Açores não tão isolados: santos dos últimos dias em ilhas remotas conectam-se com continente e com novo templo

ANGRA DO HEROÍSMO, ILHA TERCEIRA, OS AÇORES — Paulo Alves lembra-se do momento de há alguns anos atrás, sentado numa praia da Ilha Terceira dos Açores, observando sua esposa, Tânia, e o filho mais novo, Samuel, enrolarem a barra das calças e correrem em direção ao mar. A cena está indelevelmente gravada na sua memória – céu azul, Oceano Atlântico azul e os sons de risos e das ondas quebrando.

“Eu olhei para o céu e disse, ‘Obrigado, Deus, sei que o selamento do templo é verdadeiro e que posso ter esta família para a eternidade no reino celestial’”, disse Alves, que agora é o presidente do Distrito Açores Portugal.

Não importa que os Açores ficam a quase 1.600 quilômetros de distância do continente europeu. Não importa que os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias sejam poucos nas ilhas remotas. “Podemos viver longe do templo ou de qualquer outro lugar na terra, mas os selamentos permanecem ativos em nossa vida”, disse ele.

O presidente Alves quer que os santos dos últimos dias açorianos não só sejam parte de uma Igreja global, mas também aprendam com ela. “Quando estamos isolados do mundo, temos a nossa própria cultura. Mas eu acredito na cultura dos santos dos últimos dias. (…) Quero que os membros sigam o caminho mais alto – o padrão mais alto.”

Os Açores e a Igreja

Os Açores – é um arquipélago de nove ilhas no meio do Oceano Atlântico Norte, a mais de 1.500 quilômetros a oeste de Portugal e uma das duas regiões autônomas do país. As ilhas são massas vulcânicas formadas na junção das placas tectónicas da América do Norte, Eurásia e África; e se elas forem medidas desde os picos da ilha até às suas bases no fundo do oceano, as “montanhas” dos Açores estariam entre as mais altas da Terra.

Embora as ilhas tenham sido identificadas já no século XIV, os colonos portugueses só chegaram no século seguinte. Os Açores serviram primeiro como locais-chave primeiro para os exploradores que navegavam de Portugal e de outras nações europeias e, mais tarde, para as expedições baleeiras de 1700 a 1900.

A erosão natural das ilhas, combinada com o clima ameno, resultou em encostas verdes e terrenos agrícolas férteis que contrastam com praias negras e litorais rochosos. As atividades predominantes são a agricultura, os lacticínios e a pesca, com o turismo crescendo rapidamente.

Vista da Vila Franco do Campo e do Ilhéu de Vila ao largo da costa sul da ilha de São Miguel, fotografada em 17 de setembro de 2019.
Vista da Vila Franco do Campo e do Ilhéu de Vila ao largo da costa sul da ilha de São Miguel, fotografada em 17 de setembro de 2019. Credit: Scott Taylor

Cerca de metade do quarto de milhão de habitantes dos Açores situa-se na Ilha de São Miguel e outro quarto na Ilha Terceira, onde se encontram bases militares que, desde a Segunda Guerra Mundial, têm sido partilhadas ou arrendadas por outros países.

Embora não tenha sido oficialmente reconhecida em Portugal até 1974, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias estava representada 20 anos antes nos Açores por membros militares designados para servir no Campo Aéreo das Lajes da Terceira.

Um grupo de militares estabelecido em 1958 precedeu o Ramo Lajes, organizado em 1967. Maria Morgado, batizada por membros do ramo naquele ano, é considerada a primeira nativa conhecida a ser batizada em solo português.

Em 1979, a Missão Portugal Lisboa designou os primeiros missionários para as ilhas. O primeiro ramo português foi organizado em Angra do Heroísmo da Terceira, em 5 de março de 1980, com a criação do Distrito Terceira Portugal – atual Distrito Açores Portugal – em 1982.

Um legado de membros

Naquele ano, Ricardo Resendez, de 18 anos, foi batizado em Ponta Delgada em 24 de julho – Dia dos Pioneiros. Ele havia-se interessado pela religião, mas era tímido; tanto um vizinho quanto seus pais cuidaram dos preparativos para que os missionários o visitassem.

Com o desejo de compartilhar o evangelho bem antes da conversão, ele cumpriu suas obrigações militares antes de servir em uma missão aos 22 anos. Os pais dele não aprovavam e queriam que ele continuasse a trabalhar, mas Resendez saiu de casa com uma passagem de avião para sua área designada em Portugal e com poucos pertences – as calças que usava, um par de camisas brancas e gravatas que lhe foram dadas pelos élderes de São Miguel, um par de sapatos revestidos com cola e uma bolsa esportiva pequena.

