O que o presidente Ballard espera que os santos dos últimos dias considerem sobre o martírio em seu 175º aniversário

Um dos momentos mais espirituais do presidente M. Russell Ballard aconteceu quando ele falou de dois antepassados especiais.

Foi em 2012 e ele estava falando no Seminário para Novos Presidentes de Missão realizado no Centro de Treinamento Missionário em Provo. Ele deu ao seu discurso o título: “Irmãos unidos pelo amor e pela fé”. Naquela ocasião, ele disse que não conhecia “nenhuma dupla missionária melhor que serviu nesta dispensação” do que o profeta Joseph Smith e seu irmão mais velho Hyrum.

“Nossos missionários podem aprender muito ao seguir o exemplo destes profetas. Eles foram homens de integridade, lealdade, coragem, confiança, fé e testemunho inabalável”, disse ele na ocasião.

Quando ele concluiu, o hino de tributo escrito por William W. Phelps, Hoje ao Profeta Louvemos”, foi suavemente tocado e o coração de todos na congregação foi tocado.

“De todos os discursos que já fiz no CTM, e fiz muitos, este foi muito especial. O Espírito estava bem forte”, disse o presidente Ballard. “Esta história do maior companheirismo missionário do mundo é algo que devemos lembrar.”

Essa experiência foi uma das várias memórias e pensamentos que me vieram à mente enquanto o presidente Ballard, presidente interino do Quórum dos Doze Apóstolos, refletiu sobre o 175º aniversário do martírio de 27 de junho do profeta Joseph e Hyrum Smith, de quem ele é sobrinho-trineto.

O presidente M. Russell Ballard, presidente interino do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, trabalha em seu escritório na terça-feira, 13 de março de 2018.
O presidente M. Russell Ballard, presidente interino do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, trabalha em seu escritório na terça-feira, 13 de março de 2018. Credit: Ravell Call, Deseret News

“Meu sentimento é que temos que ficar maravilhados, em reverência e ter profundo apreço por sua coragem, espiritualidade, integridade e seu amor pelo Senhor Jesus Cristo”, disse o presidente Ballard. “Eles estavam dispostos a dar a vida, se necessário, para restaurar o evangelho de Jesus Cristo. Então estamos falando de dois homens grandiosos, talvez os mais grandiosos filhos de Deus que já viveram, com exceção do Salvador, é claro, que é o maior de todos. Cada membro da Igreja deve saber dessas coisas e refletir sobre elas.”

O testemunho do presidente Ballard sobre o profeta Joseph Smith e o Livro de Mórmon tornou-se inabalável quando serviu como jovem missionário na Inglaterra.

Ao longo dos anos, o presidente Ballard visitou a Cadeia de Carthage pelo menos 10 vezes. Uma ocasião especial foi o 150º aniversário do martírio em 1994, quando o então élder Ballard acompanhou o presidente Howard W. Hunter e o presidente Gordon B. Hinckley e falou no local da história da Igreja.

“Fiquei emocionado por estar naquele solo sagrado ponderando sobre aquele dia importante em 27 de junho de 1844, o presidente Ballard disse. “Esta visita proporcionou pensamentos e sentimentos ternos em mim ao considerar os eventos traumáticos que aconteceram naquele local. No dia em que estivemos lá, sentimos uma segurança calma e pacífica de que eles haviam cumprido sua grande missão.”

O élder M. Russell Ballard fala em um devocional realizado do lado de fora da Cadeia de Carthage em 5 de agosto. O devocional comemorou o 25º aniversário da dedicação do Cemitério da Família Smith.
O élder M. Russell Ballard fala em um devocional realizado do lado de fora da Cadeia de Carthage em 5 de agosto. O devocional comemorou o 25º aniversário da dedicação do Cemitério da Família Smith. Credit: Lindsey Orton, Archivos de Deseret News

Durante outras visitas à cadeia de Carthage, o Presidente Ballard recorda-se vividamente de subir as escadas para a sala superior onde a multidão atacou Joseph, Hyrum, John Taylor e Willard Richards. Com buracos de bala nas paredes da cadeia ainda visíveis, eles leram o relato angustiante, incluído na seção 135 de Doutrina e Convênios, a homenagem de John Taylor a Joseph.

“Não é possível ir até lá e ler o que realmente aconteceu sem ser tocado porque estamos na sala onde os irmãos deram a vida”, disse o presidente Ballard.

