Como missionários no Equador estão encontrando ‘maneiras novas e mais criativas’ de ensinar em meio aos desafios de COVID-19

Em seu discurso na Conferência Geral de Outubro de 2020, Élder Dieter F. Uchtdorf reconheceu que a atual pandemia de COVID-19 parece ser um obstáculo para a obra missionária, pois os métodos tradicionais de se compartilhar o evangelho não são possíveis devido às restrições.

“A pandemia, no entanto, tem revelado uma maneira nova e mais criativa de se aproximar às pessoas honestas de coração”, disse o membro do Quórum dos Doze Apóstolos que preside o Conselho Executivo Missionário da Igreja. “O trabalho da coligação de Israel cresce em poder e entusiasmo. Centenas e milhares de histórias atestam isso….

“Muitos de nossos missionários estão mais ocupados do que nunca. Muitos estão ensinando mais pessoas do que nunca. Há uma conexão crescente entre os membros e os missionários.”

Em Quito, Equador, a obra missionária está avançando em um ritmo e de maneiras diferentes que testemunham as declarações do Élder Uchtdorf.

Algumas pessoas podem não reconhecer tudo o que os atuais missionários estão fazendo como “trabalho missionário”. Foram-se os dias das batidas às portas e o contato das pessoas nas ruas ou nos ônibus. Ainda assim, novos métodos têm sido bem sucedidos.

COVID-19: ‘Nossos preciosos missionários são os pioneiros de nossos dias’, diz Élder Uchtdorf

Em agosto de 2020, a Missão Equador Quito e a Missão Equador Quito Norte totalizaram mais batismos de conversos — no meio da pandemia — do que as duas missões tiveram em agosto do ano passado. E este mesmo aumento no ensino e batismos é esperado daqui para a frente.

“Temos amigos e familiares que provavelmente se perguntam como está sendo a obra missionária durante a pandemia mundial”, disse o presidente David Winters da Missão Equador Quito. “Minha descrição com uma palavra para isto é ‘miraculosa.’”

Trabalho missionário ‘novo e mais criativo’

O Equador foi atingido de maneira especialmente dura pela COVID-19 no início da propagação da pandemia, e todo o país entrou em “lockdown” por um período. Quase todos os missionários não-nativos foram inicialmente enviados para casa e aqueles que permaneceram, não foram autorizados a sair de seus apartamentos para nada a não ser para comprar comida. 

Além disso, os missionários ainda tinham celulares básicos sem acesso à internet, significando que não poderiam utilizar o Whatsapp ou mídias sociais para se comunicarem. “Em maio, a obra missionária estava paralisada por causa das quarentenas em vigor e porque os missionários realmente não tinham uma maneira de compartilhar o evangelho”, presidente Winters disse.

Tudo isto mudou quando as duas missões de Quito receberam smartphones em maio, com os missionários rapidamente se adaptando a um método completamente novo de trabalho missionário, utilizando mídias sociais e smartphones. 

Sister Angie Granda, à esquerda, e sister Andrea Fuller, da Missão Equador Quito, ensinam uma lição online em Baños, Equador, em outubro de 2020. A Missão Equador Quito recebeu smartphones em maio.
Sister Angie Granda, à esquerda, e sister Andrea Fuller, da Missão Equador Quito, ensinam uma lição online em Baños, Equador, em outubro de 2020. A Missão Equador Quito recebeu smartphones em maio. Credit: David Winters

“No passado, talvez tenhamos ficado limitados a abordagens tradicionais e, com a pandemia, nossos olhos foram abertos…” disse Élder Uchtdorf em seu discurso na conferência. “Por necessidade, podemos agora aprender como usar uma variedade de métodos, inclusive a tecnologia, para convidar as pessoas de maneira simples e natural para que venham e vejam, venham e ajudem, e venham e façam parte.”

Em Quito, a pandemia de COVID-19 forçou missionários e presidentes de missão a se tornarem mais criativos ao encontrarem maneiras novas e melhores de compartilhar o evangelho. 

