Lições do Batalhão Mórmon ainda relevantes mesmo 175 anos depois

As realizações do Batalhão Mórmon são indiscutíveis — ele ajudou a criar trilhas de carroções enquanto marchava pelo que agora é o sudoeste dos Estados Unidos. Após a conclusão de seu alistamento, os membros do batalhão ajudaram a abrir trilhas de carroções adicionais, conectando os estados da Califórnia, Nevada e Utah. Muitos seguiram essas trilhas e elas impactaram as fronteiras dos Estados Unidos.  

“Para um alistamento de um ano, o Batalhão Mórmon teve uma enorme influência, não apenas na história da Igreja, mas também na história dos Estados Unidos”, disse Greg Christofferson, vice-presidente da Associação do Batalhão Mórmon [site em inglês].   

Em 1846 — 175 anos atrás — os membros da Igreja haviam deixado Nauvoo, Illinois, devido à perseguição e violência das turbas, e foram espalhados por Iowa e Nebraska enquanto se preparavam para seguir rumo ao oeste em direção ao Vale do Lago Salgado, situado em território mexicano na época. Presidente Brigham Young havia enviado uma solicitação ao Presidente dos Estados Unidos, James K. Polk, pedindo auxílio para a mudança rumo ao oeste. A convocação de 500 homens a um batalhão para ajudar a lutar na Guerra Mexicano-Americana não era o que ele esperava.

Pintura do alistamento do Batalhão Mórmon em Council Bluffs, Iowa, por C.B. Hancock.
Pintura do alistamento do Batalhão Mórmon em Council Bluffs, Iowa, por C.B. Hancock. Credit: Catálogo da História da Igreja

Seu serviço os ajudou a financiarem a mudança para o oeste, o que levou “Brigham Young a reconhecer o batalhão como a ‘salvação temporal’ da Igreja”, disse Brandon Metcalf, historiador do Departamento de História da Igreja. Além do benefício financeiro de poderem equipar suas famílias e ajudarem outras pessoas a se mudarem para o oeste, eles adquiriram experiências na marcha de mais de 3 mil quilômetros que os beneficiaria quando os santos se estabelecessem no Oeste.  

“É difícil para nós imaginarmos tal jornada em nossa era de conforto com automóveis com ar-condicionado, rodovias pavimentadas, disponibilidade de comida, água, roupas e suprimentos, e tecnologia que permite a comunicação imediata com entes queridos e amigos”, disse Metcalf. 

No 175º aniversário da marcha do Batalhão Mórmon, que começou no dia 16 de julho de 1846, há várias lições de sua jornada que podem ser aplicadas ainda hoje. Além disso, pesquisadores da Associação do Batalhão Mórmon têm trabalhado com documentos, inclusive do Arquivo Nacional, para verificar quem serviu no batalhão.  

Lições do batalhão para os dias atuais

Duty Calls [O Dever Chama], uma escultura no Praça de Monumentos do Batalhão Mórmon, retrata Brigham Young chamando um jovem pai para deixar sua família.
Duty Calls [O Dever Chama], uma escultura no Praça de Monumentos do Batalhão Mórmon, retrata Brigham Young chamando um jovem pai para deixar sua família. Credit: August Miller, Deseret News

Embora os membros da Igreja de hoje não sejam convidados a marchar com uma unidade militar pelo deserto, podemos aprender muito com as experiências do Batalhão Mórmon.

“A história do Batalhão Mórmon é uma história de sacrifício, fé e perseverança que é relevante para os nossos dias”, disse Metcalf. 

  • Confiança na visão mais ampla dos profetas  

Muitos santos pioneiros estavam receosos de se alistarem, e apenas quando Brigham Young apoiou o recrutamento é que as pessoas começaram a se inscrever. Isso parecia contraditório para muitos. 

“Por fim, cada uma das promessas feitas aos participantes do batalhão por Brigham Young e pelos membros dos Doze antes de partirem foram cumpridas: eles escaparam das dificuldades, nunca foram obrigados a se envolver na guerra e sua expedição ‘resultou em muitas coisas boas, e nossos nomes foram transmitidos em honrosa lembrança a todas as gerações’”, disse Metcalf.