Quando o presidente Joseph F. Smith — o sexto presidente da Igreja e bisavô do presidente Ballard — visitou Nauvoo em 1906, ele mostrou o lugar na estrada onde seu pai, Hyrum Smith, montou em um cavalo, inclinou-se na sela e levantou-o para dar-lhe um beijo de despedida antes de partir com Joseph e outros para Carthage, disse o presidente Ballard.

Na mesma viagem, quando o presidente Joseph F. Smith esteve na Cadeia de Carthage pela primeira vez, um guia mostrou um lugar no piso do quarto superior e disse: “essa mancha é o sangue de Hyrum Smith”. O presidente Smith sentou-se na cama e chorou como criança.

“Temos um vislumbre do sentimento de como foi para o filho de Hyrum vivenciar isso”, disse o presidente Ballard. “Como trineto, eu tenho os mesmos sentimentos.”

Há uma estátua de Joseph e Hyrum Smith do lado de fora da Cadeia de Carthage, onde os irmãos foram mortos em 27 de junho de 1844.
Há uma estátua de Joseph e Hyrum Smith do lado de fora da Cadeia de Carthage, onde os irmãos foram mortos em 27 de junho de 1844. Credit: Jeffrey Allred, Arquivo do Deseret News

Um dos livros favoritos do presidente Ballard sobre o profeta Joseph Smith foi escrito por sua mãe, Lucy Mack Smith: “História de Joseph Smith contada por sua mãe. Além de suas percepções maternas, o presidente Ballard também admira sua coragem em lidar com a perda de três filhos. Samuel Smith, o filho mais novo, adoeceu e morreu em 30 de julho de 1844, pouco mais de um mês após o martírio.

O presidente Ballard muitas vezes compartilhou a seguinte experiência terna do livro da matriarca Smith:

“Ela exclamou em agonia: ‘Deus meu, Deus meu, por que desamparaste esta família?’ Lucy Mack Smith relatou ter ouvido uma voz responder: ‘Eu os trouxe para mim, para que pudessem descansar’. Então, ao olhar para os corpos deles ela disse: ‘Quase podia ouvi-los dizer: ‘Mãe, não chores por nós, vencemos o mundo pelo amor; trouxemos a eles o evangelho, para que sua alma possa ser salva; eles nos mataram por nosso testemunho, e assim, nos colocaram além do seu poder; sua vitória é momentânea, mas nosso triunfo é eterno’.

Embora fosse seis anos mais velho, Hyrum Smith reconheceu o chamado sagrado e santo de Joseph e sempre apoiou fielmente seu irmão. O presidente Ballard sente que este vínculo fraterno especial é capturado na estátua “deslumbrante e heróica” dos irmãos que saúda os visitantes na Cadeia de Carthage.

A escultura de tamanho heróico retrata Joseph um pouco à frente de Hyrum, com a mão de Hyrum no braço de seu irmão mais novo.

“Isso é muito significativo”, disse o presidente Ballard. “Aquela estátua diz tudo.”

Há três bustos esculpido — de Joseph Smith, Hyrum Smith e Joseph F. Smith — encostado em um aparador em seu escritório. Perto dali está uma pequena estátua de Samuel Smith, o primeiro missionário da Igreja, com um exemplar do Livro de Mórmon em uma das mãos e um saco sobre o ombro. O presidente Ballard também tem um fragmento de tijolo do coração da casa de Smith, em Vermont, onde Hyrum Smith nasceu. Esses itens, ele observou, fazem com que ele reflita continuamente sobre sua nobre herança familiar.

O presidente M. Russell Ballard, presidente interino do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos dias, posa para uma foto em seu escritório em Salt Lake City na terça-feira, 13 de março de 2018.
O presidente M. Russell Ballard, presidente interino do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos dias, posa para uma foto em seu escritório em Salt Lake City na terça-feira, 13 de março de 2018. Credit: Ravell Call, Deseret News

“Quando passei a perceber quem eles eram e quem eu era, foi inacreditável. Estou constantemente consciente de que tenho um dever apenas em virtude do fato de que tenho uma conexão”, disse o presidente Ballard. “Eu ouço-os dizer o tempo todo: “Vamos, faça algo de valor. Ande, rapaz, não fique aí sentado. Eles eram agentes. Tinham que ser agentes.”

Ao pensar no martírio, o presidente Ballard espera que os membros da Igreja aprendam sobre o trabalho importante que Joseph e Hyrum realizaram e o apreciem, juntamente com seus exemplos de amor, dedicação e sacrifício.

“Todo membro da Igreja deve pensar no que esses dois profetas estavam dispostos a fazer para restaurar o evangelho e a Igreja de Jesus Cristo”, disse o presidente Ballard.