Retrospectiva dos três primeiros anos do Presidente Russell M. Nelson liderando a Igreja

Em seu primeiro discurso como o 17º Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dia há quase três anos, Presidente Russell M. Nelson humildemente redirecionou a atenção de si próprio para Jesus Cristo e então, como de costume, olhou para frente.

“O Senhor sempre instruiu e instruirá, assim como inspirará Seus profetas”, declarou. “O Senhor está no comando! Nós, que fomos ordenados a prestar testemunho de Seu Santo nome, continuaremos a procurar saber Seu desejo e segui-lo.”

Em transmissão ao vivo do Anexo do Templo de Salt Lake na terça-feira, dia 17 de janeiro de 2018, Presidente Nelson falou sobre começar seu chamado como Presidente da Igreja tendo o “fim em mente”.

“O fim pelo qual cada um de nós aspira, é recebermos nossa investidura com poder em uma casa do Senhor, sermos selados como famílias – fiéis aos convênios feitos em um templo que nos qualifica para o maior dom de Deus, que é a vida eterna.”

Conforme milhões de pessoas em todo o mundo – tanto dentro como fora da Igreja – focaram no Presidente Nelson, ele expressou gratidão pelo Senhor, por seus Irmãos e pelas orações dos santos dos últimos dias. Ele falou com uma humildade que, em todos os aspectos, definiria sua liderança.

O Presidente Russell M. Nelson, o 17º Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se senta com seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro (à esquerda), e o Presidente Henry B. Eyring, segundo conselheiro (à direita), em uma coletiva de imprensa em Salt Lake City, Utah, na terça-feira, dia 16 de janeiro, 2018.
O Presidente Russell M. Nelson, o 17º Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se senta com seus conselheiros, Presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro (à esquerda), e o Presidente Henry B. Eyring, segundo conselheiro (à direita), em uma coletiva de imprensa em Salt Lake City, Utah, na terça-feira, dia 16 de janeiro, 2018. Credit: Scott G Winterton

Ao invés de citar os magistrados ou famosos, Presidente Nelson citou um menino de quatro anos, que orou para que ele “fosse corajoso e não tivesse medo.” Ao invés de compartilhar seu impressionante currículo, ele convidou membros da Igreja a pensar sobre “a forma majestosa pela qual o Senhor governa Sua Igreja.” E ao invés de direcionar atenção dos membros da Igreja a alguma agenda pessoal ou plataforma, ele simplesmente lhes pediu que permaneçam ou retornem ao caminho do convênio.

“Seu compromisso de seguir o Salvador, fazendo convênios com Ele e então os mantendo, abrirá a porta para cada privilégio espiritual e bênção disponível aos homens, mulheres e crianças em todos os lugares.”

Ele concluiu declarando sua devoção ao Pai e ao Filho. “Eu os conheço, os amo e prometo servi-Los – assim como vocês – com todos o fôlego que resta em minha vida.”

Preparação

Presidente Nelson, com então 93 anos, foi designado como o 17º Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no dia 14 de janeiro de 2018, depois de servir por 34 anos no Quórum dos Doze Apóstolos. Ele trouxe consigo uma vida repleta de preparação para sua nova posição. Um cirurgião mundialmente renomado e um homem de afinação perfeita, que tocava o órgão durante reuniões de quórum, Presidente Nelson visitou 133 países – participando na dedicação de 31 deles e abrindo as portas para a Igreja no leste europeu e na China. Na sede da Igreja, serviu como presidente de cada um dos três comitês executivos da Igreja – Conselho Executivo Missionário, Conselho Executivo do Templo e da História da Família e Conselho Executivo do Sacerdócio e da Família.

“Vi o Senhor magnificá-lo e abençoá-lo e moldá-lo para este momento.” Disse Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, em uma entrevista ao Church News. “Ele deu ao Senhor um maravilhoso pacote de matéria prima para prepará-lo, porém vi o Senhor o abençoando e moldando para se tornar o profeta do Senhor que sustentamos.”

