O que um pai cego e seus filhos trigêmeos aprenderam sobre ser feliz e confiar no Senhor

Ollie Cantos e seus filhos, Steven, Nick e Leo, estão familiarizados com a atenção da mídia. 

Em 2017, Steven, Nick e Leo Cantos fizeram manchetes como os primeiros trigêmeos cegos a alcançarem o grau máximo do escotismo [artigo em inglês]. Ollie Cantos, um advogado de Washington D.C. que também é cego, foi destaque na revista People [artigo em inglês] por ter adotado os três adolescentes. Steven, Nick e Leo conversaram com o programa de rádio StoryCorps da NPR [artigo em inglês] sobre a experiência de conhecer Ollie. E o telejornal ABC News [em inglês] e outros meios de comunicação publicaram a batalha dos trigêmeos com a COVID-19 em abril de 2020. 

No final de junho, Ollie e seus filhos conversaram com o Church News enquanto viajavam de metrô para sua casa em Arlington, Virgínia, após um almoço para comemorar o aniversário de 22 anos de Steven, Nick e Leo.

Apesar da agitação do metrô e do fato de ser o aniversário dos rapazes, a família Cantos passou alguns minutos compartilhando com entusiasmo o que eles têm feito neste verão, o que aprenderam com a pandemia e o que o evangelho de Jesus Cristo significa para eles — um tema sobre o qual eles geralmente não têm a oportunidade de conversar com a mídia. 

“Conhecemos por experiência própria o poder da felicidade”, disse Ollie Cantos, um membro converso da Igreja que serve atualmente como primeiro conselheiro no bispado da Ala Potomac Yard JAS, Estaca Washington D.C. JAS. “Às vezes, as pessoas pensam que, quando o assunto é felicidade, ser feliz significa ‘algo que acontecerá no futuro …’.

Ollie Cantos e seus filhos Nick, Steven e Leo, em frente ao Capitólio dos E.U.A. em Washington D.C.
Ollie Cantos e seus filhos Nick, Steven e Leo, em frente ao Capitólio dos E.U.A. em Washington D.C. Crédito: Ollie Cantos Facebook

“Mas o evangelho que conhecemos ensina que podemos ser felizes agora. O plano de felicidade está em nossas mãos, à nossa disposição neste exato momento, e essa felicidade vem por amarmos nosso Pai Celestial e o Salvador Jesus Cristo, e por termos a alegria de servir ao próximo.”

Progresso a seu modo

Um filipino-americano que cresceu frequentando escolas católicas, Olegario “Ollie” Cantos VII conheceu os missionários dos santos dos últimos dias em 1995 [artigo em inglês] e foi batizado em dezembro de 1996. 

Em 2010, ele foi apresentado aos trigêmeos, na época com 10 anos de idade, que nasceram prematuramente na Colômbia e moravam com sua mãe em no sul de Arlington. Eles eram frequentemente intimidados por outras crianças e não saíam muito de casa. Começando como mentor, após ser recrutado por uma agência local de serviços sociais, Ollie Cantos logo sentiu o desejo de adotá-los e mostrar-lhes um mundo de oportunidades. 

Quando o processo de adoção estava em andamento, ele introduziu Steven, Nick e Leo à Igreja. Lá, eles se sentiram amados e aceitos. Eles foram batizados em dezembro de 2012. 

“Para mim, filiar-me à Igreja foi a maior e a melhor decisão que tomei em minha vida até agora”, disse Leo Cantos. “Poder ter o evangelho em minha vida me transformou de muitas maneiras. E por causa da Igreja, me tornei uma pessoa melhor, e creio que definitivamente estabeleci uma boa vida para mim.”

Steven, Nick e Leo Cantos são fotografados em seus uniformes de escoteiros quando receberam o grau máximo do escotismo em 2017.
Steven, Nick e Leo Cantos são fotografados em seus uniformes de escoteiros quando receberam o grau máximo do escotismo em 2017. Crédito: Fornecido por Ollie Cantos

Logo em seguida, Steven, Nick e Leo começaram a participar no programa de escoteiros e adoraram fazer parte dele. Eles avançaram para Segunda Classe em 2014 [artigo em inglês], e menos de três anos depois, se qualificaram para o grau máximo do escotismo, sendo os primeiros trigêmeos cegos na história do programa de escoteiros dos Estados Unidos [artigo em inglês] a conquistarem tal mérito. 

