A jornada que permitiu que um produtor e diretor de primeira viagem escrevesse sobre a história negra como importante parte da história da Igreja

Mauli Junior Bonner ficou nos bastidores depois de se apresentar com sua família durante a celebração “Sede Um” da Igreja, no dia 1º de junho de 2018.

O evento de 90 minutos no Centro de Conferências marcou, por meio de músicas, danças, e discursos, o 40º aniversário da revelação de 1978 da Igreja, que estendeu as bênçãos do sacerdócio e do templo a todos os filhos de Deus. O nome do evento — “Sede Um” — se referiu ao ensinamento do Salvador: “Sede um; e se não sois um, não sois meus” (Doutrina e Convênios 38:27).

“Eu estava aprendendo sobre o início da história dos negros na Igreja por meio dessa celebração, e foi incrível e inspirador”, recordou Bonner.

O momento se tornou uma das “melhores experiências de sua vida”, à medida que se sentia unido aos líderes e membros da Igreja. Como um santo dos últimos dias afro-americano, esse evento o fez desejar aprender mais sobre sua própria história e sobre a história dos primórdios da Igreja — incluindo as experiências dos primeiros membros da Igreja que eram afro-americanos escravizados.

Green Flake nasceu escravo, em meados da década de 1820, e acompanhou a primeira companhia de pioneiros santos dos últimos dias a chegar no Vale do Lago Salgado em 1847.
Green Flake nasceu escravo, em meados da década de 1820, e acompanhou a primeira companhia de pioneiros santos dos últimos dias a chegar no Vale do Lago Salgado em 1847. Credit: Base de Dados dos Pioneiros da História da Igreja

Ele começou a estudar a vida de Green Flake — que nasceu escravo em meados da década de 1820 e acompanhou a primeira companhia de pioneiros santos dos últimos dias a chegar no Vale do Lago Salgado em 1847. “Esses seres humanos suportaram algo que eu nunca compreenderei completamente ou experienciarei em minha vida, e posso me fortalecer com suas experiências”, disse Bonner durante uma entrevista para o podcast do Church News [em inglês].

Sua leitura sobre o início da história da Igreja se voltou para a escrita e composição. Antes que ele percebesse, estava escrevendo um filme. “De alguma forma, fiz este filme. E sabia que tinha que ser feito. Isso é tudo o que eu sabia “, disse o escritor, produtor e diretor de primeira viagem.

O filme, “Seu nome é Green Flake”, foi reconhecido como “melhor filme” nas seguintes cerimônias de premiação: Venice Film Awards, London Independent Film Awards e LA Film Awards.

“Meu desejo pessoal é que a história da Igreja, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, nossa rica história, possa fazer parte da história norte-americana”, disse Bonner.  

Ele espera que outras pessoas se fortaleçam com a história da edificação de fé de Green Flake.

Uma foto da propriedade de Green Flake em Union, Utah, por volta de 1910. Green Flake era um membro negro da companhia pioneira de vanguarda de Brigham Young de 1847.
Uma foto da propriedade de Green Flake em Union, Utah, por volta de 1910. Green Flake era um membro negro da companhia pioneira de vanguarda de Brigham Young de 1847. Credit: Cortesia da Biblioteca de História da Igreja

“Quando pensamos em José do Egito; nos judeus de Israel; em Sadraque, Mesaque e Abednego; e em Daniel na cova dos leões, nos damos conta de que eles também passaram parte de sua vida escravizados, assim como Green Flake e outras pessoas. Não ousaríamos remover a escravidão de sua história. Essas experiências nos fortalecem.”

Bonner também se fortalece ao olhar para o Templo de Salt Lake — atualmente em reforma. Membros escravizados e outros pioneiros afro-americanos livres contribuíram para a construção do templo.

“Eles contribuíram para a construção do templo, mesmo que não lhes fosse permitido ter suas famílias reunidas durante sua vida, e que não pudessem ver o resultado de seu trabalho. Contudo, eles tiveram fé que a vontade do Senhor seria feita — o que é algo que me fortalece muito, e deveria fortalecer a todos nós. Nunca compreenderemos completamente que tipo de fé é necessária para isso.”