12 lições da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze para enfrentar a COVID-19, outras provações e turbulências

Apenas duas semanas depois dos líderes de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias suspenderem as reuniões no mundo todo no mês de março, em meio à escalada da pandemia de COVID-19, o Presidente M. Russell Ballard refletiu sobre os tempos de turbulência passados e explicou por que olhava para o futuro com calma determinação.

“Desde o início da história houve circunstâncias semelhantes a esta. De algum modo, os antigos passaram por elas e nós vamos passar por esta”, disse o Presidente Interino do Quórum dos Doze Apóstolos que, aos 91 anos, serve como autoridade geral por mais tempo do que qualquer outro líder vivo da Igreja. O mundo vencerá esta “guerra contra o coronavírus”.

Nos seis meses seguintes, outros líderes — incluindo o Presidente Russell M. Nelson e seus conselheiros na Primeira Presidência, bem como membros do Quórum dos Doze Apóstolos — também falaram sobre a pandemia mundial.

O resultado é uma série do Church News documentando o conselho e a orientação dos líderes seniores da Igreja, conforme os 16 milhões de membros da religião começaram a participar da adoração semanal em suas casas, assistiram à mudança do trabalho missionário com a ajuda da tecnologia, e tiveram oportunidades limitadas para a adoração no templo.

Dessas entrevistas, surgiram 12 temas instrutivos para aqueles que buscam orientação em um mundo cada vez mais definido pela confusão e pelo conflito:

A cura para o medo é a fé no Senhor Jesus Cristo.

Ao olhar para o futuro, o Presidente Nelson disse que os santos dos últimos dias devem ver o conflito com uma perspectiva eterna. “O caminho à frente será sempre acidentado, mas o destino será sereno e seguro”, disse ele.

A “coisa crucial”, acrescentou o Presidente Henry B. Eyring, é “se conectar com Deus” — ter o sentimento de que “Deus está andando com você. É um sentimento de confiança no Senhor, de que Ele está cuidando de você. … A única maneira de lidarmos com o medo é a fé.”

Primeira Presidência: Em meio ao medo, isolamento e tristeza — a resposta para o conflito é a fé

Élder Jeffrey R. Holland chamou os momentos de provação de uma “preciosa oportunidade para demonstrar fé. …Em nossa era moderna não temos que nos preocupar com separar o Mar Vermelho, porque temos engenheiros que podem construir uma ponte sobre ele. Precisamos de alguns lembretes de vez em quando de que essas pontes lindamente projetadas podem desmoronar, por assim dizer.”

Élder Holland disse que “a oportunidade de responder a problemas e tumultos com fé cada vez maior é registrada repetidamente nas escrituras — onde o amor de Deus, o sacrifício de Cristo e Suas muitas manifestações de misericórdia são as grandes constantes quando enfrentamos adversidades de um ou outro tipo.”

O Senhor abençoa Seu povo em momentos de provação e desânimo.

Presidente Nelson disse que um importante aprendizado de sua vida é que “mesmo em meio a nuvens de tristeza, o lado bom sempre pode ser encontrado.”

“Estamos percebendo como nossas famílias são preciosas, como nossos vizinhos são preciosos, como nossos companheiros de Igreja são preciosos”, disse o Presidente Ballard. “Há lições que estamos aprendendo agora que nos tornarão pessoas melhores.”

O Presidente Russell M. Nelson, o 17º. Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se senta com seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro (à esquerda), e o Presidente Henry B. Eyring, segundo conselheiro (à direita), em uma coletiva de imprensa em Salt Lake City, Utah, na terça-feira, dia 16 de janeiro, 2018.
O Presidente Russell M. Nelson, o 17º. Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se senta com seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro (à esquerda), e o Presidente Henry B. Eyring, segundo conselheiro (à direita), em uma coletiva de imprensa em Salt Lake City, Utah, na terça-feira, dia 16 de janeiro, 2018. Credit: Scott G Winterton

Presidente Dallin H. Oaks disse que os desafios que definiram 2020 não são sem precedentes; na vida de muitos que vivem hoje, o mundo enfrentou guerra, pestilências, seca e depressão.

