Presidente Nelson encontra com Vice Primeira Ministra, compartilha representação de templo do Camboja

PHNOM PENH, Camboja – Milhares de Santos dos Últimos Dias ficaram em silêncio quando presidente Russell M. Nelson exibiu uma representação do futuro Templo Phnom Penh Camboja aqui na terça a noite, no dia 19 de novembro.

A quietude, contudo, foi rapidamente substituída por uma onda de deleite que agitou ao redor do Premier Centre Sem Sok, um salão de exibição e centro de recepção em Phnom Penh.

“É assim que será – não é lindo?” perguntou presidente Nelson, reconhecendo o trabalho sagrado feito num templo anterior acrescentando, “Preparar-se para o templo é um trabalho sagrado.”

Marcando sua primeira viagem para o Camboja – uma nação ocupada de 16,5 milhões – presidente Nelson falou como parte de seu Ministério pelo Sudeste da Ásia, visitando quatro países em sete dias, de 15 a 22 de novembro.

O templo – o primeiro no Camboja – ficará na Rua Confederação Russa, próximo ao Instituto de Tecnologia do Camboja e oposto ao Hospital Nacional Pediátrico.

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mostra a representação de um artista do templo de Phnom Penh Camboja durante um devocional em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.
Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mostra a representação de um artista do templo de Phnom Penh Camboja durante um devocional em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.

O edifício sagrado é uma indicação de que “Deus conhece e ama” os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Camboja, ele disse.

“Não sabemos quando o templo estará terminado”, presidente Nelson disse. “Mas eu sei disso: Por mais difícil que seja estabelecer um templo, é mais difícil estabelecer um povo preparado para o templo. Agora é o momento de começar a se preparar para o templo.”

Presidente Nelson prometeu à congregação de quase 3.000 pessoas que “Deus conhece vocês e ama vocês.”

A preparação individual para o templo abençoará as famílias, ele disse.

“Por que estamos construindo um templo no Camboja? Para que as famílias possam estar juntas para sempre. Ao servirem a eles no templo, sua presença sagrada se tornará conhecida para vocês.”

Jovens enxugam lágrimas após reunião com presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.
Jovens enxugam lágrimas após reunião com presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.

‘Teu trabalho poderá florescer e crescer’

De pé nas margens do Rio Mekong no Camboja no dia 29 de maio, 1996, presidente Gordon B. Hinckley ofereceu uma oração pela terra e pelo povo.

Na oração, ele se referiu ao Camboja como um “lugar de grande tradição e grande história, olhando não para o passado, mas para o futuro com otimismo e fé.”

Ele encerrou a oração com essas palavras: “Oramos para que homens fortes e sábios que sejam virtuosos em suas vidas possam vir para a Igreja e possam ser levantados como líderes aqui nas alas e estacas de Sião que Teu trabalho possa florescer e crescer de forma notável e maravilhosa.”

Exibindo uma fotografia daquele dia histórico, presidente Nelson pediu à congregação para levantarem se conhecessem ou fossem relacionados a qualquer dos Santos dos Últimos Dias locais.

“Vejam o que tem acontecido desde aquele pequeno grupo em 1996 para os milhares aqui hoje”, ele disse.

O crescimento nesta nação tem sido devagar, mas firme.

Tola Udom, 2 anos, segura a mão do seu pai esperando por um devocional de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.
Tola Udom, 2 anos, segura a mão do seu pai esperando por um devocional de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.

No dia 1 de julho, 1997, a missão Camboja foi estabelecida. As primeiras duas estacas foram criadas no país neste mesmo dia em maio de 2014. No dia 7 de outubro, 2018, presidente Nelson anunciou o novo templo para o país de quase 15.000 membros.

Muitos no Camboja tem ancestrais que pereceram sem o conhecimento do evangelho. “Vocês não esquecerão deles”, presidente Nelson disse.

O irmão de Seang Chen o apresentou à Igreja em 2002. Com sua esposa, Meas Choeun, ele foi batizado no dia 7 de dezembro, 2003. Os dois filhos do casal – Chhum Savatey, 20 anos, e Chhum Kim Chhorr, 23 – começaram a preencher os papéis do chamado missionário nesta semana.

Congregação entra no Premier Centre Sen Sok para um devocional de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.
Congregação entra no Premier Centre Sen Sok para um devocional de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.

Choeun, uma presidente da Sociedade de Socorro de ala, está ajudando espiritualmente as mulheres de sua ala a prepararem-se para o templo. Chen, que fez sua carreira em imobiliária, disse que o presidente Nelson veio para o Camboja para que os membros ouvissem uma mensagem de Deus.

“Quando eu ouvi o profeta anunciar o templo, eu fiquei muito alegre. Eu fiquei com lágrimas nos olhos”, ele disse. “Eu sei que o Pai Celestial ama o Camboja e o povo do Camboja; é por isso que Ele nos deu um templo.”

‘Abençoados pelo profeta’

Mais cedo naquele dia, o presidente Nelson – acompanhado do élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos – chamou a Vice Primeira Ministra Men Sam An, que é responsável pelo serviço humanitário e social no Camboja. Desde 1984, a Igreja tem proporcionado $14 milhões em patrocínio da Igreja para ajudar com projetos humanitários no país.

“Ela foi calorosa e graciosa, aceitável”, disse élder Christofferson. “Ela entendeu o que a Igreja tem feito para ajudar. Ela demonstrou gratidão pelos membros da Igreja por suas famílias fortes, pela ajuda que demos com cadeiras de rodas, assistência médica e outros projetos.”

Leia mais: Como Serviços de Caridade Santos dos Últimos Dias e governo vietnamita estão abordando crise de mobilidade da nação

Falando sobre o templo, presidente Nelson explicou que quando a Igreja constrói um templo, “Nós realmente queremos que ele seja um recurso para a comunidade, um recurso para o país. Estamos aqui para ajudá-los, para abençoar suas vidas. Então, é importante para os líderes de seu governo estarem na partida assim como no pouso de um projeto como esses, então eles são uma parte da solução e nunca uma parte de se perguntar, ‘o que essas pessoas estão fazendo?’”

Vice Primeira Ministra Men Sam Na, ao centro, encontra-se com presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.
Vice Primeira Ministra Men Sam Na, ao centro, encontra-se com presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em Phnom Penh, Camboja, no dia 19 de novembro, 2019.

Élder Christofferson disse que o Camboja tem sido um campo frutífero para a Igreja e que continuará a ser. “Queremos abençoá-los. Falava-se muito que o presidente da Igreja estaria aqui, mesmo que os números não fossem grandes neste exato momento. Como ele disse para a vice primeira ministra, todos são preciosos. Estamos aqui para dar a eles essa mensagem.”

Eng Bunhuoch juntou-se à Igreja em 1998 após fazer aulas de Inglês ensinadas pelos missionários. Ele serviu uma missão no Camboja.

Muitos Santos dos Últimos Dias no país ainda não tem condições de ir ao templo em Hong Kong, ele disse.

Grandes coisas estão reservadas para o Camboja, ele disse. “Camboja será um lugar com um templo. Camboja será abençoado com a visita de um profeta.”