Aniversário de 20 anos da BYU–Idaho: Uma abordagem para educar discípulos

No dia 23 de junho de 2000, Presidente Gordon B. Hinckley fez um anúncio que se mostraria ser monumental para o futuro do Sistema Educacional da Igreja (SEI).

De pé no Edifício da Administração da Igreja no centro de Salt Lake City, o Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias anunciou que a Ricks College passaria de uma faculdade de dois anos para a Brigham Young University-Idaho, uma instituição de quatro anos.

Após pouco mais de um ano de mudanças graduais, mas substanciais, no dia 10 de agosto de 2001, a escola estava pronta para usar oficialmente o papel timbrado da BYU-Idaho e atender o telefone com: “Alô, Universidade Brigham Young–Idaho”.

Alunos saem do BYU-Idaho Center depois de ouvirem Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, durante um serão na BYU-Idaho em Rexburg no domingo, 22 de setembro de 2019.
Alunos saem do BYU-Idaho Center depois de ouvirem Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, durante um serão na BYU-Idaho em Rexburg no domingo, 22 de setembro de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Aquele dia, 20 anos atrás, foi um ato de confiança integral no Senhor, proporcionando a bênção da educação a milhares de Seus filhos na Terra.

Um dos maiores desafios da educação da Igreja — naquela época bem como agora — continua sendo como criar oportunidades para que mais alunos possam frequentar as instituições de ensino superior da Igreja, disse Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, ao Church News.

Élder Bednar, que serviu como presidente da escola durante sua transição de Ricks College para BYU-Idaho, disse: “A criação da BYU-Idaho foi um dos eventos educacionais mais importantes da Restauração.”

Élder Kim B. Clark, Autoridade Geral emérita que serviu como presidente da BYU-Idaho de 2005 a 2015, e mais tarde como comissário de educação da Igreja, explicou que nos últimos 20 anos, o ensino superior no Sistema Educacional da Igreja tem crescido significativamente. “Todo esse crescimento veio através da BYU-Idaho”, disse ele. 

Outras instituições dentro do SEI tiveram pequenas flutuações, disse Élder Clark, mas a matrícula, em geral, permaneceu relativamente estável. Desde o anúncio de Presidente Hinckley, as matrículas na BYU-Idaho quase quadruplicaram. A BYU-Idaho também foi o berço da BYU-Pathway Worldwide, que atingiu um marco de 50.000 alunos apenas três anos após seu lançamento como uma instituição independente em 2017. E ela continua a crescer, mesmo durante a pandemia.

Alunos caminham nas calçadas da BYU-Idaho entre o Manwaring Center e o Smith Building, em 13 de setembro de 2010.
Alunos caminham nas calçadas da BYU-Idaho entre o Manwaring Center e o Smith Building, em 13 de setembro de 2010. Credit: Michael Lewis

Desígnio profético

Élder Bednar lembrou do telefonema dado por Presidente Hinckley para ele na Ricks College, quando o Presidente da Igreja disse que era hora de fazer da faculdade de dois anos, uma Universidade de quatro anos. Na conversa que se seguiu, os dois discutiram que a BYU-Idaho deveria cumprir uma missão distinta e se esforçar para abençoar um número maior de alunos. 

No anúncio do dia 23 de junho de 2000, Presidente Hinckley destacou que a escola “teria um papel singular e se distinguiria das outras instituições de ensino superior dentro do Sistema Educacional da Igreja”. A universidade responderia diretamente ao comissário do Sistema Educacional da Igreja, o que significaria que ela teria sua própria identidade e função.

Presidente Gordon B. Hinckley e Élder Henry B. Eyring, na época comissário de educação da Igreja, anunciaram mudanças no Ricks College em junho de 2000.
Presidente Gordon B. Hinckley e Élder Henry B. Eyring, na época comissário de educação da Igreja, anunciaram mudanças no Ricks College em junho de 2000. Credit: Ravell Call, Deseret News

Élder Clark G. Gilbert, Setenta Autoridade Geral e o novo comissário de educação da Igreja, serviu como presidente da BYU-Idaho de 2015 a 2017, antes de se tornar o primeiro presidente da nova instituição educacional online da Igreja, a BYU-Pathway Worldwide.