A história articula esta resiliência, disse o Presidente Ballard. “Desde o início da história houve circunstâncias semelhantes à (pandemia de COVID-19). De algum modo, os antigos passaram por elas e nós vamos passar por esta. …

“Nós ficamos preocupados”, disse o Presidente Ballard. “Descobrimos como encontrar uma nova maneira.”

O Senhor prepara Sua igreja e Seu povo para enfrentar as tempestades da vida.

As revelações proféticas nos últimos anos têm preparado os santos dos últimos dias para hoje, disse o Élder Ulisses Soares.

As revelações, disse o Élder Quentin L. Cook, guiaram a criação e implementação de novas iniciativas e diretrizes que agora formam “um padrão interligado de força”, que sustenta e apoia os membros que enfrentam a pandemia e outras crises. Elas incluem: melhorar a observância do Dia do Senhor, apresentar ensinamentos do evangelho que emulam o Salvador, fazer mudanças nos quóruns do Sacerdócio de Melquisedeque, mudar o programa de mestres familiares e professoras visitantes para a ministração, ampliar as responsabilidades do quórum de élderes e da Sociedades de Socorro, instituir um currículo integrado e desenvolver o programa Crianças e Jovens.

Por causa da revelação, disse Élder Dale G. Renlund, os líderes seniores da Igreja nunca expressaram medo, conforme a pandemia de COVID-19 tem afetado populações no mundo todo. “Não há um pingo de medo. Em vez disso, perguntamos: ‘Como podemos fazer melhor as coisas? Como podemos melhorar? Como podemos abençoar nosso povo? Não há medo.” Élder Soares disse que as revelações que os líderes da Igreja estão recebendo hoje “são parte da preparação para amanhã, para o próximo ano, e para os anos à nossa frente.”

Os desafios são uma oportunidade de reflexão pessoal.

Élder Holland chamou a COVID_19 de uma “espécie de Dia do Senhor obrigatório — um momento em que nos afastamos de nossa rotina normal, da vida como de costume, e consideramos nossa dependência de Deus e as bênçãos recebidas de Sua mão e que muitas vezes não valorizamos.”

É um “raro momento de solidão forçada” para “mergulhar[mos] nas coisas da alma que sempre queremos abordar e sabemos muito bem que devemos, mas às vezes, no burburinho da vida cotidiana, não aproveitamos a oportunidade de fazê-lo. …

Tais momentos nos convidam a olharmos para a própria alma e ver se gostamos do que vemos lá.”

Élder Ulisses Soares, Élder Jeffrey R. Holland e Élder Dale G. Renlund do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, falam com a mídia após a dedicação do Templo de Roma Itália em Roma, Itália, no domingo, 10 de março de 2019.
Élder Ulisses Soares, Élder Jeffrey R. Holland e Élder Dale G. Renlund do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, falam com a mídia após a dedicação do Templo de Roma Itália em Roma, Itália, no domingo, 10 de março de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Élder Cook disse em outras ocasiões, que os líderes seniores da Igreja têm falado sobre o que “nos impede de despertar para Deus.”

Muitas vezes, há “uma falha em [se] perceber que a Expiação (do Salvador) supera as injustiças da vida e as más decisões daqueles que exercem o arbítrio e fazem mal a outras pessoas”, disse Élder Cook. “Agora a maioria de nós está passando um tempo considerável em casa e tem a chance de pensar em despertar para Deus. Talvez os eventos recentes possam ser um despertar espiritual que nos ajudará a colocarmos nosso enfoque nas coisas que mais importam. Se assim for, será uma enorme bênção neste período nos concentrarmos em coisas que podemos aperfeiçoar em nossa vida e como podemos abençoar a vida dos outros à medida que despertamos para Deus e seguimos no caminho do convênio.”

Os momentos de provação e turbulência são oportunidades de mudança e melhoria.

