Como Doutrina e Convênios 4 demonstra a importância de princípios sobre a estrutura na Restauração contínua da Igreja

“Portanto, se tendes desejo de servir a Deus, sois chamados ao trabalho.”

Quando a Seção 4 de Doutrina e Convênios foi revelada em 1829, o Livro de Mórmon ainda não havia sido publicado, assim como a Igreja não havia sido oficialmente organizada.

O Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos, falou sobre a Seção 4 em uma recente entrevista: “Ela demonstra para mim que o serviço e a obra missionária são requisitos extremamente básicos e essenciais para a Igreja crescer”.

Em outras palavras, a obra missionária — ou “a ministração a todos”, como Élder Uchtdorf disse — foi e continua sendo um dos princípios fundamentais do evangelho. E a estrutura da Igreja se apoia neste princípio. 

“Penso que precisamos nos lembrar de não cair na armadilha de muitas coisas organizacionais ou administrativas”, disse. “Temos que ter uma visão geral — os Dois Grandes Mandamentos, a Grande Comissão — e como tudo se encaixa no grande plano que Deus nos deu.”

Ao olhar para o contexto histórico da Seção 4, santos dos últimos dias podem melhor compreender como os princípios ensinados nesta revelação são fundamentais para a Restauração contínua do evangelho de Jesus Cristo.

Uma revelação para Joseph Smith Sr.

Enquanto Joseph Smith Jr. morava perto dos pais de Emma Hale Smith em Harmony, Pensilvânia, seu pai, Joseph Smith Sr., veio visitá-lo em fevereiro de 1829. 

Joseph Smith Sr.
Joseph Smith Sr. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Joseph Smith Sr. queria saber como poderia ajudar no trabalho da Restauração e solicitou a seu filho que pedisse ao Senhor uma revelação para ele. 

A Seção 4 foi a revelação que Joseph recebeu para seu pai. 

“Pode parecer um pouco interessante que esta revelação magnífica sobre a obra missionária tenha sido dada a Joseph Smith Sr.”, disse Élder LeGrand R. Curtis Jr., setenta autoridade geral atualmente servindo como Historiador e Registrador da Igreja. 

Esta revelação iria influenciar imediatamente a outros, incluindo Oliver Cowdery. 

Oliver Cowdery — um jovem de Vermont que se mudou para o oeste de Nova York para ensinar em uma escola — estava alojado na casa de Joseph Smith Sr., em Manchester quando este recebeu a revelação em fevereiro de 1829. 

Oliver havia ouvido boatos sobre Joseph Smith e as placas. “Mas Joseph Smith Sr. estava bastante relutante — por causa da perseguição que estava acontecendo — em conversar sobre isto (com Oliver)”, Élder Curtis disse. 

“Não sabemos os detalhes disto, mas parece que uma das maneiras pelas quais Joseph Smith Sr. aplicou esta revelação, foi se abrindo e compartilhando com Oliver Cowdery o trabalho de Joseph”, continuou. “Isto levou Oliver Cowdery a ter sentimentos espirituais de que precisava ir e fazer parte desta obra.”

Após se mudar com as placas para Harmony, Pensilvânia, para evitar perseguições, Joseph Smith traduz enquanto Oliver Cowdery serve como escriba.
Após se mudar com as placas para Harmony, Pensilvânia, para evitar perseguições, Joseph Smith traduz enquanto Oliver Cowdery serve como escriba. Credit: Intellectual Reserve Inc./Del Parson

Em abril, Oliver Cowdery viajou para Harmony com o irmão do profeta, Samuel Smith, para conhecer Joseph em pessoa. No dia seguinte, Élder Curtis disse, Oliver Cowdery começou a atuar como escriba de Joseph. 

“Acho que é uma aplicação interessante desta seção que, pelo menos uma das maneiras que Joseph Smith Sr. fez a obra missionária, foi abrir sua boca e falar com Oliver Cowdery”, Élder Curtis disse. “E isto levou ao escriba que Joseph desesperadamente precisava.”

Joseph Smith Sr. continuou a seguir o conselho da Seção 4 de servir com todo o seu “coração, poder, mente e força” pois mais tarde, se tornou uma das Oito Testemunhas do Livro de Mórmon, o primeiro patriarca da Igreja e conselheiro assistente da Primeira Presidência. 

‘Conjunto poderoso de princípios’

Doutrina e Convênios Seção 4 é o que o Élder Uchtdorf descreve como o “êxodo moderno da Grande Comissão que o Salvador deu para os Seus discípulos”.

“Cristo chama Seus discípulos — que são vocês e eu atualmente — a ir e proclamar o evangelho”, disse. 

No contexto dos Dois Grandes Mandamentos de amar a Deus e ao próximo, a incumbência do Salvador inclui todos. “É realmente ministrar a todos”, disse Élder Uchtdorf, convidando outros a “virem e verem”, “virem e ajudarem” e “virem e permanecerem”.

