Como seguir o desafio feito pelo profeta de fazermos “um jejum de sete dias das mídias sociais” abençoou mais do que apenas os jovens

Macy Sorensen estava sentada com os jovens na sede de sua estaca em Enumclaw, Washington, quando ouviu o presidente Russel M. Nelson lançar o desafio para que os jovens ficassem longe das coisas falsas e se absterem da mídia social por uma semana.

“Reconheço que existem coisas positivas nas mídias sociais”, afirmou o presidente Nelson durante o devocional mundial. “Mas se vocês estão prestando mais atenção às notificações das mídias sociais do que aos sussurros do Espírito, estão se colocando em risco espiritual — e correndo o risco de sentir intensa solidão e depressão.”

Sorensen, presidente das Moças da estaca, sentiu grande paz ao ouvir as palavras do profeta e notou que vários jovens sentados no banco à sua frente imediatamente pegaram o celular e começarem a deletar os aplicativos de mídia social.

“‘Que legal!’, pensei. Se eles conseguem, eu também consigo”, ela disse.

Quase que imediatamente, ela sentiu como se tivesse mais espaço na mente para pensar e percebeu os sussurros do Espírito Santo quase que continuamente.

O presidente Russel M. Nelson fala durante o Devocional Mundial para Jovens Adultos realizado no Centro de Conferências em Salt Lake City, no domingo, 3 de junho de 2018.
O presidente Russel M. Nelson fala durante o Devocional Mundial para Jovens Adultos realizado no Centro de Conferências em Salt Lake City, no domingo, 3 de junho de 2018. Credit: James Wooldridge, Deseret News

Um sentimento “estranho” que teve foi o desejo de passar roupas, uma das tarefas domésticas de que ela menos gosta. Ainda assim, mesmo resmungando, montou a tábua de passar, pegou o ferro e começou o serviço em uma pilha de camisas de linho. 

“Algo naquele exercício repetitivo esvaziou minha mente, e o som do spray de água me lembrou de minha mãe, que passava roupas todas as segundas-feiras em nossa casa”, Sorensen relembrou.

Logo seus pensamentos também se voltaram para seu pai, que havia morrido muitos anos atrás. Sorenson entrou para a Igreja aos 19 anos; sua mãe, quase 15 anos depois, pois cuidava do marido acamado devido a um derrame. Ele morreu sem aceitar o evangelho.

“Enquanto passava as camisas e pensava em meu pai, tive a clara impressão de que ele estava ali comigo dizendo: ‘Não se esqueça de mim’. Logo depois tive o sentimento de ele ter dito: ‘Ainda não fui selado à sua mãe’.

Fui a nocaute”, comentou Sorensen. Ela imediatamente deixou o ferro de lado e ligou para o templo para marcar um horário para selar seus pais.

Desde que o presidente Nelson lançou o desafio no dia 3 de junho, milhares de adolescentes membros da Igreja atenderam ao chamado. Mas, assim como Sorensen, o convite do profeta foi aceito por mais do que apenas adolescentes.

Jim Jacobs, membro da Ala Reunion, Estaca Brighton Colorado, decidiu participar do jejum das mídias sociais e ser um exemplo para seus cinco filhos; dois jovens adultos e três adolescentes. “Quis reivindicar as bênçãos prometidas pelo profeta apesar de eu já não ser jovem há muito tempo”, ele disse.

Para Miriam Garcia, o desafio do presidente Nelson soou muito ousado. A jovem adulta solteira, da Ala Springwood, Estaca Mile Plains Austrália, admite que usa as mídias sociais todos os dias. Ainda assim, Garcia percebeu “um forte senso de propósito nas palavras do presidente Nelson” que a fizeram sentir “parte de algo maior na coligação de Israel”. Assim, ela decidiu participar.

Por ser o bispo da Ala Ephraim 2 na cidade de Ephraim, Utah, David Parrish assistiu ao devocional com sua esposa. Além de decidir participar do jejum de uma semana, ele também convidou seus filhos e os membros de sua ala a fazerem o mesmo. “Só pelo fato de sermos adultos não significa que estamos isentos ou que não somos atraídos pelas mesmas tentações”, confessou o bispo Parrish.

Mas havia um motivo para o jejum ter sido lançado como um “desafio”. Jacobs ficou surpreso como o jejum foi difícil. “Eu sentia falta das mídias sociais”, confessou.

Garcia disse: “Mesmo tendo mais tempo, eu não sabia o que fazer com ele, então me lembrei do desafio de aumentar a participação na coligação de Israel”.

Ela passou a usar o tempo extra em sua conta do FamilySearch com uma tia e acabou realizando a iniciatória e a investidura para suas tias-avós.

No passado ela teria dito que não tinha tempo para esse tipo de coisa ou que não tinha a capacidade de fazê-las. “Mas percebi que são coisas que posso fazer, e tem tudo a ver com o que decido priorizar”, disse Garcia.

Para Danica McGary, membro da Ala Kouhoku, Estaca Yokohama Japão, além de lhe conscientizar sobre seus hábitos, o jejum também lhe abençoou com paz. Em vez de buscar as mídias sociais quando não tinha nada para fazer, essa mãe de pouco tempo aprendeu o quanto é importante passar tempo com seu bebê; tempo que é roubado pelas mídias sociais.

Ela disse que, além disso, participar do jejum também fortaleceu seu testemunho do profeta. “Continuo com a forte confirmação de que o presidente Nelson é realmente um profeta de Deus, e sou grata por ter dado ouvidos ao conselho dele e aceito seu convite.”

Jacobs disse que sentiu uma diferença tão grande que continuou o jejum por mais uma semana. “Não quero uma vida cheia de distrações”, afirmou. “Esse desafio me abençoou com mais tempo, mais dias de trabalho produtivo, fazendo com que eu me sentisse melhor a respeito de mim mesmo e com um desejo maior de fazer o bem.”

E ainda mais importante, ele pode testificar isso para seus filhos. “Posso testificar com convicção que as mídias sociais causam distração e, mais ainda, posso testificar sobre a verdade das palavras do profeta”, Jacobs concluiu.

No sábado, dia 23 de junho, a mãe de Sorensen foi selada ao marido e Sorensen foi selada a seus pais no Templo de Seattle Washington. “Tenho 53 anos, e senti uma enorme alegria”, Sorensen compartilhou a respeito da experiência.

Agora ela sabe mais do que nunca que, a despeito da idade, “existem bênçãos que vêm quando somos obedientes ao profeta mesmo nas coisas pequenas”, ela disse.