Jovens santos dos últimos dias do Texas ‘estão à altura do desafio’ da extenuante corrida espartana

Pense nas características que definiram os espartanos: igualdade, aptidão, dever, disciplina e coragem.

Muitos jovens santos dos últimos dias possuem características similares com aquela antiga sociedade guerreira. O programa Crianças e Jovens da Igreja desafia a juventude a adotar os princípios do evangelho e características nobres, enquanto estabelecem metas para alcançar o crescimento espiritual, social, intelectual e físico.

Portanto, talvez seja apropriado que um grupo de rapazes — e uma jovem muito em forma — da ala Hamilton Pool, Estaca Austin Texas West, tenham trabalhado juntos recentemente para competir em uma corrida espartana local— uma popular competição de resistência que inclui corrida de longa distância e vários obstáculos físicos pesados, como subidas de corda, levantamento de sacos de areia, rastejar por arame farpado e arremessos de lança.

“Queríamos que nossos jovens se concentrassem em algo que trouxesse alegria,” disse o bispo Jeff Harbach sobre a decisão de treinarem e competirem na corrida.

À primeira vista, uma corrida espartana extenuante no calor úmido do Texas pode não parecer “alegre.” Mas o bispo, e vários de seus jovens “espartanos”, concordam que a alegria — embora suada e exaustiva — foi encontrada ao se prepararem e competirem juntos.

No ano passado, os quóruns dos sacerdotes e mestres da ala Hamilton Pool, talvez por estarem cansados da pandemia, decidiram fazer algo fisicamente exigente juntos como parte do programa Crianças e Jovens.

O bispo Harbach sugeriu treinarem juntos para uma corrida espartana que incluiria uma corrida em uma trilha de 10,7 km e 30 obstáculos físicos diferentes.

Os rapazes da ala Hamilton Pool, Estaca Austin Texas West, treinam juntos em preparação para uma corrida espartana de 2021. Eles participaram da corrida como uma meta de preparação física do programa Crianças e Jovens da Igreja.
Os rapazes da ala Hamilton Pool, Estaca Austin Texas West, treinam juntos em preparação para uma corrida espartana de 2021. Eles participaram da corrida como uma meta de preparação física do programa Crianças e Jovens da Igreja. Credit: Cortesia do bispo Jeff Harbach

A resposta dos jovens?

“Parece ótimo, bispo.”

Os padrões de forma física dos quóruns do Sacerdócio Aarônico da ala Hamilton Pool são bem típicos da maioria dos quóruns da Igreja. Alguns membros são mais ativos fisicamente do que outros.

“Então, para muitos de nossos jovens, uma corrida espartana normalmente não seria algo que planejassem fazer”, disse o bispo Harbach, “mas eles estabeleceram uma meta, e então estabelecemos um exercício diário e um programa de check-in semanal que eles tiveram que manter.”

Ao longo de vários meses, durante o inverno e a primavera, os rapazes e seus líderes realizaram milhares de flexões e abdominais — e muitlos quilômetros de corridas e caminhadas. Os diáconos eram muito jovens para participar da corrida espartana, mas se juntaram aos meninos mais velhos no programa de treinamento.

“Muitas de nossas noites com os jovens foram passadas treinando juntos, o que foi superdivertido porque nos unimos”, disse o bispo Harbach. “Foram tantas as lições que aprendemos. Mais importante, aprendemos que podemos fazer coisas difíceis.”

Tema dos Jovens de 2021: “Portanto não vos canseis de fazer o bem, pois estais lançando o alicerce de uma grande obra. E de pequenas coisas provém aquilo que é grande. Eis que o Senhor requer o coração e uma mente solícita” (D&C 64:33-34).
Tema dos Jovens de 2021: “Portanto não vos canseis de fazer o bem, pois estais lançando o alicerce de uma grande obra. E de pequenas coisas provém aquilo que é grande. Eis que o Senhor requer o coração e uma mente solícita” (D&C 64:33-34). Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

O Tema dos Jovens de 2021, “Uma Grande Obra”, é inspirado em Doutrina e Convênios 64:33-34: “Portanto não vos canseis de fazer o bem, pois estais lançando o alicerce de uma grande obra. E de pequenas coisas provém aquilo que é grande. Eis que o Senhor requer o coração e uma mente solícita.”

Treinar juntos para a corrida espartana significou a aplicação física deste tema para os líderes e sacerdotes da ala Hamilton Pool. Cada participante cresceu — e os quóruns cresceram juntos.

“Nossos rapazes estavam aprendendo que grandes coisas vêm de coisas pequenas e simples. Essas coisas pequenas e simples eram seus exercícios diários”, disse o bispo Harbach. “E quando checavam a cada mês para marcar seu progresso, eles viam que estavam fazendo mais e mais flexões ou abdominais.

