O que há dentro da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake?

Pouco depois do meio-dia, em 6 de abril de 1892, um mensageiro apressado chegou ao Templo de Salt Lake com materiais para colocar dentro da pedra circular do templo — a grande esfera de granito sobre a qual está a estátua do Anjo Morôni, com aproximadamente 3,8 metros de altura. 

Quatro embrulhos envoltos em seda oleada foram cuidadosamente colocados nas partes norte, sul, leste e oeste da pedra circular, de acordo com um artigo no Salt Lake Herald-Republican publicado no dia seguinte. Os embrulhos do sul e leste foram colocados em compartimentos de concreto; os do norte e oeste foram colocados diretamente no concreto.

“Alguém teria uma moeda de dez centavos? Vamos colocá-la dentro da pedra”, alguém disse. Em instantes, todos os homens presentes na plataforma jogaram moedas na pedra circular, diz o artigo. 

Alguns minutos depois, uma multidão de 40.000 pessoas assistiu ao momento em que o Presidente Wilford Woodruff, quarto presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pressionou um botão para ligar um motor elétrico e colocar a pedra circular em posição. A cerimônia significou o fim da construção do Templo de Salt Lake e o edifício sagrado foi dedicado um ano depois.  

Mais de 128 anos depois, em uma manhã no final de maio, a Primeira Presidência —Presidente Russell M. Nelson e seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks e Presidente Henry B. Eyring — colocaram máscaras e observaram enquanto Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, cuidadosamente removia os itens do compartimento sul da pedra.

Presidente Russell M. Nelson, no centro, e seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks e Presidente Henry B. Eyring, analisam os itens removidos da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020.
Presidente Russell M. Nelson, no centro, e seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks e Presidente Henry B. Eyring, analisam os itens removidos da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Twitchell identificou a capa de couro de um livro e os fragmentos de seda oleada em que estava envolto. Twitchell e Emily Utt, curadora de locais históricos da Igreja, mostraram à Primeira Presidência a assinatura de Parley P. Pratt no livro “Voz de Advertência” e nas páginas de Pérola de Grande Valor.

“Não esperávamos encontrar muito porque sabíamos que o conteúdo da pedra circular não havia sido isolado das intempéries climáticas durante os 128 anos que se passaram”, disse o Presidente Nelson. “Contudo, queríamos estar lá de qualquer maneira, apenas para estar perto e prestar homenagem aos líderes e corajosos artesãos pioneiros, que contra todas as probabilidades, construíram este magnífico templo.”

Abertura da cápsula do tempo

Equipes removeram a pedra circular — juntamente com a estátua do anjo Morôni que estava acima dela — da torre leste central do Templo de Salt Lake no dia 18 de maio. Pesando aproximadamente 2.270 quilos, ou 2,5 toneladas, e  com aproximadamente 49 metros de altura, ambas foram transportadas pelo ar até o chão por meio de um guindaste, para preservação e reforma; a remoção da estátua e da pedra circular faz parte da renovação estrutural e sísmica do templo, que está prevista para levar quatro anos.  

As equipes removem a pedra que fica embaixo da estátua do Anjo Morôni após esta ser retirada do topo do Templo de Salt Lake de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias durante a reforma, em Salt Lake City, na segunda-feira, dia 18 de maio de 2020.
As equipes removem a pedra que fica embaixo da estátua do Anjo Morôni após esta ser retirada do topo do Templo de Salt Lake de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias durante a reforma, em Salt Lake City, na segunda-feira, dia 18 de maio de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

A pedra circular com a cápsula do tempo foi estabilizada por um tubo de metal de mais de 9 metros de comprimento correndo longitudinalmente através da estátua do Anjo Morôni e da pedra circular para dentro da torre. 

“A pedra circular foi criada em duas metades e, em seguida, argamassa foi passada na junção em torno da circunferência”, disse Twitchell. “Nossa esperança era que pudéssemos cortar aquela junção de argamassa e simplesmente separar as duas partes da esfera, e então encontrar a cápsula do tempo que sabíamos que estava dentro.”

Este processo provou ser mais difícil do que o esperado quando descobriram que a pedra estava cheia de cimento, disse ela. 

Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, remove alguns itens da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020.
Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, remove alguns itens da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Em seu livro de 1912 “A Casa do Senhor”, Élder James E. Talmage listou o que se acreditava estar contido na pedra circular, incluindo os livros que Twitchell e Utt mostraram à Primeira Presidência e outros, bem como documentos, fotografias e uma placa de cobre gravada com os nomes dos líderes da Igreja.

Assim como o artigo do jornal descreveu, quatro embrulhos de materiais foram encontrados nas direções cardeais da pedra circular, com os restos de vários itens listados no registro de Talmage. 

