Élder Matthew S. Holland fala sobre a Carolina do Norte, UVU e seu chamado como novo setenta autoridade geral

O presidente Matthew S. Holland da Missão Carolina do Norte Raleigh e sua companheira, a sister Paige Holland, receberam uma ligação inesperada há dois meses, com a voz de Salt Lake City perguntando: “Você faria uma videoconferência com o profeta?”

O Presidente Russell M. Nelson “foi muito gentil”, primeiro perguntando sobre os filhos e missionários do casal, lembrou o presidente Holland.

Mas o presidente da Igreja foi rapidamente ao ponto, chamando o presidente da missão de 53 anos para ser um setenta autoridade geral e ser apoiado na Conferência Geral de Abril de 2020.

“Ele disse que o Senhor havia nos chamado para esta designação sagrada e prometeu bênçãos maravilhosas de alegria e competência. Ele nos prestou testemunho de que o chamado era de Deus e uma obra sagrada. Foi uma experiência que jamais esqueceremos.”

O telefonema abriu precedentes para momentos inesperados e memoráveis para o casal Holland.

Com as restrições resultantes da pandemia de COVID-19 que alteraram as experiências típicas de uma conferência geral, eles não puderam viajar para Utah para o apoio, a designação e a orientação presencial.

Em vez disso, o casal Holland assistiu à transmissão da sessão da tarde no dia 4 de abril, na casa da missão Raleigh com seus filhos, que só souberam sobre o chamado pouco antes da sessão começar.

Élder Matthew S. Holland
Élder Matthew S. Holland Credit: Intellectual Reserve, Inc.

“Ter esse momento na santidade de nossa própria casa com nossos filhos, e depois poder falar sobre isso com eles e realizarmos um devocional juntos, foi uma das experiências mais doces que tivemos como família”, disse o Élder/presidente Holland, que terá os dois títulos e chamados pelos próximos dois meses.

A experiência serviu como um lembrete de como “o Senhor sempre traz bênçãos compensatórias em nossa vida”, acrescentou o Élder Holland, que não é desconhecido entre as autoridades gerais ou nas conferências gerais.

Muitos santos dos últimos dias conhecem o novo setenta autoridade geral como o filho do Élder Jeffrey R. Holland do Quórum dos Doze Apóstolos. Outros se lembram dele como o jovem de 17 anos que discursou durante a sessão do Sacerdócio da Conferência Geral de Abril de 1983.

“Foi uma bênção maravilhosa, por toda a vida, ver como meus pais viveram, as coisas com as quais se comprometeram e o que eles foram convidados a fazer”, disse o Élder Matthew Holland.

“No entanto, devido a todas estas experiências em primeira mão, sabemos muito sobre este chamado para pensar que estamos adequadamente prontos para cumpri-lo. Felizmente, também aprendemos que o Senhor qualifica aqueles a quem Ele chama, e estamos tendo muita fé e consolo nisso.”

Ele se lembra de que falar em uma conferência foi assustador. Preparar uma mensagem que por fim veio “linha sobre linha, preceito sobre preceito”, se tornou “uma bênção inicial e reconfortante para saber que quando aceitamos as designações do Senhor, Ele nos ajuda e nos dá os pensamentos e impressões sobre aquilo que precisa ser compartilhado”.

Nascido em Provo, Utah, no ano de 1966, o Élder Holland passou os primeiros anos de sua vida também na Califórnia, em Washington e em Connecticut conforme seu pai iniciava sua carreira no Sistema Educacional da Igreja e continuava sua educação. O casal Holland voltou para Utah — Salt Lake, Provo, Bountiful e retornando a Provo quando seu pai se tornou presidente da Universidade Brigham Young.

O Élder Holland lembra de sempre acreditar no evangelho e amá-lo desde a infância, prestando homenagem à influência e ao exemplo de seus pais e ao “ótimo ambiente de fé” que eles proporcionaram.

“Isso não significa que não houve tempos difíceis ou momentos de luta pessoal e espiritual”, disse ele. “Mas sempre tive o desejo de orar; sempre acreditei que minhas orações seriam ouvidas.”

E se lembra de que, antes de embarcar para servir como missionário de tempo integral na Escócia, se perguntou se deveria ter tido um daqueles momentos singulares e memoráveis que promovem ou confirmam o testemunho de alguém.

