Por que amigos missionários de Sam Merrill não estão surpresos de vê-lo jogar nas finais da NBA

As eliminatórias da NBA estavam em pleno andamento no mês passado, quando Sam Merrill, armador da reserva do Milwaukee Bucks, publicou uma postagem no Instagram que pode ter parecido um pouco estranha.  

Todavia, no dia 11 de junho de 2021, a postagem ofereceu a seus milhares de seguidores que amam o esporte uma amostra do que o jovem mais valoriza.

“É difícil acreditar que já se passaram sete anos desde que parti para servir uma missão para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na Nicarágua”, escreveu ele em uma legenda do Instagram anexada a várias fotos de sua missão. “Sou muito grato pela experiência que tive e por todas as pessoas incríveis que conheci enquanto servia ao Senhor.

“Não estaria onde estou hoje”, acrescentou ele, “se não tivesse servido uma missão.”

Os santos dos últimos dias que seguiram a jornada de Merrill no esporte não estão surpresos de ver sua postagem com um tema missionário no Instagram publicada tranquilamente entre outras sobre os Bucks, inclusive uma na qual ele exibe um largo sorriso enquanto eleva o troféu do campeonato Eastern Conference da NBA. 

Sam Merrill, armador da Universidade do Estado de Utah, salta para a cesta durante o torneio Mountain West Men’s Championship de 2019, realizado na arena Thomas and Mack Center, em Las Vegas, Nevada.
Sam Merrill, armador da Universidade do Estado de Utah, salta para a cesta durante o torneio Mountain West Men’s Championship de 2019, realizado na arena Thomas and Mack Center, em Las Vegas, Nevada. Crédito: Justin Tafoya/Fotos da NCAA

(Em várias de suas fotos no Instagram, Elijah Brent, companheiro de equipe de Merrill e membro da Igreja pode também ser visto.)

Merrill, de 25 anos de idade, que está competindo com os Bucks nas finais da NBA, há muito tempo desfruta de um equilíbrio entre o esporte que ama e sua devoção às suas crenças como santo dos últimos dias.

Em um artigo do Church News de 2019, Merrill falou humildemente sobre seu sucesso no basquete na Universidade do Estado de Utah. Mas ele também recordou a alegria inesquecível que sentiu quando ouviu o anúncio na conferência geral de que um templo seria construído na nação da América Central, onde ele era conhecido como “élder Merrill.”

“Há muitas pessoas verdadeiramente boas na Nicarágua que merecem um templo”, disse ele ao Church News. “Isso ajudará a Igreja a crescer ainda mais. Foi um momento especial e estou muito feliz por essas pessoas.”

Muitas pessoas que fizeram amizade com Merrill durante seu serviço missionário na Nicarágua se tornaram fãs leais dos Bucks.

O armador da NBA Sam Merrill, segundo da direita para a esquerda na primeira fileira, e seu companheiro de missão, Connor Copeland, na extrema direita, gostavam de jogar basquete juntos como missionários e continuam sendo bons amigos.
O armador da NBA Sam Merrill, segundo da direita para a esquerda na primeira fileira, e seu companheiro de missão, Connor Copeland, na extrema direita, gostavam de jogar basquete juntos como missionários e continuam sendo bons amigos. Crédito: Cortesia de Connor Copeland

“Sou fã de qualquer time em que Sam esteja jogando”, disse Connor Copeland, que foi companheiro de Merrill em duas ocasiões. “Conversamos quase todos os dias — continuamos sendo amigos próximos.”

Ver um bom amigo, ex-companheiro de missão e parceiro de golfe competir no maior evento do basquete profissional, acrescentou ele, “é muito incrível. … Mas Sam definitivamente dedicou tempo e esforço para chegar onde está agora, então não estou surpreso.”

As palavras de Copeland são repetidas por seu presidente de missão, Bryan G. Russell.

“Élder Merrill veio para o campo missionário com muita determinação”, disse presidente Russell. “Ele não era um jovem que ainda estava tentando se encontrar ou buscando estabelecer seu relacionamento com Jesus Cristo. Ele veio preparado com um forte testemunho. … Ele chegou repleto de entusiasmo.”

Presidente Russell ainda se lembra da escritura favorita de Élder Merrill — Alma 26:12.

Esse versículo, disse ele, descreve a humildade e a devoção do jovem: “Sim, sei que nada sou; quanto a minha força, sou débil; portanto, não me vangloriarei de mim mesmo, mas gloriar-me-ei em meu Deus, porque com sua força posso fazer todas as coisas; sim, eis que fizemos muitos milagres nesta terra, pelo que louvaremos o seu nome para sempre.”

Copeland teve muitas oportunidades de jogar basquete na Nicarágua com o futuro jogador da NBA. “Sempre que possível, jogávamos com as pessoas como uma maneira de apresentá-las à Igreja e a nós mesmos. Isso nos ajudou a causar uma boa primeira impressão da Igreja.”

Assim como seu companheiro esguio de Utah, Copeland cresceu jogando basquete. Então, sim, disse ele com uma risada, “sempre dominávamos o jogo.” Mas essas partidas amigáveis — normalmente disputadas com cestas de basquete desgastadas e sem rede — derrubaram barreiras e construíram conexões.

Merrill abriu mão de seu lugar no time da Universidade do Estado de Utah por dois anos para servir sua missão. Mas durante esse intervalo, Copeland recorda que seu companheiro estava completamente empenhado em aprimorar suas habilidades no idioma espanhol e em compartilhar o evangelho nas áreas que lhe foram designadas na Nicarágua.

O atual jogador da NBA, Sam Merrill, na extrema esquerda, e seu companheiro, Connor Copeland, fazem novos amigos enquanto servem na Missão Nicarágua Manágua Sul.
O atual jogador da NBA, Sam Merrill, na extrema esquerda, e seu companheiro, Connor Copeland, fazem novos amigos enquanto servem na Missão Nicarágua Manágua Sul. Crédito: Cortesia de Connor Copeland

Não é nenhuma surpresa que a altura de 1,95 m de élder Merrill chamasse a atenção onde quer que ele fosse. Contudo, as fotos que Copeland compartilha dos dois servindo juntos revelam o carinho que Merrill tem pela Nicarágua e seu povo.

“Élder Merrill sempre foi muito amável e bondoso”, acrescentou presidente Russell. “Ele realmente passou a amar o povo nicaraguense.” 

Presidente Russell frequentemente designava Merrill para treinar novos élderes porque ele sempre era solidário e prestativo. Em termos de basquete, ele era um grande companheiro de equipe.

Residente da Flórida, presidente Russell sorri com o fato de ter se tornado um fã leal do Milwaukee.

“Quem imaginou que isso fosse acontecer um dia, não é mesmo?”, disse ele. “Mas foi ótimo ver o quanto Élder Merrill se saiu bem na Universidade do Estado de Utah, depois foi selecionado pelos Bucks, e agora joga nas finais da NBA. Não há nada melhor do que isso.”