Brandon Carlton, amigo da família Cantos e seu ex-bispo, ainda se lembra das conversas com os rapazes após as atividades de escotismo e das perguntas sobre o que eles mais gostavam no programa.

“Um deles disse que o arco e flecha era sua atividade favorita. Um outro disse que dirigir o quadriciclo era sua atividade favorita. … Eles não só participaram no programa, mas também tiveram prazer em fazê-lo”, disse Carlton. 

“Graças a Ollie, eles tiveram muitas experiências que não teriam tido em sua vida. Eles cresceram socialmente. Eles certamente cresceram fisicamente, de meninos de 11 anos de idade aos adultos que são hoje. Eles cresceram espiritualmente no evangelho … e todos têm seus objetivos profissionais e educacionais nos quais estão trabalhando.”

Nick Cantos está trabalhando para obter seu certificado de agente imobiliário e se preparando para o seu terceiro ano na Universidade de Southern Virginia (SVU) como estudante de Gestão de Negócios. Leo Cantos está estudando Artes Liberais na SVU com área de concentração em Direito. Ele trabalha no processamento de recibos de suprimentos para porta-aviões.

Steven Cantos será transferido da Universidade George Mason para a SVU no outono, para ficar com seus irmãos. Ele está ansioso para o acampamento da banda em agosto, no qual tocará o barítono [saxofone] para a banda marcial da SVU. Ele está estudando Inglês com área de concentração em Oratória e trabalhando para obter certificações de programas de computadores. 

Ollie Cantos, no meio à direita, é fotografado com seus filhos Nick, Steven e Leo no aeroporto em janeiro de 2018, durante a partida dos meninos de Arlington, Virgínia, para Boston, Massachusetts, para desenvolverem suas habilidades de independência com estudantes e ex-alunos da Universidade de Harvard, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts [MIT] e outras instituições de ensino superior.
Ollie Cantos, no meio à direita, é fotografado com seus filhos Nick, Steven e Leo no aeroporto em janeiro de 2018, durante a partida dos meninos de Arlington, Virgínia, para Boston, Massachusetts, para desenvolverem suas habilidades de independência com estudantes e ex-alunos da Universidade de Harvard, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts [MIT] e outras instituições de ensino superior. Crédito: Ollie Cantos Facebook

“Eles continuam a progredir e fazem isso a seu modo”, disse Ollie Cantos. “Apesar da adversidade ao longo do caminho, eles ainda dão o seu melhor.” 

Ele costuma dizer a seus filhos: “Vocês precisam ser o melhor que puderem, não importa o que decidam ser.”

“Sempre que surgem momentos de dificuldades, dizemos só por perguntar: ‘Pai, qual é o meu lugar no mundo?’ o que é algo que todos perguntamos … mas por causa da transparência que temos nesta família, conversamos sobre isto juntos”, disse Ollie Cantos. “Às vezes, falo sobre o assunto com eles individualmente e, de vez em quando, eles conversam uns com os outros a respeito da questão. E por causa da incrível união da nossa família, podemos ajudar a fortalecermos uns aos outros.” 

Ollie Cantos tem um currículo extenso no serviço para o governo. Atualmente, ele trabalha como assistente especial do secretário adjunto de direitos civis do Departamento de Educação dos Estados Unidos, um trabalho que passou a cuidar de assuntos além de questões relacionadas à deficiência. 

“Sou muito grato por poder servir no governo. É um prazer poder ajudar a fazer a diferença todos os dias, e promover a igualdade de oportunidades. … Tenho a oportunidade viver minha vida todos os dias realizando um trabalho que amo, promovendo causas com as quais me importo, tudo perfeitamente de acordo com o que o nosso evangelho defende”, disse ele.  

Luta contra a COVID-19

Em abril de 2020, cada um dos três rapazes contraiu COVID-19. Leo e Nick Cantos foram hospitalizados. Steven teve sintomas leves e ficou em isolamento em casa. 

Embora Ollie Cantos não pudesse estar com os rapazes no hospital, ele manteve contato com seus filhos por meio de telefonemas em grupo. “Eu estava com eles [no telefone], dia e noite”, recordou ele. 

Em um determinado momento, os níveis de oxigênio de Leo estavam caindo, e Ollie Cantos temia perdê-lo. “Houve momentos em que eu realmente chorei, mas havia ativado o modo mudo durante o telefonema, então não deixei que se preocupassem”, disse ele. Ele suplicou ajuda ao Senhor.

