Maneiras rápidas e simples de ajudar jovens a conectarem-se com suas famílias, do passado e presente

Sentado na casa de uma família na República Dominicana, um pesquisador de FamilySearch fez uma pergunta a um garotinho chamado Dominic: “De que maneira você está fazendo a história da família?”.

A resposta de Dominic ecoou o que outras crianças e jovens tem falado para pesquisadores em cenários similares.

“Não a faço”.

Então o pesquisador fez sua pergunta de forma diferente. “Você tem algo em sua casa que te ajuda a lembrar de alguém?”.

Dominic correu para o seu quarto e voltou com um estilingue. Ele descreveu o quanto o estilingue significava para ele — que seu pai o havia dado antes de morrer e o ensinou como usá-lo.

“Isso é história da família”, explicou White, um gerente do FamilySearch que foca em experiências com crianças e jovens, enquanto relatava a experiência. “Mas essa história está somente na cabeça de Dominic e não foi preservada para que alguém a ouça.

“Essas histórias e coisas preciosas que aprendemos uns com os outros se tornarão memórias e histórias estimadas para gerações futuras se simplesmente rapidamente as registrarmos”.

White e outros empregados de FamilySearch tem feito entrevistas ao redor do mundo para encontrar melhores maneiras de atrair jovens para participarem da história da família. Eles descobriram que as atividades que funcionam mais com os jovens são as rápidas e simples e “não parecem dever de casa”.

As melhores ideias de história da família para jovens foram consolidadas e acrescentadas em uma nova página de blog para fácil acesso. Esse recurso online é chamado “Jovens se conectando a gerações”, e está disponível em inglês, espanhol e português

Uma nova página de blog do FamilySearch chamada “Jovens se conectando a gerações” apresenta maneiras rápidas e simples para jovens envolverem-se com a história da família.
Uma nova página de blog do FamilySearch chamada “Jovens se conectando a gerações” apresenta maneiras rápidas e simples para jovens envolverem-se com a história da família. Credit: Captura de tela de FamilySearch.org

“Queremos encorajar jovens a contarem suas próprias histórias ou registrarem as histórias de seus entes queridos”, disse Wendy Smedley, uma gerente de marketing do FamilySearch.

Um convite

No topo da página de blog está um vídeo do presidente Russell M. Nelson estendendo um convite especial para jovens durante um devocional mundial em junho de 2018. 

“Meus queridos jovens extraordinários, vocês foram enviados para esta terra neste exato momento, o momento mais crucial na história do mundo, para ajudar a coligar Israel. Não há nada acontecendo nesta terra agora que seja mais importante do que isso. Não há nada de maior consequência. Absolutamente nada”.

Presidente Nelson continua, “Essa coligação deveria significar tudo para vocês. Foi com essa missão que vocês foram enviados para a terra. Então, minha pergunta para vocês é, ‘Vocês estão dispostos a alistarem-se para no exército de jovens do Senhor para ajudar a coligar Israel?’”.

A história da família é uma parte essencial da coligação de Israel, Smedley explicou, e pode ser tão fácil quanto conectar-se com a família passada e presente.

Ideias na página de blog incluem entrevistar um irmão ou pai, registrar a própria história, aprender sobre ocupações de ancestrais, usar a funcionalidade de Ordenanças Prontas e postar nas redes sociais usando a hashtag #JovensColigadoresdeIsrael.

Uma moça usa um notebook para fazer história da família.
Uma moça usa um notebook para fazer história da família. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

A chave é construir em cima do que os jovens já estiverem fazendo. Por exemplo, ao usar redes sociais, jovens estão registrando de formas que podem não pensar que estejam, Smedley disse. O aplicativo Memórias do FamilySearch permite que usuários importem do Facebook e Instagram diretamente para a funcionalidade de memórias.

 “Eles são fantásticos com a tecnologia”, Smedley disse. “Nós estamos realmente aprendendo com nossos jovens”.

Bênçãos prometidas

Ao convidar jovens da Igreja para “aprenderem mais e terem a experiência do espírito de Elias” durante a conferência geral de outubro de 2011, élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos acrescentou uma promessa

“Seu testemunho e sua conversão do Salvador tornar-se-ão profundas e duradouras. E eu prometo que vocês serão protegidos contra a influência intensificada do adversário. Ao participarem e amarem esta obra sagrada, vocês serão protegidos em sua juventude e durante suas vidas”.

Durante a sessão de abertuda do Dia de Descoberta da Família da RootsTech em 2016, élder Dale G. Renlund prometeu aos jovens que ao encontrarem nomes para levarem ao templo, “Vocês encontrarão não só proteção contra as tentações e doenças deste mundo, mas vocês também encontrarão poder pessoal, poder de mudar, poder de se arrepender, poder para aprender, poder para ser santificados e poder para unir os corações de sua família e curar o que necessitar de cura”.

Existem bênçãos prometidas incontáveis para jovens ao engajarem no trabalho de história da família, White disse. 

