Élder Christofferson no Seminário para nova Liderança de Missão: O Espírito testifica

Os missionários, ensinou o Élder D. Todd Christofferson, podem encontrar no capítulo quatro de “Pregar Meu Evangelho” um “excelente estudo” sobre como reconhecer os sussurros do Espírito Santo — e a necessidade absoluta de trabalhar pelo Espírito.

“Ele afirma, de forma simples e profunda: ‘O poder do Espírito Santo é essencial para a conversão’.”

Em suas considerações no dia 27 de junho, durante o Seminário para nova Liderança de Missão 2020, o Élder Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, declarou que a “autoridade de Deus, o espírito de revelação e o espírito de profecia” são cruciais para se pregar o evangelho.

“Primeiro, no que diz respeito à autoridade divina por meio da qual vocês ensinam o evangelho de Jesus Cristo e prestam testemunho dele, desejo enfatizar que vocês e seus missionários agem sob chaves apostólicas para ajudar a cumprir a grande incumbência que Jesus deu aos Seus antigos apóstolos e renovou nesta última dispensação de ‘pregar [Seu] evangelho a toda criatura que não o tiver recebido’” (Doutrina e Convênios 112:28).

Enquanto isso, tanto o espírito de revelação quanto o espírito de profecia são manifestações do Espírito Santo prestando testemunho — algo essencial na proclamação do evangelho.

Os missionários precisam se familiarizar amplamente com as revelações centradas em Cristo encontradas nas escrituras para que possam ensiná-las com clareza e convicção, disse Élder Christofferson.

Élder D. Todd Christofferson fala no Seminário para nova Liderança de Missão 2020, no dia 27 de junho de 2020.
Élder D. Todd Christofferson fala no Seminário para nova Liderança de Missão 2020, no dia 27 de junho de 2020. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

“As duas horas de estudo das escrituras incluídas na programação diária dos missionários são essenciais para se atingir este propósito. Estas duas horas por dia são um presente do qual eles provavelmente desfrutarão apenas durante a missão. Ajude-os a apreciar e aproveitar ao máximo esta bênção. É crucial ensinar com o espírito de revelação para conhecer as escrituras.”

O espírito de revelação também é “a testemunha do Espírito” no professor, de que aquilo que está sendo ensinado é verdade. “Nesse sentido, os missionários ensinam com o espírito de revelação quando ensinam princípios do evangelho que o Espírito lhes confirmou pessoalmente que são verdadeiros.”

Em última análise, ensinar pelo espírito de revelação “significa abrir o caminho para o Espírito Santo ensinar”, disse Élder Christofferson.

“Com o espírito de revelação, podemos afirmar com Paulo: ‘A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus’” (1 Coríntios 2:4-5).

O espírito de profecia e o espírito de revelação, acrescentou, são “manifestações companheiras” do Espírito Santo que trabalham juntas para levar a um missionário o poder de conversão no ensino do evangelho.  “Penso no espírito de revelação como tendo a ver principalmente com a declaração da verdade e o espírito de profecia como a confirmação ou testemunho da verdade.”

O Élder Christofferson disse que o espírito de profecia está centralizado no ensino de Jesus Cristo e na promessa de Sua Expiação.

“Nossos ensinamentos são profecias sobre bênçãos futuras para todos que têm fé em Cristo, se arrependerem, serem batizados, receberem o Espírito Santo e perseverarem até o fim. Estas profecias relativas à salvação e à exaltação, atestadas pelo Espírito Santo e enraizadas em Cristo, são fundamentais para a fé e a conversão. 

“O Senhor disse: ‘Seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo’” (Doutrina e Convênios 1:38).

Élder Christofferson mencionou seu recente discurso da Conferência Geral no qual ele relatou a experiência de Jason M. Olson, um homem que se juntou à Igreja depois de receber um testemunho do Espírito Santo, que mudou sua vida, de que o Livro de Mórmon era verdadeiro. Essa revelação pessoal fez com que Jason tomasse a difícil decisão de abandonar a fé judaica em que ele havia sido criado para se tornar um santo dos últimos dias. Ele enfrentou uma resistência dolorosa. Ainda assim, não podia negar as verdades que o Espírito Santo lhe havia revelado sobre o Livro de Mórmon e Jesus Cristo.

Olson chegou a servir como capelão santo dos últimos dias na Marinha dos EUA e agora é Oficial da Área Internacional da Marinha.  Seu “conhecimento perfeito da veracidade do Livro de Mórmon” lhe permitiu ser batizado e manter uma vida de plena atividade na Igreja com sua esposa, Sara, e sua jovem família.

O Livro de Mórmon, fotografado no sábado, dia 29 de dezembro de 2007.
O Livro de Mórmon, fotografado no sábado, dia 29 de dezembro de 2007. Credit: Brian Nicholson, Deseret News

“Permitam-me destacar o papel central do Livro de Mórmon nesta história, como em milhões de outras histórias desde que a Restauração começou”, disse Élder Christofferson. “O Livro de Mórmon é o instrumento do Senhor para a conversão. Qualquer um que o ler com o coração sincero e intenção real, desejando e orando para saber se é verdadeiro, receberá esse testemunho do Espírito Santo. Depois desse testemunho, não pode haver dúvida.”

A origem divina do Livro de Mórmon, ele acrescentou, é “evidência convincente” de que Joseph Smith é um profeta de Deus, que a Igreja estabelecida por ele é a Igreja de Jesus Cristo e, mais importante, que Jesus é o Messias, o Filho Unigênito de Deus.

“Podemos dizer que, na realidade, não queremos que as pessoas sejam batizadas sem o conhecimento da verdade do Livro de Mórmon por medo de que sua conversão não seja profundamente enraizada e duradoura.”

A conversão de uma pessoa só é real se for fundamentada no testemunho do Espírito Santo.

O Senhor alertou aqueles que estão autorizados a usar Seu nome para fazê-lo “apenas conforme guiados pelo Espírito Santo”, disse Élder Christofferson.

“Às vezes, podemos deixar de mostrar a devida reverência e cuidado com as coisas sagradas que nos foram confiadas, incluindo as verdades do evangelho de Jesus Cristo, e disso precisamos nos arrepender rapidamente”, disse o apóstolo. “No entanto, se estamos nos esforçando para ensinar essas coisas a todos que ainda não as receberam, como Ele ordenou, e diligentemente orar pelo Espírito para que possamos agir ‘por indução do Espírito’, acredito que o Senhor está satisfeito, que Ele ouvirá nossas orações e permitirá que Seu Espírito esteja conosco.”