Após ser chamado para servir como presidente da BYU-Idaho, Élder Gilbert lembrou-se de ter acompanhado muitos dos documentos e discursos fundadores da escola, incluindo o anúncio de Presidente Hinckley.

“Ao ler o anúncio de Presidente Hinckley, percebi que ele não apenas anunciou a criação da BYU-Idaho, mas também anunciou um tipo muito diferente de universidade. Aquele era nosso ‘direito de nascença’, e eu sabia que a BYU-Idaho precisava viver dentro dos parâmetros distintos relativos a esse direito. Sem esta distinção, a Igreja teria mantido a instituição como uma faculdade comunitária”, explicou Élder Gilbert.

Qual é exatamente o “direito de nascença” da BYU-Idaho? Presidente Hinckley disse que a universidade continuaria a ser orientada para o ensino, sendo este o foco principal de seu corpo docente. A instituição enfatizaria apenas a educação para graduação; não seriam oferecidos diplomas de pós-graduação. Como o corpo docente não estaria focado em pesquisa e a escola não ofereceria programas de pós-graduação, o campus poderia funcionar “em uma base expandida durante todo o ano.”

Por que Rexburg?

O campus da Ricks College, agora BYU-Idaho, está espalhado por mais de aproximadamente 162 hectares, em uma colina com vista para as cidades de Rexburg e Snake River Valley. Quem já passou um inverno lá pode contar histórias de ventos gelados e intensas nevascas. A pequena cidade fica a cerca de 32 km da I-15, a principal rodovia norte-sul do leste de Idaho.

O campus da BYU–Idaho em Rexburg no dia 23 de setembro de 2019.
O campus da BYU–Idaho em Rexburg no dia 23 de setembro de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Élder Clark explicou que a área foi colonizada por fiéis pioneiros santos dos últimos dias, que fizeram dali seu lar, apesar do Serviço Geográfico Nacional de 1870 considerar a área “inabitável”. Aqueles pioneiros e corajosos colonos fundaram a Bannock Stake Academy em 1888. Mais tarde, a escola recebeu o nome de Academia Ricks (1902-1917), em homenagem ao fundador da cidade, Thomas E. Ricks, e depois o nome de Ricks College (1917-2001).

Élder Bednar disse que os céus contribuíram para o estabelecimento da Ricks College e da BYU-Idaho. “Por que outra razão alguém construiria uma escola em Rexburg, Idaho? Se pararmos para pensar, não fica na rodovia principal e não está perto de nada. Foi preservada e ampliada de forma realmente milagrosa porque os céus estão interessados no que acontece lá”, disse Élder Bednar.

A localização da BYU-Idaho foi “primordial para os milagres que ocorreram” por três razões, explicou Élder Gilbert. Em primeiro lugar, “alguém só iria lá como aluno, membro do corpo docente ou administrador se soubesse que o Senhor queria essa pessoa lá.”

Segundo, há uma modéstia histórica, frugalidade e cuidado que está enraizada na história de Rexburg. “O coração pioneiro ainda está embutido na cultura da universidade por causa de suas raízes como instituição acadêmica, com alunos de todas as partes onde as pessoas eram consagradas ao Senhor. Elas sabiam como trabalhar arduamente e fazer mais com menos.”

Em terceiro lugar, o isolamento da escola proporciona uma libertação das pressões do mundo e das pressões da vida acadêmica. “Não estamos constantemente nos comparando a outras universidades. Não ficamos constantemente tentando ser como o mundo. A instituição foi esculpida e separada do mundo”, disse Élder Gilbert.