Leo, Nick e Steven Cantos são fotografados após sua formatura no ensino médio em junho de 2017. Steven está usando um cordão de honra por seu serviço como secretário do corpo estudantil.
Leo, Nick e Steven Cantos são fotografados após sua formatura no ensino médio em junho de 2017. Steven está usando um cordão de honra por seu serviço como secretário do corpo estudantil. Crédito: Ollie Cantos Facebook

“Durante todo esse tempo, senti apenas o amor de nosso Salvador. Eu simplesmente sabia que o que era para acontecer, aconteceria. Mas estava disposto a fazer qualquer coisa, tudo que fosse necessário, para que eles pudessem viver”, disse Ollie Cantos. 

Quando questionado sobre o que aprendeu com sua batalha contra a COVID-19, Nick Cantos disse: “Aprendi a lutar.” 

Ele também enfrentou circunstâncias terríveis enquanto estava no hospital. “Quando as pessoas ao seu redor falam sobre ventiladores, DNR (decisão de não reanimar), ou coisas desse tipo, você precisa fazer tudo que está ao seu alcance para seguir em frente. …

“Estou totalmente curado, o que é ótimo, mas isso não poderia ter acontecido sem o Espírito. O Senhor salvou minha vida.”

Leo Cantos também reconhece que os princípios do evangelho e sua fé em Deus os ajudaram a sobrepujar esta provação. “Pude ler as escrituras e ter uma ideia de como ser uma pessoa mais forte, de modo que, quando passei por essa terrível COVID, consegui ter muito mais força e permanecer com Deus”, disse ele. 

Steven Cantos acrescentou: “O Senhor estava conosco … mesmo durante os momentos mais difíceis.”

Agora que as restrições da pandemia estão sendo removidas em sua cidade, Steven Cantos disse que está animado para poder “viver a vida” novamente. “Sair e experienciar o mundo novamente após ter ficado trancado por um ano é realmente algo maravilhoso”, disse ele. 

Serviço ao próximo

Como família, Ollie Cantos e seus filhos oram diariamente para que possam servir ao próximo de qualquer forma possível. 

“Estamos dispostos a ajudar pessoas sem deficiência. Estamos dispostos a ajudar pessoas com deficiência. Seja o que for preciso, porque estamos todos aqui uns para os outros”, disse Ollie Cantos. 

“E não importa para onde vamos no mundo, sempre sentimos o amor de outras pessoas, e estamos ansiosos para oferecer isso ao próximo. Então, se alguém precisa de nós, em vez de perguntarmos que tipo de ajuda é necessária, apenas nos oferecemos para servir.”

Cel. West, líder da tropa escoteira, concede um reconhecimento especial a Ollie Cantos durante uma Corte de Honra, na qual seus filhos Nick, Steven e Leo (da esquerda para a direita) avançaram para a Segunda Classe, no dia 17 de setembro de 2014.
Cel. West, líder da tropa escoteira, concede um reconhecimento especial a Ollie Cantos durante uma Corte de Honra, na qual seus filhos Nick, Steven e Leo (da esquerda para a direita) avançaram para a Segunda Classe, no dia 17 de setembro de 2014. Crédito: Jared Whitley

Steven, Nick e Leo Cantos também apreciaram a variedade de chamados que tiveram na Igreja. Cada um teve a oportunidade de servir em uma presidência do quórum do Sacerdócio Aarônico em sua juventude, o que os ajudou a desenvolverem habilidades de liderança e confiança. 

Um dos chamados favoritos de Steven foi servir como professor da Primária. “Eu nunca estive na Primária (durante minha infância). Não tive essa experiência. Ensinar na Primária nos proporciona praticamente a mesma experiência: aprendemos mais e podemos refrescar nossa memória com as coisas mais simples. …

“Ensinar crianças de 6 e 7 anos de idade a respeito do que podemos considerar como básico, mas que, na realidade, são ideias fundamentais de nossa doutrina, provavelmente foi uma das experiências mais poderosas para mim.”

Ao refletir sobre a jornada da família Cantos ao longo dos anos, Carlton disse: “Acho que sua história é um exemplo para todos nós de como não permitirmos que os desafios em nossa vida nos definam e, ao invés disso, deixarmos que nosso espírito, nossas escolhas positivas e nossos desejos definam quem somos.”