Élder Neil L. Andersen chamou a COVID-19 de uma pausa que pode ser um período de grande aprendizado, para mudarmos o foco de uma perspectiva temporal para uma perspectiva eterna. “Uma vez que nos tranquilizarmos com as preocupações sobre a saúde de nossa família, emprego e distúrbios que temos diante de nós, saberemos que precisamos orar: ‘O que devo fazer? O que devo aprender? Como posso crescer neste momento incomum?’”, disse Élder Andersen.

“Jamais teremos um momento durante o qual o Senhor não nos ensinará nada se formos justos. Esta vida é um momento para se tornar, não apenas para vivenciar. É um momento de ser ensinado do alto.”

Os membros da Igreja de Jesus Cristo — assim como toda a humanidade — continuarão a enfrentar momentos desafiadores, disse Élder Dieter F. Uchtdorf. Eles serão diferentes para cada pessoa, em cada local e em cada circunstância. Todos eles são uma oportunidade de aprender.

Como discípulos de Jesus Cristo, os membros podem edificar e fortalecer uns aos outros. É uma maneira do Senhor cuidar de Seus filhos, disse o Élder Soares. “Essas lições nos ajudarão a estabelecer uma estrutura para o futuro”, disse ele. “Não podemos ver esta pandemia como uma barreira, mas como algo que tem o potencial de nos ajudar a nos tornarmos melhores em todos os aspectos de nossa vida.”

Mesmo em meio a desafios, o trabalho do Senhor continua.

Élder David A. Bednar ensinou que “nenhuma mão ímpia pode impedir o progresso da obra e nenhuma pandemia impedirá que este trabalho progrida também. Em meio a todos os desafios que enfrentamos agora para lidar com esse vírus, o trabalho avança.”

Élder Andersen disse que todos que buscarem com sinceridade serão abençoados com a mesma e segura determinação: “O mundo todo está nas mãos do Senhor. Todas as coisas estão sob Seu controle.”

Por exemplo, os líderes da Igreja têm analisado as práticas missionárias — onde o método tradicional de “encontrar” tem sido limitado por comunidades fechadas, edifícios de apartamentos inacessíveis e mudança de práticas de comunicação social — por muitos anos, disse Élder Uchtdorf.

Addie Rutter usa um notebook para ensinar francês aos missionários em treinamento no Centro de Treinamento Missionário de Provo na quarta-feira, dia 25 de março, 2020. Na tentativa de controlar a disseminação da COVID-19, missionários estão sendo treinados por vídeoconferências, ao invés de viajarem para os 10 centros de treinamento missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.
Addie Rutter usa um notebook para ensinar francês aos missionários em treinamento no Centro de Treinamento Missionário de Provo na quarta-feira, dia 25 de março, 2020. Na tentativa de controlar a disseminação da COVID-19, missionários estão sendo treinados por vídeoconferências, ao invés de viajarem para os 10 centros de treinamento missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Credit: Laura Seitz, Deseret News

“A COVID-19 acelerou nosso pensamento sobre isso tremendamente e abriu nossos olhos para novas maneiras”, incluindo o uso da tecnologia, disse ele. “O Espírito pode trabalhar maravilhosamente, à medida que usamos novas e desconhecidas maneiras de nos comunicarmos uns com os outros.”

Além disso, no momento em que a pandemia parou as viagens, os líderes da Igreja “ainda estão recebendo designações para falar no mundo todo”, disse Élder Ronald A. Rasband. “Não podemos ir lá e não seria sábio se fôssemos por causa da pandemia mundial.” No entanto, através da tecnologia, “Podemos reunir nossos membros em qualquer lugar do mundo. E por vídeo, ou pelo menos áudio, podemos nos comunicar com eles. … Estamos marchando para a frente todos os fins de semana.

Momentos difíceis proporcionam uma oportunidade de refletir sobre o pertencimento.

Agora é o momento que requer “uma consciência constante do bem-estar daqueles ao seu redor”, disse Élder D. Todd Christofferson. “Há muito que podemos fazer uns pelos outros.”

