Departamento Missionário incentiva missionários a serem vacinados; aqueles que escolherem não ser vacinados servirão em seus países de origem

O Departamento Missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está incentivando os missionários, e missionários em perspectiva, a “protegerem a si mesmos e aos outros, sendo vacinados”. Os missionários que decidirem não ser vacinados serão designados para servir em seus países de origem.

Os líderes da Igreja nos Estados Unidos receberam a última diretriz sobre a vacinação em uma carta de 23 de abril do Departamento Missionário.

De acordo com a carta, à medida que as vacinas se tornam mais amplamente disponíveis em outros países, os missionários e missionários em perspectiva fora dos Estados Unidos serão solicitados a serem vacinados antes de deixar seus países de origem.

A carta do Departamento Missionário também faz referência à declaração de 19 de janeiro da Primeira Presidência: “As pessoas são responsáveis por tomar suas próprias decisões sobre a vacinação.”

“Em palavras e atos, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias apoiou a vacinação por gerações”, escreveram os líderes na declaração.

Instruções para missionários jovens e seniores

A carta de 23 de abril detalhou instruções específicas para os missionários jovens e seniores.

As plaquetas do Élder Brad Gil Gonzalez Pascual podem ser vistas em suas escrituras no Centro de Treinamento Missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no México no domingo, 26 de janeiro de 2020.
As plaquetas do Élder Brad Gil Gonzalez Pascual podem ser vistas em suas escrituras no Centro de Treinamento Missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no México no domingo, 26 de janeiro de 2020.
  • Para os missionários atualmente servindo, os coordenadores médicos da missão estão monitorando a disponibilidade da vacina COVID-19 em suas respectivas missões e — sob a direção dos líderes da missão — estão informando os missionários quando eles podem recebê-la.
  • Jovens missionários nos Estados Unidos que irão viajar para uma missão fora de seu país de origem em ou após 1º de agosto de 2021, devem ser vacinados antes de viajar.
  • Os missionários seniores podem viajar para suas missões designadas — onde o visto e as condições de viagem permitirem — depois de serem vacinados.
  • Os missionários que iniciaram a vacinação COVID-19 devem completar a série antes de viajar.

“Os missionários que decidirem não receber as imunizações exigidas, que agora incluirão a vacinação COVID-19, serão designados para uma missão em seu país de origem, de acordo com as normas existentes da Igreja”, afirma a carta. “À medida que a vacinação COVID-19 se torna mais amplamente disponível em outros países, esses missionários serão solicitados a serem vacinados antes de deixar seu país de origem.”

Manual Geral, declarações da Primeira Presidência

Na última atualização do Manual Geral no mês passado, a Igreja incluiu uma declaração sobre vacinas, entre várias novas atualizações de normas.

Um novo registro sobre vacinas (38.7.13) enfatiza novamente a direção que a Primeira Presidência tem dado consistentemente, desde pelo menos 1978: “As vacinas administradas por profissionais médicos competentes protegem a saúde e preservam a vida. Os membros da Igreja são incentivados a proteger a si mesmos, seus filhos e suas comunidades por meio da vacinação.”

No início deste ano, coincidindo com oito líderes seniores da Igreja que receberam a primeira dose da vacina COVID-19 em 19 de janeiro, a Primeira Presidência emitiu uma declaração sobre as vacinas.

“Como um componente proeminente de nossos esforços humanitários, a Igreja financiou, distribuiu e administrou vacinas que salvam vidas em todo o mundo. A vacinação ajudou a reduzir ou eliminar doenças transmissíveis devastadoras, como: poliomielite, difteria, tétano, varíola e sarampo”, escreveu a Primeira Presidência na declaração. “As vacinas administradas por profissionais médicos competentes protegem a saúde e preservam a vida.”

A Primeira Presidência também exortou os membros da Igreja, conforme as oportunidades apropriadas se tornassem disponíveis, a “ser bons cidadãos globais e ajudar a conter a pandemia protegendo a si próprios e a outros por meio da imunização.”

Os indivíduos são responsáveis por tomar suas próprias decisões sobre a vacinação, escreveram eles no comunicado. “Ao fazer essa determinação, recomendamos que, sempre que possível, eles se aconselhem com um profissional médico competente sobre suas necessidades e circunstâncias pessoais.”

Presidente Russell M. Nelson, Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, recebeu a primeira dose da vacina COVID-19 na manhã de terça-feira, 19 de janeiro de 2021.
Presidente Russell M. Nelson, Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, recebeu a primeira dose da vacina COVID-19 na manhã de terça-feira, 19 de janeiro de 2021. Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Todos os membros da Primeira Presidência, e cinco membros seniores do Quórum dos Doze Apóstolos, receberam a primeira dose da vacina COVID-19 naquele dia. Os oito líderes e a maioria de seus cônjuges — que se qualificaram em Utah para a vacina porque têm mais de 70 anos — seguiram os profissionais de saúde, socorristas e outros receptores de alta prioridade que haviam recebido a vacinação nas semanas anteriores.