Surpreso ao ver o pouco que Resendez possuía, o presidente da missão pediu a outros missionários que ajudassem a expandir seu guarda-roupa. Quando terminou sua missão de dois anos, Resendez – atualmente presidente do Ramo da Ribeira Grande em São Miguel – recebeu um telefonema dos seus pais a dar-lhe as boas-vindas pela volta para casa.

Alexandra Camacho Rodrigues, atual esposa do conselheiro da presidência do distrito, João Joaquim Pinto, é atualmente a membro mais antiga dos Açores, batizada aos 18 anos de idade em 14 de junho de 1980, no Oceano Atlântico. Com a praia já lotada onde seu batismo seria realizado, a ordenança de Camacho foi transferida para um lugar menor e mais isolado, onde o mar quebrava nas rochas irregulares.

Uma fotografia do batismo de Alexandra Camacho Rodrigues, aos 18 anos, em 14 de junho de 1980, entre as rochas e o mar da ilha de São Miguel, nos Açores.
Uma fotografia do batismo de Alexandra Camacho Rodrigues, aos 18 anos, em 14 de junho de 1980, entre as rochas e o mar da ilha de São Miguel, nos Açores. Credit: Scott Taylor

Nair Alves já havia notado os missionários da Igreja antes e pensava que o nome “Mórmon” que havia ouvido representava algum tipo de deus. Um gesto gentil de um élder nos correios de Angra fez com que ela conduzisse uma inspeção mais detalhada da plaqueta com o nome de um missionário e visse a inscrição “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

“Fiquei espantada porque dizia ‘Jesus Cristo’”, lembrou-se ela. “Esse era o nome do meu Deus, não de outro deus – e eu fiquei feliz.”

Ela e o marido, Luís Alves, e o filho mais velho, Herberto, foram batizados em 1985. Seu segundo filho, Paulo Alves, tinha apenas 7 anos e foi batizado mais tarde.

A família Alves de Angar, Ilha Terceira, no dia do seu batismo no ano de 1985 em Angar, Ilha de São Miguel dos Açores. Luís Alves é o segundo da direita para a esquerda, sua esposa, Nair Alves é a segunda da esquerda para a direita, com os dois filhos Herberto e Paulo, no canto inferior direito.
A família Alves de Angar, Ilha Terceira, no dia do seu batismo no ano de 1985 em Angar, Ilha de São Miguel dos Açores. Luís Alves é o segundo da direita para a esquerda, sua esposa, Nair Alves é a segunda da esquerda para a direita, com os dois filhos Herberto e Paulo, no canto inferior direito. Credit: Cortesia da família Alves

Enquanto as fortes tradições católicas das ilhas tornavam a conversão desafiadora, fortes laços familiares têm ajudado alguns a serem receptivos ao aprendizado da fé dos santos dos últimos dias.

Nair Alves tinha perdido o pai, que teve câncer, e faleceu aos 66 anos. “Eu tinha um grande desejo de saber sobre meu pai, de saber o que era um espírito, e eu principalmente queria saber se ele não estava mais sofrendo”, disse ela, acrescentando que orou pedindo entendimento.

Ao encontrar os missionários nos correios, as primeiras perguntas que ela fez foram se eles acreditavam em na ressurreição e se podiam falar sobre um mundo espiritual. As respostas que eles deram prepararam o caminho para as lições na casa da família Alves.

Da mesma forma, conhecer o plano de salvação abençoou o recém-converso Júlio Costa, que recebeu um Livro de Mórmon na sua primeira visita de domingo à capela de Ponta Delgada. “Não havia dúvida de que eu estava voltando, porque senti algo bom”, disse Costa, que foi batizado em abril.

Pensando que uma avó que tinha ajudado a criá-lo e que faleceu sete anos antes, Costa está animado para ir ao Templo Lisboa Portugal no próximo mês para ajudar seus antepassados por meio das ordenanças. “Saber que as famílias podem ficar juntas para sempre foi revelador”, disse ele. “A razão é unir minha família — levar seus nomes ao templo e uni-los do outro lado do véu.”

E Cátia Almeida, de 22 anos, lembra como abraçar o evangelho restaurado quando ainda era uma jovem adolescente ajudou a amenizar a ausência de uma avó que havia falecido. “Eu me sentia realmente sozinha”, disse Almeida. “Mas encontrei pessoas se preocuparam comigo. Senti o Espírito, e senti-me parte de tudo na Igreja.”