‘Recebendo revelação’

Esta edição especial do Church News revê os primeiros três anos do Presidente Nelson. O líder de quase 17 milhões de santos dos últimos dias pelo mundo inteiro, viajou extensivamente, mudou a organização da Igreja, emitiu convites históricos e construiu pontes de compreensão.

Certamente, seu ministério acelerado foi uma surpresa para alguns fora da Igreja. No dia 3 de janeiro de 2018, a manchete do Wall Street Journal anunciando a morte do Presidente Thomas S. Monson, adicionou “provável sucessor, improvável de alterar o curso da Igreja.”

Em um vídeo exibido durante a sessão da manhã de domingo da 190ª Conferência Geral Anual, transmitida no dia 5 de abril de 2020, o Presidente Russell M. Nelson leu uma nova proclamação no Bosque Sagrado.
Em um vídeo exibido durante a sessão da manhã de domingo da 190ª Conferência Geral Anual, transmitida no dia 5 de abril de 2020, o Presidente Russell M. Nelson leu uma nova proclamação no Bosque Sagrado. Credit: Captura de tela, ChurchofJesusChrist.org

O artigo não poderia estar mais errado.

Durante seus anos como líder da Igreja, Presidente Nelson dirigiu-se a centenas de milhares de santos dos últimos dias – muitas vezes em seus próprios idiomas – e se reuniu com reis, presidentes e primeiros-ministros. Ele estendeu a mão às vítimas de crimes, confortou aqueles em luto e saudou dezenas de crianças e esteve de braço dado como os líderes da NAACP.

Através do sistema de conselho da Igreja e com todo o apoio da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos, aprovou várias mudanças nas diretrizes dentro da Igreja.

Sob sua liderança, líderes santos dos últimos dias substituíram mestres familiares e professoras visitantes pela ministração, ajustou o horário das reuniões aos domingos para acomodar o estudo centralizado no lar e apoiado pela Igreja, e pediu aos membros para usarem o nome inteiro e completo da Igreja. Mudou uma política da Igreja, permitindo que filhos de pais que se identificam como lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros, de serem abençoados e batizados; descontinuou a política que requeria que casais que se casavam no civil tivessem de esperar um ano antes de serem casados ou selados no templo; e estabeleceu uma política permitindo mulheres, jovens e crianças de servirem como testemunhas de selamentos nos templos, assim como ordenanças de batismo feitas dentro e fora dos templos.

“Uma das coisas que o Espírito tem impressionado repetidamente em minha mente desde meu novo chamado como Presidente da Igreja é de como o Senhor está desejoso de revelar Sua mente e Sua vontade,” Presidente Nelson disse durante a Conferência Geral de Abril de 2018. “O privilégio de receber revelação é um dos maiores dons de Deus para Seus filhos.”

Ciência e fé

Primeiro, como cirurgião cardíaco pioneiro, e depois, como um líder religioso mundial, Presidente Nelson estabeleceu seu ministério como um exemplo de compreensão, seguindo as leis físicas e espirituais. Durante uma entrevista em Brasília, Brasil, em agosto de 2019, ele e sua esposa, a irmã Wendy Nelson, falaram sobre o universo do corpo humano, gravidade e aviões, e de jogar Scrabble.

“Quero saber quais são as leis,” disse ele. “Se eu posso conhecer as leis, então posso receber as bênçãos.”

A lei divina “é incontestável”, explicou. “Todos recebem uma bênção de Deus porque foram obedientes à lei que pertence àquela área. Nossa obrigação é ensinar as pessoas estas leis eternas. Elas são chamadas de mandamentos, mas são tão verdadeiras quanto as leis de ação e reação, a lei da gravidade, a lei que governa o batimento cardíaco.”

Ao simplesmente seguirmos estas leis, Presidente Nelson continuou, indivíduos recebem uma bênção direta de felicidade. “Se torna uma fórmula bem simples. Se quiser ser feliz, guarde os mandamentos.”

COVID-19

Em 2020, Presidente Nelson lidou com a situação da pandemia de COVID-19 como ambos, homem de ciência e homem de fé.

Enquanto o coronavírus se espalhava pelo mundo, líderes da Igreja – desejando ser cidadãos mundiais responsáveis – imediatamente agiram, cancelando reuniões da Igreja, fechando os 168 tempos dedicados da Igreja e enviando missionários de volta a seus países de origem.