“Eles estavam aprendendo lições espirituais e temporais.”

Também estavam sentindo a alegria de trabalharem juntos para alcançarem uma meta em quóruns.

“Este sempre foi um evento de equipe; os meninos não estavam competindo entre si”, disse o bispo Harbach. “Desde o início, dissemos que faríamos a corrida espartana como quóruns e como uma irmandade, e que iríamos ajudar um ao outro.”

Os desempenhos individuais no dia da corrida do final da primavera variaram. Alguns dos sete meninos se empolgaram no percurso. Outros foram um pouco mais conservadores. Mas, ao longo da corrida, eles torceram uns pelos outros, especialmente quando as coisas ficaram difíceis no final da corrida.

Um mestre, Mikhael Ford, começou a ter cãibras perto do final da corrida e ficou um pouco para trás. O bispo recuou e “fez companhia” para o seu jovem amigo, caminhando e correndo ao seu lado.

“Lembro-me de Mikhael me dizendo: ‘Uau, bispo, isso é muito difícil — mas também é muito divertido.’”

Eles logo viram que os outros membros do quórum estavam esperando os seus “companheiros de equipe”.

Mikhael disse ao Church News que foi fortalecido pela irmandade de seu líder do sacerdócio e outros membros do quórum.

Quando o bispo voltou para ajudá-lo, Mikhael disse: “Eu podia sentir a força do sacerdócio e o amor puro irradiando dele. (…) Isso me fez querer ser um líder incrível como o bispo. Dessa forma, poderei levar alegria e felicidade, não apenas a outras pessoas em meu quórum ou ala, mas a todos em minha vida — família, amigos, colegas de trabalho e professores.”

No final, nem todos do quórum cruzaram a linha de chegada. Mas a recompensa, conforme o grupo de Hamilton Pool descobriu, não veio através de medalhas ou classificação em corridas.

A recompensa estava na jornada compartilhada.

“Na vida, nem sempre há uma linha de partida e uma linha de chegada clara”, disse o bispo. “Às vezes, a vida é uma estrada sinuosa pela qual você apenas descobre seu caminho. (…) No entanto, todo esse trabalho é importante para aprender que podemos fazer coisas difíceis.”

Mesmo estando fisicamente exaustos, cada jovem — e seus líderes adultos — saíram com a cabeça erquida após a corrida espartana.

“Eles aprenderam que a preparação é realmente importante”, disse o bispo Harbach. “Quando os rapazes estiverem estabelecendo sua próxima meta espiritual — talvez ler o Livro de Mórmon antes de servir missão — eles saberão que conseguem fazer isso.”

Desde a corrida espartana, os líderes dos jovens viram “uma grande diferença” na unidade do quórum depois de compartilharem uma experiência difícil juntos.

Os rapazes não foram os únicos “espartanos” a representar a Ala Hamilton Pool na corrida.

Ashton Ballou, de 17 anos, da ala Hamilton Pool, Estaca Austin Texas West, participou de uma corrida espartana recentemente com seu pai, Ben Ballou. Vários dos jovens da ala de Ashton também competiram na difícil corrida.
Ashton Ballou, de 17 anos, da ala Hamilton Pool, Estaca Austin Texas West, participou de uma corrida espartana recentemente com seu pai, Ben Ballou. Vários dos jovens da ala de Ashton também competiram na difícil corrida. Credit: Coretesia de Ashton Ballou

Ashton Ballou, de 17 anos, também competiu. “E estamos igualmente orgulhosos dela”, disse o bispo Harbach.

Ashton treinou e correu com seu pai, Ben Ballou. Durante as frequentes sessões de treinamento para pai e filha, os Ballous discutiam os princípios do evangelho que Ashton aprendeu nas atividades dos jovens e também sobre como alcançar metas e se aproximar de Cristo.

“Não treinei com os rapazes, mas saber que eles fariam a corrida me incentivou a trabalhar mais”, disse Ashton.

Nem todo quórum do sacerdócio na Igreja terá acesso a uma corrida desafiadora e cheia de obstáculos. Mas muitas das lições que os jovens e líderes da ala Hamiliton Pool aprenderam são aplicáveis aos santos dos últimos dias, em qualquer lugar do mundo.

“Gostaria apenas de desafiar todos [os meus colegas líderes] a dar o melhor de si ao interagir com os jovens”, disse o bispo Harbach. “Escute sua juventude. Ame sua juventude. Fale com eles sobre o que eles gostam de fazer e, em seguida, expanda os limites do que parece possível.”

“Eles estarão à altura do desafio.”