Semana de Educação da BYU: Como o amor de Deus e o evangelho de Jesus Cristo podem ajudar aqueles que lutam contra o vício

O vício é uma das principais ferramentas do adversário hoje. Por meio do vício em drogas, pornografia, dispositivos eletrônicos ou outras substâncias e comportamentos, o arbítrio pode ser roubado e a pessoa é levada a abandonar o que sabe ser certo.

Jason Webb, terapeuta e representante da Wasatch Behavioral Health [Saúde Comportamental Wasatch], compartilhou sua experiência e conhecimento no tratamento de vícios por meio de ajuda clínica e espiritual, em uma aula realizada na terça-feira, 17 de agosto, durante a Semana de Educação da BYU de 2021.

O que é o vício?

O vício é uma desregulação da dopamina do mesencéfalo, ou do sistema de prazer, devido ao estresse não controlado, resultando em sintomas de diminuição do funcionamento, especificamente perda de controle, desejo e uso persistente de drogas, apesar das consequências negativas, disse Webb.

Ele citou Presidente M. Russell Ballard, Presidente em Exercício do Quórum dos Doze Apóstolos, que disse em seu discurso na conferência geral de outubro de 2010: “Os vícios são tudo o que nos leva a render-nos a algo que nos faça abrir mão de nosso arbítrio e passar a ser dependente de qualquer substância ou comportamento destrutivos.”

Webb deu uma visão geral do que acontece em um cérebro viciado em drogas, mas observou que “o mesmo … acontece com todos os vícios.”

Participantes vão para outras classes durante a Semana de Educação da BYU em Provo na terça-feira, 17 de agosto de 2021.
Participantes vão para outras classes durante a Semana de Educação da BYU em Provo na terça-feira, 17 de agosto de 2021. Credit: Wendy Wilson

O modelo para uma doença é simples, disse Webb. “Existe um órgão, depois existe um defeito causado por alguma coisa e, depois, os sintomas da doença.” Por exemplo, um pâncreas pode ter um defeito no qual não produz insulina, e os sintomas incluem glicose elevada no sangue, visão turva, coma e outros.

No caso da doença da dependência de drogas, o cérebro tem um defeito e o sintoma é o vício. Mas essa pessoa já está em desvantagem porque “o cérebro é um órgão rígido”, disse Webb. “Não existem bons testes para doenças cerebrais.” Não há como testar alguém para ver se ela se tornará um viciado mais tarde na vida.

O que causa o vício?

Todo vício ocorre “porque alguém está tentando entorpecer algo”, disse Webb. “É uma pausa na vida. É uma fuga. Todos os vícios são assim.”

Todos enfrentam o estresse, mas nem todos experimentam o mesmo nível ou padrões de estresse, ou têm os mesmos mecanismos para enfrentá-lo, disse Webb. “É por isso que, como terapeutas, queremos dar um monte de diferentes tipos de ferramentas, porque esperamos que uma delas possa funcionar para você.”

Pensava-se que a parte do córtex frontal do cérebro, que controla o pensamento lógico, era responsável pelo vício. Mas estudos têm mostrado que não é esse o caso. Em vez disso, o mesencéfalo é responsável pelo vício. O mesencéfalo é uma parte subconsciente e instintiva do cérebro que não pensa. “Você provavelmente conhece isso como a luta, fuga ou congelamento de parte do cérebro,” disse Webb.

“Quando o vício começa a acontecer, ele vai para o subconsciente, para o mesencéfalo, que se torna automático.”

Então, qualquer pessoa que pergunta a um viciado: “No que você estava pensando? Você não estava pensando em sua família?” a resposta honesta é “Não.”

“Por quê?”, disse Webb. “Porque quando o nível de estresse sobe muito em sua vida, seu córtex frontal se desliga. O mesencéfalo entra em ação. Ele fará tudo e qualquer coisa para garantir a sobrevivência. Depois de garantir a sobrevivência, ele se desligará. O córtex frontal volta a funcionar, e agora somos lógicos.”

