Quão rara uma proclamação: Um exame da proclamação de 2020 sobre a Restauração e as 5 anteriores na história da Igreja

O Bosque Sagrado. Um profeta de Deus. E uma mensagem que foi passada — e recebida — instantaneamente no mundo todo.

Em um tributo apropriado aos 200 anos desde que o Profeta Joseph Smith foi visitado por Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo na Primeira Visão, o Presidente Russell M. Nelson escolheu o mesmo cenário do Bosque Sagrado para promulgar uma rara proclamação da Igreja no domingo, dia 5 de abril — “A Restauração da Plenitude do Evangelho de Jesus Cristo: Uma Proclamação Bicentenária ao Mundo.”

A leitura do Presidente Nelson da proclamação — com a autoria da Primeira Presidência e do Conselho do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias — foi pré-gravada no Bosque Sagrado, nos arredores de Palmyra, Nova York, e transmitida como parte da  sessão da manhã de domingo da Conferência Geral de Abril de 2020, originada de Salt Lake City, Utah, para todo o mundo.

Em um vídeo apresentado durante a transmissão da sessão da manhã de domingo da 190ª Conferência Geral Anual no dia 5 de abril, 2020, o Presidente Russell M. Nelson lê uma nova proclamação no Bosque Sagrado. A proclamação é intitulada: “A Restauração da Plenitude do Evangelho de Jesus Cristo: Uma Proclamação Bicentenária para o Mundo.”
Em um vídeo apresentado durante a transmissão da sessão da manhã de domingo da 190ª Conferência Geral Anual no dia 5 de abril, 2020, o Presidente Russell M. Nelson lê uma nova proclamação no Bosque Sagrado. A proclamação é intitulada: “A Restauração da Plenitude do Evangelho de Jesus Cristo: Uma Proclamação Bicentenária para o Mundo.” Credit: Captura de tela, ChurchofJesusChrist.org

Isto nos remeteu há quatro décadas, quando um presidente da Igreja e apóstolo emitiu uma proclamação anterior, de outro local da Restauração, em homenagem ao aniversário de 150 anos da organização da Igreja de Jesus Cristo.

A proclamação lida pelo Presidente Nelson no Bosque Sagrado começa: “Solenemente proclamamos que Deus ama Seus filhos de todas as nações do mundo.  Deus, o Pai, deu-nos o nascimento divino, a incomparável vida e o infinito sacrifício expiatório de Seu Filho Amado, Jesus Cristo.  Pelo poder do Pai, Jesus ressuscitou e conquistou a vitória sobre a morte.  Ele é nosso Salvador, nosso Exemplo e nosso Redentor.”

Leia a proclamação completa que o Presidente Nelson compartilhou durante a sessão da manhã de domingo da Conferência Geral

A proclamação continua citando eventos da Primeira Visão de Joseph Smith, a aparição do Pai e do Filho e da subsequente vinda de mensageiros celestiais para restaurar as ordenanças e a autoridade do sacerdócio. Ressalta a tradução do “Livro de Mórmon — Outro Testamento de Jesus Cristo”, assim como seus ensinamentos e testemunhos. E a proclamação declara que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias “é a Igreja de Cristo, da época do Novo Testamento, restaurada”.

“Com alegria declaramos que a Restauração prometida segue adiante por meio de revelação contínua.  A Terra jamais será a mesma, à medida que Deus ‘congregar em Cristo todas as coisas’”, conclui a proclamação.

“Com reverência e gratidão, como apóstolos Dele, convidamos todos a saber — assim como nós sabemos — que os céus estão abertos.  Afirmamos que Deus está desvendando Sua vontade para Seus amados filhos e filhas.  Testificamos que aqueles que em oração estudarem a mensagem da Restauração e agirem com fé serão abençoados com a aquisição de seu próprio testemunho da divindade da Restauração e do propósito que ela tem de preparar o mundo para a prometida Segunda Vinda de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.”

Antes de compartilhar a proclamação, o Presidente Nelson explicou que os líderes da Igreja ponderaram sobre uma comemoração apropriada para o aniversário do bicentenário “deste evento único”.

A Primeira Visão, de Del Parson
A Primeira Visão, de Del Parson Credit: Intellectual Reserve, Inc.

“Perguntamo-nos se um monumento deveria ser erigido, entretanto, ao refletirmos sobre o impacto histórico internacional da Primeira Visão, nos sentimos inclinados a criar um monumento — não de granito ou de pedra, mas de palavras — palavras solenes e sagradas de proclamação — escritas, não para serem esculpidas em ‘tábuas de pedra’, mas para serem gravadas nas ‘tábuas de carne’ do nosso coração”, disse se referindo a 2 Coríntios 3:3.

A proclamação já foi traduzida para 12 idiomas, outros idiomas receberão a tradução posteriormente, e está disponível imediatamente no site da Igreja assim como aqui no site do Church News.

“Estudem-na individualmente e com seus familiares e amigos”, convidou o Presidente Nelson após compartilhar a proclamação. “Ponderem sobre as verdades nela contidas e pensem no impacto que estas verdades terão em sua vida se vocês as ouvirem, as escutarem, e obedecerem aos mandamentos e convênios que a acompanham.”

Ele concluiu com seu testemunho de Joseph Smith — seu papel como profeta, mártir e na Restauração. “Como eu o amo e o honro”, Presidente Nelson disse.