A “consciência constante do bem-estar do próximo” representa “ir à Sião ou estabelecê-la”. Isto não segue as tendências culturais do mundo de hoje, onde há uma tendência natural de se agir com egoísmo e questionar: “E eu? E minhas necessidades? Como serei feliz?”, disse Élder Christofferson. Ele pediu aos santos dos últimos dias que “nos voltemos um pouco mais uns aos outros e ao bem-estar uns dos outros”.

Élder Soares disse que têm ficado fisicamente distantes da família e dos amigos — mas ainda estão passando tempo com eles. “Usamos a tecnologia. Compartilhamos as escrituras. Compartilhamos sentimentos e conversamos uns com os outros.”

Élder Gerrit W. Gong disse que o Senhor está perto de Seus filhos nos momentos de provação e que as pessoas devem se conectar umas com as outras. “Pode haver algum distanciamento físico”, disse Élder Gong, “mas isso não significa que estamos espiritualmente distantes.”

O Senhor permite que Seus filhos sejam altamente favorecidos por Ele.

Élder Gary E. Stevenson disse que, durante a pandemia de COVID-19, contemplou a primeira frase na primeira página do Livro de Mórmon, escrita pelo antigo profeta Néfi.

“Eu, Néfi, tendo nascido de bons pais… e tendo passado muitas aflições no decurso de meus dias, fui, não obstante, altamente favorecido pelo Senhor em todos os meus dias” (1 Néfi 1:1).

Néfi começa seu próprio registro sagrado com a clara compreensão de que as dificuldades sempre fizeram parte da experiência humana. Ele também confirma que, ser altamente favorecido pelo Senhor na jornada pela mortalidade, não nos isenta das dificuldades e dos desafios da vida.

Adicionando às palavras de Néfi, Élder Stevenson disse: “Em meio à aflição e decepção, o Senhor também nos permite ser altamente favorecidos por Ele.”

A revelação pessoal ajudará os filhos de Deus a enfrentarem as turbulências.

Durante momentos de incerteza — incluindo a atual pandemia de COVID-19 — os santos dos últimos dias podem receber orientação do Espírito Santo “que vem com certeza”, disse Élder Renlund. “Deus sabe que todos nós precisamos de revelação pessoal para nossas próprias circunstâncias.”

O vírus que causa a COVID-19 é de natureza indiscriminada, explicou. “É proteína e ácido ribonucleico. Não tem alma, nem temperamento e nem personalidade.”

Afeta as pessoas de forma diferente, embora muitas vezes explorando fraquezas individuais, como condições que comprometem a saúde e até mesmo doenças subjacentes desconhecidas.

Por causa disso, “é uma bênção incomparável Deus ter nos abençoado com a oportunidade de receber revelações pessoais para que, em nossas diferentes circunstâncias, possamos ser inspirados.”

Élder Soares disse que a adoração dominical continua e continuará ajudando os santos dos últimos dias, que vivem em uma época de dúvida e medo, a aumentarem a fé em seu Pai Celestial e em Seu Filho, Jesus Cristo, recebendo força e proteção, e os ajudando a receberem revelação.

A COVID-19 “está mudando minha maneira de pensar”, disse Élder Soares. “Estou aprendendo novas formas para estar melhor preparado para outros desafios que possam surgir em minha vida no futuro. Estou vendo coisas que não via antes. Estou me sentindo mais inclinado a pensar em outras pessoas e a me aproximar delas, em vez de focar apenas em minhas próprias necessidades.”

Os líderes da Igreja também dependem da revelação para dirigir a Igreja e seus membros, disse Élder Gong. Os líderes têm ponderado questões que afetam a Igreja e seus membros, vizinhos e amigos no mundo todo. “Como o Presidente Nelson disse, todos queremos duas coisas”, observou Élder Gong. “Queremos conhecer o desejo do Senhor e como abençoar Seus filhos.”

Há poder nos ensinamentos de Jesus Cristo e na forma como a Igreja os comunica.

Um foco importantíssimo “é o poder da palavra e como a comunicamos”, disse Élder Rasband.

