Como uma resposta “inconfundível” sobre o evangelho mudou a vida desta autoridade geral

Quando entrou no centro de Treinamento Missionário aos 19 anos, o élder James Richard Rasband sentiu-se inadequado para o trabalho e estressado com a perspectiva de pregar o evangelho com poder numa língua e num país estrangeiro.

Em seu terceiro dia no CTM em Provo, Utah, o élder Rasband, sofrendo de ansiedade, escreveu em seu diário: “Finalmente consegui dormir à noite passada”.

Muitos anos depois, sentiu um nervosismo semelhante quando foi chamado como presidente de estaca.

Em ambos os casos, ele pensou: “Será que sou adequado para esse chamado?” E em ambos os casos, a resposta foi a mesma: “Aceite o chamado. Você sentirá alegria.” Ou, como sua mãe lhe disse certa vez quando ele contou como se sentia incapaz de cumprir um novo chamado, “Jim, o Senhor não trabalha com pessoas perfeitas. Mãos à obra.”

Ele sentiu um pouco disso depois de ter sido apoiado na Conferência Geral de abril de 2019 como novo setenta autoridade geral. Quando foi entrevistado logo após ter sido apoiado, o élder Rasband sorriu e disse: “Pelo menos, desta vez eu dormi um pouco, o que foi diferente da missão”.

E desta vez ele sabe, por experiência própria, como persistir e confiar. “O Pai Celestial só precisa que façamos nossa parte e falemos do evangelho de Seu Filho e de Seu sacrifício expiatório, uma mensagem que cura e traz alegria.”

Apesar do medo inicial, sua missão foi um episódio maravilhoso e determinante em sua vida, disse o élder Rasband, que serviu em Seul, Coreia, de 1982 a 1984. “Amei minha missão. Os coreanos são um povo extraordinário, muito generosos, gentis e atenciosos.”

Relembrando sua missão, uma das vívidas lembranças que ele tem é a de ter tido a oportunidade de testificar que Joseph Smith foi um profeta de Deus. “Toda vez que eu tinha a chance de ensinar ou testificar sobre a Primeira Visão, eu sentia seu poder, e sempre fui grato por esse testemunho.”

Suas experiências ao ensinar e testificar ao povo coreano basearam-se nos princípios que ele aprendeu quando era jovem. Ele nasceu em Seattle, Washington, em 20 de março de 1963, mas foi criado em Pebble Beach, Califórnia, numa casa situada a 180 metros da praia.

Ele e seu irmão, 20 meses mais novo, chegavam da escola e passavam horas na praia ou num bosque de carvalhos, pinheiros e ciprestes, brincando e explorando esses lugares. Até hoje, disse o élder Rasband, o cheiro do mar ou o som da buzina dos barcos num nevoeiro despertam saudade.

Seu pai, James E. Rasband, adorava levar os filhos para acampar e fazer caminhadas nos parques nacionais do oeste dos Estados Unidos.

O jovem James era “uma estrela do esporte na 5ª série”, mas depois dessa época, “virou um desastre”, disse o élder Rasband, rindo, embora tivesse jogado basquete, beisebol e lacrosse no Ensino Médio.

“Tive uma infância divertida”, disse ele.

Seus pais ensinaram os filhos sobre o evangelho pelo exemplo. Seu pai era radiologista — um homem humilde, que lhe ensinou sobre integridade, honestidade absoluta e trabalho árduo.

Sua mãe, Ester Johnson Rasband, ensinou-o a perdoar prontamente. Seu profundo amor e conhecimento das escrituras fez com que elas fossem um assunto natural nas conversas que tinham em casa. “Minha mãe era assim. O evangelho era tudo para ela.”

Quando jovem, ele queria a todo custo ter uma experiência espiritual “magnífica, com um coro de anjos celestiais” para ter certeza de que o evangelho era verdadeiro. “Essa experiência extraordinária não aconteceu, então, pensei: ‘Será que eu tenho um testemunho?’ Eu sentia paz em relação ao evangelho, mas ficava pensando nisso.”