Quando Élder Clark deixou seu cargo de reitor da Harvard Business School para vir a Rexburg, alguns de seus colegas de Harvard expressaram preocupação. Depois de assistir à sua posse, porém, um desses colegas lhe disse: “Já não estamos mais preocupados. Você está com ótimas pessoas.”

Nove presidentes da Ricks College e da BYU–Idaho se reúnem para uma foto em 19 de setembro de 2017, por ocasião da posse do 17º presidente da universidade. Na primeira fila, da esquerda para a direita, Élder Bruce C. Hafen (1978-85), Presidente Henry B. Eyring (1971-77), Presidente Henry J. Eyring (2017-atual) e Élder Clark G. Gilbert (2015-17). Fileira de trás, da esquerda para a direita, Élder Joe. J. Christensen (1985-89), Presidente Stephen Bennion (1989-97), Élder David A. Bednar (1997-2004), Presidente Robert Wilkes (interino, 2004-05) e Élder Kim B. Clark (2005-15).
Nove presidentes da Ricks College e da BYU–Idaho se reúnem para uma foto em 19 de setembro de 2017, por ocasião da posse do 17º presidente da universidade. Na primeira fila, da esquerda para a direita, Élder Bruce C. Hafen (1978-85), Presidente Henry B. Eyring (1971-77), Presidente Henry J. Eyring (2017-atual) e Élder Clark G. Gilbert (2015-17). Fileira de trás, da esquerda para a direita, Élder Joe. J. Christensen (1985-89), Presidente Stephen Bennion (1989-97), Élder David A. Bednar (1997-2004), Presidente Robert Wilkes (interino, 2004-05) e Élder Kim B. Clark (2005-15). Credit: Michael Lewis

A transição

Bob Wilkes nunca esquecerá o dia em que o presidente Bednar veio ao seu escritório no Edifício Kimball, no campus da Ricks College, para perguntar o que pensava sobre a escola se tornar uma universidade de quatro anos e oferecer diplomas de bacharelado.

“Eu disse: ‘Isso nunca daria certo’”, lembrou Wilkes durante uma entrevista ao Church News. Em seguida, ele explicou suas razões ao presidente Bednar.

O então presidente Bednar ouviu, disse Wilkes, e depois perguntou: “Faria alguma diferença se você soubesse que Presidente Hinckley achou que poderia ser uma boa hora para fazer isso?”

“Eu disse: ‘Faria toda a diferença, presidente.’”

Wilkes, que mais tarde serviu como presidente interino entre o chamado do presidente Bednar para o Quórum dos Doze Apóstolos e a chegada de Kim B. Clark como presidente da universidade, disse que sua resposta refletia a opinião de muitos professores e funcionários. “Assim que soubemos que vinha do profeta, não houve mais debate ou pergunta sobre o assunto.”

Relembrando aquele tempo, Élder Bednar descreveu os 15 meses entre o anúncio do Presidente Hinckley e a transição oficial para BYU-Idaho, como a experiência de pilotar um jato a cerca de 10.000 metros de altura e tentando repintá-lo, renová-lo e trabalhar em todas as características mecânicas enquanto está no ar.

“Não era possível dizer a todos: ‘Bem, com licença. Voltaremos em 18 meses quando tivermos tudo isso resolvido’. Então tivemos que continuar administrando uma faculdade de dois anos enquanto estávamos nos tornando uma universidade de quatro anos”, disse Élder Bednar.

“Foram dias tumultuados”, disse Betty Oldham, que trabalhava como assistente do presidente naquela época. “Mas foi provavelmente uma das experiências mais espirituais que já tive, porque vimos milagres acontecendo e a revelação sendo recebida.”

Élder Bednar disse: “A mão do Senhor estava em todos os aspectos daquela empreitada.”

