‘Removam resistência ao vento’ para se unirem ao Salvador, diz presidente Johnson a estudantes da BYU

Quando um ciclone de inverno conhecido como Kona Low [em inglês] atingiu as ilhas havaianas no mês passado, muitos tomaram precauções para manterem seus barcos atracados ao ancoradouro ou ao cais. No entanto, alguns não tomaram precaução alguma. 

Em um devocional do campus da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 11 de janeiro, Camille N. Johnson, presidente geral da Primária, mostrou a foto de um grande barco que se soltou do ancoradouro e foi lançado à costa pelos ventos e ondas. 

O que aconteceu? Algumas velas e bandeiras — coisas que o vento poderia ter levado, ou resistido — ainda podiam ser vistas nos barcos.  

“Especialistas dizem que tomar medidas para reduzir a força do vento sobre o barco é essencial para protegê-lo durante uma tempestade …”, disse a presidente Johnson. “As velas devem ser amarradas, capotas removidas, botes infláveis esvaziados e presos. Bandeiras, almofadas, lâmpadas, tudo deve ser removido ou amarrado para reduzir a força do vento sobre o barco.”

Uma imagem apresentada pela presidente geral da Primária, Camille N. Johnson que diz "O que a resistência ao vento pode fazer", durante o devocional da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah.
Uma imagem apresentada pela presidente geral da Primária, Camille N. Johnson que diz “O que a resistência ao vento pode fazer”, durante o devocional da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah. Crédito: BYU Photo

Com a imagem do barco destruído em mente, a presidente Johnson perguntou: “Queridos amigos, estudantes e professores, vocês têm coisas que precisam remover? Vocês precisam reduzir a resistência para que possam enfrentar as tempestades que inevitavelmente chegarão ou que estão caindo sobre vocês agora?”

Jesus Cristo é uma âncora que nunca se move, uma boia de amarração que não se desloca e um ancoradouro seguro, testificou ela. “Existem coisas em seu barco metafórico que estão criando resistência à sua devoção a Ele? O que, se houver algo, os impede de estarem firmemente ancorados no Salvador?

A presidente Johnson convidou os ouvintes a orarem para saberem aquilo que está causando tensão em seu relacionamento com o Salvador. Ela compartilhou alguns exemplos de “resistências” que está tentando remover de sua própria vida. 

Falta de confiança no Senhor

A presidente Johnson, que descreve a si mesma como uma planejadora de mão-cheia, recorda ter recebido sua bênção patriarcal aos 16 anos de idade, com a esperança de receber orientação específica sobre o que estudar e qual caminho profissional seguir. Sua bênção não abordou nenhuma dessas questões. Então, ela seguiu em frente com fé, dando um passo de cada vez. 

Um emprego em Washington, D.C. a levou a fazer o teste de admissão e ser aceita na Faculdade de Direito, onde conheceu seu marido, Doug. Eles tiveram três filhos e ela continuou a exercer a advocacia. A presidente Johnson tirou licença em 2016, quando ela e o marido foram chamados para serem os líderes da Missão Peru Arequipa. Ela voltou a exercer a advocacia em 2019 e, desde então, suspendeu o exercício desta atividade para servir na presidência geral da Primária

“Por que lhes dar minha biografia? Para expressar meu testemunho de que meu plano de vida foi introduzido a mim enquanto eu o vivenciava, mantendo meus olhos fixos no prêmio da vida eterna. … 

“À medida que confio mais e resisto menos, me sinto mais firmemente ancorada no Salvador”, disse a presidente Johnson. “Minha fé e confiança no Salvador aumentam, à medida que deposito minha fé e confiança Nele. Porque Ele conhece meu potencial perfeitamente, Ele me levou a lugares que eu nunca havia imaginado.” 

Falta de empregar o arrependimento diário 

Presidente Russell M. Nelson aconselhou: “Nada é mais libertador, mais enobrecedor ou mais crucial para nosso progresso individual do que um enfoque constante e diário no arrependimento. O arrependimento não é um evento, mas um processo. Ele é a chave para a felicidade e paz de consciência. Quando acompanhado da fé, o arrependimento permite que tenhamos acesso ao poder da Expiação de Jesus Cristo.”

A presidente Johnson assegurou aos ouvintes de que o Salvador, por meio de Sua Expiação, forneceu uma maneira para todos nós sermos purificados e transformados para nos tornarmos mais semelhantes a Ele. “Saibam que isso requer esforço”, disse ela, “como nosso Profeta nos suplicou que empregássemos.”

Procrastinação

A presidente Johnson citou Alma 34:32-33: “Esta vida é o tempo para os homens prepararem-se para o encontro com Deus; … não deixeis o dia do arrependimento para o fim.”

Presidente Henry B. Eyring, segundo conselheiro na Primeira Presidência, ensinou: “Uma das perguntas que precisamos fazer ao Pai Celestial em nossas orações pessoais é: “O que fiz hoje, ou deixei de fazer, que Te desagradou? Se eu souber de algo, vou sem demora arrepender-me de todo o coração.’ Essa humilde oração será respondida. E a resposta sem dúvida incluirá a certeza de que perguntar hoje é bem melhor do que esperar até amanhã.”

