O que esta nova Autoridade Geral aprendeu sobre compaixão e fé por meio dos desafios da vida

Muitos momentos da vida do Élder Kelly R. Johnson provaram ser importantes para o crescimento do seu testemunho do evangelho de Jesus Cristo. Desde cedo, seus pais o ensinaram as verdades do evangelho e o incentivaram a desenvolver sua própria fé. 

No ensino fundamental e médio, o Élder Johnson aceitou a responsabilidade de cumprir seriamente com as suas designações do Seminário. Ele leu o Livro de Mórmon pela primeira vez enquanto estava na 9ª série e se lembra de sentir seu testemunho se fortalecer com cada palavra.

Outro momento fundamental veio quando foi chamado como bispo quando tinha 31 anos e, no mesmo dia, foi diagnosticado com Paralisia de Bell — uma doença em que os músculos de um lado do rosto ficam paralisados e enfraquecidos. Foi uma época desafiadora na sua vida, não apenas por causa do desconforto e vergonha causados pela doença, mas também por causa das muitas responsabilidades que possuía como bispo. Mas aquela época difícil se tornou uma bênção e uma experiência de humildade, disse.

“Ao passar por isto sem saber qual seria a situação a longo prazo, desenvolvi uma compaixão pelas pessoas que estiveram comigo pelo resto da minha vida”, disse. “Realmente aprendi que as pessoas passam por coisas difíceis e tristes que não podem controlar e que impactam suas habilidades, seus sentimentos e sua confiança.”

Mas talvez uma das experiências mais poderosas e transformadoras que o Élder Johnson consegue lembrar tenha sido o nascimento de seu quarto filho, Jace, que nasceu com uma doença chamada sinostose sagital.

Élder Kelly R. Johnson
Élder Kelly R. Johnson Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Sinostose sagital, que é uma condição um tanto perigosa para bebês, ocorre quando a sutura sagital do crânio se fecha prematuramente, causando o crescimento anormal do crânio e deixando a cabeça em um formato longo e estreito. A fim de evitar complicações da doença a longo prazo, os médicos aconselharam o Élder Johnson e a sua esposa, Terry Lynn Johnson, a submeterem o filho a um procedimento no qual a seção intermediária do crânio é removida quando a criança tem cerca de três meses. 

“Isto foi algo realmente desafiador para pensarmos a respeito”, Élder Johnson disse. “Entregá-lo aos médicos e deixarem remover uma porção do seu crânio. Foi assustador.”

Além do filho recém-nascido ser submetido a uma grande cirurgia, foi dito aos Jonhsons que seu filho precisaria jejuar por 12 horas antes da cirurgia — algo que o Élder Johnson disse que foi muito preocupante na época porque, como bebê, Jace estava comendo a cada duas horas.

“Oramos para o Senhor abençoá-lo”, disse. “Dei a ele uma bênção do sacerdócio para que se sentisse confortável durante todo o processo.”

As 12 horas antes da cirurgia foram extraordinárias, Élder Johnson lembrou. Seu filho dormiu bem e não reclamou. Foi como se, por aquelas muitas horas, ele não precisasse comer. Quando dirigiram para o hospital, imaginaram que Jace estaria gritando e chorando todo o tempo por causa da fome. Mas estava calmo, Élder Johnson disse. E embora a cirurgia tenha sido intensa, foi um sucesso e seu filho cresceu saudável e forte.

Aquela experiência verdadeiramente fortaleceu testemunhos, disse Élder Johnson, confirmando para ele que “Deus escuta as orações de pais preocupados e o poder do sacerdócio realmente é capaz de abençoar indivíduos”.

Saber que o Senhor está lá para ele e sua família tornou, em parte, o novo chamado do Élder Johnson menos intimidador.

Às vezes o serviço na Igreja do Senhor pode parecer inconveniente. Mas assim como o Salvador chamou os Seus discípulos e eles imediatamente largaram suas redes e o seguiram, “Tudo o que nos pedem, estamos dispostos a fazê-lo”, disse o Élder Johnson, apoiado Setenta Autoridade Geral no dia 4 de abril de 2020. 

Esta tem sido a atitude do Élder Johnson por toda a sua vida. Não importa onde o Senhor chame ele ou sua família, eles vão com corações e mentes dispostos — buscando encontrar o bem, independente das circunstâncias.

Nascido em Pleasant View, Utah, no dia 16 de janeiro de 1963, filho de Harold Raymond Johnson, Jr. e Helen Cragun Johnson, Élder Johnson cresceu em Ogden, Utah, e teve o que foi considerada uma educação bem típica para um membro da Igreja que vive em Utah.

Foi chamado para servir uma missão de tempo integral em Bangkok, Tailândia, e antes de se formar na faculdade em 1987, Élder Johnson conheceu Terri Lynn Bartrum enquanto cantavam juntos no Coro do Instituto de Ogden. O casal foi selado no Templo de Salt Lake no dia 27 de março de 1986. Eles têm cinco filhos e dezesseis netos.

“Tudo o que nos pedem, estamos dispostos a fazê-lo.”

Nascida em uma família militar em Sumter, Carolina do Sul, a irmã Terri Johnson lembra que visitava muitas igrejas diferentes quando pequena e foi ensinada a temer a Deus, ao invés de acreditar em um amado Pai Celestial. Foi apenas após sua família se mudar para Cedar Rapids, Iowa, que os missionários os encontraram e foram batizados.

“Aprendi logo cedo como é não ter o evangelho”, disse, mencionando a diferença que fez em sua vida. “Lembro-me de fazer uma promessa que sacrificaria o que me fosse requerido para saber se esta é a Igreja verdadeira, e sou tão grata por ser um membro.”

Mas o conhecimento frequentemente vem com sacrifício, a irmã Johnson disse. Como casal, muitos dos chamados dos Johnsons na Igreja exigiram muitos sacrifícios, incluindo ficar longe dos filhos e da família em muitos momentos. Mas em cada novo chamado, encontraram bênçãos tremendas, disse.

Incapaz de servir uma missão em sua juventude, a irmã Johnson disse que servir com o seu marido quando presidiu a Missão Tailândia Bangkok, de julho de 2015 a junho de 2018, foi uma das melhores experiências da sua vida. 

“Foi maravilhoso ver como a vidadas pessoas foi totalmente mudada por causa do evangelho”, disse.

E mesmo que o chamado do Élder Johnson como Autoridade Geral exija muitos sacrifícios, a irmã Johnson disse que “querem ser uma família com que o Pai Celestial possa contar”.