Primeira Autoridade Geral da África Ocidental anseia para que as pessoas estejam cientes de sua própria natureza divina

Dias depois de ser chamado como primeiro Setenta Autoridade Geral nigeriano e nascido na África Ocidental, o Élder Adeyinka A. Ojediran ainda estava tentando compreender — intelectual, espiritual e emocionalmente — o “fim de semana inesquecível” que foi a Conferência Geral de Abril de 2020.

A pandemia de COVID-19 significava que o Élder Ojediran e sua esposa, a irmã Olufunmilayo Ojediran — juntamente com todos os outros santos dos últimos dias no mundo todo — estavam tendo uma experiência diferente durante a conferência geral, de uma maneira sem precedentes, definida pelo distanciamento social e por restrições para a realização de reuniões públicas.

Contudo, o mais importante foi que a conferência mundial proporcionou momentos de eterna importância que abençoarão a vida do casal Ojediran e legiões de outros membros na África Ocidental, muito depois que a atual crise de saúde for contada pelos livros de história.

Primeiro, o Presidente Russell M. Nelson anunciou, no final da conferência, que um templo seria construído na Cidade de Benin — o terceiro na Nigéria, terra natal do Élder Ojediran.

“Não estava esperando por isso”, disse ele, com um largo sorriso. “Ouvir nosso profeta dizer que outro templo será construído na Nigéria foi extremamente maravilhoso. Para mim, foi uma confirmação de que o trabalho do Senhor está prosseguindo rapidamente. 

“Todos temos muito a fazer para preparar Seus filhos para Sua Segunda Vinda.”

O casal Ojediran aguardou reverentemente o fim da Conferência Geral. Eles se alegraram quando os SMSs, telefonemas e mensagens de WhatsApp comemorativos começaram a lotar seus dispositivos. 

“Durou horas”, disse ele, sorrindo.

Pessoalmente, o converso da Igreja estava sentindo o peso de seu novo chamado.

“Tenho sentimentos de inadequação – mas também sinto tanta confiança e fé no Senhor, sabendo que a quem o Senhor chama, Ele qualifica”, disse. “Se me esforçar para permanecer no caminho estreito e apertado, e contar com o Espírito e os ensinamentos das Autoridades Gerais, posso crescer em confiança e estatura, e cumprir este novo chamado.”

O convite para se tornar Setenta Autoridade Geral impacta mais do que o indivíduo que é apoiado publicamente por milhões de membros. A vida da esposa do novo Élder também muda para sempre. A companheira de cada nova Autoridade Geral começa, simultaneamente, sua própria nova temporada de serviço.

A irmã Ojediran disse que a recente responsabilidade eclesiástica de seu marido fez com que vertesse lágrimas de alegria.

“Tive um forte desejo, naquele momento, de fazer tudo que estiver ao meu alcance para servir o Senhor”, disse. “Sei que Deus tem um plano para nós. … Estamos orando para que o Pai Celestial nos ajude nesta jornada.”

Élder Adeyinka A. Ojediran
Élder Adeyinka A. Ojediran Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Nascido em 1967 na cidade de Ibadan, no sudoeste da Nigéria, o jovem Adeyinka Ojediran sempre foi espiritualmente sensível e atraído pelos ensinamentos de Cristo.  Ele conheceu a Igreja restaurada enquanto estudante universitário, quando um conhecido o apresentou aos missionários de tempo integral. Adeyinka gostava de falar com os élderes, mas ainda não estava pronto para se comprometer com o batismo.

Juntar-se à Igreja, ele disse, “não foi uma decisão fácil”. Ele foi criado na religião batista e tinha um profundo amor pela Bíblia. Mas os ensinamentos dos missionários — juntamente com os influxos do Espírito — finalmente fizeram com que o jovem tomasse uma atitude.