A presidente geral da Primária, Camille N. Johnson, falou no devocional da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah.
A presidente geral da Primária, Camille N. Johnson, falou no devocional da Universidade Brigham Young na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah. Crédito: BYU Photo

A presidente Johnson também alertou os ouvintes contra a procrastinação da alegria e da gratidão. “Encontrarmos alegria em nossa jornada e agradecermos a nosso Pai Celestial e nosso Salvador por essas bênçãos é uma maneira de fecharmos as escotilhas, nos prepararmos para as tempestades e protegermos nosso relacionamento com Jesus Cristo”, disse ela.

As companhias que mantemos

Outra fonte potencial de coisas que precisam ser removidas são as pessoas com as quais nos relacionamos. A presidente Johnson disse que escolhe passar tempo com as pessoas que respeitam aquilo que ela acredita e a encorajam a viver dignamente. “Para mim, isso é escolher uma boa companhia e não é nem exclusiva nem excludente.”

Presidente Spencer W. Kimball disse: “Estejam sempre em boa companhia. Nunca desperdicem uma hora com alguém que não os eleva e os incentiva.”

Aprovação de fontes não confiáveis 

Em sua juventude, quando algo rude era dito a seu respeito, presidente Johnson se lembra de sua mãe, ou seu pai, a aconselhando: “Você precisa se importar com aquilo que eles disseram?”

“Valorizem e prestem atenção às opiniões das pessoas que vocês realmente respeitam… Valorizem e prestem atenção ao seu relacionamento com o Salvador”, disse ela. “Busquem primeiro a validação e aceitação Dele.”

Distrações

Élder Alvin F. Meredith, Setenta Autoridade Geral, falou a respeito de distrações em seu discurso na conferência geral de outubro de 2021: “O adversário parece determinado a fazer com que as pessoas boas não façam nada, ou ao menos que desperdicem seu tempo em coisas que vão distraí-las dos propósitos e das metas nobres. Por exemplo, algumas coisas que são diversões sadias, se realizadas com moderação, podem se tornar nocivas se não houver disciplina. O adversário entende que as distrações não precisam ser más ou imorais para serem eficazes.”

“Irmãos e irmãs”, disse a presidente Johnson, “mantenham seus olhos fitos no prêmio dos relacionamentos eternos — um relacionamento eterno com nosso Pai Celestial e o Salvador, e a oportunidade de retornarmos ao nosso lar celestial para estarmos com as pessoas que mais amamos. Esse foco em seu objetivo final os ajudará a evitarem distrações prejudiciais.”

Mau uso do tempo

Ela também repetiu o que Presidente Dallin H. Oaks nos ensinou a respeito de avaliarmos o que é “bom, muito bom, e excelente”.

“Estamos usando nosso tempo para assegurarmos nossa devoção ao Salvador, ou a maneira como escolhemos usar nosso tempo é o motivo pelo qual estamos flutuando ao vento?”, perguntou ela. “O tempo é um recurso ou se tornou algo que precisa ser removido? … Vocês atenderão ao apelo do Profeta e reservarão tempo para o Senhor?” 

Ao concluir, a presidente Johnson convidou os ouvintes a serem sinceros consigo mesmos ao identificarem coisas que podem ser removidas de suas vidas. 

Como sua família aprendeu com uma experiência em Lake Powell, na qual sua casa flutuante estava atracada a dois pontos concorrentes, “[à]s vezes, nossas amarras ficam emaranhadas, e nosso barco talvez até se solte de sua boia de amarração durante uma tempestade, quando a força do vento sobrecarrega nosso ponto de fixação”, disse ela. 

“E então, com gratidão e alegria, testifico que nosso Salvador Jesus Cristo permanece como o farol que nos conduz de volta à segurança, se apenas seguirmos Sua luz. ‘Brilham raios de clemência do farol do eterno Deus’”, disse ela.

Alunos da Universidade Brigham Young ouvem a presidente geral da Primária, Camille N. Johnson, durante devocional na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah.
Alunos da Universidade Brigham Young ouvem a presidente geral da Primária, Camille N. Johnson, durante devocional na terça-feira, dia 11 de janeiro de 2022, transmitido do Marriott Center em Provo, Utah. Crédito: BYU Photo

Grace Johnson, uma estudante de Cedar Rapids, Iowa, que está cursando Espanhol, disse que concorda com a mensagem compartilhada pela presidente Johnson sobre removermos coisas que não são importantes. “As distrações não são necessariamente ruins, mas podemos escolher coisas que são melhores”, disse ela.

Para Zac McMillan, um estudante de Bountiful, Utah, que está cursando Sistemas de Informação, a mensagem sobre confiarmos no Senhor foi oportuna. “O tema de confiar no Senhor plenamente é algo que tenho ouvido em orações e lido nas escrituras ultimamente”, disse ele. “Não devemos depositar uma confiança parcial no Senhor. Devemos confiar Nele plenamente.”