Santos dos últimos dias nos Jogos Paralímpicos, dia 3: Rúgbi em cadeira de rodas, vôlei sentado, goalball, esgrima e arco e flecha

Uma vitória nos momentos finais de uma partida de rúgbi em cadeira de rodas significa que a equipe dos E.U.A. seguirá para as semifinais. Jogos preliminares de goalball, vôlei sentado e arco e flecha, além de lutas de esgrima em cadeiras de rodas, também fizeram parte do terceiro dia de competições para atletas ligados a A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias nos Jogos Paralímpicos de Tóquio.

Rúgbi em cadeira de rodas

Joshua Wheeler, dos Estados Unidos, centro, controla a bola contra a defesa do Canadá durante uma partida do grupo da fase de classificação de rúgbi em cadeira de rodas nos Jogos Paraolímpicos de Tóquio 2020, quinta-feira, 26 de agosto de 2021, em Tóquio, Japão.
Joshua Wheeler, dos Estados Unidos, centro, controla a bola contra a defesa do Canadá durante uma partida do grupo da fase de classificação de rúgbi em cadeira de rodas nos Jogos Paraolímpicos de Tóquio 2020, quinta-feira, 26 de agosto de 2021, em Tóquio, Japão. Credit: Shuji Kajiyama, Associated Press

Em um jogo tenso de rúgbi em cadeira de rodas vencido no último minuto, a equipe dos E.U.A. venceu a Grã-Bretanha por 50×48 em seu terceiro jogo do Grupo B na sexta-feira, 27 de agosto. Os E.U.A. ficaram atrás da Grã-Bretanha na final de três dos quatro períodos de oito minutos.

O americano Josh Wheeler, de 41 anos, marcou 17 tentativas, incluindo a última do jogo, e jogou por quase 30 minutos, incluindo uma ida à área de pênalti. Esta é a segunda paralimpíada do residente do Arizona que quebrou o pescoço em um acidente de motocicleta há 15 anos, fazendo com que perdesse a função da parte inferior do corpo. Ele fez parte do time que conquistou a medalha de prata em 2016 no Rio de Janeiro, Brasil.

As oito equipes mistas de rúgbi em cadeira de rodas, que podem incluir homens e mulheres, são divididas em dois grupos e cada equipe joga com as outras três equipes do grupo. A equipe dos E.U.A. está com 3-0 no Grupo B, com a Grã-Bretanha (2-1), Canadá (1-2) e Nova Zelândia (0-3), e as duas primeiras equipes de cada grupo avançam para fase de medalhas.  

O rúgbi em cadeira de rodas combina elementos de futebol (jogar a bola e colocar a bola na área do gol), basquete (driblar a bola) e hóquei (pênaltis e colisão entre si). A classificação de Wheeler é 2,5 pontos, com 3,5 a maior mobilidade, e as equipes podem ter quatro jogadores com um total de até 8 pontos na quadra.

Vôlei sentado

A seleção canadense de vôlei sentado, incluindo a atacante Payden Vair, perdeu de 3×2 para o Brasil em uma rodada preliminar na sexta-feira, 27 de agosto. O Canadá venceu o primeiro set por 21-25, perdeu os próximos dois por 26-24 e 25-20 e venceu o quarto por 29-27. Perdeu o quinto set por 17-15. Vair jogou no terceiro e quarto sets.

O vôlei sentado é semelhante ao vôlei de quadra e tem uma rede mais baixa (um pouco mais que um metro de altura, ou cerca de 41 polegadas, para as mulheres) e uma quadra um pouco menor.

Vair, de 22 anos de Alberta, era uma jogadora de futebol universitária e foi apresentada ao vôlei sentado após um acidente com o cortador de grama que resultou na amputação de sua perna direita abaixo do joelho.

As oito equipes de vôlei sentado feminino são divididas em dois grupos e cada equipe joga com as outras três equipes do grupo. O Canadá está no Grupo A com a Itália (1-0), Brasil (1-0) e Japão (0-1). As duas primeiras equipes de cada grupo avançam para as semifinais.

Goalball

Daryl Walker dos EUA, à direita, após marcar um gol durante a primeira metade da partida de goalball da equipe dos EUA contra o Japão durante os Jogos Paraolímpicos em Tóquio na sexta-feira, 27 de agosto de 2021.
Daryl Walker dos EUA, à direita, após marcar um gol durante a primeira metade da partida de goalball da equipe dos EUA contra o Japão durante os Jogos Paraolímpicos em Tóquio na sexta-feira, 27 de agosto de 2021. Credit: Captura de tela via nbcolymics.com

O americano Daryl Walker marcou o único gol da derrota dos E.U.A. de 11×1 para o Japão na sexta-feira, 27 de agosto, em uma rodada preliminar. O jogo terminou cedo, uma vez que o Japão alcançara 10 pontos de vantagem.