Conexões com o continente

Apesar da distância para Portugal e para o continente europeu, os membros da Igreja nos Açores têm boas conexões de longa distância.

João Joaquim Pinto e Alexandra Camacho Rodrigues serviam como missionários em Portugal quando se conheceram. Quando concluiu sua missão, Pinto — que foi batizado em sua terra Natal, a Ilha da Madeira, outra ilha autônoma de Portugal — recebeu não só permissão, mas incentivo para escrever para a Sister Camacho enquanto ela ainda servia. Seus pais recusaram-se a recebê-lo em Madeira, então ele foi para os Açores para trabalhar, escrever e esperar.

Eles casaram-se em 1986 e foram selados em 1989, e os dois e a mãe dela — que havia entrado para a Igreja depois de sua filha — foram de avião para Lisboa e, em seguida, viajaram de ônibus três dias até chegarem ao Templo de Frankfurt Alemanha e realizar as investiduras, o selamento e as outras ordenanças lá.

O presidente João Joaquim Pinto, segundo da esquerda para a direita, segundo conselheiro no Distrito de Açores Portugal, é fotografado com a mulher, Alexandra Pinto; o filho mais velho, Abraão, à esquerda, e o recém-converso Júlio Costa, à direita, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, em 17 de setembro de 2019.
O presidente João Joaquim Pinto, segundo da esquerda para a direita, segundo conselheiro no Distrito de Açores Portugal, é fotografado com a mulher, Alexandra Pinto; o filho mais velho, Abraão, à esquerda, e o recém-converso Júlio Costa, à direita, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, em 17 de setembro de 2019. Credit: Scott Taylor

Paulo Alves e a sua esposa, Tânia, que entrou para a Igreja em Portugal aos 20 anos de idade, conheceram-se no Templo de Madrid Espanha enquanto cada um deles estava participando de umas caravanas ao templo com adultos solteiros – ele na caravana dos Açores e ela na de Portugal. Casados e selados em 2008, passaram quatro anos em Portugal, tempo suficiente para Paulo Alves observar como as alas e estacas funcionavam lá, alimentando a esperança de que uma futura estaca fosse semelhante nos Açores.

Em 2012, o Alves mudou-se de volta para a Terceira, onde trabalha como enfermeiro pré e pós-operatório e onde serviu como presidente do distrito por 20 meses. “Creio que é a vontade do Senhor que estejamos aqui para ajudar”, disse o presidente Alves.

E Almeida conheceu o seu noivo, João Barata, em uma conferência especial para jovens EFY, há oito anos, em Portugal, de onde ele é. Uma amizade de sete anos levou a um namoro de um ano, depois a missão de Barata em Angola e a missão de curto prazo de Almeida nos Açores.

Tânia Alves, à esquerda, abre uma caixa com livros escolares para o filho, Samuel, à direita, enquanto o marido, Paulo Alves, presidente do Distrito dos Açores, observa na sua casa em São Mateus da Calheta, Ilha Terceira, em 16 de setembro de 2019.
Tânia Alves, à esquerda, abre uma caixa com livros escolares para o filho, Samuel, à direita, enquanto o marido, Paulo Alves, presidente do Distrito dos Açores, observa na sua casa em São Mateus da Calheta, Ilha Terceira, em 16 de setembro de 2019. Credit: Scott Taylor

Mas o aprendizado e o progresso espirituais não dependem do continente. “Acho que há muitos membros aqui com muita fé — eles têm que ter fé aqui — e a vida deles mudou com o evangelho”, disse Tânia Alves.

Rogéria Medina, batizada há três anos com seu marido, disse que ela aprecia o aprendizado espiritual. “Não sabíamos nada de religião antes de conhecermos os élderes; não dávamos muita importância para religião antes”, disse ela. “Aprendi coisas que nunca aprendi na vida — as escrituras, como orar — e continuo a aprender.”

Um novo templo em Portugal

A distância entre os Açores e o novo Templo de Lisboa Portugal é semelhante à distância de Salt Lake City a Des Moines, Iowa ou Nova Iorque ou a Tallahassee, Flórida. No entanto, os santos dos últimos dias açorianos estão animados por terem um templo mais próximo, para o qual eles podem fazer uma viagem de avião sem escalas em vez ter que pegar voos com muitas paradas ou viajar muitas horas de ônibus para chegar antes aos templos de Madri ou Paris.

O Templo de Lisboa Portugal na noite do sábado, 14 de setembro de 2019.
O Templo de Lisboa Portugal na noite do sábado, 14 de setembro de 2019. Credit: Scott Taylor

No entanto, apesar da distância e das viagens pesadas aos templos, os santos açorianos frequentavam-nos e serviam neles.