Participantes da Semana de Educação da BYU caminham durante um intervalo entre aulas no campus da BYU em Provo, Utah, na segunda-feira, dia 16 de agosto de 2021.
Participantes da Semana de Educação da BYU caminham durante um intervalo entre aulas no campus da BYU em Provo, Utah, na segunda-feira, dia 16 de agosto de 2021. Credit: Rebeca Fuentes, BYU Photo

Durante este processo, o mesencéfalo envia cortisol, que causa um efeito entorpecente, e dopamina, que causa prazer.

Cada pessoa experimenta picos de dopamina, especialmente durante os momentos felizes. Uma certa quantidade de dopamina ultrapassa o limiar do prazer, dando à pessoa uma sensação agradável.

“O problema com as drogas e o vício é que libera muita dopamina. Ao mesmo tempo, isso está empurrando este limite de prazer tão alto que os acontecimentos que todos gostaram no passado não são mais agradáveis”, disse Webb. Frequentemente, os usuários de drogas se sentem incapazes de serem felizes sem a dose de dopamina que a substância proporciona.

“A boa notícia é que, com o tempo, [o limiar do prazer] começará a cair” depois de algum tempo sem a substância, disse Webb.

Existem muitos produtos químicos, como nicotina e CBD, e comportamentos como o uso de pornografia, que liberam dopamina e podem resultar em dependência. A cafeína é a droga mais consumida no mundo. O jogo é o vício com maior taxa de suicídio. Os transtornos alimentares, como bulimia e compulsão alimentar, são um vício com uma taxa de mortalidade, mais elevada do que o uso de drogas. O vício em eletrônicos não é algo que apenas os jovens experienciam.

Como superar o vício

Os terapeutas têm duas tarefas no tratamento da dependência. Primeiro, dar ao viciado ferramentas viáveis e confiáveis para gerenciar proativamente o estresse e diminuir o desejo. “Eles têm que falar sobre isso, eles têm que sair do sistema, podem fazer exercícios, escrever em um diário, apenas falar com um terapeuta ou um amigo, eles têm que tirar o estresse fora de sua vida”, disse Webb.

Em segundo lugar, para cada dependente individual, encontre o que é mais significativo emocionalmente do que a droga — e substitua a droga com aquilo. “É aí que entra a espiritualidade.”

“Então, se pudermos substituir ou dar-lhes os mecanismos de enfrentamento para irem ao AA [Alcoólicos Anônimos] ou ao [Programa de Recuperação de Dependências] da Igreja, ensiná-los sobre a Expiação, o perdão e o amor de Deus, então o córtex frontal permanece ativo”, disse Webb. “Se o córtex permanecer ativo, o mesencéfalo nunca entra em ação e eles estão no controle do que estão fazendo.”

A irmã Harriet Uchtdorf e Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fazem corações com as mãos para a audiência depois do discurso de Élder Uchtdorf no Marriott Center, no campus da BYU na terça-feira, dia 17 de agosto de 2021, em Provo, Utah, como parte da Semana da Educação da BYU, realizada anualmente.
A irmã Harriet Uchtdorf e Élder Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fazem corações com as mãos para a audiência depois do discurso de Élder Uchtdorf no Marriott Center, no campus da BYU na terça-feira, dia 17 de agosto de 2021, em Provo, Utah, como parte da Semana da Educação da BYU, realizada anualmente. Credit: Wendy Wilson

Presidente Russell M. Nelson ofereceu esta receita espiritual em seu discurso na conferência geral de outubro de 1988: “Escolha estar vivo, escolha acreditar, escolha mudar, escolha ser diferente, escolha fazer exercícios, escolha ser livre.”

Todos querem e precisam sentir o amor de Deus. “Quando não fazemos isso, seguimos em uma de duas direções. Ou negamos o amor a nós mesmos, ou buscamos amor em fontes externas. Se negarmos o amor a nós mesmos, pode ser suicídio, automutilação, uso de drogas e álcool ou distúrbios alimentares. Se você busca o amor de fontes externas, parece como popularidade, sexo, cirurgias cosméticas, gangues ou mentiras”. Nada disso preencherá o buraco deixado por não sentir o amor de Deus.

“Presto meu testemunho de que, seja o que for que estejamos passando na vida, Cristo pode nos libertar dessa escravidão se entregarmos nossa vida e nossas vontades a Ele”, disse Webb. “Ele nos ama, Ele nunca nos levará para o mal. E Ele não apenas conhece o caminho, Ele é o caminho.”