Embora a Seção 4 tenha sido dada a Joseph Smith Sr., esta revelação “reúne um conjunto poderoso de princípios que ainda usamos na obra missionária atualmente”, Élder Curtis disse. 

Os missionários esperam pelo presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, antes de um devocional em Tonga, em 23 de maio de 2019.
Os missionários esperam pelo presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, antes de um devocional em Tonga, em 23 de maio de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Estes princípios incluem o que o Senhor espera daqueles que O servem e como Seu campo está preparado para a colheita. Descreve vários atributos que qualificam um indivíduo para Sua obra — incluindo fé, caridade, humildade, diligência e os olhos “fitos” em Sua glória — e promete aos Seus servos de que “pedi e recebereis”.

A ‘obra maravilhosa’ é mais do que apenas pregar o evangelho.

O Presidente Joseph Fielding Smith, sexto presidente da Igreja, explicou que, embora tenha apenas sete versículos, a Seção 4 “Contém conselhos e instruções suficientes para uma vida de estudo. Ninguém a dominou ainda.”

Esta revelação tinha a intenção de “beneficiar a todos com o desejo de embarcar no serviço de Deus” e é “uma revelação para cada membro da Igreja”, continuou. 

“Talvez não exista nenhuma outra revelação em nossas escrituras que incorpore maiores instruções relacionadas ao tipo de qualificação dos membros da Igreja para o serviço do Senhor, especialmente de forma tão condensada como nesta revelação. É tão ampla, tão alta e tão profunda quanto a eternidade” (“História da Igreja e Revelação Moderna”, 1:35; Manual do Aluno de Doutrina e Convênios).

A Seção 4 foi recebida em fevereiro de 1829 — aproximadamente 14 meses antes da Igreja ser oficialmente organizada e 13 meses antes das primeiras cópias do Livro de Mórmon serem publicadas. 

Doutrina e Convênios Seção 4.
Doutrina e Convênios Seção 4. Credit: Sydney Walker

Olhando para a cronologia de Doutrina e Convênios, a primeira revelação a ser recebida foi a Seção 2, em setembro de 1823. Este é um trecho extraído da história de Joseph Smith, relatando a primeira visita do Anjo Morôni, especificamente quando Elias restaura as chaves de selamento e a conversão dos corações dos filhos a seus pais.

A Seção 3 foi a próxima revelação recebida cronologicamente, em julho de 1828. Esta seção diz respeito a Martin Harris e a perda das 116 páginas do manuscrito do Livro de Mórmon. “Apesar disso, minha obra avançará”, o Senhor diz no versículo 16, enfatizando o propósito do Livro de Mórmon.

As Seções 2 e 3 talvez obscureçam ou destaquem o que o Senhor revela na na Seção 4. 

‘Mais do que apenas pregar o evangelho’

“O versículo inicial da Seção 4 — ‘Agora eis que uma obra maravilhosa está para iniciar-se entre os filhos dos homens’ — engloba toda a obra de salvação e exaltação”, Élder Curtis disse. É apenas “uma obra”. 

Explicando que esta obra inclui o trabalho missionário e do templo, como também a história da família, ele continua: “Acho que todos tivemos nossa visão ampliada, levando em consideração quão perto é o trabalho pelos mortos e o trabalho dos vivos. … A ‘obra maravilhosa’ é mais do que apenas pregar o evangelho”.

É sobre coligar Israel dos dois lados do véu — e é “o maior trabalho na Terra”, Presidente Russell M. Nelson ensinou.

Durante uma transmissão mundial de liderança em junho de 2013, o então Élder Nelson disse: “Frequentemente temos a tendência de dividir o trabalho do Senhor em partes que parecem distintas.

“Seja pregar o evangelho para não membros, servir com novos conversos, reativar membros menos ativos, ensinar e fortalecer membros ativos ou realizar o trabalho do templo e história da família – tudo realmente é inseparável. Estas iniciativas não são separadas. Todas fazem parte do trabalho de salvação.”

Leia mais: Como o trabalho do templo e da história da família é usado para ministrar a todos

O Presidente Nelson escreveu na Liahona de abril de 2020: “Vocês e eu podemos participar da Restauração contínua do evangelho de Jesus Cristo. É magnífica! Não foi feita pelo homem! Vem do Senhor, que disse: ‘Apressarei minha obra a seu tempo’” (Doutrina e Convênios 88:73).

Ele ainda destacou a coligação de Israel como um dos ensinamentos mais importantes da Igreja. O trabalho no templo, a história da família e a obra missionária são cruciais para a coligação. Então estendeu esta promessa àqueles que participam na coligação: 

“Prometo que, se dermos o melhor de nós para exercermos fé em Jesus Cristo e acessarmos o poder de Sua Expiação por meio do arrependimento, teremos o conhecimento e o poder de Deus para nos ajudar a levarmos as bênçãos do evangelho restaurado de Jesus Cristo a todas as nações, tribos, línguas e povos, e para prepararmos o mundo para a Segunda Vinda do Senhor.”