura no país … a pregação do evangelho está avançando continuamente e estamos confiantes de que muitas pessoas ouvirão a mensagem da Restauração e aceitarão o convite para virem e verem, virem e ajudarem, e virem e fazerem parte.”

O quarto pilar é amarmos a Deus e ao próximo.

“Frequentarmos a igreja regularmente, partilharmos do sacramento e ministrarmos aos outros são maneiras de mostrarmos nosso amor por Deus e nosso próximo”, escreveu Élder Alonso.

Mesmo antes da pandemia, as reuniões da Igreja no Haiti eram ocasionalmente transferidas para o lar por causa da instabilidade política ou da falta de combustível.

“Quando foi anunciada, a direção profética do ‘aprendizado centralizado no lar e apoiado pela Igreja’ não pareceu estranha para os santos no Haiti”, escreveu Élder Alonso. “Então, seguindo a orientação profética e a direção dos líderes locais, todos os líderes nas alas e ramos sabem o que fazer e como se organizar, caso [as condições não permitam] que as reuniões de domingo sejam realizadas presencialmente.”

Jovens santos dos últimos dias no Haiti também continuam a desfrutar de oportunidades apresentadas pelo programa Crianças e Jovens da Igreja para servirem uns aos outros e fortalecerem as amizades.

O quinto pilar é o trabalho do templo e da história da família. O Templo de Porto Príncipe Haiti continua sendo um símbolo do amor de Deus por Seus filhos na nação caribenha.

Centenas de pessoas esperam para entrar no Templo de Porto Príncipe Haiti para a dedicação no dia 1º de setembro de 2019.
Centenas de pessoas esperam para entrar no Templo de Porto Príncipe Haiti para a dedicação no dia 1º de setembro de 2019. Crédito: Jason Swensen

O Templo de Porto Príncipe Haiti está atualmente pausado devido às condições locais e precauções contra a COVID-19, uma medida que foi tomada no início de junho. No dia 12 de junho, o templo passou de seu status anterior da Fase 2-B, que permite batismos vicários e todas as ordenanças próprias, para a Fase 3, proporcionando todas as ordenanças vicárias, assim que o templo retornar ao funcionamento.

“Para os membros da Igreja no Haiti, trabalhar na história da família e servir no templo é algo que eles levam muito a sério”, escreveu Élder Alonso. “Eles frequentam o templo tanto quanto sua situação financeira e condição das estradas permitem. 

“Mesmo para não-membros, o templo é um local que representa o amor de Deus pelo povo haitiano — e, de certa forma, uma proteção para o país. Os santos no Haiti amam o templo. Eles servem no templo e fazem todos os sacrifícios possíveis para frequentá-lo.”

À medida que se concentram nestes cinco “pilares”, acrescentou Élder Alonso, os santos dos últimos dias no Haiti podem “prosseguir com fé em Cristo, rumo a um futuro melhor.”