Como a história de Cove Fort ilustra ‘a fé silenciosa’ dos primeiros santos

BEAVER, Utah — A área ao redor de Cove Fort [Forte de Cove] estava tranquila em um outono nublado e ventoso na tarde de sábado, quando os visitantes atravessaram os muros de mais de um metro de espessura do forte — paredes de rocha vulcânica que se mantêm tão firmes quanto há 154 anos. 

Em abril de 1867, Presidente Brigham Young designou Ira N. Hinckley [em inglês] para construir um forte e assumir o comando do rancho da Igreja em uma área deserta no sul do Território de Utah conhecida como Cove Creek.   

Hinckley e sua família responderam rápida e voluntariamente ao chamado do profeta e deixaram sua casa a 320 km ao norte, em Coalville. Juntos, eles fizeram do forte um lar ideal para sua família e um lugar acolhedor para os viajantes. 

Localizado hoje na metade do caminho entre as cidades de Fillmore e Beaver, Cove Fort [em inglês] permanece um testamento da obediência, fé e dedicação da família Hinckley e de outros santos antigos. Acredita-se que seja um dos poucos, senão únicos, fortes pioneiros em Utah ainda de pé. 

Foto de Ira N. Hinckley no Banco de Dados de Pioneiros, do Departamento de História da Igreja.
Foto de Ira N. Hinckley no Banco de Dados de Pioneiros, do Departamento de História da Igreja. Crédito: History.ChurchofJesusChrist.org

“Este é um lugar sagrado”, disse o presidente de Cove Fort, Dean C. Edwards, ao Church News. “Ele pode não fazer parte da área histórica onde a Igreja foi restaurada, mas é sagrado. É sagrado por causa da vida das pessoas que viveram aqui. Nós sentimos isso. Nosso testemunho e gratidão por aqueles primeiros santos cresceram muito desde que chegamos aqui.”

A sister Lana Edwards, esposa do presidente Edwards, acrescentou: “É um testemunho de que podemos continuar a ser instrumentos nas mãos do Senhor, como a família Hinckley.”

Cove Fort antes e agora

Uma visita a Cove Fort geralmente começa na casa de toras restaurada de Ira N. Hinckley [em inglês], onde ele e sua família moravam em Coalville quando foram chamados para construir o forte. A casa foi desmontada, levada para Cove Fort e reconstruída na década de 1990.  

O forte está localizado do outro lado da rua, que antes servia como estrada principal entre o norte e o sul de Utah. Os visitantes podem visitar cada um dos 12 cômodos do forte — seis ao longo do muro norte e seis ao longo do sul — que incluem recriações do escritório do telégrafo, uma grande cozinha e quartos de hóspedes. 

A casa de toras restaurada de Ira N. Hinckley, onde ele e sua família moravam em Coalville quando foram chamados para construir o forte. A casa foi desmontada, levada para Cove Fort e reconstruída na década de 1990.
A casa de toras restaurada de Ira N. Hinckley, onde ele e sua família moravam em Coalville quando foram chamados para construir o forte. A casa foi desmontada, levada para Cove Fort e reconstruída na década de 1990. Crédito: Sydney Walker

Do lado de fora das muralhas do forte, encontram-se uma oficina de ferreiro reconstruída, uma casa de gelo, uma torre de feno, um jardim, um celeiro e um curral. Essas construções dão uma ideia do trabalho e da vida no forte. 

Hinckley construiu o forte e o celeiro em menos de sete meses com a ajuda de seu irmão, Arza, e artesãos de assentamentos próximos. Por 15 anos, Cove Fort serviu como uma estação intermediária integral [em inglês] de apoio aos assentamentos no Território do sul de Utah, à medida que a Igreja se expandia de sua sede em Salt Lake City. Com a chegada da ferrovia em 1882, o tráfego pelo forte diminuiu significativamente. A família de Hinckley continuou a trabalhar na fazenda até 1890.   

