O poder do Livro de Mórmon na pandemia: Como os santos estão ‘prosperando espiritualmente’ em meio a desafios

Como muitos santos dos últimos dias ao redor do mundo, Christopher Corcuera em Lima, Peru, sentiu os efeitos da pandemia de COVID-19 em sua vida e na vida de sua família. 

Ele perdeu um ente querido por causa do vírus e algumas pessoas da sua família perderam seus empregos. Também lhe foi dito que não receberia salário até que o trabalho retornasse. Seus filhos não saíram de casa por quase 100 dias. 

“Em alguns momentos, senti que esta situação era demais. Pensei em desistir”, disse Corcuera, pai de dois filhos pequenos que moram na área da Ala San Miguel, Estaca Lima Peru Maranga. “Mas foi um tempo que me ajudou a ficar próximo dos meus filhos.” 

Corcuera disse que encontrou forças ao estudar o Livro de Mórmon com sua família e lembrar como outras famílias superaram desafios. “Por exemplo, Néfi, quando quebrou seu arco e não tiveram comida para se alimentar”, disse, compartilhando, então, suas percepções sobre a família de Leí. “Ou quando deixaram Jerusalém para ir ao deserto, foi um momento difícil para eles.”

Christopher Corcuera, ao meio à direita, é retratado com sua esposa, Susan, à esquerda, e seus dois filhos, Matteo, de 4 anos, e Valeria, de 6. A família Corcuera, vive na área da Ala San Miguel, Estaca Lima Peru Maranga.
Christopher Corcuera, ao meio à direita, é retratado com sua esposa, Susan, à esquerda, e seus dois filhos, Matteo, de 4 anos, e Valeria, de 6. A família Corcuera, vive na área da Ala San Miguel, Estaca Lima Peru Maranga. Credit: Cortesia de Christopher Corcuera

“Ao ler novamente as mesmas histórias que já li muitas vezes, tenho encontrado conselhos para seguir em frente”, disse.

Seis meses atrás, a presidência geral da Escola Dominical iniciou um novo ano de estudo do “Vem, e Segue-Me” com o Livro de Mórmon. Com o aniversário de 200 anos da Primeira Visão e o foco na Restauração, tinham a esperança de que seria “um ano de poderoso estudo das escrituras, diferente de qualquer outro.”

Em meio à agitação global e incertezas devido à pandemia de COVID-19 e outros eventos, muitos santos dos últimos dias encontraram forças e conforto ao estudarem o Livro de Mórmon individualmente e em família — e estudando mais profundamente do que talvez já tenham feito.

“Uma passagem das escrituras que me fortaleceu foi aquela do pai Leí quando aconselha seus filhos que, se guardassem os mandamentos, seriam abençoados”, Corcuera disse, se referindo a 2 Néfi 4:4.

Como estudante da BYU-Pathway, Corcuera aprendeu a poupar seu salário de seis meses — uma bênção que tem permitido que ele continue a prover para sua família, tanto temporalmente quanto espiritualmente.

“Tem sido uma bênção aplicar os ensinamentos dos nossos líderes da Igreja, mesmo de épocas antigas como no Livro de Mórmon, e também o conselho dos nossos profetas nestes últimos dias”, Corcuera disse. “Acho que esta foi a chave para minha família não se sentir sobrecarregada.”

Os profetas nos têm preparado com o ‘Vem, e Segue-Me’

Na parábola do filho pródigo em Lucas 15, uma “grande fome” chegou à terra quando o jovem filho, frivolamente desperdiçou tudo o que tinha. “Contudo, não há uma fome espiritual na terra hoje entre os santos dos últimos dias”, disse o presidente geral da Escola Dominical, Mark L. Pace.

“Não temos nos sentado juntos em nossos edifícios da Igreja, mas não duvidem que temos crescido espiritualmente e famílias têm sido abençoadas, têm prosperado e são preservadas ao estudarem as escrituras com o ‘Vem, e Segue-Me’”.

Com a introdução em outubro de 2018 de uma agenda da reunião dominical ajustada e centralizada no lar e um currículo integrado apoiado pela Igreja, “os profetas nos prepararam, os santos o estão fazendo e eles têm sido abençoados”, disse. 

A presidência geral da Escola Dominical (da esquerda para direita) Milton Camargo, primeiro conselheiro; Mark L. Pace, presidente; Jan E. Newman, segundo conselheiro.
A presidência geral da Escola Dominical (da esquerda para direita) Milton Camargo, primeiro conselheiro; Mark L. Pace, presidente; Jan E. Newman, segundo conselheiro. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

“Tenho visto isto com pessoas no meu emprego, com membros da minha família e com pessoas na minha vizinhança. Eles estão prosperando espiritualmente. É maravilhoso.” 