O élder Andersen abençoa Portugal para ser uma terra de liberdade, prosperidade durante a oração dedicatória do templo de Lisboa

Como aconteceu com a família Pinto em 1989, quando Luís e Nair Alves levaram seus três filhos — Herberto, Paulo e Nisa — e a mãe dela para suas primeiras ordenanças do templo, eles tiveram que ir para Frankfurt porque o Templo de Berna Suíça estava fechado. A viagem ficou mais difícil quando a mãe de Nair Alves sofreu um derrame e precisou ser hospitalizada na Alemanha por duas semanas. Os membros da família Alves permaneceram fiéis e não apenas frequentaram regularmente, mas serviram no Templo de Madri desde 2003. Seu serviço anual, por vezes, durou até três semanas, sem mencionar a missão de serviço da Igreja de 18 meses que fizeram naquele templo. Eles recentemente se mudaram para iniciar um serviço semelhante como primeiro casal missionário do templo de Lisboa.

Nair Alves e Luís Alves leem um artigo sobre a cobertura da dedicação do Templo Lisboa Portugal num smartphone em sua casa em Angra, Ilha Terceira, Açores, em 16 de setembro de 2019. O casal Alves partiu para Lisboa a fim de servir uma missão de serviço de um ano no mesmo templo.
Nair Alves e Luís Alves leem um artigo sobre a cobertura da dedicação do Templo Lisboa Portugal num smartphone em sua casa em Angra, Ilha Terceira, Açores, em 16 de setembro de 2019. O casal Alves partiu para Lisboa a fim de servir uma missão de serviço de um ano no mesmo templo. Credit: Scott Taylor

O presidente Arnaldo Medina do Ramo Ponta Delgada disse que ter um templo em Lisboa “deve aumentar a fé dos membros, e eles se sentirão melhor, pois o templo agora está mais perto. (…) E quando alguns membros voltam às suas antigas tradições, precisam trabalhar mais para se manterem no caminho do convênio”.

Rogéria Medina, sua esposa e presidente da Sociedade de Socorro do ramo acrescentou: “No templo, aprendemos a ter um enorme respeito pelas ordenanças. O respeito que temos pelos convênios nos fortalece para guardarmos os mandamentos e sermos obedientes.”

Isolamento desafiador

O isolamento do resto do mundo é apenas um dos desafios nos Açores. “Ser membro da Igreja em uma ilha é muito diferente de ser membro da Igreja em outro lugar”, disse Tânia Alves. “Então, poder ir ao templo com mais frequência nos ajudará a viver o evangelho mais plenamente.”

Os avanços tecnológicos — como a Internet e as comunicações globais — têm diminuído o isolamento, bem como auxiliados no progresso dos santos dos últimos dias.

O presidente Resendez menciona a história da família como exemplo. “Posso estar em casa e fazer tudo. É muito fácil fazer este trabalho. Podemos acessar tudo, e conseguimos ver a diferença.”

“Podemos estar no Alasca ou nos Açores, e Ele sabe nosso nome, Ele nos conhece, Ele nos ama.”

Enquanto isso, o presidente Pinto continua a trabalhar com os líderes municipais locais na obtenção de acesso a registros civis para arquivamento digital. Seu último esforço resultou nos registros de casamento de São Miguel dos anos 1800 e 1900.

Ao aprender sobre a Igreja, Costa encontrou o aplicativo Biblioteca do Evangelho — incluindo as escrituras e o “Pregar Meu Evangelho”. Com seu aprendizado online, ele diz que quase poderia ensinar a si mesmo as lições missionárias — com a ajuda das Sísteres de tempo integral, é claro.

Ainda assim, os jovens açorianos têm oportunidades educacionais e de emprego limitadas e, por sua vez, limitam as oportunidades financeiras. É por isso que Almeida e Barata — que se casarão numa cerimônia civil este mês na capela de Ponta Delgada e depois serão selados alguns dias depois no Templo de Lisboa — morarão em Portugal após o casamento.

“É difícil sair”, disse Almeida, “mas ao mesmo tempo, sinto como se tivesse feito tudo aqui e mudei.”

Outro desafio é revezar os chamados entre os poucos membros, com os santos dos últimos dias açorianos de longa data tendo feito um pouco de tudo. O presidente Alves presidiu dois ramos antes de se tornar presidente de distrito; seu pai, Luís Alves, e Resendez, ambos presidiram os ramos e o distrito em diferentes épocas.