Walker, que nasceu na Flórida e treina em Indiana, tem um albinísmo que afeta sua visão e é legalmente cego. Ele fez parte do time que conquistou a prata em 2016 no Rio.

O goalball, um esporte projetado para deficientes visuais, é jogado em uma quadra do tamanho de uma quadra de vôlei, com linhas texturizadas e uma bola do tamanho de uma bola de basquete com sinos. Cada equipe pode ter três jogadores na quadra e todos os jogadores usam vendas escuras para igualar a capacidade visual enquanto defendem seu gol, que tem uma trave de 9 m de comprimento e 1,3 m de altura e lançam a bola para marcar pontos. O jogo é composto por dois tempos de 12 minutos.

As 10 equipes de goalball são divididas em grupos e cada equipe joga com todas as equipes de seu grupo. A equipe dos E.U.A. (1-1-0) está no Grupo A, com o Brasil (2-1), Japão (2-0), Argélia (0-2-1) e Lituânia (0-1-1). As quatro melhores equipes de cada grupo avançam para as quartas de final.

Esgrima em cadeiras de rodas

Shelby Jensen, à esquerda, Ellen Geddes e Terry Hayes fazem parte da equipe de esgrima em cadeira de rodas da Equipe dos EUA que compete nos Jogos Paraolímpicos de Tóquio.
Shelby Jensen, à esquerda, Ellen Geddes e Terry Hayes fazem parte da equipe de esgrima em cadeira de rodas da Equipe dos EUA que compete nos Jogos Paraolímpicos de Tóquio. Credit: Ginny Boydston

Shelby Jensen, de 20 anos, se juntou a duas companheiras de equipe na sexta-feira, 27 de agosto, quando a equipe dos E.U.A. lutou com épées [espadas] no torneio de épées feminina. Na classificação geral, os E.U.A. ficaram em sétimo lugar.

A épée é a mais pesada das três armas de esgrima e é como uma espada de duelo.

Na fase preliminar, as oito equipes foram divididas em dois grupos e a equipe dos E.U.A. enfrentou as equipes da Hungria, Ucrânia e China. A seleção da China conquistou a medalha de ouro e a da Ucrânia a de prata.

Cada partida tem nove lutas, com cada esgrimista enfrentando os três esgrimistas do outro time com um tempo máximo de três minutos para cada luta. Cada esgrimista fica sentado em uma cadeira de rodas presa ao chão e pode mover a parte superior do corpo enquanto ataca, guarda, defende e se engaja.

Jensen, de Salt Lake City, que é cinco vezes campeã nacional, está paralisada do lado direito devido a derrames que teve quando tinha 7 anos de idade. Ela começou a esgrima quando tinha 15 anos e utiliza a mão esquerda. A atleta paralímpica está noiva e planejando se casar em setembro. Ela competiu nos torneios individuais de sabre e espada.

O sabre é derivado da espada de cavalaria. A terceira arma mais leve é ​​o florete, que é derivado de uma espada da corte, de acordo com olympics.com.

Tiro com arco

Membros da equipe verificam seu alvo após uma sessão da rodada preliminar de arco e flecha recurvo do torneio individual na sexta-feira, 27 de agosto, em Tóquio, Japão.
Membros da equipe verificam seu alvo após uma sessão da rodada preliminar de arco e flecha recurvo do torneio individual na sexta-feira, 27 de agosto, em Tóquio, Japão. Credit: Shuji Kajiyama, Associated Press

Eric Bennett, dos E.U.A., marcou 608 pontos após atirar 72 flechas na rodada preliminar de arco e flecha recurvo do torneio individual na sexta-feira, 27 de agosto. Ele foi classificado em 15º lugar na geral entre 31 arqueiros. As pontuações da rodada preliminar são usadas para definir a chave para os torneios individuais e de equipe. Bennett enfrentará o australiano Taymon Kenton-Smith, que estava em 18º lugar, no dia 3 de setembro, quando o torneio chega nas oitavas de final.

No evento de equipe mista, Bennett e sua companheira de equipe, Emma Rose Ravish, enfrentarão a equipe do Comitê Olímpico da Rússia na rodada de eliminação no sábado, 4 de setembro.

Os arqueiros atiram em um alvo de 122 centímetros de diâmetro que está a 70 m, localizado a cerca de 76,5 m de distância. A banda central do alvo é de 10 pontos e a banda externa é de 1 ponto.

Bennett, de 48 anos, de Surprise, Arizona, está atirando em sua quarta Paralimpíada. Ele ficou em oitavo lugar na divisão recurvo nos Jogos do Rio de Janeiro de 2016 e quarto nos Jogos de 2012 em Londres. O professor de física e engenharia do ensino médio ganhou a prata no campeonato mundial em 2019. Ele perdeu o braço direito acima do cotovelo em um acidente de carro quando tinha 15 anos e usa uma aba para puxar a corda.Leia mais sobre a cobertura do Church News de atletas ligados à Igreja competindo nas Paraolimpíadas