“À medida que essa pandemia se espalhou pelo mundo, a Igreja cancelou imediatamente reuniões, fechou templos e restringiu outras atividades por causa de nosso desejo de ser bons cidadãos globais e fazer nossa parte no combate à pandemia”, escreveu a Primeira Presidência na declaração.

“Agora, as vacinas COVID-19, pelas quais muitos trabalharam, oraram e jejuaram, estão sendo desenvolvidas e algumas estão sendo fornecidas. De acordo com as diretrizes emitidas pelas autoridades locais de saúde, as vacinas foram oferecidas primeiro aos profissionais de saúde, socorristas e outros beneficiários de alta prioridade. Por causa de sua idade, os líderes seniores da Igreja com mais de 70 anos agora receberam a oportunidade de serem vacinados.”

Declaração pessoal do Presidente Nelson

Depois de receber a vacinação, Presidente Russell M. Nelson emitiu uma declaração pessoal sobre a vacinação em suas contas nas redes sociais.

“Com a aprovação de nosso médico, minha esposa Wendy e eu fomos vacinados hoje contra COVID-19”, escreveu o líder de 96 anos. “Estamos muito gratos. Esta foi a primeira semana em que qualquer um de nós foi elegível para receber a vacina. Agradecemos os incontáveis médicos, cientistas, pesquisadores, fabricantes, líderes governamentais e outros que realizaram o árduo trabalho necessário para disponibilizar esta vacina. Oramos frequentemente por esta dádiva literal de Deus.

“Como ex-cirurgião e pesquisador médico, sei algo sobre o esforço necessário para realizar uma façanha tão notável. Produzir uma vacina segura e eficaz em menos de um ano é nada menos que um milagre. Eu era um jovem cirurgião quando, em 1953, o Dr. Jonas Salk anunciou que havia desenvolvido uma vacina contra a doença cruel e incapacitante da poliomielite. Observei então observei o impacto dramático que a vacina teve na erradicação da pólio, enquanto a maioria das pessoas ao redor do mundo foi vacinada.”

“Por gerações, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias doou recursos consideráveis para disponibilizar vacinas para pessoas em países em desenvolvimento. As vacinas ajudaram a eliminar doenças como difteria e varíola. Minhas experiências profissionais e eclesiásticas me convencem de que as vacinas administradas por profissionais médicos competentes protegem a saúde e preservam a vida.”

“Receber a vacina hoje foi parte de nossos esforços pessoais para sermos bons cidadãos globais, ajudando a eliminar a COVID-19 do mundo.”

História de apoio

A Igreja de Jesus Cristo reconheceu a importância da vacinação e imunização por décadas. “Pedimos aos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias que protejam seus próprios filhos por meio da imunização”, disse a Primeira Presidência em 1978.

Os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias tem apoiado iniciativas globais de imunização lideradas pela UNICEF e pela OMS. Esta mulher é vacinada no Chade.
Os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias tem apoiado iniciativas globais de imunização lideradas pela UNICEF e pela OMS. Esta mulher é vacinada no Chade. Credit: UNICEF

Desde 2002, por meio de sua organização humanitária, os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias, a Igreja ajudou a financiar 168 projetos em 46 países para abençoar mais de 116 milhões de pessoas. Os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias oferecem apoio financeiro a proeminentes parceiros globais de imunização, para obterem e fornecerem vacinas, monitorarem doenças, responderem a surtos, treinarem profissionais de saúde e desenvolverem programas de eliminação e erradicação. Os resultados incluem mais crianças imunizadas e menos vidas perdidas devido ao sarampo, rubéola, tétano materno e neonatal, poliomielite, diarreia, pneumonia e febre amarela.

Histórias de sucesso notáveis recentemente incluem a eliminação de doenças em toda a África. Em 2019, os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias e parceiros, como o UNICEF EUA e Kiwanis International, ajudaram a eliminar o tétano materno e neonatal no Chade e na República Democrática do Congo. No final do ano passado, graças ao UNICEF e parceiros como os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias, a África erradicou o poliovírus selvagem. E em resposta a uma epidemia de sarampo no Chade em 2019, o UNICEF e seus parceiros ajudaram a vacinar 653.535 crianças, com idades entre seis meses e nove anos, durante um período de uma semana.

E em fevereiro deste ano, os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias anunciaram uma doação de $20 milhões de dólares para apoiar os esforços de vacinação contra COVID-19 do UNICEF.

A doação — para ajudar a garantir o acesso seguro, rápido e equitativo às vacinas COVID-19 em todo o mundo — fez com que os Serviços de Caridade dos santos dos últimos dias  se tornasse o maior doador do setor privado, até o momento, a apoiar o acesso do UNICEF ao acelerador de ferramentas COVID-19 e o braço de vacinas do ACT Accelerator, denominado COVAX Facility.

Nota: Sarah Jane Weaver, editora do Church News, contribuiu para este relatório.