O irmão Milton Camargo, primeiro conselheiro na presidência geral da Escola Dominical, está impressionado com o aumento de conhecimento dos seus netos mais novos, sobre o Livro de Mórmon e as doutrinas do evangelho ao estudarem em seus lares. 

“Aqueles que estão aproveitando este momento, estudando e fazendo o seu melhor, serão realmente muito fortes”, disse. “E aqueles que estão pensando: ‘Ok, momento de férias!’ não serão tão fortes.”

O irmão Jan E. Newman, segundo conselheiro na presidência geral da Escola Dominical, disse que membros da Igreja têm sido abençoados quando aproveitam o recurso do “Vem, e Segue-Me” para “mergulharem profundamente” no Livro de Mórmon este ano. 

“Quando vocês fazem isso, o Senhor derrama Suas bênçãos e, de repente, vocês se familiarizam muito com a maneira como o Espírito os ensina e inspira”, o irmão Newman disse. “E isso traz força espiritual aos membros.”

Os momentos desafiadores não acabaram, disse, mas “se nos ancorarmos na palavra de Deus, não importará.”

Presidente Pace acrescentou: “Esta é uma época para nos alegrarmos. Quando o mundo tem todo o tipo de incertezas, não precisamos nos preocupar. Estamos seguindo os profetas vivos.”

‘Pode o lar ser como o céu’

Na casa de Esteban Ventura em Montevidéu, Uruguai, seus filhos de 10 e 8 anos têm preparado suas lições da noite familiar. Usando o “Vem, e Segue-Me” como guia têm melhorado seu entendimento do Livro de Mórmon, disse. Eles também gostam de assistir juntos aos Vídeos do Livro de Mórmon.

Esteban Ventura, ao meio à esquerda, é retratado com sua esposa, Veronica, ao meio à direita, e filhos: Felipe, de 10 anos, Manuela, de 3, Paula, de 5, e Emilia, de 8, no dia do batismo de Emilia, em 23 de fevereiro de 2020, antes das restrições da COVID-19 temporariamente suspenderem reuniões da Igreja.
Esteban Ventura, ao meio à esquerda, é retratado com sua esposa, Veronica, ao meio à direita, e filhos: Felipe, de 10 anos, Manuela, de 3, Paula, de 5, e Emilia, de 8, no dia do batismo de Emilia, em 23 de fevereiro de 2020, antes das restrições da COVID-19 temporariamente suspenderem reuniões da Igreja. Credit: Cortesia de Esteban Ventura

“Quando meus filhos estiveram isolados por 90 dias e não podiam ver outras crianças, sair ou ir para a escola, esta foi a maior coisa para mim — ver como as escrituras e então o ‘Vem, e Segue-Me’ vieram para nos auxiliar e ajudar a nos sentirmos preparados, e até mesmo felizes durante este período de pandemia”, disse Ventura.

A transição para trabalhar em casa tem sido desafiadora, disse, mas ler o Livro de Mórmon a cada manhã “me ajudou a ter o Espírito e me preparar para ficar isolado o dia inteiro.”

Pouco depois que as reuniões da Igreja e as aulas da escolas foram temporariamente suspensas em março, Anita Pulsipsher disse que as letras do hino “Pode o Lar Ser como o Céu” vieram à sua mente muitas e muitas vezes.

Anita Pulsipher, canto superior direito, é retratada com seu marido, Shane e três filhos, Denali, Aurora e Amelia. A família Pulsipher mora na área da Estaca Highland Utah Oeste.
Anita Pulsipher, canto superior direito, é retratada com seu marido, Shane e três filhos, Denali, Aurora e Amelia. A família Pulsipher mora na área da Estaca Highland Utah Oeste. Credit: Cortesia de Anita Pulsipher

“Uma vez que ouvi que realizaríamos as reuniões da Igreja em casa, a escola em casa e que permaneceríamos em casa, as letras deste hino voltaram com muita força e encheram o meu coração com imenso conforto”, disse Pulsipher, mãe de três filhos que moram na área da Ala Highland 36, Estaca Highland Utah Oeste. “Foi como se o Senhor estivesse me preparando para as notícias e me assegurando que sabia que tudo isto aconteceria.”