“Deus vive! Jesus é o Cristo! Sua Igreja foi restaurada! Ele e Seu Pai, nosso Pai Celestial, estão cuidando de nós. Presto testemunho disto no sagrado nome de Jesus Cristo, amém.”

O Presidente Nelson então guiou os ouvintes no Brado de Hosana, primeiro explicando sua história e seu propósito. A sessão concluiu com a pré-gravação do coro e a congregação cantando o hino da Restauração, “Tal Como um Facho”.

Quão raras são as proclamações? Apenas cinco foram emitidas anteriormente por líderes de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sendo a deste domingo a sexta. As três primeiras foram publicadas nos primeiros 35 anos após a organização da Igreja e, as três últimas, nos últimos 40 anos.

Geralmente, declarações e pronunciamentos são direcionados aos santos dos últimos dias, enquanto proclamações têm o propósito de alcançar além o âmbito dos membros da Igreja — proclamações são direcionadas ao mundo.

“Todas estas proclamações são solenes e sagradas por natureza e foram emitidas com a intenção de trazer à tona, edificar e regular os assuntos da Igreja como o reino de Deus na Terra”, escreveu Robert J. Matthews em um registro sobre “proclamações” na “Enciclopédia do Mormonismo”, publicada em 1992.

As cinco proclamações anteriores são:

  • Proclamação da Primeira Presidência aos Santos Espalhados no Exterior, emitida no dia 15 de janeiro, 1841, em Nauvoo, Illinois. Assinada por Joseph Smith, Sidney Rigdon e Hyrum Smith, a proclamação detalha o progresso da Igreja, independente das dificuldades e perseguições.
  • Proclamação dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, emitida no dia 6 de abril, 1845, na Cidade de Nova York, Nova York, no dia 22 de outubro, 1845, em Liverpool, Inglaterra. Emitida pelos Doze Apóstolos após o martírio do profeta dissolver a Primeira Presidência. A proclamação foi impressa e distribuída em ambos os lados do Oceano Atlântico. Proclamou que Deus havia falado dos céus e restaurado o evangelho de Jesus Cristo na Terra e incluiu uma voz de advertência, assim como um convite.
  • Proclamação da Primeira Presidência e dos Doze Apóstolos, emitida no dia 21 de outubro, 1865, em Salt Lake City. Esta proclamação foi enviada aos membros da Igreja para corrigir certas teorias sobre a natureza de Deus e estabeleceu a ordem de que novas doutrinas podem ser anunciadas apenas pela Primeira Presidência.
  • Proclamação da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, emitida no dia 6 de abril, 1980, de Fayette, Nova York. O Presidente Spencer W. Kimball anunciou a proclamação durante a sessão da manhã de domingo da Conferência Geral de Abril de 1980, que era o aniversário de 150 anos da organização da Igreja. Juntamente com o então Élder Gordon B. Hinckley, eles se uniram às sessões da conferência geral enquanto estavam na casa da fazenda restaurada de Peter Whitmer Sr., onde o Élder Hinckley leu a proclamação que detalhou a restauração, progresso, doutrina, missão e mensagem da Igreja.
O Presidente Spencer W. Kimball e sua esposa, a irmã Camilla Kimball, na casa da fazenda de Peter Whitmer Sr. em Fayette, Nova York.
O Presidente Spencer W. Kimball e sua esposa, a irmã Camilla Kimball, na casa da fazenda de Peter Whitmer Sr. em Fayette, Nova York. Credit: Intellectual Reserve, Inc.
  • A Família: Proclamação ao Mundo, emitida no dia 23 de setembro, 1995, em Salt Lake City. Lida pelo Presidente Gordon B. Hinckley na Reunião Geral da Sociedade de Socorro que antecedeu a Conferência Geral de Outubro de 1995, com o propósito de “advertir e prevenir” o mundo e oferecendo uma declaração oficial da Igreja sobre família, casamento, papéis de gênero e sexualidade humana.

Uma proclamação é diferente de uma declaração oficial, exposição doutrinária ou pronunciamentos sobre políticas. Algumas destas vieram apenas da Primeira Presidência, algumas apenas do Quórum dos Doze e algumas, tanto da presidência quanto do quórum.

Exemplos das declarações podem ser encontrados no livro de Doutrina e Convênios da Igreja. Declaração Oficial 1 é o Manifesto de 1890, declarando oficialmente o conselho da Igreja contra qualquer futuro casamento plural pelos santos dos últimos dias, em resposta ao aumento da pressão antipoligamia do governo dos Estados Unidos. E a Declaração Oficial 2 é uma Revelação de 1978 sobre o Sacerdócio, anunciada pelos líderes da Igreja em junho de 1978 — que estendeu o sacerdócio e as bênçãos do templo a todos os homens dignos da Igreja — e foi ratificada na Conferência Geral de Outubro de 1978.

Exemplos de outras comunicações incluem: a epístola geral de 1874 de Brigham Young e o Conselho dos Doze Apóstolos aos santos pioneiros durante os muitos anos da “era apostólica”, após o martírio de Joseph e Hyrum Smith; a Declaração da Primeira Presidência de 1909 sobre a origem do homem; uma exposição doutrinária sobre o Pai e o Filho publicada na revista Improvement Era em 1916; a mensagem de 1938 da Primeira Presidência sobre a paz do mundo emitida um mês após o início da Segunda Guerra Mundial; e o pronunciamento no dia 1º de janeiro de 2000 de O Cristo Vivo: O Testemunho dos Apóstolos na transição do século XX para o século XXI.