“O que realmente me tocou foi o convite para estudar o Livro de Mórmon e orar”, disse. “Senti a necessidade de ficar de joelhos e orar para que o Espírito Santo me guiasse. Senti uma paz interior que me ensinou a ser mais aberto aos ensinamentos dos missionários.”

Suas orações também o encheram de coragem. 

“Estava preparado para ser batizado. O Espírito me guiava enquanto conhecia o evangelho cada vez mais.”

A irmã Ojediran também foi convertida e se batizou em 1994, um ano depois de conhecer o homem que se tornaria seu marido. Os dois se conheceram em uma atividade social e logo desenvolveram uma amizade. O emprego em duas cidades diferentes significava inicialmente um namoro à distância, mantendo contato por telefone sempre que possível.

“Começamos a namorar em 1994 e nos casamos em 1998 — namoramos por muito tempo”, disse o Élder Ojediran, rindo.

O caminho da vida do jovem casal mudou para sempre ao se tornarem santos dos últimos dias, pois fortaleceu e aprofundou seu relacionamento com o Salvador, e um com o outro.

“Quando criança, sempre amei Jesus Cristo e quis servi-Lo”, disse o Élder Ojediran. “Ser membro de Sua Igreja me deu uma melhor compreensão do plano de salvação, da Expiação e das oportunidades que tenho de me arrepender e ser perdoado.

“Isso me ajudou a me aproximar do Senhor.”

A recém-chamada Autoridade Geral aprendeu que, o avanço espiritual pessoal acontece com a leitura das escrituras e ao buscar se tornar um pouco mais como o Salvador a cada dia. 

“Não é uma corrida de 100 metros — é uma maratona.”

Partilhar do sacramento também permite ao Élder Ojediran uma oportunidade semanal para avaliar seu valor. “O sacramento me ajuda a prestar atenção no que faço e digo. Também me ajuda a receber os influxos do Espírito.”

Tornamo-nos mais poderosos quando aceitamos e cumprimos fielmente as designações da Igreja. “Ter chamados e responsabilidades — e saber o que é esperado de mim — sempre me ajudou.”

Enquanto isso, ser santo dos últimos dias desempenha um papel central nas oportunidades da irmã Ojediran como esposa, mãe e irmã que serve na Sociedade de Socorro. Ela compartilha o amor do marido por renovar os convênios do batismo a cada semana.

“Sou abençoada de muitas maneiras quando participo do sacramento — quero participar dele sempre”, disse. “Desejo servir ao Senhor e amo poder orar a Ele. A Igreja me ajudou a aprender a amar as pessoas e continua me abençoando de muitas maneiras.”

Como santos dos últimos dias africanos, o casal Ojediran acredita que o futuro não reserva limites em sua terra natal, acrescentando que o vasto continente um dia estará cheio de estacas e templos.

“Se observarmos a taxa de crescimento, digamos, na Nigéria, nos últimos anos, tem sido exponencial”, disse o Élder Ojediran. “Só podemos esperar que esta trajetória de crescimento continue.”

Mas com o crescimento vêm os desafios. É vital que os santos dos últimos dias africanos atendam firmemente ao chamado para serem fortes líderes do sacerdócio e da Sociedade de Socorro “para gerenciar esse crescimento exponencial”, disse.

Os princípios de ministração da Igreja permitirão que os líderes locais desenvolvam e sirvam seus membros em suas próprias comunidades e nações. Como muitas outras regiões do mundo, os santos dos últimos dias na África estão desfrutando de maior acesso ao templo — acelerando o trabalho do Senhor.

Agora, o Élder Ojediran está ansioso para voltar ao trabalho e magnificar seu chamado.

“As mensagens que compartilharei como Setenta Autoridade Geral não serão diferentes das mensagens que compartilhei como bispo, presidente de estaca ou setenta de área”, disse. “Quero ajudar as pessoas a entenderem o plano de salvação e a compreenderem a verdadeira natureza que têm como filhos e filhas de Deus.”