  • Perseverança na adversidade

A convocação para se unirem ao Exército dos E.U.A. e ajudarem na Guerra Mexicano-Americana não foi conveniente, e a marcha de mais de 3 mil quilômetros pelo deserto não foi fácil. Eles estavam sendo convidados a deixarem suas famílias e a ajudarem na guerra contra o México.  

“Os participantes observaram que o pedido para se alistarem no batalhão foi ‘muito difícil de engolir’, pois eles se sentiam insultados com a solicitação vinda de um governo que falhou em defender os santos durante anos de perseguição brutal”, disse Metcalf.  

Durante a marcha, eles empurraram carroções sobre a areia e através das montanhas e, muitas vezes, tinham pouca água e comida.  

“No entanto, durante toda a provação, eles confiaram em sua fé no Senhor e na perspectiva de se reunirem com suas famílias e estabelecerem Sião no Oeste. Sua história continua a nos inspirar hoje, oferecendo lições sobre a importância da fé, do compromisso e da resiliência do espírito humano”, disse Metcalf. “À medida que aprendemos sobre seu sacrifício, extraímos força de seus exemplos de superação de grandes adversidades, que nos inspiram a seguir em frente em nossas próprias fatigantes marchas.”

Pintura de uma tourada durante a marcha do Batalhão Mórmon no Arizona, por C.B. Hancock.
Pintura de uma tourada durante a marcha do Batalhão Mórmon no Arizona, por C.B. Hancock. Credit: Catálogo da História da Igreja
  • Fé no Senhor

“Todos nós encontramos estradas longas e arenosas, ou marchamos descalços e famintos, carregando cargas pesadas de provações emocionais, físicas ou espirituais”, disse Metcalf. “Isso requer fé e a ajuda do Senhor para superarmos o sofrimento mortal e reconhecermos, como fez um membro do batalhão, que ‘nada poderia ter salvado nossas vidas, exceto a mão invisível do Deus Todo-Poderoso’. 

“Assim como o Senhor ajudou o batalhão durante suas provações, Ele fará o mesmo por nós, mesmo quando nossas tribulações parecerem desesperadoras e insuperáveis.”

Investigação dos registros

Mas quem, exatamente, estava no Batalhão Mórmon?  

Enquanto os homens se alistavam no Batalhão Mórmon, os líderes da Igreja mantinham várias listas com os nomes das pessoas que se alistaram ou se voluntariaram, em parte para garantir que suas famílias receberiam cuidado. Essas listas e o Cartão de Registro do Serviço Militar Compilado têm sido usados com frequência para ajudar a identificar quem participou do Batalhão Mórmon. Contudo, esses recursos contêm nomes de homens que se voluntariaram, mas que nunca compareceram, além de outros erros, disse Laura Anderson, diretora executiva da Associação do Batalhão Mórmon.    

Vários anos atrás, Anderson ouviu que os registros de agrupamento e de folha de pagamento do Batalhão Mórmon estavam nos Arquivos Nacionais em Washington, D.C. — registros militares oficiais que antes eram considerados perdidos.  

As listas de agrupamento eram criadas a cada dois meses e registravam informações sobre o serviço de cada membro, incluindo se estavam doentes, ou se haviam sido enviados com um destacamento, dispensados, mortos ou abandonados, disse Anderson. Com a ajuda de outros pesquisadores, voluntários e funcionários dos Arquivos Nacionais, Anderson conseguiu localizar os registros. Desde então, ela retornou aos Arquivos Nacionais cerca de 10 vezes. (Ela compartilhou suas experiências na RootsTech [em inglês] e seus comentários estão disponíveis online em familysearch.org [também em inglês].)