As restrições de COVID-19 no Equador diminuíram um pouco desde o aumento da pandemia na primavera. Os missionários atualmente são apenas autorizados a ensinarem na casa ou na capela quando alguém os convida para ensinarem lá. Como resultado, todos os esforços para encontrar aqueles para ensinar precisa acontecer online.

Aumento de referências de mídia

Com o trabalho online e de mídias sociais se aprofundando, esforços complementares incluem a colocação de anúncios no Facebook e uma iniciativa local envolvendo anúncios no Google e no YouTube. Dentro de horas após as primeiras propagandas terem sido lançadas, os missionários tiveram várias pessoas pedindo para serem ensinadas — eventualmente foram inundados com referências de mídia.

O aumento no número de referências recebidas no Escritório da Missão Equador Quito resultou em missionários de algumas áreas tendo dificuldades em atender a todos os pedidos. “Responder a todas as pessoas que estão interessadas no evangelho não é nem um pouco fácil”, disse o élder Carlos Bolaños, secretário de referências da missão. 

A missão Quito desenvolveu um novo sistema para responder a todas as mensagens e comentários vindos dos canais de mídia social da missão. Várias duplas receberam designações — turnos de cinco horas para ligarem àqueles que pediram reuniões com os missionários.

Um homem viu uma propaganda local no Facebook e se sentiu inspirado a pedir mais informações. As missionárias rapidamente ligaram para ele e o ensinaram por três semanas através de chamadas de vídeo pelo WhatsApp — sobrepujando dificuldades tecnológicas para possibilitarem as lições virtuais.

Embora não tenha sido ensinado presencialmente, este homem sentiu o Espírito lhe testificando para fazer mudanças em sua vida. Ao aprender sobre a Palavra de Sabedoria, ele imediatamente se comprometeu a parar de tomar café; ao aprender sobre o jejum, prontamente começou um jejum de três dias como parte do seu desejo de se arrepender.

Élder Alex Blacio, à esquerda, e élder Roger Ron, da Missão Equador Quito, caminham em sua área em Ambato, Equador, durante o final do verão de 2020. Durante a pandemia de COVID-19, eles passaram a maior parte do dia em casa, ensinando online.
Élder Alex Blacio, à esquerda, e élder Roger Ron, da Missão Equador Quito, caminham em sua área em Ambato, Equador, durante o final do verão de 2020. Durante a pandemia de COVID-19, eles passaram a maior parte do dia em casa, ensinando online. Credit: David Winters

Tendo sido batizado no final de setembro, ele continua a participar de lições virtuais com os missionários e começou a participar de reuniões virtuais de domingo e a abençoar o sacramento em sua casa todas as semanas. Mesmo com uma conversão que aconteceu virtualmente quase por completo, ele se sente pessoalmente comprometido e fortemente conectado ao evangelho.

Élder Mathias Held, Setenta Autoridade Geral e primeiro conselheiro na presidência da Área América do Sul Noroeste, disse que padrões semelhantes estão se repetindo por toda a área.

“Todas as nossas missões receberam smartphones e, desta forma, os missionários já conseguiram compartilhar conteúdo online, dar lições e utilizar redes sociais para convidarem pessoas a virem a Cristo”, disse Élder Held. “Graças a isso, somos capazes de contatar pessoas que antes não podíamos alcançar. Além disso, os membros estão acompanhando o trabalho missionário mais de perto.”

Trabalho missionário com os membros por meio de mídias sociais

Embora as propagandas tenham aumentado o número de referências, elas não são a fonte mais importante. “A maioria dos batismos que temos visto vêm de referências de membros”, presidente Winters disse. “Quando membros e missionários trabalham juntos, os resultados podem ser miraculosos.”

Na Estaca Ambato Equador, os membros estavam determinados a avançar a obra, independentemente dos desafios locais da pandemia e da retirada dos missionários de tempo integral.