Vista de dentro da cozinha reconstruída em Cove Fort.
Vista de dentro da cozinha reconstruída em Cove Fort. Crédito: Kenneth Mays

Construído no final da Guerra Black Hawk em Utah, Cove Fort foi planejado para ser uma defesa contra os nativos americanos, mas o forte nunca foi atacado [em inglês]. Hinckley e sua família mantiveram relacionamentos positivos com os nativos americanos que viviam próximo.  

O falecido Presidente Gordon B. Hinckley, neto de Ira Hinckley e na época primeiro conselheiro na Primeira Presidência, dedicou Cove Fort como um local histórico da Igreja em 21 de maio de 1994.  

“Este local foi construído para proporcionar segurança e descanso, alimentação e conforto. (…)”, disse Presidente Hinckley na dedicação. “Aqueles que construíram e viveram aqui acreditavam na paternidade de Deus e na fraternidade dos homens. Mais sólida do que o alicerce sobre o qual se erguem essas paredes de rocha, era sua fé silenciosa.”

Edward Milo Webb Jr. 

Foto de Edward Milo Webb Jr. no Banco de Dados de Pioneiros do Departamento de História da Igreja.
Foto de Edward Milo Webb Jr. no Banco de Dados de Pioneiros do Departamento de História da Igreja. Crédito: History.ChurchofJesusChrist.org

A “fé silenciosa” citada pelo Presidente Hinckley é ilustrada por muitos envolvidos na história de Cove Fort, incluindo Edward Milo Webb Jr. [em inglês], um dos homens que provavelmente ajudou Hinckley a construí-lo.  

O élder Tony Webb, que está servindo em Cove Fort com sua esposa, a sister Joan Webb, é bisneto de Edward Milo Webb Jr. 

Enquanto crescia, a família de élder Webb costumava viajar pela rodovia I-15 entre Utah e sua casa no Arizona. “Todas as vezes que passávamos pela placa de Cove Fort lá na rodovia interestadual, meu pai dizia: ‘Meu avô ajudou a construir aquele forte’”, relembrou o élder Webb. “Então, ouvi isso durante toda a minha vida.”

Edward Milo Webb Jr. — a quem élder Webb carinhosamente se referiu como “Junior” — nasceu no Missouri em 1847. Seu pai, Edward Milo Webb Sênior, era um dos cinco irmãos Webb que administravam a loja Webb Blacksmith [em inglês] em Nauvoo, Illinois.   

“Junior tinha cerca de 5 anos quando eles estavam cruzando as planícies”, disse o élder Webb. “E, conforme li, ele foi encarregado de 30 cabeças de ovelhas e duas vacas. Ele as estava conduzindo através das planícies aos 5 anos de idade.”

Élder Tony Webb, à direita, e sua esposa, a sister Joan Webb, são fotografados em Cove Fort em novembro de 2021. O élder e a sister Webb estão servindo como missionários em Cove Fort.
Élder Tony Webb, à direita, e sua esposa, a sister Joan Webb, são fotografados em Cove Fort em novembro de 2021. O élder e a sister Webb estão servindo como missionários em Cove Fort. Crédito: Tony Webb

Edward Milo Webb Sênior morreu de cólera na jornada para o oeste e foi sepultado nas margens do rio Platte, no atual estado de Nebraska. O restante da família perseverou e acabou chegando ao vale do Lago Salgado. “Eles acabaram se instalando em Fillmore e foi ali onde Junior cresceu”, continuou o élder Webb. 

Quando Hinckley chegou, em 1867, Junior tinha acabado de ser libertado da Divisão Fillmore do Exército que estava lutando na Guerra Black Hawk. Junior tinha 19 ou 20 anos na época. 

“Suponho que ele foi recrutado para vir para o forte e Ira Hinckley o designou para trabalhar na pedreira”, disse o élder Webb. 

