Espetáculo do Monte Cumora assumirá um papel mais silencioso após a apresentação final do evento em 2021

Na quinta-feira, dia 30 de abril, a Igreja anunciou que o Espetáculo do Monte Cumora (Hill Cumorah Pageant) deste ano será adiado para 2021. A produção teatral ao ar livre, que ocorre anualmente desde 1937, foi originalmente programada para fazer sua última apresentação em julho deste ano.

Devido às restrições para a realização de grandes reuniões durante a pandemia de COVID-19, as apresentações finais agora ocorrerão de 8 a 10, e de 13 a 17 de julho de 2021.

Depois que as luzes se apagarem na última apresentação, a colina que sediou uma das maiores produções de teatro ao ar livre dos Estados Unidos se preparará para assumir um papel mais silencioso, semelhante ao do Bosque Sagrado, que fica próximo dali.

Trinta anos atrás, os visitantes do Bosque Sagrado podiam dirigir em meio às árvores, deixar o carro em um estacionamento e caminhar cerca de 91 metros até um anfiteatro com alto-falantes, luzes e um palco. 

Nesta infraestrutura foram realizadas reuniões e apresentações no local histórico onde o jovem Joseph Smith teve a Primeira Visão — mas estava danificando o bosque, disse o Dr. Ben Pykles, curador de locais históricos do Departamento de História da Igreja.

Os líderes da Igreja decidiram que era hora de reabilitar o bosque, fazendo-o voltar a ser algo parecido com o que Joseph teria visto quando entrou nele na primavera de 1820 para orar. Hoje, o local contém trilhas para caminhada que convidam à reflexão reverente. O centro de boas-vindas fica fora do bosque, ao lado da casa de toras reconstruída onde Joseph viveu quando criança.

Agora, os líderes estão preparando o Monte Cumora — outro local sagrado a quase cinco quilômetros ao sul do Bosque Sagrado em Manchester, Nova York — para uma transição semelhante. “Há apenas um lugar no planeta onde Morôni apareceu várias vezes a Joseph Smith para instruí-lo sobre como o Senhor conduziria Seu reino nos últimos dias e onde ele foi capaz de finalmente entregar as placas de ouro ao profeta”, disse Pykles. 

O Monte Cumora fotografado perto de Palmyra, em Nova York.
O Monte Cumora fotografado perto de Palmyra, em Nova York. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

O local histórico pode ajudar os visitantes a se conectarem com a história da restauração do evangelho de Jesus Cristo, acrescentou. Esta é uma das razões pelas quais o Élder George Albert Smith, na época membro do Quórum dos Doze Apóstolos e mais tarde presidente da Igreja, passou anos negociando a compra da colina pela Igreja até que a venda ocorreu no ano de 1928.

Hoje, os líderes da Igreja querem que o Monte Cumora volte a ser um cenário natural que evoque a natureza sagrada das experiências do Profeta Joseph Smith lá — incluindo os cinco encontros com o anjo Morôni e o recebimento das antigas placas de ouro das quais ele traduziu o Livro de Mórmon.

Mas antes que isto aconteça, o espetáculo terá uma última apresentação.

Antes de ser cancelado, os organizadores estavam se preparando para receberem até 10.000 espectadores por noite no evento deste ano, que conta com cerca de 1.000 voluntários, incluindo um elenco de 750 pessoas da área de Palmyra e de todo o país. Cerca de 75% do elenco começou a fazer parte do programa em 2019 e os líderes do evento planejam manter uma proporção semelhante para a apresentação final, permitindo que mais pessoas tenham uma última chance de participar.

Amanda Lonsberry, membro local da Igreja que serve como representante de assuntos públicos do espetáculo, disse que terá um sabor “agridoce” ao realizar o show pela última vez. “Acho que falo por quase todos do elenco quando digo que, fazer parte disso, tem sido uma grande bênção em nossa vida e apoiamos muito a [decisão] da Igreja”, disse Lonsberry, observando que o espetáculo exige cerca de 230.000 horas de voluntariado por ano.

Alguns dos membros do elenco do espetáculo anual do Monte Cumora em Palmyra, Nova York, se apresentam durante um dos shows realizados em julho de 2011.
Alguns dos membros do elenco do espetáculo anual do Monte Cumora em Palmyra, Nova York, se apresentam durante um dos shows realizados em julho de 2011. Credit: Darren Matthews, Cortesia do Espetáculo do Monte Cumora

O presidente do Espetáculo do Monte Cumora, Neil Pitts, disse que está envolvido na produção há mais de 20 anos e inclusive chegou a interpretar o Profeta Joseph Smith por dois anos no final dos anos 90. Nos últimos cinco anos, ele e seus conselheiros organizaram a programação, fizeram a seleção de milhares de inscrições, escolheram os membros do elenco, organizaram contratos, licenças e bufês — tudo para ajudar os participantes e o público a se aproximarem de Cristo durante 16 dias de ensaios e apresentações.

Mas com o foco renovado da Igreja em estudar o evangelho em casa, guiado pelo Presidente Russell M. Nelson, os espetáculos e outros grandes eventos culturais estão sendo eliminados, disse o presidente Pitts. O trabalho de bastidores do Espetáculo do Monte Cumora é em grande parte realizado pelas seis estacas que cercam a colina, acrescentou. “Não é mais necessário que tomemos tanto tempo das pessoas e de suas famílias.”

Artistas convidados, incluindo a Nashville Tribute Band e Alex Boyé, haviam sido convidados a se apresentar no palco antes de alguns dos shows noturnos em 2020. “Pedimos a eles que focassem suas apresentações no testemunho da Igreja restaurada”, disse Lonsberry. O espetáculo ainda não anunciou se estas apresentações especiais serão remarcadas para a temporada de 2021.

O Espetáculo do Monte Cumora consiste em 10 cenas, com as primeiras nove retratando histórias do Livro de Mórmon e a última, a restauração moderna do evangelho.

Vista do Monte Cumora em um dia de apresentação, visto da parte de trás da área de assentos.
Vista do Monte Cumora em um dia de apresentação, visto da parte de trás da área de assentos. Credit: Kenneth Mays

Após a última salva de aplausos, um tipo diferente de restauração acontecerá. Pykles disse que os equipamentos do palco e do espetáculo serão removidos, abrindo espaço para que na clareira sejam replantadas árvores nativas.

Como aconteceu no Bosque Sagrado, que fica próximo dali, o reflorestamento levará anos, mas a colina, por fim, voltará ao seu estado natural.

Uma nova rede de trilhas e caminhos levará até o monumento existente do anjo Morôni, que está na colina desde 1935. O Departamento de História da Igreja quer criar “uma experiência reverente, serena e sagrada” para os visitantes, disse Pykles.

A obra no local estava originalmente prevista para ser concluída em 2021, mas será adiada.

“Estamos tentando tirar uma paisagem e um local que tem sido usado para outros fins por … mais de 80 anos e … reabilitá-lo para ser um lugar histórico sagrado novamente”, disse Pykles sobre o papel da colina no futuro.

“Não será exatamente como era quando Joseph Smith recebeu as placas lá, mas será um lugar histórico sagrado onde as pessoas poderão ir e refletir sobre as coisas maravilhosas que o Pai Celestial fez por nós … ao restaurar o evangelho à Terra.”