As escadas que conduzem à Igreja Nossa Senhora da Paz apresentam ilustrações em azulejos da vida de Jesus Cristo. Fotografia tirada em 17 de setembro de 2019, acima da Vila Franca do Campo, Ilha de São Miguel dos Açores.
As escadas que conduzem à Igreja Nossa Senhora da Paz apresentam ilustrações em azulejos da vida de Jesus Cristo. Fotografia tirada em 17 de setembro de 2019, acima da Vila Franca do Campo, Ilha de São Miguel dos Açores. Credit: Scott Taylor

“Os únicos chamados que não tive são o de presidente da Sociedade de Socorro e o presidente das Moças”, gracejou Luís Alves.

Os membros novos podem receber vários chamados na Igreja, como é o caso do presidente Medina, converso há três anos. “Dia a dia estou aprendendo algo novo”, disse ele.

Os líderes locais estão trabalhando para manter um bom registro dos membros, contabilizando aqueles que faleceram, que saíram das ilhas, mudaram-se para outro lugar ou desapareceram. O distrito recentemente totalizou mais de 1.600 registros, comparado a uma frequência combinada de três ramos de 110 membros ativos.

O élder Robert V. Carter — que, com sua esposa, a Sister Louise Carter, forma um casal missionário sênior que se juntar a quatro duplas de jovens missionários de tempo integral servindo nos Açores — tem trabalhado especificamente em um ramos de São Miguel, onde os registros foram diminuídos de mais de 700 para pouco mais de 200.

Depois que o élder Carter serviu como presidente de ramo e Sister Carter como presidente das Moças, eles tiveram sua primeira missão nos Açores interrompida por causa do seu diagnóstico de câncer forçando um retorno antecipado a Pleasant Grove, Utah. Onze meses e um atestado de saúde mais tarde, eles voltaram e estão a meio caminho em um chamado de 18 meses, tendo passado 32 dos seus 34 meses na Missão Lisboa nas ilhas.

“Precisávamos voltar”, disse a Sister Carter. “Havia coisas que precisávamos fazer.”

O élder Carter adicionou: “Ainda há muito trabalho a fazer — esperamos que, no tempo que ainda nos resta, possamos deixar os ramos bem encaminhados.”

O futuro da Igreja nos Açores

Os líderes locais confiam na próxima geração para estabelecer ainda mais a Igreja nos Açores, com os jovens, os jovens adultos e os recém-conversos que aumentando o que os membros maduros forneceram. Os líderes mencionaram os missionários açorianos que atualmente servem missão — um élder no Brasil e uma Sister em Londres — e os esforços como o primeiro programa de seminário diário após as aulas começando na ilha no ano passado e com atividades dos jovens e adultos solteiros em todo o distrito, como a última excursão de observação de baleias que aconteceu no mês passado.

Os jovens adultos solteiros do Distrito Açores Portugal reúnem-se para uma atividade de observação de baleias em Ponta Delgada, Ilha de São Miguel, em 7 de setembro de 2019.
Os jovens adultos solteiros do Distrito Açores Portugal reúnem-se para uma atividade de observação de baleias em Ponta Delgada, Ilha de São Miguel, em 7 de setembro de 2019. Credit: Cortesia de Paulo Alves

“Quero olhar para os membros da Igreja aqui, como o Pai Celestial olha para nós, porque Ele trabalha com nosso potencial, e eu quero trabalhar neste potencial aqui”, disse o presidente Alves, acrescentando que “o desafio será ajudar os membros a entender a importância do templo em nossa vida. (…)

“A ‘Igreja’ para o Pai Celestial é cada pessoa — então podemos estar no Alasca ou nos Açores, e Ele sabe nosso nome, Ele nos conhece, Ele nos ama. E sei que todos nós temos o próprio propósito na vida — faz parte de Seu plano onde nascemos, onde crescemos e onde vivemos. Ele conhece Seu plano, e Ele sabe por que nascemos onde nascemos.”

Tânia Alves acrescentou: “Ele nos ama quem quer que sejamos e onde quer que estejamos. Ele quer que cresçamos, que sejamos fortes e sejamos um exemplo aqui — todos os membros, não apenas nós. É uma grande bênção fazer parte disso. Porque onde quer que existam humanos, há filhos de Deus.”

A Igreja nos Açores tem agora um templo a apenas um voo de distância, uma presença missionária em curso, a mistura de membros maduros com membros jovens energéticos e o aumento da tecnologia trazendo o mundo exterior para mais perto das ilhas. “Consigo enxergar um grande futuro para a Igreja aqui nos Açores”, disse o presidente Alves, “porque estamos tentando permanecer no caminho do convênio, para trilhar o caminho mais elevado.”