Élder Webb descreveu Junior como “um homem humilde” que adorava aprender. Depois de ajudar na construção do forte, ele frequentou a Academia Brigham Young em Provo e se tornou educador. Mais tarde, ele foi chamado para ir para o norte do Arizona, onde fundou a Academia Snowflake. 

“Aquela Academia Snowflake ainda existe como parte da escola secundária original”, disse o élder Webb, que residia em Snowflake, Arizona, antes de sua designação missionária. 

“Fico emocionado quando começo a pensar no meu bisavô,” ele admitiu. O élder Webb disse que nunca conheceu seu avô, filho de Junior.

“Ele morreu quando eu era bebê, então me senti traído por não ter um avô. Na verdade, quando estou perto do forte, às vezes me pergunto se ele esculpiu nesta pedra, e isso me faz sentir mais perto dele. Há um laço e um vínculo do qual realmente sou grato. Isso me deixa feliz e melancólico ao mesmo tempo.”

Quando questionado sobre como ele se sente a respeito de seu bisavô e outras pessoas envolvidas na história de Cove Fort, o élder Webb diz: “Eles simplesmente deram o melhor de si e o fizeram da maneira certa. Eu amo isso.”

A família Hinckley

O presidente e a sister Edwards disseram que essa “fé silenciosa” também pode ser vista na vida dos filhos dos Hinckley, que se mantinham ocupados ajudando na vida diária do forte, cortando lenha e fazendo sabonetes e velas. 

Uma vista da passarela interna superior de Cove Fort, com vista para os seis cômodos do lado sul e para o pátio.
Uma vista da passarela interna superior de Cove Fort, com vista para os seis cômodos do lado sul e para o pátio. Crédito: Sydney Walker

Hinckley e suas duas esposas, Adelaide C. Noble e Angeline W. Noble, começaram seu trabalho no forte no final de 1867 com 10 filhos. 

Arza Alonzo Hinckley, um dos filhos, disse [em inglês]: “O antigo e histórico Cove Fort vive na minha memória, não como um forte, mas como um lar. (…) Doces lembranças da minha infância estão ligadas a esse local. Foi lá que fui criado sob os cuidados de uma nobre mãe e sob a influência do exemplo de um pai maravilhoso.” 

Para Luna Adell Hinckley, uma das filhas, “Os anos de vida feliz dentro das paredes do forte, o tornaram, não apenas um lugar seguro, mas também um lar sagrado”, disse ela [em inglês]. “Cove Fort faz parte de nós e nós fazemos parte dele.” 

Durante seu serviço em Cove Fort, o presidente e a sister Edwards têm refletido muito sobre a obediência, o serviço, a caridade e a devoção da família Hinckley e de outros santos antigos. 

O presidente de Cove Fort, Dean C Edwards, à esquerda, e sua esposa, sister Lana Edwards, posam para uma foto em Cove Fort em novembro de 2021. Cove Fort está localizado entre Fillmore e Beaver, Utah.
O presidente de Cove Fort, Dean C Edwards, à esquerda, e sua esposa, sister Lana Edwards, posam para uma foto em Cove Fort em novembro de 2021. Cove Fort está localizado entre Fillmore e Beaver, Utah. Crédito: Dean Edwards

“Já pensamos tantas vezes”, disse o presidente Edwards, “que talvez o verdadeiro sucesso deste forte esteja incorporado nas próprias palavras das crianças, visto que o viam como um lar e um lugar para crescer.”

A sister Edwards acrescentou o que aprendeu: “Meu testemunho cresceu a respeito das bênçãos que advêm do serviço. (…) Acho que o Senhor deseja nos abençoar, mas também precisa de nossa ajuda — precisamos oferecê-la.”

Cove Fort está aberto o ano todo para visitas presenciais e virtuais. Para agendar um tour virtual, clique aqui [em inglês]. Veja um mapa interativo de Cove Fort aqui [em inglês].