Como ele pulou uma série na escola, acabou se formando no Ensino Médio com 17 anos e pôde estudar dois anos na Universidade Brigham Young antes de ir para a missão. Durante esse período, ele também fez um curso em Israel. Enquanto visitava os lugares por onde Cristo andou e ensinou, ele estudou sobre a vida do Salvador e Seus ensinamentos, lendo todas as obras-padrão, bem como “Jesus, o Cristo” e “Regras de Fé”, de James E. Talmage. 

Finalmente um dia, à tarde, ele encontrou um lugar tranquilo no kibutz onde estava morando e orou novamente. Desta vez, recebeu um testemunho incontestável de que Jesus era o Cristo e de que os relatos sobre Sua vida e sacrifício expiatório eram verdadeiros.

“Aquela foi a primeira experiência em minha vida em que senti algo tão forte e poderoso. Eu já tinha sentido paz antes e já tinha me sentido consolado, mas aquela experiência foi inconfundível”, lembrou ele.

Desde aquele dia, disse o élder Rasband, ele tem tido outras experiências que lhe trazem paz por um breve momento e que o fazem “entender e sentir com clareza a extraordinária sinfonia do evangelho e do plano de salvação”, mas o mais importante é que ele aprendeu que viver o evangelho traz paz.

Em seu primeiro ano na faculdade, ele conheceu Mary Diane Williams no dormitório da BYU, mas foi só no segundo ano que teve coragem de convidá-la para sair. Diane escreveu para ele durante os cinco meses de seu curso em Israel e depois durante sua missão na Coreia. Os dois casaram-se seis meses após ele ter retornado da Coreia, em 11 de agosto de 1984, no Templo de Los Angeles, Califórnia. O casal tem quatro filhos e dois netos.

A irmã Rasband disse que eles ainda guardam todas aquelas cartas que escreveram um para o outro organizadas em ordem cronológica num fichário. “Elas são muito interessantes e divertidas”, disse ela.

Motivado pelo amor de sua mãe pela leitura das escrituras e literatura, o élder Rasband formou-se em Inglês e Estudos do Oriente Próximo na BYU. Ao mesmo tempo, a irmã Rasband estava terminando seu mestrado em Engenharia Química.

O élder Rasband refletiu e orou muito a respeito da carreira que deveria seguir. “Pensei em me tornar professor de inglês de nível universitário, e depois acabei decidindo que Direito me daria a chance de aplicar meu amor pela leitura e análise de textos aos verdadeiros problemas mundiais.”

Depois de formar-se em Direito em Harvard, trabalhou para o Juiz J. Clifford Wallace por um ano em San Diego, Califórnia, no Nono Circuito de Cortes de Apelação dos Estados Unidos. Depois, mudaram-se para Seattle, Washington, onde exerceu advocacia voltada para leis de recursos naturais antes de começar a fazer parte do corpo docente da Faculdade de Direito J. Reuben na BYU em 1955. Mais tarde, foi reitor dessa faculdade e estava servindo como vice-presidente acadêmico na BYU quando foi chamado como autoridade geral.

Desde que se mudou para Utah, o domingo à noite é reservado para um jantar em família quando os filhos são incentivados a contar a coisa engraçada mais recente que o pai fez ou disse. “Os Rasbands gostam de rir”, disse o élder Rasband.

O élder Rasband passou para sua família seu amor pela vida ao ar livre, com muitas férias passadas com a mulher e os filhos explorando os parques públicos espetaculares do oeste dos Estados Unidos. Ele e a irmã Rasband gostam principalmente de fazer caminhadas e explorar os canyons de rochas vermelhas do sul de Utah.

O élder Rasband sabe que o novo chamado não foi dado porque que ele tem qualidades excepcionais. “A irmã Rasband e eu somos pessoas comuns, mas daremos o melhor de nós”.

Sua esperança é poder compartilhar sua convicção e gratidão pela Expiação de Jesus Cristo. “O poder de cura do sacrifício expiatório do Salvador é muito abrangente e mais extraordinário do que a maioria de nós imagina”, disse ele.