“Jovens provavelmente não percebem isso agora, mas ao preservarem essa história específica, quer registrem-na rapidamente ou qualquer que seja a forma, isso criará oportunidades de pertencimento aos convênios para suas futuras gerações”, disse White, recorrendo ao discurso da conferência geral de outubro de 2019 do élder Gerrit W. Gong.

O trabalho de história da família também ajuda jovens a entenderem que são parte de uma família maior, Smedley acrescentou. “Isso os ajuda a entenderem quem são e de onde vieram”.

Três rapazes compartilham um tablet juntos. Um novo recurso de blog do FamilySearch apresenta maneiras rápidas e fáceis para jovens envolverem-se com a história da família.
Três rapazes compartilham um tablet juntos. Um novo recurso de blog do FamilySearch apresenta maneiras rápidas e fáceis para jovens envolverem-se com a história da família. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

White disse que essas ideias de atividades também podem ser um recurso para jovens ao começarem a fazer metas como parte do novo programa para Crianças e Jovens começando em janeiro. 

“Tudo o que estamos tentando criar é centralizado no lar e apoiado pela Igreja ou uma abordagem centralizada no lar, para dar recursos e atividades para jovens e famílias”, ele disse. “Se eles tiverem certas metas, espirituais ou intelectuais ou quaisquer que sejam, eles podem vir aqui e encontrá-las”.

Uma lição de gratidão

Uma das formas que Emilie Lepore, de 15 anos, participa da história da família é compartilhando histórias dos ancestrais com sua família durante a reunião familiar.

Emilie Lepore, à direita, está com sua família.
Emilie Lepore, à direita, está com sua família. Credit: Cortesia Roland Lepore

“Meus ancestrais fizeram muitas coisas difíceis”, Lepore disse. “Isso me ajuda a saber que posso fazer coisas difíceis”.

Alguns verões atrás, enquanto vivia na França, Lepore e sua família viajou para a Itália para aprender mais sobre os ancestrais do lado do seu pai. Uma série de milagres aconteceram para criar uma experiência de descoberta que ela nunca esqueceria.

Após esforçarem-se para encontrar um lugar para ficar, sua família acabou numa pousada numa pequena vila de cerca de 200 pessoas chamadas San Vito d’Arsie. Acabou sendo a cidade onde seus ancestrais viveram. No dia seguinte, eles procuraram num cemitério próximo pelos nomes de ancestrais e não conseguiram encontrar ninguém. 

“Estava muito quente. Estávamos desencorajados”, Lepore relembrou. “Então, finalmente oramos”.

Pessoas na cidade dirigiram a família até um restaurante. Por mais que o restaurante estivesse fechado quando chegaram, o dono estava lá e os convidou para jantar. O pai de Lepore perguntou ao dono se os nomes dos seus ancestrais eram familiares para ele.

Uma foto do interior de um livro de registros da igreja onde a família Lepore encontrou nomes de seus ancestrais na Itália.
Uma foto do interior de um livro de registros da igreja onde a família Lepore encontrou nomes de seus ancestrais na Itália. Credit: Cortesia Roland Lepore

O dono trouxe dois livros de registro da igreja com os nomes listados daqueles que viveram naquela vila. “Encontramos cerca de 40 nomes”, Lepore disse.

O dono os referiu para um homem que sabia mais sobre a família. Quando a família Lepore falou com este homem no dia seguinte, ele os levou para o exato local em que o ancestral chamado Vito Tonin havia morado — uma casa de um quarto construída nos anos 1600 que nem se quer tinha uma chaminé. Marcas pretas de fogo e fumaça feitas ao cozinharem ainda estavam visíveis.

Esta foi a casa onde Vito e sua esposa Giovanna tiveram 12 filhos. Lepore disse que foi uma experiência de humildade para ela imaginar tantas pessoas morando naquela casa de um quarto.

“As vezes choramingamos e reclamamos sobre não termos o suficiente, mas temos muito mais do que muitas pessoas tiveram ou tem”, ela disse. “Então, eu apendi que ser grata é uma coisa grande e que ser gratos ajuda muito em nossa vida diária”.

Uma foto do exterior da casa de um quarto na Itália onde Vito Tonin viveu.
Uma foto do exterior da casa de um quarto na Itália onde Vito Tonin viveu. Credit: Cortesia Roland Lepore

Essa ideia de voltar para o local onde um ancestral viveu pode ser feita em qualquer lugar, Smedley disse. “Ou você pode olhar na internet e ver como eram suas circunstâncias. E então pensar sobre os sacrifícios que aconteceram para que você tenha os privilégios que tem hoje. Todos devemos pensar sobre isso”.

Qual o conselho de Lepore para jovens que podem estar com dificuldade para envolverem-se com a história da família? “Apenas comece olhando as fotos e lendo as histórias e apenas conversando e perguntando aos seus pais sobre a infância deles e de seus avós. Simplesmente envolva-se na vida deles”, ela disse.