Mesmo assim, sob circunstâncias únicas e difíceis, líderes da Igreja seguiram em frente, disse Presidente M. Russell Ballard em uma entrevista ao Church News. “O trabalho continua”, disse o Presidente Interino do Quórum dos Doze Apóstolos. “O Senhor nos forneceu a tecnologia para esta situação.”

Durante a pandemia, líderes da Igreja aguardaram com a fé que define a liderança do Presidente Nelson.

Milhares de jovens santos dos últimos dias aceitaram chamados de missão – todos recebendo treinamento missionário de casa, pelo CTM virtual, e muitos recebendo chamados temporários. A Igreja, cautelosa e cuidadosamente, iniciou a reabertura dos templos em fases, baseada nas circunstâncias e restrições governamentais; líderes também realizaram a abertura de terra em 21 novos templos em 2020. E líderes da Igreja realizaram duas conferências gerais – transmitidas diretamente da sede da Igreja; reorganizaram estacas com a ajuda de videoconferências; estenderam chamados para novos presidentes dos Centros de Treinamento Missionário, presidentes de templos e presidentes de missões; e continuaram a falar publicamente, com auxílio da tecnologia.

A irmã Wendy Nelson e seu marido, Presidente Russell M. Nelson, entram no Teatro do Centro de Conferências para a 190ª Conferência Geral Semianual de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em 3 de outubro de 2020. Várias mensagens da conferência geral focaram em permanecermos esperançosos e devotos durante a atual pandemia.
A irmã Wendy Nelson e seu marido, Presidente Russell M. Nelson, entram no Teatro do Centro de Conferências para a 190ª Conferência Geral Semianual de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em 3 de outubro de 2020. Várias mensagens da conferência geral focaram em permanecermos esperançosos e devotos durante a atual pandemia. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

Líderes da Igreja também celebraram o bicentenário do 200º aniversário da Primeira Visão de Joseph Smith, sem uma grande comemoração, mas convidando santos dos últimos dias pelo mundo todo a aprenderem a ouvir a voz do Senhor melhor e com mais frequência. E a resposta dos Serviços de Caridade dos Santos dos Últimos Dias à pandemia de COVID-19 se tornou a maior na história da Igreja, com auxílio sendo fornecido a mais de 150 países.

Na entrevista ao Church News em maio de 2020, Presidente Nelson disse que, “mesmo em meio a nuvens de tristezas, o lado bom sempre pode ser encontrado.”

“O objetivo da Igreja é trazer as bênçãos de Deus para Seus filhos nos dois lados do véu”, disse ele.

Presidente Nelson intitulou seu discurso de abertura da Conferência Geral de Outubro de 2020 como “Seguindo em frente.”

“Durante os últimos meses, uma pandemia mundial, incêndios florestais incontroláveis e outros desastres naturais têm virado nosso mundo de cabeça para baixo. Lamento com cada um de vocês que perdeu um ente querido durante esse período. E oro por todas as pessoas que estão sofrendo neste momento.

“Enquanto isso, a obra do Senhor continua seguindo em frente de maneira constante. Em meio ao distanciamento social, às máscaras faciais e às reuniões no Zoom, aprendemos a fazer as coisas de maneiras diferentes e, em alguns casos, de maneira mais eficaz. Épocas excepcionais podem trazer bênçãos excepcionais.”

Todas as coisas são possíveis

Em uma entrevista histórica em Roma, em março de 2019, Presidente Nelson chamou a dedicação do templo de Roma Itália “um momento decisivo na história da Igreja.”

Ele adicionou: “As coisas estão avançando em um ritmo acelerado. A Igreja terá um futuro sem precedentes, inigualável. Só estamos desenvolvendo para o que está pela frente agora.”