Presidente Gordon B. Hinckley entre o então Élder Henry B. Eyring, à esquerda, e David A. Bednar, da BYU-Idaho, acena para formandos e convidados no início da formatura da BYU-Idaho em abril de 2002.
Presidente Gordon B. Hinckley entre o então Élder Henry B. Eyring, à esquerda, e David A. Bednar, da BYU-Idaho, acena para formandos e convidados no início da formatura da BYU-Idaho em abril de 2002. Credit: Arquivos do Deseret News

Houve alguns que resistiram ou ficaram desapontados com certos aspectos das mudanças. Entretanto, Wilkes observou, “na maioria das vezes, era apenas uma questão de ajudar as pessoas a se sentirem bem em relação a isso e se tornarem parte da resposta.”

Oldham lembrou-se de ter participado de uma reunião com o presidente Bednar e os vice-presidentes da administração quando o presidente Bednar anunciou que o Presidente Hinckley iria fazer da faculdade uma universidade de quatro anos.

“O que aconteceu naquela reunião estabeleceu o tom porque muitos dos vice-presidentes tinham raízes profundas na Ricks College, com familiares que eram pessoas de Snake River Valley/Ricks College”, disse Oldham. “Mas para uma pessoa, a resposta foi simplesmente “O que precisamos fazer, presidente?’”

Na noite anterior ao anúncio público do Presidente Hinckley, Oldham estava na fotocopiadora terminando um projeto quando o presidente Bednar estava saindo. “Está assustado com essas mudanças?”, perguntou ela.

“Se eu tivesse que fazer tudo isso sozinho, estaria morrendo de medo”, respondeu o presidente Bednar, “mas sei quem está no comando.”

Oldham disse que aquela conversa mudou sua perspectiva de muitas maneiras. “Não se tratava dele, não se tratava de nós. Tratava-se de tornar aquele local na escola que o Senhor precisava que fosse e Ele guiaria cada passo do caminho.”

‘Repensando a educação’

Uma das marcas registradas da BYU-Idaho é seu espírito inovador, refletido em seu lema: “Repensando a educação”. Presidente Eyring disse durante seu discurso devocional no campus em 2001, que a frase “repensando a educação” não é simplesmente um slogan. “A escola deve ser um lugar de inovação educacional permanente.”

Durante o envolvimento de Élder Bednar como presidente de uma instituição educacional em transição, “tivemos que reexaminar tudo”, ele lembrou. “A BYU-Idaho tem tudo a ver com uma maneira de repensar a educação. Refletimos sobre como admitir alunos. Tivemos que repensar como e quando os alunos frequentariam a escola. Tivemos que repensar a natureza dos estágios.”

Uma das primeiras inovações que a escola implementou foi o sistema de calendário de três períodos, o que lhe permitiu atender muito mais alunos, mantendo o tamanho das turmas pequeno. “Em vez de pensar que o ano letivo é apenas de setembro até abril e depois ter a planta física e todas as instalações identificadas para o verão, utilizamos a instituição durante o ano inteiro”, explicou Élder Bednar. “Portanto, aumentamos em uma porcentagem muito significativa o número de alunos que podem ser admitidos. A escola é usada o ano todo.”

Alunos saem do BYU-Idaho Center depois de ouvir Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, durante um serão na BYU-Idaho em Rexburg no domingo, 22 de setembro de 2019.
Alunos saem do BYU-Idaho Center depois de ouvir Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, durante um serão na BYU-Idaho em Rexburg no domingo, 22 de setembro de 2019. Credit: Jeffrey D. Allred, Deseret News

A maioria das universidades quer reduzir a matrícula e depois cobrar mais dinheiro dos alunos. A BYU-Idaho, no entanto, conseguiu aumentar a matrícula enquanto reduzia o custo por estudante.

“Se o mundo do ensino superior está indo por um caminho, observamos e provavelmente seguimos pelo caminho oposto”, observou Élder Bednar.

Quando Élder Clark foi convidado a assumir a direção da BYU-Idaho, o Senhor deixou muito claro que a universidade deveria perseguir três imperativos, disse ele.