“Nosso papel como membros dos Doze Apóstolos é comunicar a palavra do Senhor – tanto pelas palavras que usamos quanto pelo espírito com o qual somos capazes de fazer isso”, disse ele.

Élder Ronald A. Rasband, à esquerda, e Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, com o Élder Massimo de Feo, Setenta Autoridade Geral, participam de uma coletiva de imprensa no Centro de Visitantes do Templo de Roma Itália de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na segunda-feira, dia 14 de janeiro de 2019.
Élder Ronald A. Rasband, à esquerda, e Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, com o Élder Massimo de Feo, Setenta Autoridade Geral, participam de uma coletiva de imprensa no Centro de Visitantes do Templo de Roma Itália de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na segunda-feira, dia 14 de janeiro de 2019. Credit: Ravell Call, Deseret News

A COVID-19 trouxe “novos padrões, novas maneiras de pensar sobre o que significa estar conectado”, disse Élder Gong. “Creio que todos nós seremos gratos quando voltarmos à Igreja novamente. Mas não queremos perder os sentimentos, os pensamentos e os padrões que tivemos enquanto estivermos em casa.”

Este momento, disse Élder Cook, “é fundamental e permitirá que a Igreja cresça no futuro, toque mais vidas e realize o trabalho de salvação mais do que nunca. Quando olharmos para trás, veremos um momento fundamental de preparação e não apenas algo que tivemos que suportar.”

Os filhos de Deus podem olhar para a frente com confiança.

Com esta confiança, os santos dos últimos dias aproveitaram as oportunidades nos últimos seis meses para aumentarem seu foco no serviço, abraçarem a adoração centralizada em casa, e concluírem o trabalho de história da família. “Aprendi quão maravilhosos são os nossos membros”, disse o Presidente Nelson. “Heróis individuais emergiram. Por exemplo, inúmeros profissionais e prestadores de cuidados de saúde arriscaram a própria vida para cuidar de outras pessoas.”

Além disso, os lares agora “retornaram ao seu lugar de destaque como o santuário primário de sua fé”, os missionários “estão ensinando mais do que nunca” e as contribuições voluntárias dos santos para o fundo de jejum e de ajuda humanitária aumentaram, disse o Presidente Nelson.

Os membros da Igreja, disse o Presidente Eyring, “surpreendem ao mostrarem quão bem se adaptam e enfrentam momentos difíceis. Fiquei tremendamente impressionado com a resposta dos membros para se manterem firmes.”

O Presidente Ballard incentivou aqueles que se sentem desanimados a pegar as escrituras e estudá-las; usem a tecnologia para assistirem a um vídeo da Igreja ou para entrarem em contato com a família, com os amigos ou membros da ala; e continuem sorrindo. “Sejamos felizes e sigamos em frente fazendo o melhor que pudermos, e essas circunstâncias mudarão” disse ele.

Membros da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias caminham entre os locais para fotografias no Centro de Visitantes do Templo de Roma, Itália, na segunda-feira, dia 11 de março de 2019.
Membros da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias caminham entre os locais para fotografias no Centro de Visitantes do Templo de Roma, Itália, na segunda-feira, dia 11 de março de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os momentos de provação são uma preparação para a eternidade.

Sem a perspectiva do evangelho, muitos desafios e muitos dos problemas da vida “seriam insuportáveis”, disse Élder Bednar. “Mas pelo fato de podermos reconhecer o escopo da eternidade e ver além da sepultura, somos capazes de renovar nosso ânimo e continuar a prosseguir.”

“Com a perspectiva eterna de que o evangelho restaurado proporciona e a graça que vem da Expiação do Salvador, podemos aprender lições com as adversidades da mortalidade que nos preparam para as bênçãos da eternidade”, disse Élder Bednar. “Temos que orar. Temos que buscar. Temos que pedir. Temos que ter olhos para ver e ouvidos para ouvir. Mas podemos ser abençoados de maneiras notáveis para aprender lições que nos abençoarão agora e para sempre.”