Os seguintes itens foram encontrados na pedra circular a partir de meados de julho:

Embrulho sul (metade superior da pedra): 

Um Livro de Mórmon com as páginas grudadas, dando a aparência de um livro não identificado, é encontrado na pedra circular do Templo de Salt Lake e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020.
Um Livro de Mórmon com as páginas grudadas, dando a aparência de um livro não identificado, é encontrado na pedra circular do Templo de Salt Lake e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News
  • “Voz de Advertência”, por Parley P. Pratt
  • “Chave para a Ciência da Tecnologia”, por Parley P. Pratt
  • O Livro de Mórmon
  • A Pérola de Grande Valor
  • “Os Mártires: Um Esboço da Vida e um Relato Completo do Martírio de Joseph e Hyrum Smith”, por Lyman O. Littlefield
  • Livro não identificado
  • Papel não identificado.

Embrulho leste (metade superior da pedra): 

Embrulho norte (metade inferior da pedra):Placa de cobre banhada a ouro com a inscrição “Santidade ao Senhor”, datas importantes na construção do Templo de Salt Lake e os nomes das autoridades gerais na época da abertura de terra em 1853, e conforme constituídas no dia 6 de abril de 1892.

Embrulho oeste (metade inferior da pedra): Envelope de papel contendo aproximadamente sete fotografias montadas não identificadas, conhecidas como cartões de gabinete.

Uma placa de cobre banhada a ouro, gravada com os nomes das autoridades gerais, encontrada na pedra circular do Templo de Salt Lake e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020.
Uma placa de cobre banhada a ouro, gravada com os nomes das autoridades gerais, encontrada na pedra circular do Templo de Salt Lake e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Enquanto Utt e Twitchell se movimentavam em torno de uma longa mesa exibindo o conteúdo da cápsula, elas explicaram o significado dos itens — que podem ter sido colocados por trabalhadores da construção civil e pessoas que subiram nos andaimes. 

“Os materiais que estão dentro desta cápsula do tempo em particular, refletem realmente as motivações das pessoas que a montaram”, disse Utt. “Elas colocaram coisas que estavam facilmente disponíveis e que refletiam sua vida na época.” 

Os livros não eram raros, mas fáceis de encontrar durante aquele período de tempo, acrescentou Twitchell. Embora dificilmente legíveis, eles são identificáveis por sua lombada ou pelas impressões visíveis do lado de dentro. 

Sobre os cartões de gabinete, Utt disse que eles eram uma forma popular de montagem de fotografias na década de 1890. Uma impressão fotográfica de alta qualidade montada em papel grosso, “Algo fácil de se comprar e vender. Era possível montá-los em um álbum de fotos.”

Devido à umidade do concreto, as páginas ficaram grudadas e nenhuma imagem fotográfica permaneceu nos cartões de gabinete, disse Utt. No entanto, na parte de trás há uma inscrição identificável do estúdio C.R. Savage. C.R. Savage era um dos fotógrafos mais conhecidos em Salt Lake City naquela época, e seu estúdio ficava na Main Street [Rua Principal], em frente ao templo.

Fotografias de C.R. Savage encontradas na pedra circular do Templo de Salt Lake City e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020.
Fotografias de C.R. Savage encontradas na pedra circular do Templo de Salt Lake City e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

O Salt Lake Herald-Republican e outros jornais relataram na época que a cápsula na pedra circular incluía uma fotografia do Profeta Joseph Smith, mas nenhuma foi encontrada.

O Élder LeGrand R. Curtis Jr., Setenta Autoridade Geral atualmente servindo como Historiador e Registrador da Igreja, estava presente com a Primeira Presidência no momento da abertura da cápsula. “Não há fotografias conhecidas de Joseph Smith”, disse ele. “Se realmente houvesse uma, seria um achado.”

Moedas

Vários outros materiais foram encontrados no concreto que envolvia os quatro embrulhos, incluindo os restos de um lápis, de uma corda, um pedaço de metal, um papel enrolado em torno de um prego de madeira, um papel colocado no concreto e aproximadamente 400 moedas. 

Elas são principalmente de cinco e dez centavos, com algumas de um e outras poucas de 25 centavos de dólar. Uma moeda de meio centavo e outra de três centavos de libras esterlinas, bem como outra de seis libras, outra de três libras e alguns medalhões também foram encontrados. Entretanto, há moedas que ainda não foram removidas do concreto.

Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, observa as moedas encontradas na pedra circular do Templo de Salt Lake City e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020.
Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, observa as moedas encontradas na pedra circular do Templo de Salt Lake City e na cápsula do tempo em Salt Lake City na terça-feira, dia 14 de julho de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Talvez a parte mais interessante da cápsula do tempo sejam as 15 moedas inscritas com nomes, disse Twitchell. “Agora temos nomes que podemos ligar a histórias. … É uma sensação boa encontrar uma moeda com o nome de alguém, principalmente quando estamos diante de vários livros deteriorados”, ela comentou.

