Por que há vários relatos da Primeira Visão e o que podemos aprender com eles?

Um aprofundado estudo dos múltiplos relatos do profeta Joseph Smith sobre a Primeira Visão revela muito mais do que as versões históricas do momento do início da Restauração — é um chamado pessoal e urgente à ação.

Cada uma das quatro descrições da Primeira Visão de Joseph — escritas em momentos diferentes para públicos diferentes — “é uma indicação para todos nos tornarmos como uma criança e pedir perdão a Deus com fé inabalável”, disse o Élder Kyle S. McKay, setenta autoridade geral e diretor executivo assistente do Departamento de História da Igreja.

“Como Joseph, podemos perguntar a Ele onde está a verdade e se esta Igreja é verdadeira.”

Para os santos dos últimos dias, Élder McKay acrescentou, os quatro relatos da Primeira Visão de Joseph são muito mais do que a história essencial. Cada um deles é uma bênção e um guia modernos. 

“Leiam os relatos da Primeira Visão e saibam o que podem aprender com cada um. Todos eles são uma confirmação. Vocês entenderão que a Primeira Visão — embora seja parte significativa da nossa história da Igreja — realmente começou como uma experiência pessoal de busca por perdão e salvação.”

A Primeira Visão, de Del Parson
A Primeira Visão, de Del Parson Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Joseph Smith publicou dois relatos da Primeira Visão durante sua vida. Dois outros relatos registrados por Joseph foram publicados pela Igreja na década de 1960. Enquanto isso, cinco relatos de terceiros foram escritos por contemporâneos do profeta.

A Igreja celebra a mensagem unificada dos múltiplos relatos da Primeira Visão como parte de suas seleções populares de Textos sobre os Tópicos do Evangelho:

“Os vários relatos da Primeira Visão contam uma história consistente, embora naturalmente difiram em ênfase e detalhes.

“Os historiadores esperam que, quando um indivíduo reconte uma experiência em múltiplos cenários para públicos diferentes ao longo de muitos anos, cada relato enfatize vários aspectos da experiência e contenha detalhes singulares.”

Documentos históricos da Primeira Visão estão em exibição na Biblioteca de História da Igreja

Há precedentes bíblicos para tais variações. Considere os múltiplos relatos bíblicos da visão de Paulo na estrada para Damasco e a experiência dos apóstolos no Monte da Transfiguração.

“Algumas pessoas erroneamente argumentaram que qualquer variação ao se recontar uma história é prova de sua invenção”, diz o texto. “Ao contrário, o rico registro histórico nos permite aprender mais a respeito deste acontecimento extraordinário do que poderíamos aprender se estivesse menos documentado.”

Links para cada um dos relatos da Primeira Visão, juntamente com resumos detalhados, são encontrados no texto:

  • O Relato de 1832 da Primeira Visão é o mais antigo e conhecido e “o único … escrito pelo próprio Joseph Smith”.
  • O Relato de 1835 é a recontagem de Joseph de sua teofania para Robert Matthews, um visitante de Kirtland, Ohio.
  • Talvez a narração mais familiar da Primeira Visão seja a encontrada no Relato de 1838 que se concentra na pergunta feita em oração pelo jovem Joseph que queria saber qual igreja estava certa (Joseph Smith-História 1:5-20).
  • A comumente chamada de “A Carta Wentworth” incluía o Relato de 1842 de Joseph Smith. Destinava-se principalmente a um público que não conhecia a Igreja e suas crenças fundamentais.

Enquanto isso, cinco Relatos de terceiros foram de autoria de alguns dos contemporâneos de Joseph que ouviram o profeta falar sobre a Primeira Visão.

Buscar clareza e compreensão em cada relato

Qualquer pessoa que estude os múltiplos relatos da Primeira Visão pode seguir o exemplo de Joseph Smith, buscando compreensão e clareza divina, disse o Élder McKay.

“A Primeira Visão”, de Warren Luch.
“A Primeira Visão”, de Warren Luch. Credit: Cortesia do Museu de História e Arte da Igreja

“E assim como Joseph fez, a luz de Deus, Sua inteligência e Sua glória descerão gradualmente sobre nós e teremos conhecimento, verdade e compreensão. Passaremos a ver e a compreender o Pai e o Filho.”

Em um podcast sobre “Os documentos de Joseph Smith”, o professor de História da Igreja da BYU, Steve Harper, reconheceu que a Primeira Visão revelou que Deus e Cristo são seres distintos e que têm um corpo. Isso é importante.

“O verdadeiro significado da Primeira Visão hoje é sabermos que a natureza de Deus é dar [conhecimento] àqueles que que têm falta de sabedoria, socorrer àqueles que estão em perigo, ajudar Seus filhos que estão desesperadamente precisando sentir Seu amor e fazê-los saber que não são rejeitados por causa de seus pecados. 

“Deus responde. Ele não é frio e sem coração. O Deus que apareceu a Joseph Smith no Bosque Sagrado é um Deus que responde aos adolescentes quando estão com dificuldades.”

Inconsistências esperadas

Cada um dos múltiplos relatos da Primeira Visão fornece perspectivas diferentes e foram articulados para um público diferente. E, sim, há inconsistências nas narrativas.

Mas tais anomalias não precisam causar preocupação, disse o Élder McKay, mencionando as múltiplas versões de sua própria experiência de conversão pessoal que moldaram seu conhecimento — tanto retrospectiva quanto prospectivamente.

“Foi uma experiência tão profunda, que fiz um registro contemporâneo dela em 1979.” 

Doze anos depois, em 1991, registrou sua experiência novamente. Treze anos se passaram e ele fez um novo registro em 2004. Então, em 2019, registrou sua experiência pessoal pela quarta vez.

“Assim como a Primeira Visão de Joseph Smith, tenho quatro relatos escritos que criei a partir de minha primeira experiência, que me serviu de alicerce. Eles diferem e há inconsistências — e os relatos de 1991 e 2004 têm erros históricos. E mesmo assim, aconteceu. Eu estava lá.”

Outros podem perguntar por que Joseph Smith fez o registro de um evento tão importante quanto a Primeira Visão somente 12 anos depois de ter ocorrido.

Considere os muitos eventos dramáticos na vida do jovem Joseph que não foram registrados até 1832.  O fato de quase ter perdido a perna quando criança. A visita de Morôni. O namoro e casamento de Joseph e Emma Smith. A morte de seus quatro primeiros filhos.

 “Joseph não fez nenhum tipo de registro histórico”, declarou o Élder McKay, “até que o Senhor lhe deu o mandamento de fazê-lo: ‘Um registro será escrito entre vós’”.

A exibição “Um Pilar de Luz” na Harold B. Lee Library da BYU comemora o bicentenário, que se aproxima, da Primeira Visão.
A exibição “Um Pilar de Luz” na Harold B. Lee Library da BYU comemora o bicentenário, que se aproxima, da Primeira Visão. Credit: BYU Photo

Como discípulo, o estudo que o Élder McKay fez por décadas sobre os relatos da Primeira Visão o abençoou com “um apreço pela mentalidade e pelo coração de Joseph Smith quando ele entrou naquele bosque”.

Apenas o fato de ter conseguido ir ao local que hoje conhecemos como o Bosque Sagrado marcou a vitória do jovem Joseph sobre a dúvida e a incerteza.

“Joseph não foi ao bosque com curiosidade — ele foi com fé inabalável.”