“Foi quando soube que o testemunho vem de maneira diferente para pessoas diferentes — e que tinha tido experiências e revelações espirituais”, disse ele. “Elas não pareciam vir até mim quando era jovem de uma forma que se poderia dizer ‘em tal hora e tal dia recebi meu testemunho’. Sabia que o evangelho era verdadeiro. Não tinha nenhuma dúvida.

“E desde então, tive muitos testemunhos distintos e inesquecíveis de que esta Igreja é liderada por um profeta de Deus e por revelação contínua, de que o Livro de Mórmon é absolutamente a palavra de Deus e é o mais puro e o melhor livro da Terra. E o mais importante e fundamental, que Jesus é o Cristo, que Ele é meu Salvador, que expiou por meus pecados e é ‘o Caminho’ de volta ao Pai.”

Após concluir a missão e receber seu bacharelado pela BYU, enquanto fazia a pós-graduação na Universidade Duke, na Carolina do Norte, ele foi para casa durante as férias de verão de 1995. Sua irmã, Mary, encontrou uma velha amiga de escola — Paige Bateman, que estudava e trabalhava na BYU — e marcou um encontro às cegas para os dois.

O encontro os levou a uma troca de e-mails entre Utah e a Carolina do Norte quando ele voltou para Duke. A amizade à distância se transformou em namoro e depois em casamento no ano seguinte, no Templo de St. George Utah, para o casal Holland.

A jovem família criou raízes na Carolina do Norte, com dois filhos nascidos lá, enquanto duas pós-graduações foram obtidas. A maior parte da carreira do Élder Holland foi no ensino superior na área de Provo/Orem — como professor associado de Ciências Políticas na BYU, de 2001 a 2009, e depois por quase uma década como presidente da Universidade de Utah Valley durante um período de crescimento em termos de matrículas e instalações.

Após tomar posse no dia 1º de junho, Matthew S. Holland foi oficialmente nomeado como o sexto presidente da Universidade de Utah Valley em Orem, no dia 9 de outubro de 2009.
Após tomar posse no dia 1º de junho, Matthew S. Holland foi oficialmente nomeado como o sexto presidente da Universidade de Utah Valley em Orem, no dia 9 de outubro de 2009. Credit: Jason Olson, Deseret News

“Em todas as etapas, aprendemos e crescemos”, disse o Élder Holland, citando sua educação como sendo aquilo que lhe ensinou o valor da leitura e do pensamento cuidadoso. As lições aprendidas na UVU incluem liderança, responsabilidade, delegação e mensagens, todas as quais ele espera que continuem lhe sendo úteis.

O chamado de 2018 para que o casal Holland presidisse a Missão Raleigh trouxe sua família de volta à Carolina do Norte, desta vez durante os anos formativos da adolescência dos dois filhos mais novos.

O Élder Holland vê paralelos entre os dois períodos passados no estado do “calcanhar de piche”. Antes, ele era solteiro e mais velho, procurando, primeiramente por uma companheira, assim como por um propósito e uma carreira e, com o tempo, começando uma família. “Tudo deu certo aqui na Carolina do Norte e me aproximou do meu Pai Celestial”.

Agora, como presidente de missão e sua companheira ajudando os missionários a enfrentarem furacões, tempestades de gelo e uma pandemia na Carolina do Norte, “este também foi um momento de aproximação ao nosso Pai Celestial e de ter confiança Nele”, disse. “Este tem sido um lugar de aprofundamento e refinamento espiritual — consequentemente, é muito especial para nós.”

A experiência do casal Holland fechando o círculo, reproduziu os eventos do Templo de Raleigh Carolina do Norte. Na primeira vez, a jovem família desfrutou de seu anúncio, sua construção e sua dedicação. Desta vez, o casal Holland voltou para a renovação e a rededicação do templo, com seus missionários ajudando a receber as 40.000 pessoas que estiveram no templo durante sua visitação pública.

A sister Holland disse: “Consideramos uma enorme bênção poder fazer parte dessas experiências do templo em ambas as vezes aqui em Raleigh.”

O Élder Holland diz que seu tempo como presidente de missão e o fato de ter sua esposa como companheira, ajudará na transição para o novo chamado. “Francamente não consigo me imaginar tentando exercer este novo papel sem ter tido esta designação.”

E acrescentou: “Todos os dias sou muito grato por ter conhecimento do sacrifício expiatório do Salvador e do plano de salvação do Pai, com a Igreja sendo o instrumento essencial para nos ajudar a entender essas coisas e participar de convênios que nos permitam retornar a Eles, limpos e sem manchas.”