“Tenho sentido o Espírito penetrar em nosso lar e, embora não sejamos perfeitos e às vezes tenhamos discussões familiares, o Espírito rapidamente enche os nossos corações e nosso lar quando lemos todas as noites o ‘Vem, e Segue-Me’ e o Livro de Mórmon, quando oramos antes das refeições ou em qualquer momento juntos.”

Desde que retornou às atividades da Igreja após se afastar por vários anos, Losehina Kofler, membro da Ala Odessa, Estaca Odessa Flórida, notou uma diferença em sua casa quando lê o Livro de Mórmon diariamente com o seu marido e filho de 14 anos.

“Tem sido uma bênção em nossa família e em nossa vida, especialmente com esta pandemia acontecendo, os tumultos e toda esta incerteza”, disse. “Tem realmente trazido tanto conforto e apreço à nossa família.”

Losehina Kofler, à esquerda, da Ala Odessa, Estaca Odessa Flórida, lê o Livro de Mórmon com seu marido, Eddie, ao meio, e o filho, Moleni, de 14 anos.
Losehina Kofler, à esquerda, da Ala Odessa, Estaca Odessa Flórida, lê o Livro de Mórmon com seu marido, Eddie, ao meio, e o filho, Moleni, de 14 anos. Credit: Cortesia de Losehina Kofler

Eles aprenderam com o exemplo de Abinadi pregando ao Rei Noé a não temer as pessoas; ao invés disto, pensam: “Estamos agradando ao Pai Celestial?”

“Somos gratos por este momento para aprendermos e aumentarmos nossa auto-suficiência espiritual”, Kofler continuou. “O Livro de Mórmon, juntamente com o ‘Vem, e Segue-Me’, têm fortalecido o nosso vínculo como marido e mulher e como família.”

Jordan Watson, 17 anos, também da Ala Odessa, disse que encontrou forças especificamente na escritura tema dos jovens de 2020, 1 Néfi 3:7. “Isto pode ser difícil, mas Ele preparou um caminho para que possamos ‘ir e cumprir’. E acho que o caminho está funcionando”, ela disse.

Independente das incertezas que esteja enfrentando com perspectivas de emprego, George Ferreira dos Santos, jovem adulto da Ala Bandeirantes, Estaca Rio Verde Brasil, disse que encontra conforto em saber que pode sentir o Espírito e encontrar respostas às suas perguntas ao ler o Livro de Mórmon. 

“Isto torna nossa vida possível durante estes momentos”, disse. “Não saberia nem quem ou como seria se não fosse pelo Livro de Mórmon e tudo o que o evangelho traz.”

Santos continuou: “Porque o Presidente Nelson é um profeta, ele sabia — mesmo que talvez ele não soubesse que haveria uma pandemia — que Deus o havia avisado de alguma forma que precisaríamos do Livro de Mórmon agora mais do que nunca.”

O presidente Harold Teivao, presidente da Estaca Faaa Taiti Takaroa, disse que recentemente encontrou inspiração no Livro de Mórmon ao se encontrar com um casal passando por dificuldades conjugais. Por causa das restrições da COVID-19, não podia se encontrar com eles fisicamente, mas os enviou pensamentos do seu estudo diário do “Vem, e Segue-Me” relacionados a como sobrepujar desafios. Orou e jejuou pelo casal. 

Presidente Harold Teivao, no meio, da Estaca Faaa Taiti Takaroa, estuda o Livro de Mórmon com sua esposa, Yolina, no meio à direita, seus filhos Tiakinui, no meio à esquerda, Tanao, no colo de Yolina, e sua cunhada, Hina Mariteragi, à esquerda.
Presidente Harold Teivao, no meio, da Estaca Faaa Taiti Takaroa, estuda o Livro de Mórmon com sua esposa, Yolina, no meio à direita, seus filhos Tiakinui, no meio à esquerda, Tanao, no colo de Yolina, e sua cunhada, Hina Mariteragi, à esquerda. Credit: Cortesia de Harold Teivao

“Recebi ajuda do céu para ser um instrumento para fazer o milagre realmente acontecer”, disse. “Sei com certeza que o Livro de Mórmon é um livro de milagres. É um livro que conserta e abranda o coração de todos.”

O presidente Teivao acrescentou: “Sou grato pelo Livro de Mórmon, que me traz o Espírito, as palavras certas, as palavras de conforto no devido tempo para salvar almas. Graças ao estudo diário do Livro de Mórmon, posso trazer alegria para as vidas de famílias em dificuldade.”