Este marco histórico em Temecula fica ao lado uma capela de santo dos últimos Dias. Após um período em Warner’s Ranch, o Batalhão Mórmon marchou em direção ao Oceano Pacífico. No dia 24 de janeiro de 1847, eles acamparam em um local próximo a atual cidade de Temecula, Condado de Riverside, que hoje é coberto pelo Lago Vail.
Este marco histórico em Temecula fica ao lado uma capela de santo dos últimos Dias. Após um período em Warner’s Ranch, o Batalhão Mórmon marchou em direção ao Oceano Pacífico. No dia 24 de janeiro de 1847, eles acamparam em um local próximo a atual cidade de Temecula, Condado de Riverside, que hoje é coberto pelo Lago Vail. Credit: Kenneth Mays

Eles também encontraram solicitações de terras de recompensa e registros de pensão. As terras de recompensa eram uma remuneração de 65 hectares pela conclusão do serviço militar. Como Utah não estava disponível para concessões de terras de recompensa, a maioria dos membros do batalhão vendeu suas terras, disse Anderson. Os registros de pensão ajudaram os pesquisadores a encontrarem familiares adicionais. 

Com várias viagens aos Arquivos Nacionais e outros registros disponíveis online, Anderson e outros pesquisadores puderam verificar a maioria das pessoas que estavam com o batalhão, acompanhá-las através dos registros mantidos durante a jornada e quando chegaram em casa, e conectá-las às suas famílias.  

“Portanto, é uma combinação de todos esses registros diferentes que nos permite identificar individualmente” os membros do batalhão, disse Anderson.  

Peter Fife foi um dos homens que eles pesquisaram recentemente. Ele havia sido colocado em uma lista da Companhia B e, de acordo com seu obituário, ele era “um membro do Batalhão Mórmon.” Seu nome acabou sendo retirado das listas de membros do batalhão, pois ele não estava em uma lista militar. Graças a outros registros online e digitalizados, incluindo vários diários de outras pessoas durante esse período, os pesquisadores puderam verificar que Fife esteve com o batalhão.  

“Como Peter não está na lista como soldado, é possível que ele tenha sido um cocheiro ou ajudante, embora nenhuma documentação para qualquer uma dessas possibilidades tenha sido encontrada — ainda”, disse Anderson.  

Conforme os pesquisadores conectam indivíduos aos registros, eles adicionam as informações ao FamilySearch, e planejam disponibilizar o resultado de suas pesquisas no site da Associação do Batalhão Mórmon. 

“Sabemos quem eram os 496 homens”, disse Christofferson, observando que um apelido casual oferece um desafio aos pesquisadores. “Podemos identificar 496 [nomes] com os quais os registros confirmam.”

Em Council Bluffs, Iowa, Aurelia Spencer Rogers recordou ver os membros do Batalhão Mórmon reunidos antes de sua marcha histórica.
Em Council Bluffs, Iowa, Aurelia Spencer Rogers recordou ver os membros do Batalhão Mórmon reunidos antes de sua marcha histórica. Credit: Kenneth Mays

Eles também foram capazes de dissipar mitos sobre o batalhão, inclusive que os homens eram alfabetizados, o motivo pelo qual eles não tinham uniformes e que todos os participantes eram membros da Igreja.  

Anderson encontrou muitos registros nos quais os homens tiveram que assinar com um “X” — em vez de seus nomes — que foram autenticados por um oficial. 

“Nenhuma unidade voluntária na Guerra do México recebeu uniformes, exceto de seu estado”, disse Anderson. Como os Santos não estavam se alistando em um estado específico, eles não receberam uniformes. Eles puderam enviar uma parte do auxílio que receberam para comprar seus uniformes em Fort Leavenworth, Kansas, para suas famílias.  

Eles encontraram um homem que se juntou ao Batalhão Mórmon em Fort Leavenworth que não era membro da Igreja. Por meio de sua pesquisa, eles não descobriram se ele acabou se filiando à Igreja, disse ela.  

“E o que mais me anima é o fato de que ainda estamos descobrindo essas pessoas”, disse Anderson. 

Muitos eventos ao longo da trilha do Batalhão Mórmon estão sendo planejados para o 175º aniversário por várias organizações em diversos lugares, incluindo em Santa Fé, Novo México; Tucson, Arizona; e San Diego e Yuma, Califórnia. A Associação do Batalhão Mórmon participará do Military Appreciation Day [Dia de Agradecimento aos Militares] em agosto, em Camp Floyd, Utah. Um simpósio histórico está agendado para agosto em Council Bluffs, Iowa. Consulte mormonbattalion.com [em inglês] caso deseje obter mais informações.