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e presidente M. Russell Ballard, presidente em exercício do Quórum dos Doze Apóstolos; élder Massimo De Feo, setenta autoridade geral, à esquerda; e élder Allessandro Dini Ciacci, setenta de área, à direta, andam perto do Vaticano em Roma, Itália, no sábado, dia 9 de março, 2019, após encontrarem-se com o papa Francisco.
Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e presidente M. Russell Ballard, presidente em exercício do Quórum dos Doze Apóstolos; élder Massimo De Feo, setenta autoridade geral, à esquerda; e élder Allessandro Dini Ciacci, setenta de área, à direta, andam perto do Vaticano em Roma, Itália, no sábado, dia 9 de março, 2019, após encontrarem-se com o papa Francisco. Credit: Jeffrey D. Allred

A irmã Nelson disse, em uma entrevista à imprensa em Brasília, Brasil, no dia 30 de agosto de 2019, que quanto mais velho seu marido fica, mais Presidente Nelson fica “encantado com o futuro.” Ele tem uma urgência contínua sobre tudo que está fazendo, ela adicionou. “Sim, há uma urgência.”

Presidente Nelson disse na entrevista que ele não olha muito para trás. “Há muitas coisas emocionantes pela frente”, explicou. “Este trabalho está seguindo em frente em um ritmo acelerado. Mal posso esperar para sair da cama todas as manhãs e ver o que o dia trará.”

Presidente Nelson refletiu novamente sobre o futuro da Igreja em 21 de novembro de 2019, em Jacarta, Indonésia, depois de falar para um público de 1.765 pessoas. Presidente Nelson descreveu que foi “Um daqueles momentos inesquecíveis. Não há palavras para explicar bem, mas é o Senhor lhe dizendo que este é Seu trabalho e Ele o está dirigindo, e temos que participar.”

Ao se aproximar do aniversário de três anos como Presidente da Igreja, Presidente Nelson, continua este momento de avanço, pedindo aos membros da Igreja que “deixem Deus prevalecer em suas vidas.”

“Vocês estão dispostos a permitir que Deus prevaleça em sua vida? Vocês estão dispostos a permitir que Deus seja a maior influência em sua vida?” disse durante a Conferência Geral de outubro. “Vão permitir que Suas palavras, Seus mandamentos e Seus convênios influenciem o que vocês fazem todos os dias? Vão permitir que Sua voz tenha prioridade acima de todas as outras? Estão dispostos a permitir que qualquer coisa que Ele precise que vocês façam tenha precedência sobre quaisquer outras ambições? Estão dispostos a ter sua vontade absorvida pela vontade Dele?”

Em novembro de 2020, ele ofereceu um surpreendente remédio – um que “está diante de nossas intuições naturais” – para todas as aflições do mundo: gratidão.

“Durante minhas nove décadas e meia de vida, decidi que contar nossas bênçãos é muito melhor do que contar nossos problemas. A despeito de nossa situação, demonstrar gratidão por nossos privilégios é um remédio espiritual duradouro e de ação rápida.

Será que a gratidão nos poupa de sofrimentos, tristezas, pesares e dores? Não, mas ela ameniza nossos sentimentos. Ela nos proporciona uma perspectiva maior do propósito e da alegria da vida.”

Presidente Russell M. Nelson grava uma mensagem em vídeo sobre o poder de cura da gratidão, o qual foi compartilhado na mídia social no dia 20 de novembro de 2020.
Presidente Russell M. Nelson grava uma mensagem em vídeo sobre o poder de cura da gratidão, o qual foi compartilhado na mídia social no dia 20 de novembro de 2020. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

E somente há algumas semanas– relembrando seu primeiro discurso público como líder de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – Presidente Nelson novamente dirigiu a atenção da Igreja para Jesus Cristo e prometeu que tudo é possível através Dele.

Durante este ano sem precedentes – quando virtualmente cada pessoa no mundo sofreu os efeitos da pandemia global – “não há nada mais importante que possamos fazer… do que concentrarmos nosso foco no Salvador e na dádiva que Sua vida realmente significa para cada um de nós…”, disse ele.

“Por meio de Seu exemplo, Ele ensinou que nós também podemos nos erguer das profundezas de nossos desafios individuais – nossa tristeza, fraqueza e preocupações, para alcançarmos as alturas de nosso próprio e glorioso potencial, e destino divino. Tudo isto é possível pela virtude de Sua misericórdia e graça.”