  1. Aumentar a qualidade da experiência dos alunos, em todas as suas dimensões.
  2. Encontrar uma maneira de servir a muito mais alunos.
  3. Reduzir o custo relativo da educação.

“Tivemos que pensar muito e mudar a maneira como abordávamos algumas coisas”, disse Élder Clark.

A primeira coisa que a administração fez foi modificar o calendário acadêmico para três “semestres” iguais. Em vez do semestre de verão, que consistiria em dois períodos mais curtos, seria agora um semestre igual ao do inverno e ao do outono com o programa acadêmico completo e o corpo docente completo.

Eles também implementaram plenamente o modelo de aprendizagem que incentiva os alunos a ensinarem uns aos outros e a serem responsáveis pelo próprio aprendizado. Isso se tornou importante, explicou Élder Clark, quando o usaram para projetar o conjunto de cursos online.

A oferta de mais cursos online permitiu mais uma vez aumentar as matrículas. Se cada calouro tiver uma aula online, por exemplo, isso permite que a escola receba muito mais alunos presenciais, porque agora há lugar físico disponível de alguém que não está sentado ali.

“Isso nos permitiu servir mais alunos com o espaço que temos e também com o corpo docente que temos”, disse Élder Clark, “e assim conseguimos fazer crescer o corpo estudantil significativamente, mais do que de outra forma teríamos feito com os mesmos custos.”

A próxima inovação que começou durante esse período foi o advento do programa BYU-Pathway. A BYU-Idaho criou os primeiros locais do PathwayConnect em Nampa, Idaho; Mesa, Arizona; e Manhattan, Nova York. Cerca de um mês após o lançamento inicial, Élder Clark se lembrou de ter participado de uma conferência geral e de ter uma clara impressão espiritual: “Você precisa expandir o Pathway. Você precisa torná-lo internacional. E precisa fazer isso agora.”

Eles logo receberam aprovação para expandir para 10 locais, sendo um no México e outro em Gana. Hoje, a BYU-Pathway se expandiu para 150 países no mundo todo. 

E embora a BYU-Pathway seja agora uma entidade independente, ela continua a trabalhar em parceria com a BYU-Idaho para aumentar o número de matrículas online no mundo todo. Os instrutores online da BYU-Idaho e os esforços de desenvolvimento de cursos continuam sendo um pilar de todo o programa.

Fotos do novo BYU-Idaho Center e do remodelado Manwaring Center em Rexburg, Idaho, quinta-feira, 16 de dezembro de 2010.
Fotos do novo BYU-Idaho Center e do remodelado Manwaring Center em Rexburg, Idaho, quinta-feira, 16 de dezembro de 2010. Credit: Michael Lewis

O potencial da educação da Igreja

Enquanto Élder Clark relembrava dos últimos 20 anos de mudanças da BYU-Idaho e da educação da Igreja, uma escritura lhe veio à mente. “Pois eu, o Senhor, estendi minha mão para exercer os poderes do céu; não podeis vê-lo agora, mas em pouco o vereis e sabereis que Eu sou e que virei e reinarei com meu povo (Doutrina e Convênios 84:119).

“O Senhor está dizendo: ‘Estendi minha mão e estou exercendo os poderes do céu. Você ainda não consegue enxergar. Mas com o tempo, você verá. E quando vir, saberá que Eu Sou’. É possível ver isto acontecendo em muitos aspectos da Igreja”, disse Élder Clark. Vemos isso acontecendo na educação em toda a Igreja.”

É apenas o começo, disse Élder Clark. O Senhor vai abençoar Seus filhos por meio da educação. “Podemos ver Sua mão agindo com poder, posso afirmar com conhecimento de causa. Vivi essas experiências na BYU-Idaho e também quando era comissário de educação. É simplesmente incrível e maravilhoso de se ver, e há muita alegria. Ficamos alegres por testemunhar o Senhor fazendo Sua obra.”