Dos nomes identificados nas moedas inscritas até agora, Twitchell e Utt descobriram duas famílias: a família Hull, que morava no bairro Avenues em Salt Lake City, e a família Hillam, que morava perto da rua 400 South. Os nomes incluem Florence “Flossy” Hull, 10 anos, Alice Hillam, 17 anos, sua irmã Emily Hillam e seu irmão R. Hillam Jr. 

Os membros da família Hillam são primos de primeiro grau do avô da Presidente geral das Moças, Bonnie H. Cordon.

“Não temos certeza se essas famílias subiram juntas no andaime ou se apenas uma pessoa subiu e jogou todas as moedas”, disse Utt. 

Utt disse que espera publicar os nomes das pessoas que foram encontrados nas moedas, depois que todos tiverem sido identificados. 

Lições aprendidas

Cerimônias de colocação de pedra circular e cápsulas do tempo são comuns em projetos de construção, disse Utt. A cápsula do tempo no Templo de Salt Lake era uma forma de celebração para os primeiros santos. “Era um momento para refletir sobre os últimos 39 anos de construção e dar às pessoas a última porção de motivação para concluir o edifício.”

No entanto, “as cápsulas do tempo, na verdade, não eram feitas para servirem de armazenamento de arquivos a longo prazo”, disse ela. 

Twitchell concordou. “As cápsulas do tempo são uma tradição importante e têm valor em sua curadoria e na cerimônia, mas como forma de preservação de materiais, elas são muito ineficazes.”

Todo o material da cápsula do tempo estava muito úmido devido ao concreto ao seu redor. “Conforme o concreto endurece, ele libera muita água e muito calor”, explicou Utt. Mas água e calor não passam através de concreto ou granito. Os elementos presos fizeram com que os materiais se desintegrassem. 

Os livros serviram de “esponjas” para o processo de endurecimento do cimento enquanto absorviam a umidade, disse Twitchell. “Os embrulhos de seda oleada não serviram para muita coisa no que se diz respeito à impermeabilização ou proteção.”

Embora colocar cimento ao redor da cápsula do tempo não tenha sido ideal para o material, quase não há evidência de permeação ambiental externa à cápsula do tempo, acrescentou. 

A pedra circular do Templo de Salt Lake e a cápsula do tempo em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020.
A pedra circular do Templo de Salt Lake e a cápsula do tempo em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

“Mesmo tendo ficado no topo do templo na torre, não encontramos evidências de chuva, neve ou qualquer um dos elementos”, disse ela. “Sua deterioração é causada exclusivamente pelo concreto que foi passado ao seu redor, e depois colocado naquele ambiente interno, aquele microclima, por tanto tempo.” 

A cápsula do tempo na pedra circular é uma das duas cápsulas do tempo oficiais conhecidas no Templo de Salt Lake, disse Utt. A outra é a pedra de registro, que ficava localizada no alicerce e que foi escavada em agosto de 1993, em conjunto com os esforços centenários de restauração e posterior celebração do templo. 

Os fragmentos restantes encontrados na pedra de registro — incluindo um Livro de Mórmon, traduzido para o francês e o italiano, e publicações históricas como o Deseret News, Millennial Star e Times and Seasons — estão na Biblioteca de História da Igreja.

Futuros planos

Referindo-se à placa de cobre com os nomes dos líderes da Igreja, Utt disse: “Estamos na dúvida e nos perguntando sobre o tipo e grau de esforço que colocaremos na limpeza. E ainda, quanto da sujeira não deve ser removida? Será que está estável do jeito que está? Será que nossos esforços para limpá-la causariam mais danos? 

“E as mesmas dúvidas se aplicam a todos os itens que foram retirados desta esfera.”

Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, à direita, e Emily Utt, curadora de locais históricos, analisam o conteúdo da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020.
Emiline Twitchell, conservadora da Biblioteca de História da Igreja, à direita, e Emily Utt, curadora de locais históricos, analisam o conteúdo da cápsula do tempo do Templo de Salt Lake em Salt Lake City na quarta-feira, dia 20 de maio de 2020. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Por enquanto, todos os materiais da cápsula do tempo serão conservados em seu estado atual e catalogados nas coleções do Departamento de História da Igreja, bem como ficarão disponíveis para outros pesquisadores, disse Utt.

“Temos esperança de que possamos colocá-los em exposição para que as pessoas possam vê-los. Ainda não sabemos o que temos. Sabemos apenas que o próximo passo é a pesquisa.”

Utt disse que há planos e projetos para a reposição da metade superior da pedra circular.

Sarah Jane Weaver, editora do Church News, contribuiu para este artigo.