3 aspectos-chave do novo símbolo da Igreja, seu propósito e uso

Ao anunciar um novo símbolo para identificar A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o Presidente Russell M. Nelson enfatizou como tal símbolo descreve o lugar central do Salvador na Sua Igreja.

“Ele vai lembrar a todos que esta é a Igreja do Salvador e que tudo o que fazemos, como membros de Sua Igreja, é centralizado em Jesus Cristo e em Seu evangelho”, disse o Presidente Nelson durante a Conferência Geral de Abril de 2020. 

O novo símbolo — que inclui o nome da Igreja em uma pedra de esquina e uma representação do “Christus”, de Thorvaldsen, sob um arco — “deve ser familiar para muitos porque há muito tempo relacionamos o evangelho restaurado com o Cristo vivo e ressuscitado”, disse. 

Pouco depois do discurso do Presidente Nelson na conferência, os membros da Igreja provavelmente notaram que o novo símbolo foi acrescentado aos sites oficiais da Igreja e ao aplicativo da Biblioteca do Evangelho.

A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos estão orientando como o novo símbolo será usado e diretrizes detalhadas do uso estão sendo desenvolvidas. A Divisão de Propriedade Intelectual de Correlação da Igreja foi designada para coordenar a implementação. 

Qual o propósito do símbolo e como está sendo implementado? Aqui estão três coisas para se ter em mente.

1. É um ‘símbolo’ — não um logo

Com oito meses no seu chamado como presidente da Igreja, o Presidente Nelson emitiu uma declaração em agosto de 2018 a respeito do nome da Igreja. 

“O Senhor revelou em minha mente a importância do nome que Ele decretou para Sua Igreja, sim, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”, escreveu. “Temos trabalho à nossa frente para estarmos em harmonia com a Sua vontade.”

Durante a Conferência Geral de Outubro de 2018, o Presidente Nelson salientou: “Não é uma mudança de nome. Não é a reformulação de uma marca. Não é algo superficial. Não é um capricho. E não é inconsequente. Em vez disso, é uma correção. É uma ordem do Senhor.”

Existem muitos argumentos mundanos contra a restauração do nome correto da Igreja, continuou dizendo, incluindo necessidades digitais e a otimização de motores de busca. Mas esta é a Igreja do Senhor.

“Se estivéssemos debatendo sobre dar um nome a uma organização criada pelo homem, talvez esses argumentos prevalecessem”, o Presidente Nelson disse. “Mas, neste assunto crucial, nós nos voltamos para Ele, a quem esta Igreja pertence, e reconhecemos que os caminhos do Senhor não são, e nunca serão, os caminhos dos homens.”

A Divisão de Propriedade Intelectual reafirmou que o novo símbolo é parte da ênfase do Presidente Nelson com relação ao nome da Igreja e não é uma iniciativa de mudança de marca. É sobre a comunicação correta. 

Enquanto um “logo” é frequentemente usado para marcar os produtos, um “símbolo” representa ou significa algo — neste caso, o Salvador como o cabeça de Sua Igreja. Como o Presidente Nelson explicou, o símbolo é para “nos ajudar a lembrar Dele e a identificar A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias como a Igreja do Senhor”. O símbolo “significará o lugar central de Jesus Cristo na sua Igreja”.

2. É um identificador visual para materiais oficiais da Igreja

Ao introduzir o símbolo, o Presidente Nelson declarou que ele “será agora usado como um identificador visual nos materiais, nas notícias e nos eventos oficiais da Igreja”. 

“Para evitar confusão e garantir proteção legal apropriada, antecipamos que as diretrizes finais para o uso do novo símbolo serão de certa forma parecidas com as diretrizes atuais para o uso do logo da Igreja”, explicou Berne Broadbent, diretor da Divisão de Propriedade Intelectual.

O significado do novo símbolo da Igreja: Jesus está de pé sob um arco, como um lembrete da Sua Ressurreição. Ele é o Salvador vivo que estende sua mão para receber a todos que vierem até Ele. O centro é uma representação da estátua de mármore de Thorvaldsen, o Christus. O nome da Igreja em forma retangular representa uma pedra angular. Jesus Cristo é a principal pedra de esquina (Efésios 2:20).
O significado do novo símbolo da Igreja: Jesus está de pé sob um arco, como um lembrete da Sua Ressurreição. Ele é o Salvador vivo que estende sua mão para receber a todos que vierem até Ele. O centro é uma representação da estátua de mármore de Thorvaldsen, o Christus. O nome da Igreja em forma retangular representa uma pedra angular. Jesus Cristo é a principal pedra de esquina (Efésios 2:20). Credit: Gráfico do Church News

“Os membros geralmente não usarão o símbolo, mas a Igreja sim, como forma de identificar materiais oficiais da Igreja.”

Por exemplo, a política atual declara que o logo da Igreja (o tipo de letra do nome da Igreja agora encontrado na pedra angular do novo símbolo) não deveria ser usado de forma pessoal, comercial ou promocional, como elementos decorativos, protetor de tela ou fundo, ou em camisetas, botões ou faixas e cartazes (ver Manual Geral 38.8.11).

O novo símbolo está sendo criado atualmente em 110 idiomas para servir os mais de 16 milhões de santos dos últimos dias pelo mundo todo. Este processo inclui traduzir o nome da Igreja para garantir que se encaixe confortavelmente na pedra de esquina. 

Juntamente com a Primeira Presidência e os Doze Apóstolos, a Divisão de Propriedade Intelectual está revisando todos os materiais produzidos pela Igreja para determinar onde o símbolo poderá ser usado apropriadamente. Isto inclui várias coisas, tais como materiais de escritório, formulários, sites, sinais no exterior de edifícios e plaquetas missionárias. 

3. Honrar a reverência do símbolo

A Divisão de Propriedade Intelectual está trabalhando para educar os membros a compreenderem o objetivo do novo símbolo. Uma grande parte desta iniciativa é focar na reverência.

O símbolo possui raízes bíblicas na metáfora do Apóstolo Paulo em Efésios, que descreve que a Igreja está construída sob o fundamento de apóstolos e profetas com “Jesus Cristo [como] a principal pedra de esquina” (Efésios 2:20). Representar Cristo sob um arco serve como um lembrete de Seu ressurgimento da tumba três dias após Sua morte.

“Há um desejo real de honrar a reverência do conteúdo do símbolo”, Broadbent disse. “Não o usaríamos em áreas que não se prestam a preservar este tipo de dignidade e esse tipo de reverência pelo Senhor.”

Ele continuou: “As pessoas o amam. Querem usá-lo. Querem se relacionar a ele. Esperamos que as diretrizes que estão sendo desenvolvidas ajudem os membros a sentirem esta conexão.”