Eles criaram um Comitê de Mídia Social da estaca — incluindo missionários de mídias sociais para monitorarem referências online — e a conta de mídia social da estaca. Todos os missionários recém-retornados da estaca foram chamados como missionários de ala e designados para compartilharem o evangelho online. 

Élder Enrique R. Mayorga, setenta de área que mora em Otavalo, Equador, falou sobre os esforços missionários da estaca Ambato. “De tudo isto, pode-se ver que as pessoas buscam conhecer e aprender sobre Deus e Jesus Cristo. Como resultado, algumas pessoas já foram batizadas e outras continuam a ouvir sobre o evangelho de salvação.”

Tecnologia dentro da missão

A tecnologia também beneficia os missionários no trabalho por trás das cenas e de uns com os outros. Por exemplo, o presidente Winters e sua companheira na missão Quito, a sister Pamela Winters, podem utilizar o Zoom e outros aplicativos de videoconferências para passarem mais tempo com os missionários que moram longe do escritório da missão, ao invés de esperarem uma periódica conferência de zona ou entrevista de companheirismo.

“A tecnologia tem sido uma grande bênção para a nossa missão, permitindo que estejamos em contato constante com os nossos missionários”, sister Winters disse, mencionando especificamente suas interações com as missionárias. “É uma grande alegria participar do estudo de companheirismo e fazer parte de suas sessões de planejamento. Tenho conseguido conhecer melhor as sísteres e compartilhar meu testemunho com elas, tudo de forma remota.” 

O presidente Winters acrescentou seu apreço por conseguir realizar breves devocionais com mais frequência com toda a missão por meio de videoconferências.

Não é mais fácil, nem é mais difícil — é apenas diferente

Ao falar com os missionários na Missão Quito Equador, o élder David A. Benalcázar, setenta de área de Quito, abordou os diferentes métodos de trabalho missionário, resultado dos esforços no período da pandemia. 

“O que vocês precisam entender é que a missão neste momento não está nem mais fácil, nem mais difícil; está simplesmente diferente” disse. “Diferente na maneira como é pregada, mas em todos os momentos, quer seja agora ou amanhã, a promessa do Senhor é que sempre será possível.”

Élder Luis Castillo, à esquerda, e élder Isaac Escalante, da Missão Equador Quito, posam em frente a um muro enquanto caminham em sua área em Quito, Equador, no final do verão de 2020. Os missionários encontraram novas e criativas maneiras de fazerem a obra missionária durante a pandemia de COVID-19.
Élder Luis Castillo, à esquerda, e élder Isaac Escalante, da Missão Equador Quito, posam em frente a um muro enquanto caminham em sua área em Quito, Equador, no final do verão de 2020. Os missionários encontraram novas e criativas maneiras de fazerem a obra missionária durante a pandemia de COVID-19. Credit: David Winters

O presidente Jorge Chacón, da Missão Equador Quito Norte, disse: “Os nossos missionários continuam a trabalhar com o mesmo ritmo, encorajamento e dedicação como em tempos passados…. Os resultados são milagres.”

Na Conferência Geral de Outubro de 2020, Presidente Russell M. Nelson testificou: “O Senhor está reunindo aqueles que estão dispostos a permitir que Deus prevaleça em sua vida. O Senhor está reunindo aqueles que escolherão permitir que Deus seja a maior influência em sua vida. Por séculos, os profetas predisseram essa coligação, e ela está acontecendo exatamente agora!”

Os missionários hoje proporcionam um papel crucial na coligação de Israel, presidente Winters disse. “Ainda não estamos autorizados a batermos às portas das casas das pessoas para compartilharmos o evangelho, mas agora, as pessoas estão batendo a nossas portas…. Estamos coligando Israel. Estamos encontrando pessoas que têm um desejo genuíno de ‘permitir que Deus prevaleça’ em suas vidas.”

Presidente Chacón acrescentou: “Estas épocas difíceis têm nos dado a oportunidade de testemunharmos milagres que estão acontecendo diariamente diante de nossos olhos, não apenas nas vidas das pessoas a quem servimos, mas em nossas próprias vidas.”